Banner Vista de Livro
 Aplicar filtros
Livros do mês: Maio 2024
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background
Seleccione o mês a visualizar:

Livros do mês: Março 2024

Foram localizados 18 resultados para: Março 2024

 

Referência:15359
Autor:OLLEBOMA [pseud.: BELLO, António Maria de Oliveira]
Título:CULINÁRIA
Descrição:

Tip. da Emresa do Diario de Notícias, Lisboa, 1928. In-4º de XV-748-(3) págs. Encadernação meia francesa em chagrin marron, com dourados na lombada e pastas. Guardas em papel fantasia estuilo Art-Déco.

PRESERVA AS CAPAS DE BROCHURA. Exempar com ligeiro aparo marginal, impecávelmente bem preservado, sem rasuras, sem sublinhados, sem manchas de gordura, características que habitualmente se fazem acompanhar nos livros desta temática, justamente apreciada.

PRIMEIRA EDIÇÃO, muitíssimo invulgar de aparecer no mercado.

Observações:

António Maria de Oliveira Bello (1872-1935) usa Olleboma pseudónimo. Do seu monárquico percurso político, sabemos ter recusado a pasta das Finanças em 1926, que foi mais tarde entregue a Salazar. É principalmente conhecido como gastrónomo e fundador, em 1933, da Sociedade Portuguesa de Gastronomia, consagrou-se como um dos maiores gastrónomos portugueses e foi um dos grandes impulsionadores da culinária nacional, fazendo a primeira recolha do receituário tradicional português, investigando e recolhendo de forma extensa e exaustiva as receitas tradicionais que são as bases das nossas raízes gastronómicas.

Este livro conheceu em 1936, postumamente, uma segunda edição com um prefácio de Albino Forjaz de Sampaio.

 

Preço:150,00€

Referência:15358
Autor:COUTINHO, João de Azevedo Sá
Título:QUADRO POLÍTICO HISTORICO E BIOGRAPHICO DO PARLAMENTO DE 1842 por Um Eremita da Serra d'Arga.
Descrição:

Typographia de Manoel de J. Coelho, Lisboa, 1845. In-8º de 136 págs. Encadernação moderna em sintértiuco azul escuro. Preerva as capas de brochura e mantém intactas as margens fortemente desencontradas.

 

INOCÊNCIO, t.III, p. 297

Observações:

João de Azevedo Sá Coutinho (Viana do Castelo, 1811 - Lisboa, 1854), bacharel formado em Cânones pela Universidade de Coimbra, foi deputado na legislatura de 1842, durante a qual se opôs a Costa Cabral. Na formatura pela Universidade de Coimbra em 1831, foi nomeado nesse mesmo ano pelo governo de D. Miguel, Juiz de fóra de Freixo de Numão. Segundo Inocêncio, " ... Em 1842 veiu para a capital, com o intento de obter algum emprego publico, o que todavia não conseguiu, mostrando-se-lhe a fortuna sempre avessa n'esta parte. Dotado de innegavel talento, carecia ás vezes da prudencia necessaria para regular as suas acções; d'essa falta lhe provieram alguns desgostos, que talvez concorreram poderosamente para abbreviar-lhe a existencia ...".».

Obra dividida em três partes:
parte 1) descreve os casos mais relevantes da legislatura;
parte 2) composta por notas biográficas dos parlamentares com apreciações críticas dos seus traços de carácter e das suas actuações;
parte 3) faz um balanço geral da situação política da época.

Fonte muito importante para o estudo da Monarquia Constitucional e em especial dos governos de Costa Cabral.

Preço:65,00€

Referência:15357
Autor:AAVV
Título:REVISTA CONTEMPORANEA DE PORTUGAL E BARZIL. Primeiro anno, 1 DE ABRIL DE 1859. Vol. I (a V).
Descrição:

In-4.º de 5 volumes com 12 números cada respectivamente 586-(1), 584, 660-(2) e 666-(1) págs cada. Encadernação meia amador em chagrin preto ricamente decorada na lombada com florões e dizeres dourados em casas fechadas. Corte superior das folhas carminadas. Miolo muito bem conservado e muito fresco. Último volume com
encadernação restaurada à cabeça. Faltam os índices dos volumes II e III.

Ricamente ilustrado à parte com inúmeras gravuras abertas a talha doce reproduzindo magníficos retratos dos escritores contemporâneos, actores, membors da família real, políticos e cientistas e quadros dos nossos melhores artistas como os desenhos do Rei D. Fernando e Tomaz da Anunciação, impressos à parte. No volume II, dois grandes mapas desdobráveis da Praça de Gaeta, gravuras estas não referidas nas bibliografias. Esta colecção apresenta uma numeração de páginas errada no último volume em que aparecem as páginas 555 a 608 marcadas 355 a 408, característica esta nunca referida pelos bibliografos.

