Banner Vista de Livro

Palavras chave | Key Words

Açores | África | Afrodite | Agricultura | Alemanha | Alentejo | Algarve | América | Anais | Angola | Anti-Clericalismo | Antigo Regime | Antologia | Aramaico | Arqueologia | Arquitectura | Arquitectura Militar | Arquitectura Religiosa | Arte | Arte Monumental | Arte Popular | Arte Portuguesa | Artes Decorativas | Artes Plásticas | Artesanato | Autógrafos | Aveiro | Azurara | Barrancos | Batalhas | Beira | Bibliofilia | Bibliografia | Biografia | Botânica | Braga | Bragança | Brasil | Cabo Verde | Caça | Calão | Camiliana | Camilo | Camões | Campo Maior | Caricaturas | Casa de Bragança | Castelo Branco | Castelo de Vide | Catálogo | Ceilão | Censura | Cerâmica | Cervantes | Ceuta | Chaves | China | Ciências | Ciganos | Cinema | Cister | Coimbra | Colonização | Conto | Contos | Correspondência | Costumes | Cristãos Novos | Crítica | Crónica | Culinária | D. Henrique | Dança | Descobrimentos | Descolonização | Diário | Dicionário | Diplomacia | Direito | Ditadura | Douro | Economia | Edição especial | Educação | Educação Sexual | Emigração | Ensaio | Ensino | Epístola | Epistolografia | Ericeira | Erotismo | Escultura | Esoterismo | Espanha | Estado Novo | Estanho | Estremoz | Estudos Pessoanos | Etnografia | Europa | Évora | Fado | Fauna | Fernando Pessoa | Figueira da Foz | Filologia | Filosofia | Flora | Folclore | Fotografia | França | Fundão | Galiza | Genealogia | Geografia | Gil Vicente | Goa | Grécia | Guerra | Guerra Colonial | Guerra Peninsular | Guiné | Hagiografia | Hebraico | História | História Natural | Humanismo | Idade Média | Igreja | Iluminura | Ilustração | Imprensa | In Memoriam | Índia | Inglaterra | Inquisição | Islão | Itália | Japão | Jesuítas | Jogo de Cartas | Jornalismo | Judeus | Latim | Leiria | Liberalismo | Linguagem | Linguística | Lisboa | Literatura | Literatura de Cordel | Literatura de Viagens | Literatura Erótica | Literatura Infantil | Literatura portuguesa | Livro | Livros Proibidos | Macau | Maçonaria | Madeira | Malacologia | Mariana Alcoforado | Marinha | Marquês de Pombal | Marrocos | Medicina | medieval | Memórias | Militar | Minho | Misericórdias | Missões | Mitologia | Moçambique | Modernismo | Monarquia | Monarquia Constitucional | Muçulmanos | Música | Música Portuguesa | Neo-Realismo | Novela | Novelas | Numismática | Ordem Monástica | Oriente | Ourivesaria | Pedagogia | Pesca | Pintura | Piratas | Poesia | Polémica | Polícia | Política | Porto | Portugal | Presença | Primeira Guerra Mundial | Primeiras edições | Propaganda | Prostituição | Quintentista | Rafael Bordalo Pinheiro | Raro | Regional | Religião | Religiosa Portuguesa | Renascimento | República | Restauração | Revista | Ribatejo | Romance | Romanceiro | Romantismo | S. Tomé e Príncipe | Salazar | Santarém | Sátira | Sebastianismo | Segunda Guerra Mundial | Sermão | Sexualidade | Sociedade | Solares | Surrealismo | Tauromaquia | Tavira | Teatro | Tecnologia Tradicional | Teologia | Termas | Terminologia Militar | Timor | Tipografia | Tiragem Especial | Torres Vedras | Tradução | Trás-os-Montes | Tratado | Turismo | Ultramar | Universidade | Viagens | Vila Real | Vinho | Viseu | Vista Alegre

Módulo background

Costumes

Foram localizados 15 resultados para: Costumes

 

