Banner Vista de Livro

Palavras chave | Key Words

Açores | África | Afrodite | Agricultura | Alemanha | Alentejo | Algarve | América | Anais | Angola | Anti-Clericalismo | Antigo Regime | Antologia | Aramaico | Arqueologia | Arquitectura | Arquitectura Militar | Arquitectura Religiosa | Arte | Arte Monumental | Arte Popular | Arte Portuguesa | Artes Decorativas | Artes Plásticas | Artesanato | Autógrafos | Aveiro | Azurara | Barrancos | Batalhas | Beira | Bibliofilia | Bibliografia | Biografia | Botânica | Braga | Bragança | Brasil | Cabo Verde | Caça | Calão | Camiliana | Camilo | Camões | Campo Maior | Caricaturas | Casa de Bragança | Castelo Branco | Castelo de Vide | Catálogo | Ceilão | Censura | Cerâmica | Cervantes | Ceuta | Chaves | China | Ciências | Ciganos | Cinema | Cister | Coimbra | Colonização | Conto | Contos | Correspondência | Costumes | Cristãos Novos | Crítica | Crónica | Culinária | D. Henrique | Dança | Descobrimentos | Descolonização | Diário | Dicionário | Diplomacia | Direito | Ditadura | Douro | Economia | Edição especial | Educação | Educação Sexual | Emigração | Ensaio | Epístola | Epistolografia | Ericeira | Erotismo | Escultura | Esoterismo | Espanha | Estado Novo | Estanho | Estremoz | Estudos Pessoanos | Etnografia | Europa | Fauna | Fernando Pessoa | Figueira da Foz | Filologia | Filosofia | Flora | Folclore | Fotografia | França | Fundão | Galiza | Genealogia | Geografia | Gil Vicente | Goa | Grécia | Guerra | Guerra Colonial | Guerra Peninsular | Guiné | Hagiografia | Hebraico | História | História Natural | Humanismo | Idade Média | Igreja | Iluminura | Ilustração | Imprensa | In Memoriam | Índia | Inglaterra | Inquisição | Islão | Itália | Japão | Jesuítas | Jogo de Cartas | Jornalismo | Judeus | Latim | Leiria | Liberalismo | Linguagem | Linguística | Lisboa | Literatura | Literatura de Cordel | Literatura de Viagens | Literatura Erótica | Literatura Infantil | Literatura portuguesa | Livro | Livros Proibidos | Macau | Maçonaria | Madeira | Malacologia | Mariana Alcoforado | Marinha | Marquês de Pombal | Marrocos | Medicina | medieval | Memórias | Minho | Misericórdias | Missões | Mitologia | Moçambique | Moda | Modernismo | Monarquia | Monarquia Constitucional | Muçulmanos | Música | Música Portuguesa | Neo-Realismo | Novela | Novelas | Numismática | Ordem Monástica | Oriente | Ourivesaria | Pesca | Pintura | Piratas | Poesia | Poesia Trovadoresca | Polémica | Polícia | Política | Porto | Portugal | Presença | Primeira Guerra Mundial | Primeiras edições | Propaganda | Prostituição | Quintentista | Rafael Bordalo Pinheiro | Raro | Regional | Religião | Religiosa Portuguesa | Renascimento | República | Restauração | Revista | Ribatejo | Romance | Romanceiro | Romantismo | S. Tomé e Príncipe | Salazar | Sátira | Sebastianismo | Segunda Guerra Mundial | Sermão | Sexualidade | Sintra | Sociedade | Solares | Tauromaquia | Tavira | Teatro | Tecnologia Tradicional | Teologia | Termas | Terminologia Militar | Timor | Tipografia | Tiragem Especial | Torres Vedras | Tradução | Trás-os-Montes | Tratado | Turismo | Ultramar | Universidade | Viagens | Vila Real | Vinho | Viseu | Vista Alegre | Zoologia

Módulo background

África

Foram localizados 38 resultados para: África

 

Referência:13311
Autor:ARCHER, Maria
Título:VIAGEM À RODA DA ÁFRICA Romance de aventuras infantis
Descrição:

Editorial «O Século», Lisboa, 1937. In-8.º de 247-(1) págs. Br.  Capa de brochura com um pequeno rasgão marginal. Profusamente ilustrado ao longo do texto com desenho de M. Lapa.Com uma pequena dedicatória não autógrafa.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Obra distinguida em 1938, pelo Secretariado de Propaganda Nacional com o "Prémio de Literatura Infantil - Maria Amália Vaz de Carvalho".