Colecção da PRIMEIRA EDIÇÃO e MUITO RARA.
Salientamos o facto de ser aqui publicado um texto de Machado de Assis no mesmo ano em que se estreou com Chrysalidas, a sua primeira obra literária.

HENRIQUE MARQUES, 513; JOSÉ DOS SANTOS (1916), 294; JOSÉ DOS SANTOS (1939), 1294; CONDE D A FOLGOSA, 3307;
CAMILIANA (SOARES & MENDONÇA, 1968), 3450; ALMEIDA MARQUES, 1852

Observações:

Apreciadíssima revista mensal, que segundo Alberto Pimentel em Memorias do Tempo de Camillo (1913) " ... era o mais cotado órgão das letras portuguêsas - uma espécie de olimpo para escritores consagrados ...". Foi fundada por Ernesto Biester, António Xavier de Brederode e José Maria de Andrade Ferreira, e conheceu os melhores colaboradores literários da época incluindo Camilo com diversos escritos originais depois reunidos em Doze Casamentos Felizes e Esboços de Apreciações Literárias. Teve ainda como colaboradores, a participação literária destacada de A. F. de Castilho, Andrade Corvo, Andrade Ferreira, A. P. Lopes de Mendonça, Bulhão Pato, Ernesto Biester, F. Xavier de Novais, Gonçalves Dias, Inocêncio Francisco da Silva, Júlio de Castilho, Júlio César, L. A. Palmeirim, Latino Coelho, Machado de Assis, Mendes Leal, Pinheiro Chagas, Teixeira de Vasconcelos, Rebelo da Silva, Teófilo Braga, Tomás Ribeiro, Zacarias d'Aça,



 

Preço:850,00€

Referência:15356
Autor:BRANCO, Camilo Castelo
Título:GAZETA LITTERARIA DO PORTO. Periódico Semanal.
Descrição:

In-fólio peq. 16 números com 154 págs. Encadernação não coeva, meia inglesa em skivertex azul, com dizeres dourados na lombada. Miolo muito limpo e fresco, não obstante alguns picos de humidad dispersos no volume.
CONSERVA CAPAS DE BROCHURA e ligeiro aparo marginal. Nenhuma da bibliografia apresentada refere a existência de um índice, caratcerística esta que o nosso exemplar apresenta no final da obra, com descrição exaustiva do conteúdo do periódico, impresso em papel distinto, assim como a tipografia aplicada, de feitura posterior, recorre a tipos próprios do séc. XX.

Semanário de elevado interesse e muito apreciado sobretudo quando apresenta os raríssimos 3 figurinos aguarelados (Leroy imp. Paris) infelizmente que o nosso exemplar não preserva.

PRIMEIRA E ÚNICA EDIÇÃO. Invulgar.

HENRIQUE MARQUES, 522; JOSÉ DOS SANTOS (1939), 1016; CONDE DA FOLGOSA, 1484; CAMILIANA (SOARES & MENDONÇA,
1968), 2155, ALMEIDA MARQUES, 1020.

 

Observações:

Semanário publicado ao longo de 16 números que teve Camilo não só como redator mas também como autor da maioria dos escritos nele inseridos. Os textos neste semanário foram quase todos reproduzidos posteriormente em Mosaico. Teve também como colaboradores Antonio d’Azevedo Castello Branco, António Feliciano de Castilho, Bulhão Pato, Delfim d’Almeida, Ernestina da Luz, Gastão Vidal de Negreiros (pseudómino de Ana Plácido), J. Frederico Laranjo, José Maria d’Andrade Ferreira, Julio de Castilho, M. Pinheiro Chagas, e Ramalho Ortigão.

 

Preço:200,00€

Referência:15355
Autor:BOTELHO, J. J. Teixeira
Título:HISTÓRIA POPULAR DA GUERRA DA PENÍNSULA
Descrição:

Livraria Chardron de Lélo & Irmão, Editores, Porto 1915. In-4º de VIII-651 págs. Ilustrado com gravuras e mapas no texto, e ainda dois grandes mapas desdobráveis em extra-texto com o teatro da guerra em Portugal e parte da Espanha.

Encadernação coeva meia inglesa com cantos em pele verde, decorada com ferros estilizados ao gosto da época. Conserva ambas as capas de brochura. Inteiramente por aparar. Excelente exemplar.

Ostenta uma dedicatória autógrafa.

