Livro
 Aplicar filtros
Livros do mês: Março 2024
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

CHIGUBO

em Ultramar & Brasiliana - LITERATURA

Referência:
15331

Autor:
CRAVEIRINHA, José

Palavras chave:
sem palavras chave

Ano de Edição:
1964

75,00€


Adicionar Sugerir

Título:
CHIGUBO
Descrição:

Casa dos Estudantes do Império, Lisboa, 1964. In-8º de 35-(1) págs. Brochado. Capa de brochura ilustrado com xilogravura de José Pádua.
Primeira edição do livro de estreia de José Craveirinha (Prémio Camões, 1991).

Observações:

"... José Craveirinha nasceu em 1922, na antiga cidade de Lourenço Marques, no seio de uma família modesta, com pai algarvio e mãe moçambicana. José foi obrigado a abandonar os estudos após a conclusão da escola primária, para que o irmão mais velho fizesse o liceu, mas manteve a paixão pela leitura. Começou a trabalhar como jornalista no Brado Africano e mais tarde colaborou com o Notícias, a Tribuna, o Notícias da Beira, a Voz de Moçambique e o Cooperador de Moçambique. Foi neste último que publicou uma série de artigos ensaísticos sobre folclore moçambicano. Apesar de todo o trabalho importante desenvolvido na área da investigação, foi na lírica que Craveirinha se revelou verdadeiramente talentoso.

Estreou-se na poesia em 1955, com a publicação de poemas no Brado Africano. Seguiram-se inúmeras colaborações no plano literário com jornais de Moçambique, Angola, Portugal e Brasil. ‘Chigubo’ é o seu livro de estreia, editado em Lisboa, em 1964, pela Casa dos Estudantes do Império, que foi apreendido pela PIDE. Entre 1965 e 1968, partilha a cela da prisão com Malangatana e Rui Nogar, nomes importantes da cultura daquele tempo. Presente em qualquer antologia lusófona, a sua poesia reflete a influência surrealista, mas é marcada pela cultura moçambicana e reflete sobre as questões sociais. Craveirinha conquistou prémios em Moçambique, Itália e Portugal. Recebeu condecorações do presidente português Jorge Sampaio e do presidente moçambicano Joaquim Chissano. Um reconhecimento que teve a sua maior expressão com a atribuição do prémio Camões, em 1991. Morreu em fevereiro de 2003 ..." (Tânia de Melo, RTP Memória, 2003).

Voltar