Preço:19,00€

Referência:12330
Autor:autoria indefinida
Título:ALGUMAS CANÇÕES CHOPES
Descrição:

Republica Portuguesa, Província de Moçambique, Administração da Circunscrição da Zavala Lisboa, 1958. In-8.º de 107 págs. Ilustrado ao longo do texto, nomeadamente com facsimile de alguns fragmentos musicais (recolhidos pelo maestro Artur Fonseca). Pequenas falhas de papel no canto inferior direito das páginas iniciais.

Observações:

"Não se trata de um ensaio acerca da música ou do folclore chope; mas apenas de dar a conhecer algumas dezenhas de composições para timbilas recolhidas entre os Chopes."

Preço:25,00€

Referência:13235
Autor:BELCHIOR, Manuel
Título:CONTOS MANDINGAS
Descrição:

Portucalense Editora, Porto, 1971. In-8º de 333 págs. Br.

Observações:


“(...) Os motivos que levam a publicar este volume de contos, antes mesmo dos estudos que fundamentalmente ditaram a minha ida à Guiné, fundam-se, em primeiro lugar, na necessidade que existe em animar ao diálogo a que aludimos os portugueses brancos que em África trabalham, abonando a capacidade mental dos seus interlocutores. Os homens que fornecem este variado repositório de narrações que vão desde o conto com intensão educativa e moral até à crítica social mas acerada, são conversadores amáveis, inteligentes e espirituosos cujo convívio dá prazer. Encontrei-os espalhados por toda a Guiné e mais no sertão que na cidade porque o homem do mato, ganha, muitas vezes, uma maior altura intelectual por dispor de mais tempo e mais tranquilidade para a meditação e para o estudo(...)”

O investigador justifica o seu trabalho depois de ter permanecido largos meses, entre 1967 e 1968, na região de Bafatá e Gabu, trabalhando com fulas e mandingas num inquérito etnológico. Ao fazer o inventário do material recolhido, descobriu, muito agradado, que recolhera quase uma cinquentena de contos e fábulas. O conjunto de generalidades sobre o povo mandinga ainda hoje se lê com deslumbramento. Não querendo abstrair o número de mudanças operadas nos últimos 40 anos, continua a ter a maior utilidade o que Manuel Belchior escreve sobre a distribuição dos mandingas no território da Guiné-Bissau, as suas origens, o tipo de povoamento, a sua organização familiar, social e política, a religião, a visão do trabalho, as actividades económicas e os divertimentos.

Dito resumidamente, até aos anos 70 do século passado, os núcleos principais da população mandinga distribuíam-se pelas regiões do Gabu, por Gussará, Ganadu e Badora (Bafatá) e região do Oio (Farim e BIssorã). Os mandingas pertencem ao grande ramo dos negros sudaneses, aparecem historicamente relacionados com os povos mandés, com o império de Ghana e mais tarde o império Mali. Tornaram-se na etnia preponderante até ao século XIX, quando foram derrotados pelos Fulas. Em termos de organização social, a generalidade da população dedica-se à agricultura, mas já que ter em conta os artífices (como os ferreiros, os ourives, os tintureiros e os sapateiros) os cantores e músicos e os comerciantes.

