Banner Vista de Livro
 Aplicar filtros
Livros do mês: Junho 2024
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

Costumes

Foram localizados 28 resultados para: Costumes

 

Referência:14124
Autor:ANDRADE, José Ignácio de
Título:CARTAS ESCRIPTAS DA ÍNDIA E DA CHINA nos anos de 1815 a 1835 por ... a sua mulher D. Maria Gertrudes de Andrade. Segunda edição.
Descrição:

Tomo I (e II). Na Imprensa Nacional. Lisboa. 1847. In 8º de 2 volumes com (22) - 245 - (3) e (10) - 235 - (8) págs. respectivamente. Encadernação coeva meia inglesa com elaborados ferros gravados a ouro na lombada de pele, esta com ligeiros e insignificantes defeitos acentuados no primeiro volume. Cantos do primeiro volume com ligeiro sinais de manuseamento descuidado. Miolo impecável, muito limpo com rarísimos picos de acidez.

Observações:

2ª EDIÇÂO. Frei Francisco de S. Luis (Cardeal Saraiva) refere que o autor nos deu a conhecer “... os costumes, as leis, o génio e o singular caracter do grande Império da China, fazendo justiça ao espirito, e ao valor dos antigos portuguezes ...”. É de facto notável o desenvolvimento dado pelo o autor aos curiosos costumes orientais, bem como á história da presença dos portugueses por aquelas paragens. Ilustrado com doze belos retratos litográficos, de sua mulher, de Domingos António de Sequeira, de Rodrigo Ferreira da Costa e de importantes personagens chineses.

As cartas apresentam os seguintes títulos: Sahida de Lisboa; Ensaio da navegação em mar largo; Entrada em Calcuttá; Carta-Bade-Chasta-Brima; Das leis e sua applicação; Sacrificio das viuvas; Ordens religiosas; Decadencia do Indostão; Os lusitanos, e os inglezes na Africa, e na India; Caracter do governo inglez; Costumes dos naires; Palacio Mogol; Jardins de Calcuttá; Estado acual de Maco; Entrada, e sahida dos Jesuitas na China; Principios politicos, e moraes de Confucio, e de Meng-Tscu; Caracter, costumes, e retrato dos chinezes; População, e rendimento público; Amostra das leis chinezas; Da astronomia, e da geographia; Juizo sobre Fernão Mendes Pinto, e sobre algumas cousas vistas por elle na China; Da Medicina; Do espaço e do tempo; Da materia, e suas propriedades; Do movimento; Systema planetario; Effeitos da lua; Liberdade civil dos chineses; Costumes na mesa; Festividade chineza; Agricultura; Cultura, fabrico, e virtudes do chá; Juizo sobre a poesia, extrahido do Cou-King; Canção do Philosopho Lean; Da pintura; Do suicidio; Ilha de Santa Helena; Estado de Portugal;  entre muitos outros.

Segundo Manuela Delgado Leão ramos, esta obra de Ignácio de Andrade, que, como convidado ilustrado, percorre a China dos anos 1815-1830 onde ouviu palestras sobre a cultura chinesa em casa dos seus amigos Chá-Amui e Saoqua (onde, aliás, também explica a “filosofia experimental” europeia), num período em que a imagem da China sofre em Portugal o mesmo processo que no resto da Europa: a passagem de uma sinofilia a uma sinofobia. Esta mudança reflecte, nas suas particularidades, os moinhos de vento com que se debatia o pensamento europeu, e os ventos dominantes que, mais ou menos intensamente, chegavam cá também para moer a ‘farinha’ nacional .

José Inácio de Andrade nasceu nos Açores em 1780 e morreu em Lisboa, em 1863. Como oficial da Armada empreendeu várias viagens à Índia e à China. Foi vereador e presidente da Câmara Municipal de Lisboa e figura destacada das letras portuguesas da época, deixando vasta obra.

Preço:175,00€

Referência:15056
Autor:CAETANO, José A. Palma
Título:VIDIGUEIRA E O SEU CONCELHO
Descrição:

Edição da Câmara Municpal de Vidigueira, 1986. In-8º de 446 págs. Encadernação editorial cartonada com sobrecapa ilustrada. No final do livro, nas folhas de guarda, apresenta, manuscrito a tinta, apontamentos bio-bibliográficos sobre Espinosa.

Observações:

Monumental monografia sobre a Vidigueira e região, muito ilustrada com fotografias de lugares, monumentos, gente ilústre, costumes, etc ...

Preço:20,00€

Referência:15389
Autor:CORREIA, Armando Pinto
Título:GENTIO DE TIMOR
Descrição:

Lisbôa 1935 (1934).In-8º de 367 págs. Encadernação moderna em percalina castanha dourada na lombada com dizeres e ornatos modestos. Conserva as capas, ilustrada por Alfredo Moraes na capa anterior representando um indígena local, segurando duas armas de guerra (espingarda e machado), com aldeia em plano de fundo. A capa posterior, está ilustrada com brasão da Colónia de Timor. Inteiramente por aparar. Ricamente ilustrado com 64 fotografias representando diversos aspectos da vida social e do quotidiano assim como seus costumes nas diversas comunidades.

