Livro
 Aplicar filtros
Livros do mês: Julho 2019
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

RELATÓRIO DA VIAGEM DA CANHONEIRA RIO LIMA DE LISBOA A MOÇAMBIQUE por ...

em Ultramar & Brasiliana - HISTÓRIA

Referência:
12411

Autor:
CASTILHO, Augusto de

Palavras chave:
África | Brasil | Viagens

Ano de Edição:
1889

85,00€


Adicionar Sugerir

Título:
RELATÓRIO DA VIAGEM DA CANHONEIRA RIO LIMA DE LISBOA A MOÇAMBIQUE por ...
Descrição:

Imprensa Nacional, Lisboa, 1889. In-4º de 203-(2) págs. Encadernação coeva meia-inglesa com sinais de mansueamento marginal.
Apresenta 3 gravuras abertas a chapa de aço da Fortaleza de S. Caetano de Sofalla, a partir de desenhos realizados por Augusto de Castilho. Apresenta também um grande mapa desdobrável da Barra do Rio Linde até ao estabelecimento de Micáhung e e outros com com as rotas do navio: de Lisboa para a Ilha da Madeira; do Rio de Janeiro para a Cidade do Cabo; levantamentos hidrográficos em Moçambique. Quadros de dados com posicionamento geográfico e meteorologia; informação das transferências bancárias no financiamento da viagem; tabelas dos cronómetros; dados dos exercícios de artilharia, etc.

 

RARO.

Observações:

O relatório refere-se à viagem acima descrita passando nos anos 1884 e 1885 pelos seguintes portos: Madeira, Tenerife, S. Vicente, Pará, Rio de Janeiro, Bahia da Mesa, Natal, Lourenço Marques, Inhambane, Bazaruto, Chiloane, Sofala, Inhamissengo, Quilamane, Rio Linde, Tejungo, Casuarina, Moma e Angoche.
No final em jeito de anexo, apresenta um relatório parcial em cumprimento do determinado no artigo V das instrucções e Algumas Considerações acerca de Ilhas da Madeira, Tenerife e de S. Vicente encaradas como escalas para a Navegação Oceanica.

AUGUSTO Vidal de CASTILHO e Noronha (1841-1912) foi oficial de Marinha que, em 1893, encontrando-se no Rio de Janeiro a comandar uma divisão naval portuguesa, concedeu asilo ao Almirante Saldanha da Gama e a quantos o haviam acompanhado numa revolta contra o Governo Brasileiro. Julgado em Portugal, por não ter acatado a ordem de entregar os exilados (mais de 500), foi absolvido, o que provocou uma crise ministerial (in Dicionário de História de Portugal).

Obras relacionadas:

Voltar