Observações:
Preço:75,00€

Referência:15352
Autor:Sem autoria
Título:BEIRA ALTA - Figueira da Foz
Descrição:

Dois postais ilustrados, com 9 x14 cm cada, editados pela COMPANHIA DE CAMINHOS DE FERRO DA BEIRA ALTA em 1936.

Excelente estado de conservação. Não circulados.

RAROS

Observações:

As ilustrações são da autoria de António Piedade, monograma impresso num dos postais.

Preço:32,00€

Referência:15349
Autor:RATTAZZI, Marie
Título:PORTUGAL DE RELANCE. Traducção Portugueza (auctorisada pela auctora). Volume I (e II).
Descrição:

Livraria Zeferino, Editora. Lisboa. 1881 (na capa de brochura vem a data de 1882.). In-8º de 2 vols. com (6)-LXXVI-193 e (2)-214-(4) págs. respectivamente. Encadernação não coeva, meia francesa em pele castanha marmoreada com rótulos de pele dourados com os dizeres. Conserva as capas de brochura (a anterior está espelhada e restairada, com ligeiras falhas de papel). Aparado à cabeça e margens grosadas. Nítida impressão sobre papel branco. Picos de acidez ocasionais.

PRESERVA A FOTOGRAFIA ORIGINAL da Princesa Rattazzi, elemento este que falta na maioria dos exemplares que aparecem no mercado. INVULGAR esta primeira edição portuguesa da obra que deu origem à acesa polémica de Camilo com a autora, conhecida por «Questão Rattazzi», certa forma um espelho da sociedade portuguesa do séc. XIX, que ainda hoje se reflecte arrebatadamente o país.

Observações:

Tradutor não identificado, mas no Diccionario Bibliographico Portuguez (t. XVIII,1906), refere Brito Aranha " ... A traductora foi D. Guiomar Torrezão, que passava por ser amiga dedicada da Rattazzi …". A Madame Rattazzi (1813-1883), ou Princesa Rattazi como era designada, foi publicista e romancista, não alcançando grande relevo no panorama literário. Em 1879, este título desencadeou uma enorme polémica em Portugal, na qual intervieram nomes como Camilo Castelo Branco (a quem a autora se refere de forma pouco lisonjeira), Antero de Quental e Ramalho Ortigão, entre muitos outros. Entre 1876 e 1879, Marie Rattazzi viajou por Portugal. Filha do diplomata inglês Thomas Wyse e de Letícia Bonaparte, casou três vezes e do segundo marido adotou o apelido literário Ratazzi. Em resultado dessas visitas, nas quais reunia abundantes notas e apontamentos publicou, em 1879, em França um livro com o título Le Portugal a Vol d’Oiseau, Portugais et Portugaises. Esta obra provocou uma grande polémica, porque as opiniões acutilantes vindas de uma mulher, facto muito invulgar à época, não agradaram aos portugueses. De uma escrita franca e direta, conseguiu criar grandes inimizades e suscitou uma grande e combativa controvérsia com Camilo Castelo Branco.

" ... A Rattazzi, que passou dois invernos a desfrutar os literatos de Lisboa, publicou agora um livro sobre Portugal, delicioso. Imagine uma parisiense descrevendo ao vivo, estes mirmidões! Não se fala noutra coisa, e está tudo furioso. (Antero de Quental, carta a João Lobo de Moura, 19 de janeiro de 1880).

Preço:125,00€

Referência:15348
Autor:[dir: GONÇALVES, António Augusto]
Título:O ZEPHYRO. Publicação Litteraria Bimensal. Nº 1 (a 12)
Descrição:

Typographia Manuel Caetano da Silva, Coimbra, 1872. In-fólio de 12 números com 48 págs + 12 litografias, publicadas entre 15 de Fevereiro de 1872 e 31 de Julho do mesmo ano. Encadernação coeva inteira de skivertex bordeaux com Super-libros de Anibal Fernandes Tomás. Algumas folhas com uma ténue mancha de humidade que ocupa o terço inferior dos primeiros números. Acidez generalizada e acentuada em alguns números. Apesar dos defeitos apontados, o exemplar encontra-se em muito bom estado, preservando a estrutura e a estabilidade original do papel. Ostenta também um Ex-libris de ANNIBAL FERNANDES THOMAS.

RARÍSSIMA publicação periódica conimbricense, exemplar este que foi pertença do eminente bibliófilo ANIBAL FERNANDES THOMAZ e de que se conhecem apenas três exemplares em bibliotecas públicas. Apenas referido nas bibliotecas privadas de Anibal Ferndes Tomás e de Candido Nazareth (nº 3760). Pinto Loureiro (1931) refere no seu Jornais e Revistas de Coimbra (p. 71) o exemplar que possuia então Candido Nazareth. Desconhecido nas principais descrições bibliográficas das bibliotecas inventariadas para venda desde finais de séc. XIX.