Observações:

Da página 9 retiramos o seguinte: " ... O autor deste livro que viveu em Timor perto de seis anos, dos quais a maior parte- cinco anos e dois meses- como administrador da mais populosa das suas circunscrições, a de Baucau. Lógico consigo próprio, coerente com os ideais nacionalistas pelos quais se bateu e sacrificou, e sempre fiel à sua mìstica vibrante de orgulho Pátrio, - cumpriu o seu dever o melhor que soube e poude, esforçando- se por se não tornar inferior à missão civisadora que aos peoneiros de Portugal coube realisar na mais remota, pitoresca, sugestiva e enfeitiçante das suas provincias ultramarinas. (...)".

Dividido por duas partes, apresenta o seguinte índice:

- Ao Maiorais indígenas de Baucau 

PRIMEIRA PARTE
COSTUMES DE BAUCAU
Capítulo I - Do Nascimento
I. Abortos; - II. O Parto; III. Nominação;
Capítulo II - PELA VIDA FORA
I. A Infância; II. A Adolescência; III. Os desportos tradicionais; IV. As guerras de outrora;V. Pactos de Aliança; VI. As Castas sociais; VII. Os Chefes; VIII. Direito Penal; IX. Oeganização Administrativa; X. Crenças Religiosas; XI. Almas penadas; XII. Bruxos e curandeiros; XIII. Cenas de espiritimos; XIV. Cerimónias culturais (1. A Festa da Espiga; 2. Estilo da Sementeira; 3. Estilo da colheita; 4. Estilo do Milho novo; 5. Estilo da inauguração de um templo; 6. Estilo da casa de habitação; 7. - Estilo da Chuva;) XV. Cronologia indígena; XVI. Jogos de Advinhas; XVII. As velhas lendas (1. Guerra entre Behali e Lequeçan; 2. Fundação do Reino de Venassim; 3. Origem de Baucau; 4. Conquista de Baucau; 5. O mágico joão Lere;)
Capítulo III - DO CASAMENTO
I. O preço de uma noiva; II. Exploração mercantil da mulher; III. Como se negoceia um matromónio; IV. Bodas nupciais; V. Poligamia; VI. Divórcio;
Capítulo IV - DA MORTE
I. À espera dos parentes; II. O bazar das permutas; III. O enterro; IV. As exequias; V. A herança;


SEGUNDA PARTE
COSTUMES DAS OUTRAS REGIÕES
Capítulo I - DO NASCIMENTO
Capítulo II - DO CASAMENTO
I. O barlaque; II. Poligamia; III. Adulterio e divórcio; IV: Impedimentos conjugais; V. Inter-casmentos obrigatórios;
Capítulo III - DA MORTE
Capítulo IV - USANÇAS VÁRIAS
I. Direito sucessório; II. Numenclatura dos parentescos; III. Sistema de castas; IV. Alianças colectivas; V. A hierarquia dos chefes; VI. Os Tribunais dos régulos; VII. Medicinas tradicionais; VIII. A contagem do tempo; IX: Festas agrícolas; X. Ideias religiosas; XI. Os mitos da pré-história;

Lista de trabalhos etnográficos; Aditamento; Livros e publicações sobre outros aspectos de Timor;

Preço:33,00€

Referência:15263
Autor:CRUZ, José Ribeiro da
Título:NOTAS DE ETNOGRAFIA ANGOLANA
Descrição:

(Sociedade Industrial de Tipografia), Lisboa, 1940. In-8º de 182 págs. Brochado com ligeira falta de papel no pé da lombada, sem no entganto prejudicar a estrutura de suporte do livro. Rúbrica de posse no ante-rosto, que se repete no frontispício. Ricamente ilustrado com fotogravuras ao longo do texto de povoações Xingues, Kiocos, Lundas, Mussucos e Bangalas, e apresenta ainda quadros de dados antropométricos, sociais entre outra informação. Encerra mapas desdobráveis das variantes linguísticas da língua Ganguela, nomeadamente a "Chave da Língua Kimbundo" acompanhada das listas de termos nos seus vários dialectos.