Os contos e fábulas recolhidos são um repositório impressionante da amálgama e do sincretismo cultural dos mandingas: a influência do Corão e do animismo; a influência da literatura árabe e da narrativa oral africana; a exemplaridade de justiça muçulmana, o rigor a que se deve sujeitar o comportamento do soberano justo; o prémio da fidelidade do amor; a importância do Irã, a divindade protectora dos povos animistas; a história dos clãs; o castigo da inveja e da infidelidade, entre outras manifestações. <

O fabulário mandinga tem atraído muitos investigadores, nele se cruza um vasto património de narrativas morais que acabam por aparecer na generalidade das narrativas de toda as etnias. O estudo que Benjamim Pinto Bull fez às fábulas crioulas decorre deste complexo interétnico: envolve lobos que comem cabras, lebres ladinas que conversam com jagudis e crocodilos; serpentes que esperam a hora de vingança; lobos que conversam com hipopótamos, mas há também morcegos, leoas, macacos e personagens como os curandeiros.

Enfim, contos e lendas onde encontramos toda a trama da história, da língua, da educação, dos conceitos de direito e justiça deste povo. A problemática religiosa, insiste-se, tem bastante complexidade. Não só o mandinga islamizou povos pelo poder da espada como se mantém intransigente na recusa em abandonar as práticas de fundo animista (caso da circuncisão).

Quem puder, não se furte ao esplendor desta literatura que ajuda a dissipar o preconceito de que estes povos não possuem um elevado recorte literário.
 

in notas de leitura

Preço:24,00€

Referência:13309
Autor:CASIMIRO, Augusto
Título:ANGOLA E O FUTURO(Alguns Problemas Fundamentais)
Descrição:

Livrolândia, Limitada, Lisboa, s.d. In-8º de 346-(6) págs. Br. Capas de brochura com picos de acidez.

 

Observações:

Obra onde o autor faz uma análise bastante lúcida da colonização de Angola, e onde defende a participação do Negro na riqueza que a sua terra lhe pode proporcionar "Não nos limitaremos a fazer a riqueza de poucos (...).Faremos da riqueza criada, cada vezmais, pela participação crescente do maior número no seu usufruto, uma formidável força para a Civilização do negro. — Temos de fazê-lo."e também condena o método colonizador que ainda se estava a usar em África chamando a atenção para a evolução de todo o processo: "Em África, nós, brancos, já perdemos muito tempo, e o despertar, à nossa roda, dos povos negros para a aquisição e garantia prática de novos direitos caminha com uma imprevista velocidade."
O autor faz ainda uma análise de toda a problemática do esforço colonial que se deveria, ainda, desenvolver com base numa comparação entre Negros e Brancos, não estabelecendo grandes distinções, a não ser aquelas que resultam das disparidades culturais e das evoluções técnicas que se foram verificando entre os Europeus.


Do índice: I - Sentido de Colonização; II - Missão em África: O Homem Africano; Africanismo; Três Governos; Três Chefes; Uma Política; A Terra Africana e a sua Cultura; Saúde e Alimentação. Educação: 1 - O problema da linguagem; 2 - Educação base; 3 - Ensino Profissional; 4 - Evoluídos. Mão-de-Obra, Política, Indínena, Industrialização e Colonização. O Mercado Comum.

 

Preço:19,00€

Referência:12411
Autor:CASTILHO, Augusto de
Título:RELATÓRIO DA VIAGEM DA CANHONEIRA RIO LIMA DE LISBOA A MOÇAMBIQUE por ...
Descrição:

Imprensa Nacional, Lisboa, 1889. In-4º de 203-(2) págs. Encadernação coeva meia-inglesa com sinais de mansueamento marginal.
Apresenta 3 gravuras abertas a chapa de aço da Fortaleza de S. Caetano de Sofalla, a partir de desenhos realizados por Augusto de Castilho. Apresenta também um grande mapa desdobrável da Barra do Rio Linde até ao estabelecimento de Micáhung e e outros com com as rotas do navio: de Lisboa para a Ilha da Madeira; do Rio de Janeiro para a Cidade do Cabo; levantamentos hidrográficos em Moçambique. Quadros de dados com posicionamento geográfico e meteorologia; informação das transferências bancárias no financiamento da viagem; tabelas dos cronómetros; dados dos exercícios de artilharia, etc.

 

RARO.