Observações:

Encerra colaboração de António Augusto Gonçalves (director do periódico), A. J. Sousa, António Francisco Barata, Seabra de Albuqerque, Lopes Praça, Simões Dias, Com colaboração artística, além do seu director, também a de António Augusto Monteiro de Figueiredo.

Ilustrado em separado com litografias, algumas inéditas de Sé Velha, Fonte dos Castanheiros, Ruinas de Santa Clara, Igreja de São Salvador, S. Thiago, Fonte dos Amores, o rio Mondego (Visto da Memória), Igreja de Santa Justa, Salgueiral, Túmulo da Rainha Santa, Capela do Arnado, e Jardim Botânico. As estampas, muito curiosas, foram impressas na Imprensa da Universidade (algumas delas), assinadas por Mariz, Adelino e A. Costa.

Preço:575,00€

Referência:15344
Autor:ANDRADE, Eugénio de
Título:OS AMANTES SEM DINHEIRO
Descrição:

Centro Bibliográfico, Lisboa, 1950. In-8.º de 66-(1) págs. Brochado. Miolo ligeiramente amarelecido dada a qualidade do papel sob acção do tempo. Capas muito bem conservadas e muito limpas.

Primeira edição, incluída na colecção prestigiada Cancioneiro Geral.

Observações:

Segundo Beatriz Almeida Quintas, neste livro Amantes sem Dinheiro "... a poesia de Eugénio de Andrade destaca algumas características: o facto de estar erreizado tradição lírica portuguesa; está presente a simbologia do corpo, da natureza, dos animais e da água. Os poemas são na maioria breves, ora eufórios, ora melancólicos e sempre avessos à morte mas todos com uma linguagem simples ..."

 

Preço:80,00€

Referência:15343
Autor:BALDAQUE DA SILVA, A. A.
Título:ESTADO ACTUAL DAS PESCAS EM PORTUGAL Comprehendendo a pesca marítima, fluvial e lacustre em todo o continente do reino, referido ao anno de 1886 por… Capitão tenente da armada, engenheiro hydrographo e membro da commissão permanente de pescarias.
Descrição:

Imprensa Nacional. Lisboa. 1891. In-4º de XXXIV-519 págs. Encardernação coeva inteira de pele arboreada com dizeres dourados em casas abertas na lombada, decorada ao gosto romântico. Rótulos de pele preta com dizeres dourados na lombada. Aparo marginal

Profusamente ilustrado em extra-texto com gravuras representando cenas e técnicas de pesca, apetrechos e modos de utilização para a pratica desta actividade e também com  mapas alguns deles desdobráveis. As cromolitografias coloridas, protegidas com papel celofane, representam as  principais taxonomias piscícolas das águas portuguesas. Mapa desdobrável da Carta de Pesca de Portugal realizada pelo autor com uma legenda com a distribuição das principais artes de pesca.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Obra muito exaustiva que traça o quadro da época relativamente ao sector piscatório nacional e que segundo diz o autor no prólogo, é “o produto da observação e estudo directo” efectuado durante dez anos em todas as águas do reino. O livro aborda em catorze capítulos os aspectos considerados essenciais para a compreensão das pescas contemporâneas, seguindo uma metodologia idêntica aos grandes inquéritos que se realizam em toda a Europa marítima neste mesmo período. Baseando as suas investigações acima de tudo na recolha de conhecimentos locais tendo estabelecido um forte grau de proximidade com comunidades piscatórias.

Preço:385,00€

Referência:15342
Autor:PADILHA, Pedro Norberto de Acourt e
Título:EFFEITOS RAROS E FORMIDAVEIS DOS QUATRO ELEMENTOS ...
Descrição:

Na Officina Patriarcal de Francisco Luiz Ameno, Lisboa, 1756. Encadernação coeva inteira de carneira mosqueda com decoracção simples ma loada e rótulo vermelho com dieres, também dourados. Corte marginal das folhas carminadas. Exemplar muito fresco, muito bem conservado, mantendo a sonoridade original do papel.

Livro bastante raro no mercado e de elevado interesse para a história da ciência portuguesa na área da sismlologia e das ciências da terra. Conhecem-se exemplares na BN, na Biblioteca da Universidade Católica Portuguesa e na Biblioteca da Marinha.

INOCÊNCIO VI, 436 (nº 387); FERNANDES THOMAZ, 359; MONTEVERDE, 297.

