Banner Bibliofilia

Palavras chave | Key Words

Açores | África | Afrodite | Agricultura | Alemanha | Alentejo | Algarve | América | Anais | Angola | Anti-Clericalismo | Antigo Regime | Antologia | Aramaico | Arqueologia | Arquitectura | Arquitectura Militar | Arquitectura Religiosa | Arte | Arte Monumental | Arte Popular | Arte Portuguesa | Artes Decorativas | Artes Plásticas | Artesanato | Autógrafos | Aveiro | Azurara | Barrancos | Batalhas | Beira | Bibliofilia | Bibliografia | Biografia | Botânica | Braga | Bragança | Brasil | Cabo Verde | Caça | Calão | Camiliana | Camões | Campo Maior | Caricaturas | Casa de Bragança | Castelo Branco | Castelo de Vide | Catálogo | Ceilão | Censura | Cerâmica | Cervantes | Ceuta | Chaves | China | Ciências | Ciganos | Cinema | Cister | Coimbra | Colonização | Conto | Contos | Correspondência | Costumes | Cristãos Novos | Crítica | Crónica | Culinária | D. Henrique | Dança | Descobrimentos | Descolonização | Diário | Dicionário | Diplomacia | Direito | Ditadura | Douro | Economia | Edição especial | Educação | Educação Sexual | Emigração | Ensaio | Ensino | Epístola | Epistolografia | Ericeira | Erotismo | Escultura | Esoterismo | Espanha | Estado Novo | Estanho | Estremoz | Estudos Pessoanos | Etnografia | Europa | Évora | Fauna | Fernando Pessoa | Figueira da Foz | Filologia | Filosofia | Flora | Folclore | Fotografia | França | Fundão | Galiza | Genealogia | Geografia | Gil Vicente | Goa | Grécia | Guerra | Guerra Colonial | Guerra Peninsular | Guiné | Hagiografia | Hebraico | História | História Natural | Humanismo | Idade Média | Igreja | Iluminura | Ilustração | Imprensa | In Memoriam | Índia | Inglaterra | Inquisição | Islão | Itália | Japão | Jesuítas | Jogo de Cartas | Jornalismo | Judeus | Latim | Leiria | Liberalismo | Linguagem | Linguística | Lisboa | Literatura | Literatura de Cordel | Literatura de Viagens | Literatura Erótica | Literatura Infantil | Literatura portuguesa | Livro | Livros Proibidos | Macau | Maçonaria | Madeira | Malacologia | Mariana Alcoforado | Marinha | Marquês de Pombal | Marrocos | Medicina | medieval | Memórias | Militar | Minho | Misericórdias | Missões | Mitologia | Moçambique | Modernismo | Monarquia | Monarquia Constitucional | Muçulmanos | Música | Música Portuguesa | Neo-Realismo | Novela | Novelas | Numismática | Ordem Monástica | Oriente | Ourivesaria | Pedagogia | Pesca | Pintura | Piratas | Poesia | Polémica | Polícia | Política | Porto | Portugal | Presença | Primeira Guerra Mundial | Primeiras edições | Propaganda | Prostituição | Quintentista | Rafael Bordalo Pinheiro | Raro | Regional | Religião | Religiosa Portuguesa | Renascimento | República | Restauração | Revista | Ribatejo | Romance | Romanceiro | Romantismo | S. Tomé e Príncipe | Salazar | Santarém | Sátira | Sebastianismo | Segunda Guerra Mundial | Sermão | Sexualidade | Sociedade | Solares | Surrealismo | Tauromaquia | Tavira | Teatro | Tecnologia Tradicional | Teologia | Termas | Terminologia Militar | Timor | Tipografia | Tiragem Especial | Torres Vedras | Tradução | Trás-os-Montes | Tratado | Turismo | Ultramar | Universidade | Viagens | Vila Real | Vinho | Viseu | Vista Alegre

Módulo background

Bibliofilia - Book collecting

 

BIBLIOFILIA e a valorização do livro.

