Banner Vista de Livro
 Aplicar filtros
Livros do mês: Junho 2024
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

BRANDÃO, Raúl

Foram localizados11 resultados para: BRANDÃO, Raúl

 

Referência:15059
Autor:BRANDÃO, Raúl
Título:MEMÓRIAS. Volume I (II e III)
Descrição:

Perspectivas & Realidades, Lisboa, s.d. (1988). In-8º de 3 volumes com 241-(5), 219-(3) e 213-(1) págs. Brochado. Muito ilustrado à parte, sobre papel couché, retratos de persoanldiades com quem Raul Brandão privou, documentos, facsimiles, etc ...
Ostenta ex-libris heráldico.  Primeiro volume com alguns cadernos desarticulados, prórpio da qualidade de encadernação colada, técnica comum e tão característica desta época.

Observações:

Nas palavras de Alexandre Honrado a prop´sotio da última edição de Memórias de Raul Brandão, pela Quetzal : 
" ... Raul Brandão foi escritor, jornalista e militar, com longas permanências no Ministério da Guerra, envolvido portanto na máquina burocrática militar. Por vezes, sabemo-lo bem, as três funções (de escritor, jornalista e militar ) confundem-se na diversidade das linhas de batalha. Certo é que Brandão viveu a vida portuguesa das intensidades: o nascimento da I República, a barbárie da I Grande Guerra e a sangria do Golpe Sidonista e o início desse nado-morto destinado a apodrecer por décadas, o Estado Novo. Viveu, pois, a grande agitação política (as duas primeiras décadas do século XX); e assim sendo, as suas obras “constituem um testemunho indispensável para se compreender não apenas a sua obra mas também o país a que ela se refere como uma obsessão”. Mas a agilidade da prosa, a dinâmica da construção de cenários literários e dramáticos, a presença de recursos estilísticos onde nem a ironia falta, guindam-no ao patamar supremo dos melhores. As suas Memórias destacam o que de uma vida intensa mais o relevou. São três volumes (...) e constituem um dos exemplos maiores do género na nossa literatura. Memórias pessoais, memórias do seu tempo político e cultural, memórias das pessoas com quem o autor privou ao longo de uma vida consagrada à literatura e ao conhecimento dos outros – as recordações de Raul Brandão transportam-nos para um tempo, para uma sensibilidade e para um modo de escrita irrepetíveis: condensam um talento e um génio literário único. Não será exagero sugerir estas Memórias para completar as nossas. É que se trata mesmo de um pedaço de nós. E se nos faltam as memórias, a marca da morte sobressai sobre o que fomos, o que somos – e o que ainda podemos ser ...".

Edição patrocinada pelo Instituto Português do Livro, apresenta no final de cada um dos volumes, umas breves notas do autor:

"O que sei de belo, de grande ou de útil, aprendi-o nesse tempo: o que sei das árvores, da ternura, da dor e do assombro, tudo me vem desse tempo... Depois não aprendi coisa que valha. Confusão, balburdia e mais nada. Vacuidade e mais nada. Figuras equívocas, ou, com raras excepções, sentimentos baços. Amargor e mais nada. Nunca Londres ou a floresta americana me incutiram mistério que valesse o dos quatro palmos do meu quintal. (Volume 1) "

"A certa altura da vida tive a impressão de que me despenhara num mundo de espectros. A face humana meteu-me medo pelo que nela descobria de repulsivo e de grotesco. Fugi para poder viver; tudo me soava falso e me parecia inútil. Paz e uma árvore. Vamos, disse-te, ser como aqueles naúfragos da jangada, que vi numa estampa, agarrados um ao outro, entre o mar encapelado. Estamos nas mãos duma coisa desconforme e frenética que nos dá a ilusão e a morte. Deixemo-nos levar, que isto dura pouco. E daí não sei... (Volume 2)"

"Considero os meses mais felizes da minha vida aqueles em que eu e minha mulher fomos viver para uma aldeia remota. Ainda hoje me penetra a solidão perfumada dos montes. A casa não tinha vidros e à noite o silêncio doirado de estrelas entrava pelas janelas e desabava sobre nós... Há, horas em que as coisas nos contemplam, e estão por um fio a comunicar connosco. Às vezes é um nada, um momento de êxtase em que distintamente ouvimos os passos da vida. caminhando. (Volume 3)"

Preço:35,00€

Referência:15001
Autor:BRANDÃO, Raúl
Título:HISTÓRIA D’UM PALHAÇO. (A Vida e o Diário de K. Mauricio).
Descrição:

Livraria de António Maria Pereira, Lisboa, 1896. In 8º de (4)-171-(2) págs. Encadernação coeva e cartonada, aproveitando as capas de brochura originais. Exemplar muito aparado, sem no entanto nunca afectar a mancha tipográfica. Rúbrica de posse no ante-rosto e frontispício.

PRIMEIRA EDIÇÃO da segunda obra do autor, uma das mais raras no m

Observações:

" ... K. Maurício é uma personagem criada por Raul Brandão que surge esporadicamente na Revista d’Hoje, no Correio da Manhã e no Micróbio, de Celso Hermínio, entre “Dezembro de 1894 e Maio de 1895” (Viçoso, 1999: 157), sendo-lhe atribuída a autoria de um diário fragmentário, com o título “Diário de K. Maurício”. Em 1896, surge a obra História dum Palhaço (A Vida e o Diário de K. Maurício), sendo posteriormente reeditada, em 1926, com o título A Morte do Palhaço e o Mistério da Árvore. O texto e a personagem são sintomáticos da época em que são escritos, na medida em que nos deparamos com três níveis narrativos quase sobrepostos, por um lado, e, por outro, com uma sucessão de alteridades que na sua pluralidade não deixam de ser K. Maurício ..." (Dicionário de Personagens da Ficção Portuguesa)

Preço:65,00€