Livro
 Aplicar filtros
Livros do mês: Julho 2019
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

MEMÓRIAS. MEMÓRIA V. PARA A HISTÓRIA DA LEGISLAÇÃO, E COSTUMES DE PORTUGAL. Edição preparada e organizada por M. Lopes de Almeida e César Pegado.

em História geral

Referência:
11333

Autor:
AMARAL, António Caetano do

Palavras chave:
sem palavras chave

Ano de Edição:
sem ano de edição definido

28,00€


Adicionar Sugerir

Título:
MEMÓRIAS. MEMÓRIA V. PARA A HISTÓRIA DA LEGISLAÇÃO, E COSTUMES DE PORTUGAL. Edição preparada e organizada por M. Lopes de Almeida e César Pegado.
Descrição:
Livraria Civilização, Porto, 1945. In-4º de 258-(4)págs. Br.
Observações:
Talvez um dos mais importantes trabalhos de António Caetano do Amaral, "aquêle que conservamaior sedução para a cultura histórica contemporânea", publicado pela primeira vez nas "Memórias da Academia das Ciências". Com uma "Noticia Historica da Vida e Escritosde Antonio Caetano do Amaral recitada na Assembléa Publica de 24 de Junho de 1819pelo socio Sebastião Francisco de Mendo Trigoso".

“A Memória V — à qual o seu autor pôs a rubrica 1ª Epoca da Monarchia Portugueza, desde o Conde D. henrique até ao fim do reinado d’ElRei D. Fernando — é talvez de todos os trabalhos de António Caetano do Amaral aquêle que conserva maior sedução para a cultura histórica contemporânea. Nela continuamos a ver afirmada a sua teoria da história, agora aplicada à história portuguesa, teoria claramente manifestada na abertura da Memoria I quando diz: ‘huma historia sincera envergonha-se da glória vã, que se busca em antiguidades mentirosas: desgosta-se desses sonhos agradaveis, pasto de huma esteril recreação; e se saboréa só com a verdade pura’. Nesta afirmação está explicita uma consciência do historiador moderno, servido por verdadeiro espírito crítico, que arranca do conhecimento directo das fontes, as aproxima, critica e relaciona, em ordem a produzir novas afirmações e novos juízos. Essa base documental é que lhe parece ser a única consentânea com a dignidade da história. (...) Por usar êste critério verdadeiramente científico e por se ter aplicado superiormente a estudar a estrutura e organização da nação e da sociedade portuguesas, é que Amaral pôde ser considerado — e deve ser considerado sempre — o fundador da nossa história social ”
Voltar