Banner Vista de Livro
 Aplicar filtros
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

Bibliofilia

Foram localizados 39 resultados para: Bibliofilia

 

Referência:14084
Autor:Autoria diversa
Título:UMA CARTA DE CAMILO
Descrição:

Lisboa, 1915. In-8º de 8 páginas inumeradas. Br. Exemplar nº 92 de uma tiragem de 100, numerados e nominados.
RARO.

Observações:

Encerra carta dirigida a Thomaz de Carvalho, e também a carta de resposta deste a Camilo. Esta edição foi destinada como oferenda aos camilianistas, de uma carta Inédita até então, escrita em 1887, e que estavam na posse de Alfredo Bensaúde.

Preço:10,00€

Referência:14151
Autor:DIAS, Saúl
Título:SANGUE
Descrição:

Edições “Ser”. Vila do Conde. (1952). In-8º de 56-(2) págs. Brochado. Desenho de Julio, de página inteira.

Rubrica de posse do anterior proprietário, datada de 52. Ligeiros e insignificantes cortes marginais e outros sinais de uso. Capa de brochura posterior com ligeiro restauro.

Observações:

O poeta e pintor Júlio Maria dos Reis Pereira nasceu e viria a falecer em Vila do Conde. Permaneceu em Vila do Conde até completar o quinto ano do Liceu, curso que terminaria já na ci­da­de do Porto, no Liceu Rodrigues de Freitas. Estudou pin­tu­ra como aluno voluntário na Es­co­la de Belas­‑Artes do Porto durante dois anos, entre 1919 e 1921, e licenciou‑se em En­­­ge­­nharia Civil na Faculdade de Ciências da Univer­si­­­da­de também do Porto, já em 1928. Entre 1931 e 1935, exerceu a sua pro­fis­são na Câ­ma­ra Municipal de Vila do Con­de e, a partir de Janeiro de 1936, no Ministério das Obras Públicas, em Coimbra, tendo si­do trans­­­­­­­­­­fe­rido no ano seguinte para Évora, onde fixou residência. No Alentejo viria ain­da a de­­­­­di­­­­car­-se à olaria tradicional, nos anos de 1963-1964. Do seu casa­­mento com Ma­ria Au­­­­­­­gus­ta da Silva Ventura, em 1941, nasceu um filho, José Alberto dos Reis Pe­rei­­ra. Ir­mão mais novo do escritor José Régio (1901‑1969), com quem colaborou ao lon­­go de to­­da a vida, Júlio Maria dos Reis Perei­ra divi­diu a sua actividade artística entre a poesia e pin­­­­­­­tura, produzindo uma obra bi­fron­te com expressão declarada no plano ono­más­tico: Sa­úl Dias, com acento, foi o pseudó­ni­mo escolhido pelo poeta para iden­ti­ficar a sua obra po­é­tica; Julio, sem acento, o ortó­ni­mo es­co­lhido pelo pintor para assinar a sua obra plás­­tica.