Observações:

" ... obra escripta para confrontar os animos, atterados com os effeitos do terramoto do 1º de Novembro antecedente ..:" (Inocêncio, VI, p. 436, nº 387).

Livro publicado logo a seguir ao grande terramoto de Lisboa (as datas da licenças da Mesa do Paço, do Ordinário e do Santo Ofício são do mês de junho do ano seguinte).  De elevado interesse para a história da sismologia em Portugal. Descreve largamente, citando a fonte histórica onde estão referenciados, os sismos de maior envergadura que ocorreram, tanto em território nacional e insular, como outros, a nível global, tendo em atenção as localidades mais afetadas, as observações e os danos resultantes. O maior interesse destes fenómenos naturais da história da terra, reside na sua verdadeira origem e nos seus registos, e remonta a 1 de novembro de 1755, com o grande terramoto de Lisboa, acontecimento este que mudou radicalmente o modo de interpretar o fenómeno dos terramotos.

Nos anos subsequentes ao terramoto de Lisboa, de 1755, produziram-se textos muito heterogéneos, relativamente ao género literário adoptado. O período em que foram maioritariamente escritos caracteriza-se por uma época de transição marcada por hesitações ideológicas e por um eclectismo de tendência conservadora. Hoje, é obvio o interesse particular destes textos para a história da ciência, que embora sejam um grupo muito reduzido de textos, são fontes inequívocas para as explicações físicas dos tremores de terra, não descorando as preocupações higienistas associadas a este tipo de cataclismos naturais. O livro que se apresenta, é uma dessas publicações de elevado interesse.

O autor Pedro Norberto de Aucourt e Padilha (1704-1759) teve, através de suas publicações, alguma notoriedade na época sobretudo pelo registo de memórias da Princesa D. Isabel e em especial pelos assuntos da ciência que aqui versa a obra - os terramotos. Quanto ao impressor desta obra, Francisco Luís Ameno (1713-1793) chegou a ser o impressor e editor de uma das melhores oficinas tipográficas de Lisboa no seu tempo, e nela se imprimiram mais de três centenas de obras durante cerca de cinquenta anos atividade. Foi igualmente um intelectual português de ascendência judaica que se destacou como escritor e tradutor.

Preço:335,00€

Referência:15341
Autor:AAVV
Título:O BARDO - Jornal de Poesias Inéditas. REDACTORES, A. P. C. – F. X. DE NOVAES.
Descrição:

Editor Francisco Gomes da Fonseca, Porto, 1857. In-8.º de dois volumes com 24 e 12 números respectivamente 390 e 200 págs, encadernados em um. Encadernação meia francesa em chagrin preto com belíssimos ferros dourados gravados com finos filetes duplos em casas fechadas e nos nervos. Ligeiramente aparado, estando no entanto o miolo muito limpo e fresco mantendo a sonoridade original do papel. Completo de tudo quanto publicado.

MUITO VALIOSA, RARÍSSIMA E PEÇA DE COLECÇÃO deste periódico muito interessante publicado entre 1852 e 1857 ao longo de 24 (1ª parte) e 12 (2ª parte) números com grandes variações de periodicidade. De elevadíssimo interesse camiliano.

[ O BARDO // JORNAL DE POESIAS INEDITAS // - // REDACTORES, A. P. C. – F. X. DE NOVAES. // Nova edição // (vinheta tipográfica) // PORTO : EDITOR, FRANCISCO GOMES DA FONSECA. // - // 1857.]


HENRIQUE MARQUES, 503; JOSÉ DOS SANTOS (1916), 275; JOSÉ DOS SANTOS (1939), 747; CAMILIANA (SOARES & MENDONÇA, 1968), 336; DESCRIÇÃO BIBLIOGRÁFICA CAMILIANA (2003), 249.


 

Observações:

Constitui das REVISTAS LITERÁRIAS mais importantes do século XIX, em que os literatos do Porto ocupam papel fundamental. Henrique Marques, na sua imponente bibliografia Camiliana, refere a existência de uma única edição em que “… o editor mandou reimprimir, sob o título de Nova Edição, e com a data de 1857, as primeiras 16 pags., incluindo o frontispicio, e assim correndo mundo uma nova edição, quando a edição de tal publicação, hoje rara, foi apenas uma …” - que, em nossa opinião, constituiu à época uma estratégia de venda - circunstância esta apresentada no nosso exemplar.