Observações:

O relatório refere-se à viagem acima descrita passando nos anos 1884 e 1885 pelos seguintes portos: Madeira, Tenerife, S. Vicente, Pará, Rio de Janeiro, Bahia da Mesa, Natal, Lourenço Marques, Inhambane, Bazaruto, Chiloane, Sofala, Inhamissengo, Quilamane, Rio Linde, Tejungo, Casuarina, Moma e Angoche.
No final em jeito de anexo, apresenta um relatório parcial em cumprimento do determinado no artigo V das instrucções e Algumas Considerações acerca de Ilhas da Madeira, Tenerife e de S. Vicente encaradas como escalas para a Navegação Oceanica.

AUGUSTO Vidal de CASTILHO e Noronha (1841-1912) foi oficial de Marinha que, em 1893, encontrando-se no Rio de Janeiro a comandar uma divisão naval portuguesa, concedeu asilo ao Almirante Saldanha da Gama e a quantos o haviam acompanhado numa revolta contra o Governo Brasileiro. Julgado em Portugal, por não ter acatado a ordem de entregar os exilados (mais de 500), foi absolvido, o que provocou uma crise ministerial (in Dicionário de História de Portugal).

Preço:85,00€

Referência:12511
Autor:CÉSAR, Amândio
Título:TERRA VERDE
Descrição:

Editora Pax, Braga, 1969. In-8º de 30-(1) págs. Brochado. Valorizado pela dedicatória autógrafa no frontispício.

Observações:

Conto de Natal escrito por Amândio César, jornalista, poeta, contista, ensaísta e crítico literário, que deixou uma vasta bibliografia e colaboração em numerosas publicações periódicas sobre assuntos africanos e outros não africanos que mereceu prémios Antero de Quental, Camilo Pessanha e outros.

Preço:15,00€

Referência:12332
Autor:COELHO, Trindade
Título:DEZOITO ANNOS EM AFRICA - Notas e documentos para a biographia do Conselheiro José D'Almeida
Descrição:

Typ. de Adolpho de Mendonça, Lisboa, 1898. In-8.º de 539 págs. Encadernção inteira em sintético, com dizeres dourados na lombada. Conserva capas de brochura. Ilustrado com um retrato do Conselheiro José Joaquim d' Almeida.

Observações:

"Este livro é a exposição impressa, chronologicamente ordenada, dos principaes documentos de caracter publico e official que assignalam actos, de caracter official tambem, da vida intensamente laboriosa, e singularmente prestante, do funcionario a que diz respeito."

Preço:50,00€

Referência:12421
Autor:EÇA, Filipe Gastão de Almeida de.
Título:LACERDA E ALMEIDA ESCRAVO DO DEVER E MÁRTIR DA CIÊNCIA (1753-1798)
Descrição:

Tipografia Severo Freitas, Lisboa, 1951. In-8.º de 222-(1) págs. Br.

 

Observações:

Prefácio do Dr. Alberto Iria. Biografia do astrónomo de D. João VI que atravessou África desde Tete até ao seu interior noroeste.

"Apontamentos históricos, biográficos e genealógicos, com algumas notícias e documentos inéditos acerca do insigne explorador das selvas brasileiras e dos sertões africanos."

Preço:39,00€

Referência:12405
Autor:ENES, António
Título:MOÇAMBIQUERelatório apresentado ao governo
Descrição:

Imprensa Nacional, Lisboa, 1971. In-8º de 625-(2)págs. Br. 4ª edição fac-similada pela de 1946. Cadernos por abrir.

Observações:

Relatório sobre Moçambique apresentado ao governo por António Enes.
Excertos do livro:

"(…) a administração (…) e a opinião pública precisam de perder o medo do estrangeiro, o ciúme do estrangeiro, a antipatia ao estrangeiro, quando tiverem de deliberar acerca de Moçambique. O mais que se pode e deve fazer, à cautela, é diligenciar que (…) se estabeleçam estrangeiros de todas as raças e de todas as nacionalidades, e não de uma só, seja ela qual for."
"(…) A estabilidade é especialmente necessária. O comércio e a indústria não podem ter iniciativa afoita estando sujeitos a que o fisco altere o valor das mercadorias alterando os direitos pautais ou outros impostos que sobre elas incidem; onere hoje produtos ou lucros que ontem favorecia com isenções; faça variar largamente encargos que são factores importantes no cálculo das operações mercantis. Já seria um desafogo e uma segurança enormes tornarem-se inalteráveis os regimes tributários ao menos durante períodos certos..."