Segundo Joana Matos Frias, " ... A obra de Saúl Dias cumpriu porém, como notou João Gaspar Simões ao considerá-la «um agente de ligação entre o lirismo puro tradicional e a poesia moderna», um dos pro­pó­sitos mais modernistas da «folha de arte e crítica», com base na indisso­cia­bi­li­dade, ao nível da criação es­té­­­­tica, das produções do poeta e pintor. O vínculo concre­tizou-se na pró­­pria con­cep­ção dos livros enquanto objectos, já que todos os volumes de Saúl Dias — incluindo as edi­ções da Obra Poética — apresentam tra­balhos de Julio. A poesia de Saúl Dias, por seu turno, es­tru­­­turou-se a par­tir de um núcleo de temas, motivos e su­ges­tões plásticas co­­muns ao trabalho pic­tó­ri­co de Julio, o que explica a sin­gu­­­laridade da sua obra no seio da geração pre­sen­­cista, e a sua impor­tân­cia para o desenvolvimento do Mo­der­­­nismo encetado pelo Orpheu, em particular pelo artista integral Almada Negreiros. No pla­no do conteúdo, regido por um prin­cípio ecfrás­tico, destaca-se, para além das explí­citas alusões ao dese­nho e à pintura, a recor­rência das per­so­na­gens e dos am­bi­en­tes ca­rac­­­­­­­­te­rís­ti­cos do imaginário expressionista e onírico do pintor, des­de …mais e mais…, como a pros­­­tituta do bordel e o poeta de café, o palhaço e o doi­do, Arle­quim e Co­lom­­bina, a ma­ga e o vaga­bun­do, o poeta e a menina, todos prota­go­nis­tas de uma sensu­­­a­­­lidade e de um ero­tismo discretos tam­­­bém detectáveis nos dese­n­hos e aguarelas de Julio. No plano da ex­­pres­­­são, a dicção poética de Saúl Dias pa­rece apre­­­sentar-se como a ver­são em verso do poder de elíptica su­gestão, do traço contido e deli­­cado, do pu­dor des­­critivo, da gracio­si­da­­­de, do tom ingénuo e irónico, e das cores pu­ras e fortes das telas de Julio, sem qual­quer prejuízo da sua específica auto­no­­mia ver­bal, retórica e poé­­tica, conforme demons­trou detalhadamente Luís Adriano Carlos no Prefácio «Pintura e poesia na mesma pes­soa».

 

 

Preço:150,00€

Referência:13465
Autor:FILIPE, Daniel
Título:MARINHEIRO EM TERRA. Poemas.
Descrição:

Edição do autor, Lisboa, 1949. In-8º de 53-(3)págs. Br. Capas com alguns picos de acidez. Capa de António Vaz Pereira. Este exemplar é o nº 2 de 5 exemplares em papel bíblia, da Matrena, fora do mercado, numerados e rubricados pelo autor". Valorizado pela expressiva dedicatória autógrafa ao poeta José Osório de Castro a quem o livro também é dedicado.

PRIMEIRA EDIÇÃO do segundo e raro livro do autor.

Observações:

 

CANTIGA DE RODA

A tarde no jardim deserto e calmo
e este livro de poemas morno e fútil!
(Por exemplo: vejamos este "salmo")
Tudo tão completamente inútil!

Um céu azul, sem núvens - de verão.
Duas crianças jogam animadamente
ao eixo. Um entusiasmo são
qur me torna igual a toda a gente!

Apetece ser simples e sincero,
aqui onde há crianças e pardais...
Que diabo! Uma vez, ao menos, quero
ser como os mais!

 

Preço:75,00€

Referência:13336
Autor:FREITAS, Gustavo de & CABRAL, Miguel de Castro
Título:OBRAS DO DIABINHO DA MÃO FURADA Novela atribuída a Antonio José da Silva ( o Judeu). Edição e estudo Critico de
Descrição:

Revista da Lingua Portuguesa, Rio de Janeiro, 1925. In-4º de XXV-85 págs. Br. Capas de brochura envelhecidas. Separata da Revista da Lingua Portuguesa. Edição especial de 29 exemplares numerados e rubricados pelos autores dos quais "só entram no commercio os de nº 22  a 29", sendo este exemplar o nº 19. Valorizado pela dedicatória autógrafa ao poeta José Osório de Oliveira.

RARO.

Observações:

Obra portuguesa, de autoria e data controversa do Séc XVIII ou XIX,atribuida a António José da Silva e que circulou em forma de manuscritos, conhecendo-se apenas dois manuscritos preservados que divergem em alguns detalhes: um deles está na Biblioteca Nacional e outro na Academia de Ciências de Lisboa.
A obra,  narra a  história do Diabinho da Mão furado e do soldado Peralta às voltas com pactos, diabos, bruxas, e também com  referências clássicas, como a Bíblia, a Divina Comédia de Dante,e Dom Quixote de  Cervantes.Nas entrelinhas dessa   narrativa, o autor introduz severas críticas à sociedade lisboeta e à intolerância da Inquisição  
Portuguesa.
As primeiras 25 páginas desta obra encerram um prefácio de Fidelino de Figueiredo e um estudo critico de Gustavo de Freitas & Miguel de Castro Cabral.