Por definição à BIBLIOFILIA associa-se o que de civilizador representa, e sempre representará, o livro de qualidade. É uma actividade lúcida feita à custa de apreciações inteligentes e à custa do culto dum complexo de sentimentos que vão desde a sensibilidade sublime, o carinho, o amor e o respeito pelo livro, não só pelo seu conteúdo, mas também pelo conjunto das suas características físicas tais como: o tipo de papel empregado, a ilustração, o aspecto gráfico, um autógrafo ou uma dedicatória autógrafa, a magnificiência da encadernação e os materiais empregados, o historial & anteriores pertences, o estado de conservação, o número de edições, a edição limitada e numerada, entre muitos outros. Muitas outras sensações únicas estão relacionadas à bibliofilia e indirectamente às características do livro. Imagine-se a alegria quando se localiza ou descobre o livro que há tantos anos se anseava e nunca se teve a oportunidade de o observar. Defronta-nos então aquilo que os espanhois chamam de "taquicardia del abordaje". Quererá então, e acima de tudo, passar umas horas de solidão, para ler, folhear, abraçar e cheirar esse livro que veio enriquecer a sua vida. E o livro raro e precioso tem odor bem característico, inefável - regalo dos bons apreciadores.

Um bibliófilo não é só um leitor de livros. É também um amador e coleccionador de obras raras e preciosas. O que faz nascer um bibliófilo? É uma pergunta que só cada bibliófilo poderá responder. Não existem semelhanças nas respostas. É uma pergunta que se pode fazer a todos os que sofrem de "bibliofilia", verdadeira doença aos olhos dos não iniciados, incompreensível e incompreendida de quem não foi atacado do mesmo "mal". Ao bibliófilo com todas as suas idiossincrasias só outro bibliófilo pode verdadeiramente compreender. No entanto, entre os coleccionadores há talvez um tipo mais compreensível, mais acessível, é aquele que só adquire obras, que, para além da sua raridade e qualidade, o interessem também o asunto. Os livros são posse tão pessoal que dificilmente se encontrará quem tenha exactamente e na totalidade os mesmos gostos. O desfazer de uma biblioteca não é a morte mas o renascimento. Outras colecções serão enriquecidas com espécies que nela faltavam, uma geração de bibliófilos entrará na apaixonante luta pelo livro desejado.

De regresso ao VALOR DO LIVRO, para além de todos os factores de valorização acima referidos, existe um essencial e inalterável à escala humana: o TEMPO. São essenciais as extraordinárias atitudes da preservação desde que se toma posse de um livro. O tempo tratará então de o enriquecer. O tempo respeita quem toma tempo, quem actua nas suas decisões de forma serena, quem impõe plácidamente a sua vontade de forma suave e constante. O tempo melhora tudo o que tem de melhor. Perceba-se a razão pela qual o vulgo "tem mais de cem anos" não tem qualquer peso na valorização. Até poderá ter duzentos anos ... A qualidade literária, histórica ou filosófica e o estado de conservação são valores intrínsecos capitais.

Por fim resta-nos o parâmetro referencial PREÇO ou COTAÇÃO DE MERCADO que é ditado pelos livreiros antiquários profissionais nos seus estabelecimentos e nos seus catálogos. Assim a cotação de um livro, embora oscilante entre dois patamares rígidos e bem definidos relacionados com o seu estado de conservação, é aquele cujo valor é muito semelhante entre todos aqueles livreiros antiquários. Nos Leilões e ao contrário da cotação da pintura e outros objectos de arte, pois estes artigos são exemplares únicos, o preço final de um livro antigo leiloado constitui meramente um valor indicativo do seu interesse uma vez que, salvo raras excepções, o livro não é exemplar único. Esta cotação atingida em leilão é também, e na maioria dos casos, resultado de uma disputa levada entre pelo menos duas pessoas e pela sua teimosia da aquisição a qualquer custo, para não falar nas atitudes exibicionistas dos tecnocratas dos livros (de cheques).

A paixão dos bibliófilos é na maioria dos casos a TIRAGEM ESPECIAL. É uma espécie de culto pelo livro e uma forma do leitor mostrar o seu apego à obra que aprecia e estima. Toda a história do livro conhece a existência de uma edição especial. Elaborado sobre papel diferente, normalmente mais encorpado ou com uma textura diferenciadamente valorizada, o que move os autores e editores a realizar tiragens em papel especial, com uma apresentação mais rica, é o desejo de agradar a este ou àquele, e de assim salvar as edições. Não é um culto à vaidade mas sim à bibliofilia e ao desejo de uma maior beleza, de mais harmonia e, sobretudo, o de uma maior perenidade dos livros que se compram.