Compreende colaboração dos mais distintos poetas da época entre eles Alexandre Braga, A. A. Soares dos Passos, Augusto Soromenho, Antonio Xavier Rodrigues
Cordeiro, Augusto Lima, Bulhão Pato, F. Martins. Faustino Xavier de Novaes, Francisco Gomes de Amorim, Francisco Palha, João Azevedo, Julio Cesar Machado, J. Pinto Ribeiro Junior, Mousinho d’Albuquerque, Estácio da Veiga, entre outros.

De Camilo, insere os escritos que mais tarde foram incluidos em Duas Epochas da Vida e Ao Anoitecer da Vida e são os seguintes:
Versos à desventura; A Irman da Caridade; Ao merito; Alegria; Angustias e consolações; N’um Album; O meu Segredo; O que é um baile?;
Meditação; Não tentes!; No Album de Luiz Candido Cordeiro Furtado Coelho; Paixão única; Nas horas tristes &c.; Adeus; Foi!; A Julio Cesar
Machado e A José Barbosa e Silva
.

Cremos que a publicação veio a lume sem capas de brochura. Este exemplar ostenta um indice que decorre das páginas 193 à 200 e não referido nas bibliografias consultadas. Alexandre Cabral no seu Dicionário, diz-nos que “ … a quase totalidade desta produção, incluindo a de C. da Veiga, foi recolhida pelo autor em Duas Epochas na Vida (1854), com alterações sensíveis, desde os títulos, até à supressão do local e datas de feitura. Curiosamente, esquecido porventura de já terem sido compiladas em livro, Camilo voltou a estampá-las, em 1858, em A Aurora do Lima …”.


HENRIQUE MARQUES, 503; JOSÉ DOS SANTOS (1916), 275; JOSÉ DOS SANTOS (1939), 747; CAMILIANA (SOARES & MENDONÇA,
1968), 336; DESCRIÇÃO BIBLIOGRÁFICA CAMILIANA (2003), 249.

Preço:725,00€

Referência:15339
Autor:MAGNO, David
Título:LIVRO DA GUERRA DE PORTUGAL NA FLANDRES. Descrição militar histórica do C.E.P. Recordações das trincheiras, da batalha e de cativeiro. Figuras factos e impressões. Volume I ( e II).
Descrição:

Comapnhia Portuguesa Editora, Porto, 1921. In-8º de dois volumes com 270-(2) e 194-(5) págs respectivamente. Encadernação coeva, meia francesa em pele com rótulos de pele vermelha na lombada gravadas com dizeres dourados e florões a sêco, em casas abertas. Ligeiros sinais de manuseamento, sem qualquer perda de estrutura. Ligeiro aparo marginal geral com páginas grosadas. Conserva as capas de brochura de ambos os volumes.

Ostenta uma valiosa dedicatória autógrafa que, pela sua curiosa, embora relativa importância, se descreve: " Ao Major Joaquim Augusto Geraldes, citado na pág. 50 do tomo I e 137/139 do II, oferece o autor, que há mais de quarenta anos aprecia o seu belo caracter e as suas raras qualidades de Oficial e Amigo. Em 8/VI/1937 // David Magno // major."

(O Major Joaquim Augusto Geraldes foi condecorado com Grau de Oficial da Ordem Militar de Avis, em 8 de dezembro de 1920 e ainda, proposto sem seguimento, Condecoração com o Grau de Comendador da Ordem Militar de Cristo, em 1929).

Observações:

David José Gonçalves Magno também conhecido simplesmente por Major David Magno (1877-1957) no posto de Capitão, combateu em França durante a 1ª Guerra Mundial, como Comandante da 3ª Companhia do Batalhão de Infantaria nº 13 originário do Regimento de Infantaria Nº 13 em Vila Real, integrado na 5ª Brigada da 2ª Divisão do CEP, com particular destaque em termos de heroísmo e espírito de sacrifício, nomeadamente na Batalha de La Lys na região de Les Lobes, La Couture, Flandres nos dias 9, 10 e 11 de Abril de 1918, pelo que em pleno teatro de operações e perante a formação das forças presentes no terreno, recebeu do General Tamagnini de Abreu a primeira Cruz de Guerra relativa a esta Batalha. O livro que se apresenta, descreve com pormenor todo teatro de guerra vivido na primeira pessoa, na épica batalha da Flandres, em La Lys e na qual participou o maior contingente português, que acabou com uma pesada derrota das forças Aliadas. São da autoria de David Magno as melhores descrições do que foi o quotidiano e o comportamento do Batalhão 35 na frente de batalha da Flandres.