Preço:50,00€

Referência:12263
Autor:LOPES, A.
Título:NOVO METHODO DE DANÇAS DE SALÃO OU O VERDADEIRO GUIA DAS DANÇAS MODERNAS, Composto expressamente para uso dos portuguezes
Descrição:

Papelaria e Typ. Azevedo, Porto, 1885. In-8º de 354-(12) págs. Encadernação coeva meia inglesa em pele vermelha com dizeres e florões a ouro na lombada. Profusamente ilustrado com gravuras abertas a chapa de aço em extra-texto representando os diferentes tipos de danças, inclui também partituras para piano para diferentes tipos de danças de salão.  Com uma fotografia do autor. Ornada com 42 gravuras representado técnicas e estilos de dança e 10 partituras em desdobráveis de maiores dimensões. Texto emoldurado à maneira romântica. Ligeiro aparo marginal. Nítida impressão sobre papel de boa qualidade.

PRIMEIRA EDIÇÃO (e única?).

RARÍSSIMA.

Observações:

Livro muito interessante sobre as danças de salão com uma descrição pormenorizada de cada umas das modas.

Preço:245,00€

Referência:13009
Autor:MARTINS, José V. de Pina
Título:PARA A HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA DO RENASCIMENTO a iconografia do livro impresso em Portugal no tempo de Dürer
Descrição:

Fundação Calouste Gulbenkian, Paris, 1972. In-4º de 119-(3) págs. Br. "Separata do Volume V dos Arquivos do Centro Cultural Português--Paris.". Ilustrado ao longo do texto e em extra-texto com a reprodução de frontispícios de livros, gravura, colofons, etc. Tiragem especial de quarenta e quatro exemplares numerados de I a XLIV assinados pelo autor.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Ensaio muito exaustivo sobre edição de livros em Portugal durante o Renascimento, dando especial atenção à iconografia.

Preço:39,00€

Referência:12526
Autor:MARTINS, José V. de Pina
Título:SÁ DE MIRANDA E A CULTURA DO RENASCIMENTObibliografia - I
Descrição:

Oficinas Gráficas da Livraria Cruz, Braga, 1972. In-4º gr. de 506-(2) págs. Br. Ilustrado em extra-texto com reproduções de portadas, frontispícios e gravuras de livros antigos, manuscritos e outros documentos e com três provas de artista de três águas fortes de Martins da Costa. Edição especial de 33 exemplares numerados e assinados pelo autor sendo este o número 18. Primeiro e único volume publicado.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

 

 

 

Observações:

Um dos mais notáveis trabalhos bibliográficos portugueses sobre Sá de Miranda, exaustivamente desenvolvido escrito por Pina Martins qur foi um prestigiado Professor e Investigador. A ele se deve a descoberta de um dos mais antigos incunábulos em língua portuguesa, impressos em Portugal (Tratado de Confissom, 1489). Pina Martins reuniu uma das mais importantes bibliotecas privadas sobre estudos humanísticos da Europa.

 

Preço:125,00€

Referência:12666
Autor:REDOL, Alves
Título:A FRANÇA, da resistência à renascença.
Descrição:

Editorial Inquérito (e Edições Cosmos). Lisboa. S.d. In-4º de 575 págs. Encadernação editorial com ferros secos, dourados e a côr nas pastas e na lombada em pele. Profusamene ilustrado ao longo do texto, mancha tipográfica capitular com vinhetas tipográficas decorativas e ilustrado também em separado. Charneira com ligeiros sinais de manuseamento.

MAGNÍFICA edição de luxo publicado sob patrocínio moral do Departamento das Relações Culturais do Minsitério dos Negócios Estrangeiros e da União Nacional dos Intelectuais da França.

