Banner Vista de Livro

Palavras chave | Key Words

Açores | África | Afrodite | Agricultura | Alemanha | Alentejo | Algarve | América | Anais | Angola | Anti-Clericalismo | Antigo Regime | Antologia | Aramaico | Arqueologia | Arquitectura | Arquitectura Militar | Arquitectura Religiosa | Arte | Arte Monumental | Arte Popular | Arte Portuguesa | Artes Decorativas | Artes Plásticas | Artesanato | Autógrafos | Aveiro | Azurara | Barrancos | Batalhas | Beira | Bibliofilia | Bibliografia | Biografia | Botânica | Braga | Bragança | Brasil | Cabo Verde | Caça | Calão | Camiliana | Camões | Campo Maior | Caricaturas | Casa de Bragança | Castelo Branco | Castelo de Vide | Catálogo | Ceilão | Censura | Cerâmica | Cervantes | Ceuta | Chaves | China | Ciências | Ciganos | Cinema | Cister | Coimbra | Colonização | Conto | Contos | Correspondência | Costumes | Cristãos Novos | Crítica | Crónica | Culinária | D. Henrique | Dança | Descobrimentos | Descolonização | Diário | Dicionário | Diplomacia | Direito | Ditadura | Douro | Economia | Edição especial | Educação | Educação Sexual | Emigração | Ensaio | Ensino | Epístola | Epistolografia | Ericeira | Erotismo | Escultura | Esoterismo | Espanha | Estado Novo | Estanho | Estremoz | Estudos Pessoanos | Etnografia | Europa | Évora | Fauna | Fernando Pessoa | Figueira da Foz | Filologia | Filosofia | Flora | Folclore | Fotografia | França | Fundão | Galiza | Genealogia | Geografia | Gil Vicente | Goa | Grécia | Guerra | Guerra Colonial | Guerra Peninsular | Guiné | Hagiografia | Hebraico | História | História Natural | Humanismo | Idade Média | Igreja | Iluminura | Ilustração | Imprensa | In Memoriam | Índia | Inglaterra | Inquisição | Islão | Itália | Japão | Jesuítas | Jogo de Cartas | Jornalismo | Judeus | Latim | Leiria | Liberalismo | Linguagem | Linguística | Lisboa | Literatura | Literatura de Cordel | Literatura de Viagens | Literatura Erótica | Literatura Infantil | Literatura portuguesa | Livro | Livros Proibidos | Macau | Maçonaria | Madeira | Malacologia | Mariana Alcoforado | Marinha | Marquês de Pombal | Marrocos | Medicina | medieval | Memórias | Militar | Minho | Misericórdias | Missões | Mitologia | Moçambique | Modernismo | Monarquia | Monarquia Constitucional | Muçulmanos | Música | Música Portuguesa | Neo-Realismo | Novela | Novelas | Numismática | Ordem Monástica | Oriente | Ourivesaria | Pedagogia | Pesca | Pintura | Piratas | Poesia | Polémica | Polícia | Política | Porto | Portugal | Presença | Primeira Guerra Mundial | Primeiras edições | Propaganda | Prostituição | Quintentista | Rafael Bordalo Pinheiro | Raro | Regional | Religião | Religiosa Portuguesa | Renascimento | República | Restauração | Revista | Ribatejo | Romance | Romanceiro | Romantismo | S. Tomé e Príncipe | Salazar | Santarém | Sátira | Sebastianismo | Segunda Guerra Mundial | Sermão | Sexualidade | Sociedade | Solares | Surrealismo | Tauromaquia | Tavira | Teatro | Tecnologia Tradicional | Teologia | Termas | Terminologia Militar | Timor | Tipografia | Tiragem Especial | Torres Vedras | Tradução | Trás-os-Montes | Tratado | Turismo | Ultramar | Universidade | Viagens | Vila Real | Vinho | Viseu | Vista Alegre

Módulo background

Filosofia

Foram localizados 51 resultados para: Filosofia

 

Referência:13450
Autor:BRUNO, Sampaio
Título:A IDEIA DE DEUS
Descrição:

Livraria Chardron, Porto, 1902. In 8º de LXIV-483-(3) págs. Encadernação editorial.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Obra onde Sampaio Bruno se dedica dedica-se a uma reflexão, com o intuito de reabilitar a metafísica. Uma das questões centrais da obra é mostrar a viabilidade entre a metafísica e a ciência, entre a metafísica e a história do pensamento. O autor tece algumas considerações, quer negativas, quer positivas, sobre o estatuto da metafísica enquanto ciência.