 

 

região de La Lys O major David Magno, homem de Letras e etnólogo, na Primeira Guerra Mundial era capitão no Regimento de Infantaria nº 13, no CEP, na Flandres. Pela sua conduta conquistou uma Cruz de Guerra na épica batalha de La Lys, na qual participou o maior contingente português, que acabou com uma pesada derrota das forças Aliadas. São dele as melhores descrições do que foi o quotidiano e o comportamento do Batalhão 35 na frente de batalha da Flandres, no “Livro da Guerra – Portugal na Flandres” -, da sua autoria, com edição de 1921. Na página 153, vai directo ao assunto:.

 

Preço:85,00€

Referência:15336
Autor:PINA, Mariano
Título:O ESPECTRO Castigo semanal da politica
Descrição:

Edição do autor, Porto (e Paris), 1890. Conjunto de cinco opúsculos  (os quatro primeiros e o nº7), In-8º de 16-19-15-19-15 págs. Protegido com uma folha de cartolina, coeva, com dizeres mansucritos pela frente, cujo papel apresenta ligeiros picos de acidez. Conserva todas as capas de brochura. Aparado e apresentando-se, por vezes, com algum prejuizo de leitura unicamente nas capas de brochura. O n.º 4 saiu com o título "Novo espectro".

RARO.

 

Observações:

Conjunto de cinco opúsculos publicados por Mariano Pina em Paris no ano de 1890, em consequência das leis contra a liberdade de imprensa que vigoravam  nessa altura. Numa carta dirigida a Bordalo Pinheiro ele  aborda o assunto " As estas horas já deves ter recebido o 1º numero d’um panphleto semanal, o Espectro que acabo de lançar e que sahirá todos os sabbados. Esse panphleto será a expressão exacta do asco que causa a todo o portuguez a situação politica e financeira que nos criou este governo no estrangeiro, e principalmente na França. Hoje somos perante a Europa mais do que um povo ridículo – somos um povo enlameado.Toda a auctoridade e dictadura tem a sua razão de ser (...) mas d’ahi á mascarada a que estamos assistindo desde a famosa lei de 9 de Abril contra a imprensa – é o que é loucura fazer-se, mais do que uma loucura – um crime.” avisando que ” O Espectro diz coisas do diabo. Ora enquanto o não suprimem, recommenda-o vivamente aos leitores dos Pontos nos ii e diz-me se a leitura te agradou. Mais te peço (...) que me mandes para Paristodos os jornaes governamentaes em que eu vou passar a ser insultado e difamado ".

Preço:75,00€

Referência:15335
Autor:BRANCO, Camillo Castello
Título:O JUDEU. (Vol I e II) Romance Histórico.
Descrição:

Em casa de Viuva Moré - Editora, Porto, 1886. [Porto. Typographia de Antonio José da Silva Teixeira]. 2 vols. In-8.° gr. de 262 e 278 págs. respectivamente. Brochados. Capas com picos de acidez, assim como disseminados ao longo do texto.

 

Primeira e rara edição de um dos mais estimados romances de Camilo. Exemplar pertenceu ao distinto bibliófilo LAureano Barros, cujas anotações manuscritas a lápis encontramos na folha de guarda do primeiro volume, e está descrito no grandioso seu catálogo sob o nº 1179.

 

Observações:

Livro dedicado «À memória de António José da Silva escritor português assassinado nas fogueiras do Santo Ofício, em Lisboa, aos 19 de Outubro de 1739».

 

No Dicionário de Camilo CAstelo Branco, lemos o seguinte na página 342/3:
 

"... O enredo, repartido em 2 volumes, constitui 2 quadros distintos da realidade social da época em que a acção se desenrola (séculos XVII e XVIII), não só nacional — entenda-se -, mas universal, na medida em que as vicissitudes das personagens ocorrem em Portugal, Holanda, Itália, Brasil e Inglaterra, onde quer que os desgraçados «judeus» buscavam refúgio da sanha persecutória do Santo Ofício. Primeiro quadro: os amores do fidalgo Jorge de Barros e a judia Sara de Carvalho, chamada cristamente Maria Luísa de Jesus, de envolta com a cobiça do achamento do cofre (a fortuna) do contador-mor dos contos do reino (por isso o romance teve primitivamente o título de O Anel do Contador-Mor). Segundo quadro: o drama do comediógrafo An-tónio José da Silva, conhecido por «Judeu». A linha abrangente dos dois quadros é a presença terrífica de indivíduos que, a coberto de falsos altruísmos cristianizadores, perseguiram outros seres humanos com vingativa crueldade. O que sobressai no romance é a corajosa denúncia do autor da repressão que, por suspeitos motivos religiosos, se procurava a recuperação e salvamento das almas pela purificação do fogo. Uma barbaridade histórica que só tem paralelo, nos tempos modernos, com a monstruosidade dos campos de concentração nazi ...".