No prefácio: "... Escrevi este livro sem propósitos literários, julgando que cumpra um dever humano e um dever nacional. O dever nacional estava no exemplo dado por outra gente que, rodeada de todas a sangústias, perdida no meio de destruições sem conta, tolhida pelo espanto dos massacres feitos na sua própria carne, ainda tinha esperança na sua condição e no seu futuro, para se entregar às mais árduas fainas de uma redenção que muitos outros continuavam a tentar diminuir ou a pretender esmagar. Este livro é, pois, acima de tudo, uam expressão da minha confiança no destino nacional e na caminhada dos homens de braços abertos para o futuro - dos homens que guardaram no coração aquela luz que as trevas quiseram apagar no momento mais tragico da história do mundo ...".

Observações:
Preço:55,00€

Referência:12927
Autor:RODRIGUES, Armindo
Título:A ESPERANÇA DESESPERADA poemas
Descrição:

Edição do autor, Coimbra, 1948. In-8º de 70-(1) págs. Br.Integrado na colecção do "Galo", dada a lume em Coimbra e cuja tiragem foi sempre muito restrita. Tiragem especial de 30 exemplares numerada, em papel de linho, com um poema autógrafo e um retrato do autor por Maria Keil.


PRIMEIRA EDIÇÃO.
RARO & PEÇA DE COLECÇÃO.

Observações:

RUMO

Ergue-se do fundo
do mundo em mim
tudo o que penso.
Pensar é ir
e o que sou
alegremente
o aceito e quero.

Ao pé do imenso
espanto de existir
o resto é zero.

Tudo procuro
sem crer em nada
definitivo,
com o motivo
exacto e duro
de tudo querer
compreender.

Pensar é ir.
Ir é ser.

Preço:60,00€

Referência:14088
Autor:ROSA, António Ramos
Título:ESTOU VIVO E ESCREVO SOL
Descrição:

Editora Ulisseia, Lisboa, 1966. In-8.º de 88-(6) págs. Br. Orientação gráfica de Espiga Pinto. Sobrecapa em papel de alcatrão. Integrado na "Colecção Poesia e Ensaio". Encerra uma dedicatória autógrafa.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

 

Observações:

Eu escrevo versos ao meio-dia
e a morte ao sol é uma cabeleira
que passa em fios frescos sobre a minha cara de vivo
Estou vivo e escrevo sol

Se as minhas lágrimas e os meus dentes cantam
no vazio fresco
é porque aboli todas as mentiras
e não sou mais que este momento puro
a coincidência perfeita
no acto de escrever e sol

A vertigem única da verdade em riste
a nulidade de todas as próximas paragens
navego para o cimo
tombo na claridade simples
e os objectos atiram suas faces
e na minha língua o sol trepida

Melhor que beber vinho é mais claro
ser no olhar o próprio olhar
a maravilha é este espaço aberto
a rua
um grito
a grande toalha do silêncio verde.

Preço:60,00€

reservado Sugerir

Referência:12896
Autor:THOMAZ,Annibal Fernandes
Título:BOLETIM DE BIBLIOGRAPHIA PORTUGUEZA
Descrição:

 Imprensa da Universidade de Coimbra, Coimbra, 1879-1882. Dois volumes encadernados num só de In-8 de  212 e 304 págs. Encadernação meia francesa com dizeres a ouro na lombada. Com capas de brochura conservadas e ligeiro aparo marginal. Nítida impressão sobre papel de linho. Lombada com ligeiro defeitos de manuseamento. A impressão do segundo volume terminou na página 304. TUDO QUANTO FOI PUBLICADO.

PRIMEIRA EDIÇÃO (e única).

RARO.

Observações:

Publicação mensal bibliográfica, dirigida por Anibal Fernanddes Tomás, e com as  colaborações de António Francisco Barata, Dr. Augusto Fillipe SimÕes, Augusto Mendes Simões de Castro, Ernesto do Canto, Fernando Castiço, Francisco António Rodrigues do Gusmão, João Corrêa Ayres de Campos, José Joaquim da Silva Pereira Caldas, Manuel Bernardes Branco, Dr. Theophilo Braga.

