Banner Vista de Livro

Palavras chave | Key Words

Açores | África | Afrodite | Agricultura | Alemanha | Alentejo | Algarve | América | Angola | Anti-Clericalismo | Antigo Regime | Antologia | Antropologia | Aramaico | Arqueologia | Arquitectura | Arquitectura Militar | Arquitectura Religiosa | Arte | Arte Monumental | Arte Popular | Arte Portuguesa | Artes Decorativas | Artes Plásticas | Artesanato | Autógrafos | Aveiro | Azurara | Bacalhau | Barrancos | Beira | Bibliofilia | Bibliografia | Biografia | Botânica | Braga | Bragança | Brasil | Cabo Verde | Caça | Calão | Camiliana | Camões | Campo Maior | Canada | Caricaturas | Casa de Bragança | Castelo Branco | Castelo de Vide | Catálogo | Ceilão | Censura | Cervantes | Ceuta | Chaves | China | Ciências | Ciganos | Cinema | Coimbra | Colonização | Conto | Contos | Costumes | Cristãos Novos | Crítica | Crónica | Cuba | Culinária | D. Henrique | Dança | Descobrimentos | Descolonização | Dicionário | Diplomacia | Direito | Ditadura | Douro | Economia | Edição especial | Educação | Educação Sexual | Emigração | Ensaio | Ensino | Epístola | Epistolografia | Ericeira | Erotismo | Escultura | Esoterismo | Espanha | Estado Novo | Estanho | Estremoz | Estudos Pessoanos | Etnografia | Europa | Évora | Fauna | Feminismo | Fernando Pessoa | Figueira da Foz | Filologia | Filosofia | Flora | Folclore | Fotografia | França | Fundão | Galiza | Genealogia | Geografia | Gil Vicente | Goa | Grécia | Guerra | Guerra Colonial | Guerra Peninsular | Guiné | Hagiografia | Hebraico | História | História Natural | Humanismo | Idade Média | Igreja | Iluminura | Ilustração | Imprensa | In Memoriam | Índia | Inglaterra | Inquisição | Invasões Francesas | Itália | Japão | Jesuítas | Jogo de Cartas | Jornalismo | Judeus | Latim | Leiria | Linguagem | Linguística | Lisboa | Literatura | Literatura de Cordel | Literatura de Viagens | Literatura Infantil | Literatura portuguesa | Livro | Livros Proibidos | Macau | Maçonaria | Madeira | Malacologia | Manuel Macedo | Mariana Alcoforado | Marinha | Marquês de Pombal | Marrocos | Medicina | Memórias | Militar | Minho | Misericórdias | Missões | Mitologia | Moçambique | Modernismo | Monarquia | Muçulmanos | Música | Música Portuguesa | Neo-Realismo | Novela | Oriente | Ourivesaria | Patuleia | Pedagogia | Pesca | Pintura | Piratas | Poesia | Polémica | Polémicas | Polícia | Política | Porto | Portugal | Presença | Primeira Guerra Mundial | Primeiras edições | Propaganda | Prostituição | Queirosiana | Quintentista | Raro | Regional | Religião | Religiosa Portuguesa | Renascimento | República | Restauração | Revista | Ribatejo | Romance | Romanceiro | Romantismo | S. Tomé e Príncipe | Salazar | Santarém | Sátira | Sebastianismo | Segunda Guerra Mundial | Sermão | Sexualidade | Sociedade | Solares | Surrealismo | Tauromaquia | Tavira | Teatro | Tecnologia Tradicional | Teologia | Termas | Terminologia Militar | Timor | Tiragem Especial | Torres Vedras | Tradução | Trás-os-Montes | Tratado | Turismo | Ultramar | Universidade | Viagens | Viana do Castelo | Vila Nova de Gaia | Vinho | Viseu | Vista Alegre | Zoologia

Módulo background

O DIABO E A TERRA DE SANTA CRUZ. Feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial.

em Ultramar & Brasiliana - HISTÓRIA

Referência:
12633

Autor:
SOUZA, Laura de Mello e

Palavras chave:
Brasil | Colonização | Religião

Ano de Edição:
1994

20,00€


Adicionar Sugerir

Título:
O DIABO E A TERRA DE SANTA CRUZ. Feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial.
Descrição:

Companhia das Letras, São Paulo, 1994. In-8º de 396 págs. Brochado.

Observações:

Primeiro estudo realizado no Brasil sobre a feitiçaria nos tempos coloniais. A autora debruça-se sobre o estudo das mentalidades durante o período colonial brasileiro, procurando investigar determinadas nuances da história do Brasil. Fala sobre as práticas de magia, feitiçaria na colônia, o sincretismo religioso e a tentativa dos portugueses em catequizar os índios da colónia. As várias práticas de feitiçaria no Brasil colonial do século XVI, XVII, XVIII destacando principalmente as regiões da Bahia, Pernambuco, Paraíba, Grão-Pará, Maranhão, Minas gerais e Rio de janeiro. O que dá ênfase á teoria de que a colonização e o processo de catequização e a “impureza da Fé” caminhavam juntos.
Aborda  as mudanças ocorridas nos imaginários europeu e colonial no campo da magia e da feitiçaria por influência da própria visão de mundo das populações do velho e do novo mundo.

O estudo tem como fontes os processos oriundos de Visitações, Devassas Eclesiásticas e Autos-de-Fé do Santo Ofício, presentes nos arquivos públicos de Minas Gerais, Rio de Janeiroe e do Arquivo Nacional da Torre do Tombo, em Lisboa.

 

 

Do índice:

O novo mundo entre Deus e o Diabo
Religiosidade popular na colônia
Feitiçaria, práticas mágicas e vida cotidiana (Sobrevivência material, deflagração de conflitos, preservação da afetividade, comunicação com o sobrenatural)
Universo cultural, projecções imaginárias e vivências reais (os discursos imbricados, histórias extraordinárias: o destino de cada um)
Conclusão (Sabbats e Calandus)

Obras relacionadas:

Voltar