Banner Vista de Livro

Palavras chave | Key Words

Açores | África | Afrodite | Agricultura | Alemanha | Alentejo | Algarve | América | Angola | Anti-Clericalismo | Antigo Regime | Antologia | Antropologia | Aramaico | Arqueologia | Arquitectura | Arquitectura Militar | Arquitectura Religiosa | Arte | Arte Monumental | Arte Popular | Arte Portuguesa | Artes Decorativas | Artes Plásticas | Artesanato | Autógrafos | Aveiro | Azurara | Bacalhau | Barrancos | Beira | Bibliofilia | Bibliografia | Biografia | Botânica | Braga | Bragança | Brasil | Cabo Verde | Caça | Calão | Camiliana | Camões | Campo Maior | Canada | Caricaturas | Casa de Bragança | Castelo Branco | Castelo de Vide | Catálogo | Ceilão | Censura | Cervantes | Ceuta | Chaves | China | Ciências | Ciganos | Cinema | Coimbra | Colonização | Conto | Contos | Costumes | Cristãos Novos | Crítica | Crónica | Cuba | Culinária | D. Henrique | Dança | Descobrimentos | Descolonização | Dicionário | Diplomacia | Direito | Ditadura | Douro | Economia | Edição especial | Educação | Educação Sexual | Emigração | Ensaio | Ensino | Epístola | Epistolografia | Ericeira | Erotismo | Escultura | Esoterismo | Espanha | Estado Novo | Estanho | Estremoz | Estudos Pessoanos | Etnografia | Europa | Évora | Fauna | Feminismo | Fernando Pessoa | Figueira da Foz | Filologia | Filosofia | Flora | Folclore | Fotografia | França | Fundão | Galiza | Genealogia | Geografia | Gil Vicente | Goa | Grécia | Guerra | Guerra Colonial | Guerra Peninsular | Guiné | Hagiografia | Hebraico | História | História Natural | Humanismo | Idade Média | Igreja | Iluminura | Ilustração | Imprensa | In Memoriam | Índia | Inglaterra | Inquisição | Invasões Francesas | Itália | Japão | Jesuítas | Jogo de Cartas | Jornalismo | Judeus | Latim | Leiria | Linguagem | Linguística | Lisboa | Literatura | Literatura de Cordel | Literatura de Viagens | Literatura Infantil | Literatura portuguesa | Livro | Livros Proibidos | Macau | Maçonaria | Madeira | Malacologia | Manuel Macedo | Mariana Alcoforado | Marinha | Marquês de Pombal | Marrocos | Medicina | Memórias | Militar | Minho | Misericórdias | Missões | Mitologia | Moçambique | Modernismo | Monarquia | Muçulmanos | Música | Música Portuguesa | Neo-Realismo | Novela | Oriente | Ourivesaria | Patuleia | Pedagogia | Pesca | Pintura | Piratas | Poesia | Polémica | Polícia | Política | Porto | Portugal | Presença | Primeira Guerra Mundial | Primeiras edições | Propaganda | Prostituição | Queirosiana | Quintentista | Raro | Regional | Religião | Religiosa Portuguesa | Renascimento | República | Restauração | Revista | Ribatejo | Romance | Romanceiro | Romantismo | S. Tomé e Príncipe | Salazar | Santarém | Sátira | Sebastianismo | Segunda Guerra Mundial | Sermão | Sexualidade | Sociedade | Solares | Surrealismo | Tauromaquia | Tavira | Teatro | Tecnologia Tradicional | Teologia | Termas | Terminologia Militar | Timor | Tiragem Especial | Torres Vedras | Tradução | Trás-os-Montes | Tratado | Turismo | Ultramar | Universidade | Viagens | Viana do Castelo | Vila Nova de Gaia | Vinho | Viseu | Vista Alegre | Zoologia

Módulo background

ARNOSO, Conde de

Foram localizados 2 resultados para: ARNOSO, Conde de

 

Referência:13902
Autor:ARNOSO, Conde de
Título:JUSTIÇA
Descrição:

 França Amado-Editor, Coimbra, 1908. In-8º de 64-(1) págs. Br. Capa de brochura com sinais de manuseamento e lombada com falta de estrtura de suporte.

PRIMEIRA EDIÇÃO.
INVULGAR.

 

Observações:

Um dos  dos três opúsculos publicados com este título "Justiça!", pelo autor e onde ele exige a punição dos implicados no regícidio.
O conde de Arnoso era contemporâneo e amigo de alguns dos principais vultos da Geração de 70, integrou o grupo dos Vencidos da Vida.

Preço:10,00€

Referência:11876
Autor:ARNOSO, Conde de
Título:AZULEJOS
Descrição:Portugal Brasil Sociedade Editora, Lisboa, s/d. In-8º de XXXVII -173 págs. Encadernação meia inglesa em pele com dizeres a ouro na lombada. Conserva capas de brochura. Com uma pequena assinatura de posse.
Observações:Livro de contos com um extenso, polémico e histórico prefácio de Eça de Queiroz, datado de Bristol, 1886 quevai até a páginas 47 e onde Eça emite a sua opinião sobre o conto"No conto tudo precisa de ser apontado num risco leve e sóbrio: das figuras deve-se ver apenas a linha flagrante e definidora que revela e fixa uma personalidade; dos sentimentos apenas o que caiba num olhar, ou numa dessas palavras que escapa dos lábios e traz todo o ser; da paisagem somente os longes, numa cor unida."
Aproveita também para tecer considerações sobre as fragilidadesdo romantismo, chegando mesmo a insinuar que houve uma debandada de muitos românticos oportunistas, que ao verem seus livros sendo preteridos pela nova onda literária, começaram a escrever sob os moldes realistas: "Sim, amigo, este homens puros, vestidos de linho puro, que tão indignamente nos arguiram de chafurdarmos num lameiro, vêm agora pé ante pé lambuzar-se com nossa lama! Depois, erguendo bem alto as capas de seus livros, onde escreveram em grossas letras este letreiro – romance realista, – parecem dizerem ao Público, com um sorriso triste na face mascarada: – ‘ Olhem também para nós, leiamnos também a nós ... Acreditem que também somos muitíssimo grosseiros, e que também somos muitíssimo sujos."
Preço:35,00€