“Eis a quimera basilar do progresso metafísico, consiste em dar uma extensão abusiva a uma face do fenómeno, aplicando-a, por uma imagem analógica, onde ela não cabe. Desta insensatez audaciosa, derivam duas consequências. A primeira é que, enquanto, que os sistemas científicos se penetram, os sistemas metafísicos excluem-se. Voltaire poe-los às brigas num poemeto famoso. A segunda consequência é que, no entanto, os sábios herdam uns dos outros, os metafísicos, no essencial, não herdam nada reciprocamente.  Finalmente quando um sistema científico cai alguma coisa se aproveita. O fracasso dum sistema metafísico, ou antes de todos os sistemas metafísicos até aqui, tem sido completo e absoluto.”

Preço:28,00€

Referência:13459
Autor:CARVALHO, Joaquim
Título:LEÃO HEBREU, FILÓSOFO (Para a história do platonismo no renascimento)
Descrição:

Imprensa na Universidade de Coimbra, Coimbra, 1918. In-8.º de 157-(1) págs. Br.  Cadernos por abrir. Algumas manchas marginais no corpo do texto.

 

Observações:

Leão Hebreu, filósofo português, de seu nome Judá Abravanel, filho do Rabino, conselheiro de D. Afonso V. Isaac Abravanel nasceu em 1465, em Lisboa, e morreu em 1535, em Itália. Estudou o Talmude, a Cabala e a filosofia clássica hebraica, latina e muçulmana, e formou-se em medicina. Filósofo marcado pelo espírito renascentista, de tendência sincrética, tentou mostrar o acordo da Bíblia com a filosofia grega. A sua obra principal, Diálogos de Amor, é um diálogo entre dois amantes: Fílon - o amor - e Sofia - a sabedoria. Aí expõe a sua doutrina, segundo a qual o amor é o fundamento ontológico do real, concebido não apenas como sentimental, mas também como intelectual: deste modo pretende unificar fé e razão, embora deixando clara a prevalência da primeira.Pelo amor Deus criou e pelo amor a criatura regressa a Deus. É, então, o amor que a tudo anima e a tudo harmoniza. Neste sentido, Leão Hebreu defende uma concepção cosmológica que, à maneira neoplatónica, estabelece uma hierarquia de seres que vai do puro espírito - Deus - à matéria. O mundo é visto como um ser vivo composto de superior e inferior, respetivamente, alma e corpo.O regresso do homem a Deus realiza-se pelo amor na medida em que este é um amor intelectual; daqui se depreende a função escatológica do conhecimento na sua doutrina.

Preço:23,00€

Referência:13314
Autor:CARVALHO, Joaquim de
Título:ANTÓNIO DE GOUVEIA E O ARISTOTELISMO DA RENASCENÇA Volume I - António de Gouveia e Pedro Ramo
Descrição:

França Amado – Editor, Coimbra, 1916. in-8º de XVII-192 págs. Br. Capas de brochura com alguns picos de acidez . Integrado na colecção "Estudos de história da filosofia portuguesa - 1". ( único publicado). Valorizado pela dedicatória autógrafa ao poeta José Osório de Oliveira.

Observações:

Dissertação com que Joaquim de Carvalho se apresentou ao doutorado na Universidade de Coimbra: "António de Gouveia e o aristotelismo da Renascença" é um trabalho valioso, revelador das notáveis qualidades com que desde então o autor se vem consagrando à especulação filosófica, ilustrado com os esquemas e conceitos da dialéctica de Pedro Ramo, refutados por António de Gouveia e explicados pelo autor.

Preço:28,00€

Referência:13544
Autor:FIGUEIREDO, Fidelino de
Título:IDEIAS DE PAZ
Descrição:

Portugália Editora, Lisboa, 1966. In-8º  de 331-(3) págs. Br. Título publicado na "Colecção Problemas". Cadernos por abrir.

Observações:

Edição conjunta de cinco opúsculos que haviam sido publicadas separadamente e que resumem o apuramento da longa e acidentada prospecção que o autor empreendeu da realidade contemporânea, principiando pela análise e discussão dos conceitos de "pátria" e  "solo pátrio".