Preço:28,00€

Referência:12503
Autor:FERAUD,Marie
Título:CONTOS AFRICANOS Contos e Lendas do Folclore Africano Seleccionados e Adaptados Por...
Descrição:

 Verbo, Lisboa, 1977- In-4º de 155-(2) págs. Encadernação editorial. Profusamente ilustrado com belos desenhos a cores e a preto e branco de Akos Szabo. Ostenta uma dedicatória não autógrafa.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Interessante colectânea de contos africanos seleccionados e adaptados por Marie Feraud e traduzidos para português por António Manuel Couto Viana, Rui Viana Pereira e Maria Adelaíde Couto Viana.
 

Preço:27,00€

Referência:12398
Autor:GALVÃO, Henrique
Título:HUÍLA (relatório do governo)
Descrição:

Ed. do Autor, V.N.Famalicão, 1929. In-8º de 309-(2) págs. Br.

Observações:

Relatório onde para além de descrever os aspectos da administração colonial Henrique Galvão aproveita para denunciar as corrupções políticas e crimes contra os povos africanos das colônias portuguesas.

Preço:40,00€

Referência:12724
Autor:GOLISH, Vitold de; RAMBACH, Pierre e HEBERT-STEVENS, F.
Título:L'INDE INEXPLORÉE. Expédition Tortue 1950-1952. Afrique - Moyen-Orient - Indes
Descrição:

Arthaud, Paris, 1953. In-4º de 52-(82)págs. Br. profusamente ilustrado com 82 fotografias a cores e a preto e branco. Ostenta uma dedicatória não autógrafa.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:

Magnifico álbum com fotografias tiradas durante a Expedieção "Tortue" que durou de 1950 a 1952 e que começou em França, atravessou países africanos do médio-oriente e acabou na Índia.
 

Preço:28,00€

Referência:13431
Autor:KOPKE, Manuel
Título:NO SERTÃO D'ÁFRICA Contos Tradicionais Indígenas
Descrição:

Edições Spartacus, Lisboa,  1926. In-8º de 129-(3) págs. Br. Sinais de manuseamento. Integrado na colecção Literatura Exótica.

Observações:

Colectânea de contos tradicionais africanos recolhidos por Manuel Kopke:

"Foi sem qualquer preocupação literária, que escrevemos os contos que a seguir se lêem. Escrevendo-os, ou antes, traduzindo.os, só tivemos em vista apresentar aos curiosos pequena amostra, que nos pareceu também bastante curiosa, de uma literatura certamente - "desconhecida"- da maior parte da gente ledora da nossa terra."

Preço:12,00€

Referência:12336
Autor:MARTINS, J. P. Oliveira
Título:PORTUGAL EM AFRICA I - Questão Colonial - O Conflito Anglo-Português
Descrição:

Livraria Internacional de Ernesto Chardron, 1891. In. – 8.º de XI-240 págs. Br. Exemplar revelador de sinais de manuseamento, apresentando ainda o miolo alguns picos de acidez.

Observações:

Encerra as seguintes matérias: Economia colonial:O deficit colonial; Moçambique; O livro branco de 1889; A British East African Company; O programma do governo.; O conflicto inglez Ultimatum de 11 de janeiro de 1890: O consul Johnston; O Ultimatum; O desaggravo; O gabinete regenarador e o tratado de 20 de agosto; A liquidação do conflito.

Preço:30,00€

Referência:12395
Autor:NOGUEIRA, Rodrigo de Sá
Título:DICIONÁRIO RONGA-PORTUGUÊS
Descrição:

Junta de Investigações do Ultramar-Centro de Estudos Políticos e Sociais, Lisboa, 1960. In-8º de 643 págs. Encadernação editorial.