 

 


DUAS PALAVRAS

"De ha muito que entre os poucos bibliophilos do nosso paiz era geralmente sentida a falta de um jornal de bibliographia modelado por alguns dos que vêem a luz na França na Bélgica e na Allemanha ; mas, apezar de se reconhecer essa falta, ninguém até hoje tinha tomado sobre si o encargo de preenche-la.

Principiamos hoje a publicação d'um jornal d'esta indole, certos de que não passará d'um ensaio, julgando-nos muito felizes se conseguirmos sustenta-lo um anno. Fica d'esta forma á disposição dos amigos dos livros, com cuja dedicada coUaboração contamoS; um pequeno periódico, que, sem nada prometter, se esforçará comtudo por se tomar interessante e curioso, como repositório de noticias biblographicas.

Nâo nos falte a cooperação dos bibliophilos, que a boa vontade é de sobra no redactor."

Preço:195,00€

Referência:14150
Autor:TORGA, Miguel
Título:MONTANHA. Contos de ...
Descrição:

Coimbra.1941. In-8º de (6)-181-(1) págs. Brochado. Exemplar em magnífico estado de conservação, quase "mint-condition" não fosse o ligeiro e insignificante amarelecimento marginal das capas de brochura. Miolo imaculado, muito limpo e fresco.

PRIMEIRA EDIÇÃO desta apreciadíssima e rara obra apreendida pela PIDE aquando a sua distribuição. O bom estado de conservação aliado à raridade da obra tornam esta espécie bibliográfica extremamente rara e PEÇA DE COLECÇÃO.

 

 

Observações:

Montanha publicado em 1941, foi logo apreendido pela polícia política. Em carta de Abril desse ano, Vitorino Nemésio, solidarizando-se com o amigo, escreveu a propósito dessa apreensão: «Acho a coisa tão estranha e arbitrária que não encontro palavras. De resto, para quê palavras se nelas é que está o crime?».

É um livro composto por 23 contos, que descrevem e demonstram os comportamentos, as emoções e as gentes de uma aldeia trasnmontana durante o regime ditatorial fascista de Salazar. Neste ano, Torga publica diversos livros: o volume primeiro do Diário, o volume de teatro Terra Firme-Mar e um de contos Montanha. Em 1955, o autor faz uma edição (a segunda) no Rio de Janeiro, com o título Contos da Montanha, que circula clandestinamente em Portugal.

 

 

Preço:275,00€

Referência:13998
Autor:VITORINO, Pedro
Título:INVASÕES FRANCESAS
Descrição:

Livraria Figueirinhas, Porto, 1945. In-8.º de 199-(3) págs. Br. Ilustrado em extra-texto com gravuras a preto e branco coladas sobre cartolina encarcelada. Nítida impressão sobre papel de gramagem e qualidade superior. Capas de brochura quase impecável não fosse uma pequena manchinha no canto inferior direito.

 

 

Observações:

Trabalho muito exaustivo sobre as invasões francesas a Portugal com um prefácio de J. A. Pires de Lima.


(...) Tornadas as montanhas de Tôrres, baluarte inexpugnável, a vitória estava assegurada!
Pela terceira vez no nosso território, Wellington media-se com os invasores. O vigor indómito do chefe anglo-luso lançá-los-ía definitivamente para longe das fronteiras. (...)

Preço:28,00€

Referência:14066
Autor:[HELDER, Herberto]
Título:VOCAÇÃO ANIMAL
Descrição:

Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1971. In-8º de 75-(4) págs. Brochado. Exemplar em excelente estado de conservação. Apresenta um carimbo de "Oferta Editorial" no ante-rosto.

Observações:

Da contracapa:

"... A sua poesia tem esse carácter único dos grandes visionários, como um Van Gogh, um Rilke, um Boschère, um Blake..."
António Ramos Rosa

Preço:125,00€