Banner Vista de Livro
 Aplicar filtros
Livros do mês: Julho 2019
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

MONACI, Ernesto

Foram localizados1 resultados para: MONACI, Ernesto

 

Referência:14216
Autor:MONACI, Ernesto
Título:IL CANZONIERE Portoghese della Biblioteca Vaticana. Con una Prefazione con facsimili e con altre illustrazioni + IL CANZONIERE Portoghese Colocci-Brancuti.
Descrição:

Max Niemeyer Editore, Halle, 1875. In-4º de XXX-456-(2) págs.: il. Junto com: MOLTENI (Enrico) IL CANZONIERE Portoghese Colocci-Brancuti. Publicato nelle parti che Completano il Codice Vaticano 4803. Max Niemeyer Editore, Halle, 1880. In-4º de XII-188 págs.: il.. Encadernação inteira de pele castanha decorada nas pastas com cercadura dupla dourada, na lombada rótulos de pele vermelha com dizeres dourados e florões decorativos em casas abertas. CONSERVA AS CAPAS DE BROCHURA de ambos os títulos assim como a lombada estando apenas aparado à cabeça com um corte carminado.  Charneiras com sinais de cansaço, de resto excelente exemplar, bem conservado com o miolo muito fresco e de estrutura sólida.
PRIMEIRA EDIÇÃO DA OBRA, já rara de aparecer no mercado. MUITO BOM EXEMPLAR.

Observações:

Cancioneiro da Biblioteca Vaticana constitui uma colectânea medieval de 1200 cantigas trovadorescas escritas em galaico-português (cantigas de amigo, de amor e de escárnio e mal-dizer). Depositado na Biblioteca do Vaticano, deonde deriva o nome pelo qual é conhecido, foi compilado em Itália no final do séc. XV / inícios de XVI. Esta edição diplomática é da responsabilidade de Ernesto Monaci, conhecendo-se ainda uma edição anterior deste manuscrito medieval financiado pelo Visconde da Carreia em 1847.

 

O Cancioneiro Colocci-Brancuti (redigido em seis diferentes estilos caligráficos, com predominância da letra itálica chanceleresca e letra bastarda cursiva) mais tarde denomindado de Cancioneiro da Biblioteca Nacional constitui uma colectânea cantigas trovadoresco galaico-português, compilado em Itália por volta de 1525-1526 por ordem do humanista Angelo Colocci (1467-1549) tendo numerado 1664 composições e anotou praticamente todo o códice. Este manuscrito passou a ser muito mais tarde, pertença do conde Paolo Brancuti di Cagli, de Ancona, que em 1888 o vendeu ao filólogo italiano Ernesto Monaci. Em 1924 foi adquirido pelo Estado Português (anexado ao exemplar que aqui se apresenta para venda, a notícia que saiu no jornal no dia a seguir à sua aquisição) e depositado na Biblioteca Nacional de Lisboa, de onde colheu o nome pelo qual é hoje conhecido.

Das 1664 composições originais chegaram apenas 1560 aos dias de hoje. Entre os trovadores presentes salientam-se o rei Dinis, Sancho I, Pedro conde de Barcelos, Pay Soares de Taveirós, Joham Garcia de Guylhade, Ayras Nunes, Martim Codax, etc.

Segundo Teófilo Braga, poucos anos depois, em 1877,  na revista alemã Romanische Philologie, e a propósito da publicação desta edição em Halle, veio a lume com o importante texto crítico e acutilante (contra o panorama cultural nacional) O Cancioneiro portuguez da Vaticana e suas relações com outros Cancioneiros dos seculos XIII e XIV . diz-nos o seguinte:

"... O apparecimento do Cancioneiro portuguez da Bibliotheca do Vaticano, que encerra quasi toda a poesia lyrica do fim da edade media em Portugal, veiu mais uma vez provar a superioridade da iniciativa individual sobre a estabilidade inerte das instituições collectivas que apenas apresentam o vigor do prestigio official; desde 1847 que a Academia real das Sciencias de Lisboa deixava jazer no pó do archivo de Roma este importante documento nacional, e foram sempre ficticios os esforços para obter uma copia d'elle, que de ha muito devera ter sido reproduzida no corpo dos Scriptores, que forma uma das partes dos Portugaliae Monumenta historica. No emtanto, no estrangeiro o interesse scientifico muitas vezes se havia occupado do passado historico de Portugal, e foi a esta corrente que obedeceu o illustre philologo romanista Ernesto Monaci coadjuvado pelo activo e intelligente editor Max Niemeyer, restituindo a este paiz o texto diplomatico do mais precioso dos seus documentos litterarios. Ao terminar do modo mais consciensioso a sua empreza, escreve Monaci: " voglia il cielo che tornato il libro in Portogallo, diventi presto oggetto di studj novelli. È solo nella fonte delle tradizioni patrie che lo spirito di una nazione si ringagliardisce." (Canz. port., p. XVIII.) Infelizmente na litteratura portugueza ainda se não comprehendeu esta verdade salutar, e por isso o talento desbarata-se em architectar phantasmagorias de cerebros doentes ou em fazer traducções de romances dissolutos. Acceitando a responsabilidade das palavras do editor do Cancioneiro da Vaticana dirigidas a esta nação, cabia primeiro do que a todos á Academia real das Sciencias de Lisboa responder pela seguinte forma:

1°. Publicar o texto critico e litterario restituido sobre a lição diplomatica em grande parte illegivel fóra de Portugal.

2°. Acompanhar esse texto com todos os dados bibliographicos de que se possa alcançar noticia, para sobre elles basear a historia externa da formação do Cancioneiro.

3°. Acompanhal-o de um bom glossario das palavras empregadas na dicção provençalesca da poesia palaciana.

4°. Por ultimo organisar um vasto quadro da historia litteraria de Portugal no periodo dos nossos trovadores, deduzido dos abundantes factos historicos que fornece o Cancioneiro da Vaticana.

É para isto que existem as Academias nos paizes civilisados, que os governos as subsidiam, e que os seus membros têm o fôro de sabios. Em quanto a Academia real das Sciencias de Lisboa não cumpre este seu dever, cumpre-nos dar uma noticia d'este Cancioneiro, longos seculos perdido pelas bibliothecas estrangeiras. ...".

Em 1878 veio a lume a sua edição crítica do Cancioneiro Portuguez da Vaticana.

Preço:300,00€