Preço:15,00€

Referência:13543
Autor:FIGUEIREDO, Fidelino de
Título:ENTRE DOIS UNIVERSOS.
Descrição:

Guimarães Editores, Lisboa, 1959. In-8 º de 278-(10) págs. Br.  Integrado na colecção "Filosofia e Ensaios".

Observações:

“Todo o livro expressa um esforço dialético de apaziguamento interior, pedindo ao entusiasmo pela  obra da inteligência razões de confiar na espécie humana, novo gosto de viver e defesa sorridente  contra os absurdos da existência”

Preço:13,00€

Referência:13542
Autor:FIGUEIREDO, Fidelino de
Título:UM HOMEM NA SUA HUMANIDADE
Descrição:

Guimarães Editores, Lisboa, 1957. In-8º de 177-(5) págs. Br. Integrado na «Colecção Filosofia e Ensaio». Alguns picos de acidez.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Conjunto de três ensaios, nos quais se pretende dar voz às emoções humanas numa ruptura com a razão e o empirismo positivistas. Isto porque, em sua opinião, racionalizar a vida seria desfigurar a condição humana. O excesso de razão teria levado o homem à guerra, à destruição e à morte.

“Três ensaios de forma epistolar compõem o presente opúsculo, em que se tenta exemplificar a  elaboração de experiências pessoais, ainda as mais dolorosas, em ideias gerais”. 

Preço:14,00€

Referência:13482
Autor:FIGUEIREDO, Fidelino de
Título:UM COLECCIONADOR DE ANGÚSTIAS
Descrição:

Guimarães & C.ª Editores, Lisboa, 1963. In-8º de 327-(7) págs. Br. Integrado na colecção "Filosofia e Ensaios". Capas com sinais de manuseamento.

 

 

Observações:

Conjunto de interessantes crónicas onde  o autor vai reflectindo, ao longo da sua cronologia pessoal, nos problemas sociais, culturais, filosóficos por que passou.

Do prólogo
"O gosto de coleccionar"
"Quem primeiro juntou ao seu ofício de ganhar o pão o gosto de coleccionar alguma coisa - copos, relógios, caixas de fósforos, selos de correio, ingratidões - fez dois achados preciosos: um motivo de interesse para a existência pardacenta de cada dia e um expediente para apressar o correr da máquina do tempo. [...]
Através das sinuosidades temáticas destas pobres notas, ou deste rosário de angústias e anedotas, há uma unidade. Sem algum critério unificador não se colecciona, reúne-se um confuso «bric-à-brac», ferro velho, sucata das experiências mortas. Essa unidade ou o critério coleccionista poderia ser a composição de um esboço de retrato, que se vai delineando descontínuamente, mas com firmeza em cada traço, de alguma consciência que transpusesse para problemas pessoais seus as grandes dores colectivas, que visse a existência toda como Stendhal viu a batalha de Waterloo."


Índice:
Prólogo: O gosto de coleccionar. I - A rua. II - O mestre desconhecido. III - Mortos e vivos na Academia. IV - Biografia de uma escola. V - «Juventud, divino tesoro». VI - O doente de Alpedrinha. VII - O homem e a bengala. VIII - Falsificação da cultura. IX - A sombra de Fradique. X - Catálise psicológica. XI - A linhagem dos Zagalos. XII - A angústia política. XIII - Lisboa e Madrid através de Angola. XIV - Saloios. XV - A angústia da ventura. XVI - O espírito foi antes carne. XVII - A angústia do irracional. XVIII - Um retrato da Morte. XIX - O túnel. XX - Música e vida. Epílogo: D. Quixote partiu ao anoitecer.

 

Preço:18,00€

Referência:13735
Autor:GOMES, Álvaro
Título:TRACTADO DA PERFEIÇAOM DA ALMA. Introdução e notas de A. Moreira de Sá
Descrição:

Acta Universitatis Conimbrigensis, Coimbra, 1947. In-4º de 190 págs. Br.Capas de brochura com alguns picos de acidez.Ilustrado em extra-texto.

 

 

Observações:

Obra de grande interesse para o estudo da repercussão do platonismo no renascimento português.