Observações:

O índice encontra-se descrito segundo a ordem: ORIGEM DOS POVOS BANTU , OS POVOS DE ANGOLA , DADOS ANTROPOLÓGICOS (Steatopigia, cumprimento dos seios, avental vulvar e outras características somáticas) e USOS E COSTUMES: 

- Organização social
- Organização política
- Religião
- Regime de propriedade
- Justiça
- Penalidades
- Servidão familiar
- Circuncisão
- A puberdade feminina
- A seta de cupido
- Alambamento
- Esponsais
- Nascimento
- Baptizado
- Cumprimentos
- Mutopa
- Dança
- Falecimento
- Habitação
- Alimentação
- Bebidas
- Caça
- A queimada no sertão !
- Pesca
- Vestuário
- Cuidados de asseios com o corpo
- Adornos
- Penteados
- Limagem de dentes
- Tatuagem
- Arte e indústria
- Medicina
- Kimbanda
- Música e canto
- Mudança de nomes
- Desconfiança do indígena
- Alcunhas
- Orientação
- Telégrafo indígena
- Viagens dos indígenas
- Noções do tempo
- Elementos de linguagem
- Alfabeto, seus caracteres - Fonética
- A chave do Kimbundo
- Notas sobre as 10 classes
- Relação genitiva
- Quadro linguístico comparativo dos povos do Distrito do Cuanza-Sul circunscrição de Camaxilo Ganguelas 

Preço:45,00€

Referência:12311
Autor:PINTO, Américo Cortez
Título:DIÓNISOS -POETA E REY. Os Costumes a arte e a vida medieval portuguesa na época de D.Dinis
Descrição:

Secretaria de Estado do Ensino Superior-Ministério da Educação, Lisboa, 1982. In-4º de 446-(1) págs. Br.

Observações:

Estudo muito importante dos costumes, a arte e a vida medieval portuguesa na época de D. Dinis.

Preço:25,00€

Referência:14471
Autor:SEIDLER, Carl
Título:DEZ ANOS NO BRASIL
Descrição:

Livraria Martins, S. Paulo, 1941. In-4º de 320 pags. Encadernação coeva em sintético vermelho com papel fantasia. Encerra inúmeras ilustrações que constituem documentos fidedignos das vistas das cidades, paisagens, figuras políticas e militares, etc ... Acidez generalizada própria da a qualidade do papel. Conserva capas de brochura. Ligeiro aparo marginal, cabeça do livro carminado.

Observações:

Tradução e notas do General Bertoldo Klinger. Prefácio e notas do Coronel F. de Paula Cidade . Edição brasileira, inserida na colecção Biblioteca Histórica brasileira,

Carl Seidler foi um militar alemão que lutou pelo Brasil na Guerra da Cisplatina. Nas suas andanças esteve em Passo do Rosário, Pelotas, Rio Grande, Porto Alegre, Viamão, Triunfo, Cachoeira do Sul, Piratini, Jaguarão, Torres, Laguna, Florianópolis e Rio de Janeiro, deixando importantes impressões sobre a paisagem física, humana e social daquele período.

Na badana:

"... Tendo vivido dez anos entre nós, como oficial mercenário do exército imperial, Carlo Seidler, pôde observar de perto e com vagar, certos aspectos da nossa vida social e política. Escrito entre os anos de 1833 e 1834, Dez Anos no Brasil encerra em suas páginas pitorescos e movimentados aspectos de nossa vida civil e militar de há um século atrás. Obra de um observador de condições modestas, que escreve o que sente e o que sentem os que o cercam, que diz exactaemnte o que anda na boca do povo, embora por esse modo muitas vezes se afaste da verdade ou deturpe acontecimentos, Dez Anos do Brasil constitui sem duvida alguma, documento útil e digno da atenção de todos quantos desejem ter um panorama dos usos e costumes do Brasil nos seus primeiros anos como Nação independente ...".

Preço:40,00€

Referência:15055
Autor:Sem autoria
Título:ALBUM AÇOREANO
Descrição:

Editores - Oliveira & Baptista (Typographia e Photogravura do Annuario Commercial de Portugal), Lisboa, 1903. In-4º oblongo com 608 págs. Encadernação inglesa meia de pele com cantos. Pasta gravada a ouro com dizeres. Lombada gravada com ferros dispostos em fillets, a ouro. Sinais de manuseamento. Lombada e pastas com pequenos gastos. Miolo com pequenos restauros marginais e raras manchas de acidez. Muito bom estado de conservação. Ricamente ilustrado e impressão cuidada com decoração e vinhetas decoratoivas, ao gosto arte nova, impressa a duas cores. Preserva ambas as capas de brochura de um dos fascículos, publicação através da qual, veio sendo publicada na época.

BASTANTE INVULGAR e da maior importância para o estudo dos hábitos, história, genealogia e costumes açoreanos.

Observações:

Obra que deu um muito importante e grande contributo, à época, para o conceito de açorianidade, que começou a esboçar-se muitos anos antes de lhe ser inventado o nome pelo qual acabou por ficar conhecido. Enquanto especificidade cultural açoriana, que quis ver reconhecida uma identidade, a açorianidade remonta um pouco antes da publicação do presente livro, aos anos noventa do século XIX, quando se ambicionava a descentralização do poder político no arquipélago e se apelava à união das ilhas.

Preço:280,00€