Livro
 Aplicar filtros
Livros do mês: Agosto 2022
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

CARTÃO MANUSCRITO

em Manuscritos & AUTÓGRAFOS

Referência:
7242

Autor:
DANTAS, Júlio

Palavras chave:
sem palavras chave

Ano de Edição:
sem ano de edição definido

65,00€


reservado Sugerir

Título:
CARTÃO MANUSCRITO
Descrição:
Cartão timbrado dO Theatro de D. Maria II - Gabinete do Commissarrio do Governo (11,5 x 9 cm) manuscrito frente e verso, autografado, dirigido a Manuel Bordalo Pinheiro. Apresenta uma data de 27 de Novembro de 1906. Conversa subscrito.
Observações:
Júlio Dantas (Lagos, 19 de Maio de 1876 — Lisboa, 25 de Maio de 1962) foi um médico, políticoe diplomata, que se distinguiu como um dos mais conhecidos intelectuais portugueses das primeiras décadas do século XX. Na sua actividade intelectual foi um polígrafo, cultivando os mais variados géneros literários, da poesia ao romancee ao jornalismo, mas foi como dramaturgoque ficou mais conhecido, em particular pela sua peça A Ceia dos Cardeais (1902), uma das mais populares produções teatrais portuguesas de sempre. Na política foi deputado, Ministro da Instrução Pública e Ministro dos Negócios Estrangeiros (1921-1922 e 1923), terminando a sua carreira pública como embaixadorde Portugal no Brasil (1941-1949). Considerado retrógrado por alguns intelectuais coevos, como foi o caso de Almada Negreiros, que foi ao ponto de escrever o Manifesto Anti-Dantas e de publicamente o desconsiderar, conseguiu granjear durante a vida grande prestígio social e literário, prestígio que decaiu após a sua morte. Foi eleito sócio da Academia de Ciências de Lisboa (1908), instituição a que presidiu a partir de 1922.

"Meu querido Manuel...Muito e muito obrigado pela collecção das suas Parodias. É brilhantíssima. V. honra, n'essas bellas paginas, o seu nome de artista e a menina do seu querido pai. Abraço-o de todo o coração - A Ilustração Portuguesa lá irá fazer-lhe a sua visita e os seus cumprimentos. - a proposito: não se esqueça das páginas sobre a Pavana, gavola e (?). Tem de entrar na machina...Vá lá, coragem, Manuel! E muitos abraços do seu, do coração, Julio."
Voltar