Da Nota Prévia:
"Depois que em 1868 Lopes Praça publicou a sua «Historia da Filosofia em Portugal nas suas relações com o movimento geral da Filosofia», ninguem mais se lançou a uma empreza de tal amplitude.
Embora esta primeira tentativa para escrever a história da nossa filosofia já representasse um grande e valioso esforço, hoje está desactualizada e incompeta, por virtude de estudos e trabalhos posteriormente publicados, que vieram mostrar muito do que estava por conhecer nessa altura, não só quanto a autores, mas também quanto a obras.
Recentemente, surgiu uma tentativa para se historiar a nossa filosofia, mas tem tais deficências que pouco mais valor tem além do de um catálogo, e mesmo assim, incompleto.
É preciso que muitas pessoas se lancem na árdua tarefa de fazer o que ainda não está feito: inventariar tudo que se ralacione com tal assunto, - e muito é o que existe por conhecer nas nossas Bibliotecas públicas e particulares, - publicar as obras inéditas ou há muito esgotadas, e verter para português as obras escritas em latim. Só depois disto é que se poderá escrever a nossa História da Filosofia, pois, ainda há poucos anos escreveu o Prof. Joaquim de Carvalho, tal empresa «pelo menos na hora actual, não pode tentar-se sem o prévio inventário dos factos bio-bibliográficos, ponto de partida, sem dúvida obscuro e fatigante, mas absolutamente necessário".

Do índice:

Prohemyo; I Parte - Natureza e origem da alma; II Parte - Da imortalidade da alma; III Parte - Do premio das almas apartadas do corpo hão daver; Capítulo final e Extravagante — Da vaydade deste mundo e dos malles e emganos que nelle ha sempre pera que delles nos goardando, possa nossa alma viver limpamente..
 

Preço:17,00€

Referência:13736
Autor:GOMES, Pinharanda
Título:FENOMENOLOGIA DA CULTURA PORTUGUESA
Descrição:

Agência-Geral do Ultramar, Lisboa, 1970. In-8º de 167-(4) págs. Br.

 

Observações:

Obra deste filósofo português, discípulo de Álvaro Ribeiro, onde ele aborda a portugalidade, conceito político e sociológico previamente  proposto por Alfredo Pimenta.

“Escrever é uma guerra, mas pensar é um sacrifício. Nos caminhos que entroncam nas superiores vias da Filologia e da Filosofia, o pensador português acaba, mais cedo ou mais tarde, por ceder ao irresistível apelo de compromisso que a Pátria lhe exige (...)”.

Do índice:

Nota Preliminar; I - Introdução à Definição de Cultura; II - Fenomenologia da Cultura Portuguesa; III - “Portugal Histórico-Cultural”; IV - José Osório de Oliveira e a Cultura Portuguesa do Ultramar; V - Mitificação e Desmitificação da Índia; VI - Álvaro Ribeiro e a Redenção de Portugal; VII - A Integração Cultural pelo Turismo.

Preço:21,00€

Referência:13517
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:A MEDITAÇÃO junto com NEWTON
Descrição:

Typ de Francisco Pereira d'Azevedo, Porto, 1854. Dois tomos de 270 e 169 págs encadernados juntos num só volume. Encadernação coeva em pele castanha meia inglesa com dizeres a ouro na lombada. Pequena vinheta de número de ordem de biblioetac particular na lombada.

Observações:

Dois poemas de inspiração filosófica de José Agostinho de Macedo.

A Meditação, poema em quatro cantos que segundo Innocêncio no seu livro "Vida e Obra de José Agostinho de Macedo" transcrevendo um juízo de Costa e Silva afirma: "De  todas as obras de José Agostinho a mais importante é a Meditação. Este poema lhe levou longos annos de trabalho e de desvelo, refundindo-o e corrigindo-o muitas vezes, e mudando-lhe o titulo, antes de o dar á luz."

 

Newton, Esta edição encerra o "Discurso Preliminar. A Fisica, ou alguma de suas
partes, he, ou póde ser digna materia da poezia sublime?"

