Banner Vista de Livro
 Aplicar filtros
Livros do mês: Julho 2019
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

FIGUEIREDO, Tomaz

Foram localizados7 resultados para: FIGUEIREDO, Tomaz

 

Referência:9609
Autor:FIGUEIREDO, Tomaz
Título:VIAGENS NO MEU REINO - poema
Descrição:Editorial Verbo, Porto, 1968. In-8.º de 136-(5) págs. Br.
Por abrir.
Observações:(...)"Não obstante a diversidade dos géneros, não obstante a pureza específica de cada um deles, em todas as obras de Tomaz de Figueiredo se manifesta, de modo unitário, a sua complexa personalidade, que oscila constantemente entre o riso e as lágrimas, a chatoca e o êxtase, a revindicta e a ternura.(...)"
Preço:15,00€

Referência:9608
Autor:FIGUEIREDO, Tomaz
Título:A GATA BORRALHEIRA
Descrição:Guimarães Editores, Lisboa, 1961. In. 8º de 405-(2) págs. Br.PRIMEIRA EDIÇÃO.
Observações:Este romance foi distinguido com o Prémio "Diário de Notícias" em 1963.Considerado por muitos um dos mais ricos e vivos romances da literatura contemporânea em lingua portuguesa.
Preço:30,00€

Referência:9607
Autor:FIGUEIREDO, Tomaz
Título:A GATA BORRALHEIRA
Descrição:Guimarães Editores, Lisboa, 1961. In. 8º de 405-(2) págs. Br. Apresenta dedicatória autógrafa " para o Armando que talvez tenha vendido o primeiro exemplar de A TOCA DO LOBO, com um abraço do Tomaz de Figueiredo, Lisboa, 1961" no ante-rosto. PRIMEIRA EDIÇÃO.
Observações:Este romance foi distinguido com o Prémio "Diário de Notícias" em 1963.
Considerado por muitos um dos mais ricos e vivos romances da literatura contemporânea em lingua portuguesa.
Preço:45,00€

Referência:9606
Autor:FIGUEIREDO, Tomaz
Título:PROCISSÃO DOS DEFUNTOS - NOVELA BASTANTE MORAL E TAMBÉM POLICIAL
Descrição:Guimarães Editores, Lisboa, 1954. In. 8.º de 267(3) págs. Br. Capa de brochura com ligeiros picos de acidez. Rubrica de posse no ante-rosto. Primeira edição.
Observações:Tomaz de Figueiredo foi aceite há muito pela crítica mais competente como um dos melhores novelistas e contistas do mundo rural no nosso século XX. Um certo romanesco, eivado de sarcasmo, de herança camiliana, corre pelas intrigas e até estilisticamente marca a obra ficcional de Tomaz de Figueiredo.A vernaculidade da sua prosa e a linguagem castiça de fidalgos, burgueses e gentes do campo fazem-nos também lembrar por vezes Aquilino Ribeiro. Mas são bem diversas as mundivivências de um e de outro.À energia de Aquilino, ao seu olhar malicioso e sensual, à fusão de muitas das suas personagens na fecunda mãe natureza opõe-se a verrina de Tomaz de Figueiredo, o seu tom quase sempre cáustico.Apesar da argúcia e da força do autor de A toca do lobo, caçador emérito, gracejador, mas senhor de uma linguagem colorida, mordaz e fluente, as suas novelas e contos já não comunicam facilmente com a juventude de hoje. A verdade é que o seu mundo rural arcaico já não existe e o texto de Tomaz de Figueiredo não lança pontes para o futuro, como o de Aquilino ou do próprio Camilo. Foram estes textos objecto de culto de muitos leitores, entre os quais me conto,. É certo que o conservadorismo céptico de Tomaz de Figueiredo impediu alguns de devidamente avaliarem a sua arte de narrador.

Urbano Tavares Rodrigues
Preço:30,00€

Referência:9605
Autor:FIGUEIREDO, Tomaz
Título:DOM TANAS DE BARBATANAS - O Doutor Geral
Descrição:Editorial Verbo, Lisboa, 1962. In-8.º de 388(3) págs. Br. (apenas o primeiro volume) Dedicatória autógrafa a Natália Correia, no ante-rosto.Primeira edição. Por abrir.
Observações:Romance satírico e picaresco sobre a ficcionada figura de Dom Tanas de Barbatanas, vivendo em Portugal no século XVIII, a quem sucede um conjunto de peripécias e façanhas supostamente heróicas.

Dom Tanas de Barbatanas Racha-Penedos e Arrincha-Pinheiros Merda-Seca e Come-Gente, ora infausto defunto e aguardando no silencioso solene gelo do carneiro da sua raça e senhorial mansão de seus maiores a trombeta do Arcanjo que o estremunhe e chame a Josafat, não é justo que sòmente fique memorado e passado às vindouras gerações pela incultivada oralidade popular, a qual, no decorrer das idades, sabido é quanto vai desfeiteando e esborratando sucedimentos, escurecendo e estalando esmaltes, delindo o mui verídico e adulterando-o em lendário, cousas essas que a respeito de Dom Tanas de Barbatanas et coetera e Come-Gente não se fazem de preciso, pois que bonda e até sobeja dele a verdade, como sempre desta guisa, quando se trate de personagens de sua compleição e grande bojo.
Preço:38,00€

Referência:9604
Autor:FIGUEIREDO, Tomaz
Título:NÓ CEGO - ROMANCE
Descrição:Guimarães & C.ª Editores, Lisboa, 1950. In. 8.º de 39-(1) págs. Br. Primeira edição.
Observações:Obra que retrata o ambiente literário e ideológico de Coimbra durante a geração da presença.

Contrariando essa tradição de toda uma literatura coimbrã que, mesmo que não se esgote na pitoresca evocação da boémia estudantil, e vá mais longe e mais fundo ao retratar uma juventude que procura e se procura, nas encruzilhadas da cultura da arte e do amor, Nó cego desce a um poço de agonias, poço tão cavado que sufoca qualquer grito. O drama de João Bravo é o de, no seu autismo, não soltar sequer um grito e recusar mãos que talvez se estendessem para o ajudar.”
João Bigotte Chorão
Preço:35,00€

Referência:9602
Autor:FIGUEIREDO, Tomaz
Título:UMA NOITE NA TOCA DO LOBOfuga romântica
Descrição:Guimarães & Co Editores, Lisboa,1952. In-8º de 191-(4) págs. Br. Primeira Edição. Com assinatura de posse.
Observações:Neste romance, um homem de meia-idade, regressa à sua remota juventude, a partir das invocações de um serão de família.

“Dotado da sua própria linguagem, registada com o orgulho e a sensualidade de quem defende um país ameaçado por aquilo que chamaríamos hoje «globalização», o território do lobo ascende aos planos da maravilha, de alguma forma inacessível a quem não dispuser de santo e de senha. ... O texto de Tomaz de Figueiredo, e sobretudo aquele que traça o ciclo da Toca, organiza-se num pequeno tratado de antropologia cultural,... conseguido com o efeito caldeador que possibilita a persistência e a transmissão das marcas culturais. Se aqui reside algo da legitimação do labéu de regionalista com que ao longo da sua vida foi fustigado, ..., o nosso romancista, valerá a pena indagar de que particularismos se edifica a grande literatura, e de que generalizações se fabrica a literatura menor.”
Mário Cláudioin comentários críticos à obra de Tomaz de Figueiredo
Preço:20,00€