Referência:12182
Autor:CORREIA, Vergílio
Título:ETNOGRAFIA ARTÍSTICA PORTUGUESA. Notas de Etnografia Portuguesa e italiana. (Com 80 desenhos e fotografias).
Descrição:

Edição da «Renascença Portuguesa, Porto, 1916. In-8º de 149-(3) págs. Encadernação inteira de percalina castanha. Profusamente ilustrado ao longo do texto com desenhos e esboços de objectos da vida rural. Conserva as capas de brochura, com carimbo de antiga biblioteca e mancha de humidade junto à charneira.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Apreciado e invulgar estudo de Vergílio Correia que aborda temas como: "As Alminhas", "Esgrafitos", "Velhos teares", "Os pesos de tear", "A arte no sal", "As cabanas da Assafarja", "Pintadeiras ou Chavões alentejanos", " Castanholas enfeitadas", " Cossoiros do Baixo-Alentejo" e " Ornamentação popular dos barros de Estremoz".

Preço:43,00€

Referência:12475
Autor:FRANQUE, D. José
Título:NÓS, OS CABINDAS História, leis, usos e costumes dos povos N’Goio pelo príncipe negro… Boma-Zanei-N’Vimba.
Descrição:

Editora Argos, Lisboa, 1940. In-8º de 240 págs. Br. Ilustrado com o retrato do autor em uniforme militar.

RARO.

Observações:

Obra com coordenação e notas finais de Manuel Resende.

O autor descreve Cabinda,a sua organização política e administrativa, seus usos e costumes, destacando suas diferenças históricas e culturais em relação aos outros povos bantos vizinhos, frisando sua "individualidade" e reiterando já, o direito à autonomia do Enclave,baseando-se no acordo bilateral luso-cabindense formatado sob a denominação de Tratado de Simulambuco, o qual foi celebrado em 1885 com o Reino de Portugal.

Preço:35,00€

Referência:12311
Autor:PINTO, Américo Cortez
Título:DIÓNISOS -POETA E REY. Os Costumes a arte e a vida medieval portuguesa na época de D.Dinis
Descrição:

Secretaria de Estado do Ensino Superior-Ministério da Educação, Lisboa, 1982. In-4º de 446-(1) págs. Br.

Observações:

Estudo muito importante dos costumes, a arte e a vida medieval portuguesa na época de D. Dinis.

Preço:25,00€

Referência:12176
Autor:VASCONCELOS, José Leite de
Título:FILOLOGIA BARRANQUENHA - APONTAMENTOS PARA O SEU ESTUDO publicados peloDoutor Leite de Vasconcellos
Descrição:

Imprensa Nacional de Lisboa, Lisboa, 1955. In-8º de 217 págs. Br. Carimbo de biblioteca particular (ex-libris a óleo) no ante-rosto. Parcialmente aberto.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Muito Invulgar.

Observações:

5º volume de uma série de publicações da Imprensa Nacional intitulada História-Sciência-Arte todos publicados pelo autor, considerado um dos maiores antropólogos portugueses

"Barrancos, no Alentejo Baixo, está posto em sítio montuoso, e de constituição xistenta, a 300 ou 400 metros de distância da raia, tomada em linha recta; e o seu território, ou concelho de Barrancos, penetra na Hespanha, como uma cunha, que fica pois delimitada por território hespanhol ao Norte, Nascente e Sul, e tem de superfície 189,50 quilómetros quadrados ( Censo das povoações, de 1911, p.6). Do que resultam, naquele ponto, especiais relações sociais entre as duas nações vizinhas, e acção recíproca, maior, já se vê, da de lá na de cá, do que ao invés, atenta a pequenez e insulamento do nosso rincão - esta palavra é plural de barranco"

"Da convivência, a que se aludiu, de Hespanhóis com os habitantes de Nóudar e de Barrancos adveio influência hespanhola no português, a qual muito concorreu para a formação de um tipo especial de linguagem, designado na povoação por barranquenho, ou fala barranquenha, ou fala à barranquenha. Por barranquenhada designa-se uma expressão mais ou menos própria do barranquenho."

Preço:50,00€