Observações:

Lingua Ronga - XiRonga, também referido como Ronga, ShiRonga ou GiRonga, é uma das línguas originárias da província e cidade de Maputo, em Moçambique. Faz parte do ramo Tswa-Ronga das línguas bantu. Tem cerca de 650 mil falantes em Moçambique e 90 mil na África do Sul. Alguns linguistas consideram que esta língua é uma forma ou dialecto da língua xiTsonga. Na actualidade a língua, que já foi a mais falada na capital do país, está ameaçada pela preponderância do português e do xangana. As autoridades locais têm vindo a tomar medidas para evitar a decadência deste idioma, tornando-a língua de ensino e de trabalho. Esta língua também é conhecida como landim pelos falantes de português, uma vez que os seus falantes se referem à sua língua como xilandi.

Preço:40,00€

Referência:12418
Autor:PARREIRA, Carlos
Título:MOUSINHO - ESBOÇO PARA UM RETRATO PSICOLÓGICO
Descrição:

Edição do Governo Geral de Moçmabique e da Imprensa Nacional, Lourenço Marques, 1936. In-8.º de 80-(1) págs. Encadenação meia inglesa com lombada em pele, a qual se apresenta decorada com dourados. Conserva capas de brochura. Ilustrado com 3 retratos do Major Mousinho de Albuquerque, nomeadamente um retrato a óleo do Mestre José Malhoa.

 

INVULGAR.

Observações:

Encerra os seguintes capítulos: O Homem de Acção; O administrador; o Intelectual e o Afectivo.

O enigma da sua estranha personalidade, desorbitada dos carreiros normais, do chouto bestiaga dos outros; o enigma do seu "eu", da sua estrutura de Parsifal, sobrepairando, imarcescivelmente branca e coevamente ilógica, a uma campanha de gnomos torvos, tartamudeando as suas pequeninas cobiças e os seus despeitos minúsculos.

Preço:40,00€

Referência:13754
Autor:RODRIGUES, Bernardo
Título:ANAIS DE ARZILA. Crónica inédita do século XVI. Por… Publicada por ordem da Academia das Sciencias de Lisboa e sob a direcção de David Lopes sócio efectivo da mesma academia. Tomo I (1508-1525), Tomo II (1525-1535) e Suplemento (1536-1550)
Descrição:

Academia das Sciencias de Lisboa, Lisboa, 1915 e 1919. Dois volumes de in-8º com XLVIII-498 e XIX-562 pags. Br. Conserva capas de brochura. Capas de brochura com alguns picos de acidez . Cadernos por abrir.  Profusamente ilustrados em extra-texto com mapas desdobráveis e fotogravuras  impressas sobre papel couché.  Integrado na Comemoração do Quinto centenario da tomada de Ceuta. 1.a série, Textos históricos publicados pela Comissão dos centenario de Ceuta e Albuquerque. Única edição publicada.

 

INVULGAR.

Observações:

Obra em dois tomos escritos em 1561 por Bernardo Rodrigues,  militar e cronista português que, nasceu e
viveu em Arzila até esta ser tomada pelos Mouros em 1549.Foi publicada pela Academia das Ciências de Lisboa sob a direcção de David Lopes.
Estes Anais são uma descrição dos feitos de guerra das tropas portuguesas e narra largamente os movimentos das almogaverias contra os mouros, as cavalgadas e as entradas dos capitães portugueses da vila de Arzila contra os alcaides locais.
Sendo uma narrativa de teor militar, que tinha como finalidade enaltecer os actos de bravura dos nobres cavaleiros que partiram para a conquista do Norte de África, é  um relato crú e realistico das duras batalhas que se travaram pela conquista de Arzila.

Preço:40,00€

Referência:13642
Autor:SOROMENHO, Castro
Título:MARAVILHOSA VIAGEM DOS EXPLORADORES PORTUGUESES
Descrição:

Editorial Sol, Lisboa, 1956. In-4º de 364-(6) págs. Encadernação inteira em sintético com dizeres a ouuro na lombada. Prrofusamente ilustrado com fotografias em extra-texto e impressão a várias cores com vinhetas e gravuras de inspiração aficana.

Observações:

Obra que faz não só a evocação dos exploradores portugueses do império colonial como também  é uma tentativa de exposição etnográfica das terras africanas e das suas gentes.

Preço:65,00€