Preço:435,00€

Referência:15333
Autor:CORREA, A. A. Mendes
Título:DA RAÇA E DO ESPÍRITO.
Descrição:

Instituto de Antropologia, Porto, 1940. In-8º de (8)-305-(1) págs. Encadernação meia francesa em pele castanha com cantos, rótulos de pele vermelha na lombada com dizeres e decoração dourada. Conserva as capas de brochura e ligeiro aparo generalizado.

Observações:

Do índice:
Animalidade e pensamento criador
Japoneses no Brasil
Herman ten Kate
Ideas morais em jovens criminosos e não criminosos
A nova e a vélha Antropologia criminal
O Estudo do povo português
Três quartos de século de labor arqueológico
A psicologia do Minhoto
Um nome antigo do Lima
Africanos em Portugal
Os descobrimentos portugueses e a Etnologia
Raça e valores morais.

Preço:45,00€

Referência:15332
Autor:RIBEIRO, Aquilino
Título:QUANDO OS LOBOS UIVAM
Descrição:

Livraria Bertrand, Lisboa, (1958). In-8º de 411-(1) págs. Brochado. Folha de guarda anterior com insignificantes vestígios de fita gomada. Exemplar muito bem conservado, muito atractivo.

PRIMEIRA EDIÇÃO apreendida pela PIDE, proibida a crítica ao livro assim como proibida a reedição da obra.

Observações:

"... Em 1958, Aquilino Ribeiro escreveu a saga dos beirões da Serra de Milhafres, a quem, na década de 40, durante o Estado Novo, foi imposta a perda dos baldios. Em seu lugar, plantariam pinheiros, o que prometia fortuna ao Estado e fome aos que na serra encontravam sustento. Alimentando a metáfora do nosso escritor, viveu-se uma caça aos lobos para incrementar o número de cães. O desejo do regime era enriquecer os cofres com a transformação das culturas da serra, por muita injustiça que tal empresa arrecadasse, por muito de bom que se perdesse, por muita gente que morresse na defesa das suas vidas com cabeça erguida e espinha esticada. Quando têm fome é Quando os lobos uivam. É esse o título da obra de Aquilino (...) Os lobos chamam-se uns aos outros para se agruparem na alcateia. No livro, Louvadeus regressa do Brasil, depois de anos de trabalho em busca de uma fortuna para a sua terra mãe... " (Pedro Pinheiro, 2021, in Observador)

Preço:40,00€

Referência:15331
Autor:CRAVEIRINHA, José
Título:CHIGUBO
Descrição:

Casa dos Estudantes do Império, Lisboa, 1964. In-8º de 35-(1) págs. Brochado. Capa de brochura ilustrado com xilogravura de José Pádua.
Primeira edição do livro de estreia de José Craveirinha (Prémio Camões, 1991).

Observações:

"... José Craveirinha nasceu em 1922, na antiga cidade de Lourenço Marques, no seio de uma família modesta, com pai algarvio e mãe moçambicana. José foi obrigado a abandonar os estudos após a conclusão da escola primária, para que o irmão mais velho fizesse o liceu, mas manteve a paixão pela leitura. Começou a trabalhar como jornalista no Brado Africano e mais tarde colaborou com o Notícias, a Tribuna, o Notícias da Beira, a Voz de Moçambique e o Cooperador de Moçambique. Foi neste último que publicou uma série de artigos ensaísticos sobre folclore moçambicano. Apesar de todo o trabalho importante desenvolvido na área da investigação, foi na lírica que Craveirinha se revelou verdadeiramente talentoso.

Estreou-se na poesia em 1955, com a publicação de poemas no Brado Africano. Seguiram-se inúmeras colaborações no plano literário com jornais de Moçambique, Angola, Portugal e Brasil. ‘Chigubo’ é o seu livro de estreia, editado em Lisboa, em 1964, pela Casa dos Estudantes do Império, que foi apreendido pela PIDE. Entre 1965 e 1968, partilha a cela da prisão com Malangatana e Rui Nogar, nomes importantes da cultura daquele tempo. Presente em qualquer antologia lusófona, a sua poesia reflete a influência surrealista, mas é marcada pela cultura moçambicana e reflete sobre as questões sociais. Craveirinha conquistou prémios em Moçambique, Itália e Portugal. Recebeu condecorações do presidente português Jorge Sampaio e do presidente moçambicano Joaquim Chissano. Um reconhecimento que teve a sua maior expressão com a atribuição do prémio Camões, em 1991. Morreu em fevereiro de 2003 ..." (Tânia de Melo, RTP Memória, 2003).

Preço:75,00€