 

Preço:95,00€

Referência:13510
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:CARTAS FILOSOFICAS A ATTICO por...
Descrição:

Na Impressão Regia, Lisboa, 1815. In-8.º de 240 págs (As duas últimas páginas estão numeradas com o nº 239 e 240). Encadernação inteira de pele (com sinais de ressequimento) decorada com dizeres e florões a ouro sobre rótulo de pele vermelha na lombada. Pequena assinatura de posse no frontispício. Corte das folhas carminadas.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Obra onde Agostinho de Macedo aborda temas políticos, sociais, religiosos, culturais e económicos.
Encerra os seguintes capítulos: I. Sobre os bens da Fortuna; II. Sobre o Suicidio; III. Sobre a Filosofia de Mendelson; IV. Sobre o Bello; V. Sobre a Exageração dos males da Sociedade; VI e VII. Sobre o Sublime; VIII e IX. Sobre o ser a ignorancia mais conducente para a felicidade do que a Sciencia, (Sustenta-se este paradoxo); X. Sobre o modo de ser eloquente; XI. Sobre o Estylo, etc.; XII. Sobre as Bellas Artes; XIII. Sobre a Poesia em relação com a Musica; XIV. Sobre o Desterro; XV e XVI. Sobre o Patriotismo; XVII. Sobre o assumpto de que a maior Bibliotheca não he mais que hum só Livro (Sustenta-se este Paradoxo); XVIII. Sobre o assumpto das Cartas; XIX. Sobre ser o homem o objecto mais ignorado pelo mesmo homem; XX. Sobre Seneca e Young serem dois Escriptores prejudiciaes; XXI. Sobre não haver Sciencia sem a Sciencia moral; XXII. Sobre as operações do entendimento; XXIII. Sobre o Genio; XXIV. Sobre o Gosto; XXV. Sobre a Indifferença, etc.: XXVI. Sobre as inclinações fysicas e espirituaes; XXVII. Sobre os poucos conhecimentos do homem.

Este livro tem uma extensa dedicatória a uma religiosa Cisterciense do Mosteiro de Odivelas, D. Joana Tomásia de Brito Lobo de Sampaio.
Segundo Inocêncio nas  "Memorias para a vida intima de José Agostinho de Macedo": "Já dissemos no XIX d'este capitulo, como José Agostinho de Macedo vivera por algum tempo ligado em intimo trato com a actriz 'Maria Ignacia da Luz', porém este commercio amoroso em breve arrefeceu como era de esperar e José Agostinho voltando-se rapidamente do theatro para o claustro, depressa se lhe deparou para substituir a actriz uma religiosa do mosteiro de Odivellas, por nome 'D. Joanna Thomasia de Brito Lobo de Sampaio' a qual durante annos foi cortejada com assiduidade, fazendo por seu respeito amiudadas visitas àquelle convento. Estas deram azo a que se divulgasse o segredo, e a que seus inimigos tirassem d'ahi assumpto para motejos e zombarias. Era esta dama, ao que parece, dotada de alguma instrucção e apaixonada das lettras: José Agostinho de Macedo dedicou-lha as suas 'Cartas Philosophicas a Attico', em 1815, bem como a traducção de uma pequena novella com o titulo de 'Arrependimento premiado', que sahiu anonyma em 1818. Se tivesemos de dar credito aos elogios e louvores de que são tecidas as dedicatorias que precedem estas duas producções, teriamos que collocar tal senhora, quando menos, a par de Mad. de Sevigné, Dacier ou Staël; porém José Agostinho, encarecia em todas as suas cousas e assim como não sabia fazer uso dos doestos e das satyras individuaes, tambem não podia louvar senão adulando aquelles a quem procurava engrandecer, tecendo-lhas os mais encomiasticos e hyperbolicos panegyricos, rescendentes de podres incensos e malbaratadas lisonjas."

Preço:60,00€

Referência:13485
Autor:MATOS, Manuel Cadafaz de
Título:ERASMO da sua modernidade
Descrição:

Tipografia A.P.P.A.C.D.M., Braga, 1987. In-8º de 220-(6)págs. Br.

Observações:

Estudo publicado no âmbito do II Simpósio de Humanismo consagrado pela Academia das Ciências de Lisboa, onde se analisa a primeira fase da vida e produção deste intelectual que foi amigo e correspondente de Thomas Moore, Guillaume Budé, de André de Resende ou Damião de Góis.

Preço:12,00€

Referência:13479
Autor:NAMORADO, Egídio
Título:A ESCOLA DE VIENA e alguns problemas de conhecimento - Ensaio
Descrição:

Atlântida Livraria Editora, Coimbra, 1945. In-8º de 125 págs. Br.

Observações:

Ensaio escrito pelo fundador da Revista Vértice onde ele demonstra de uma forma bem patente a sua ligação ao programa do Círculo de Viena que tinham uma visão comum da filosofia, que consistia na aplicação das postulações de Ludwig Wittgenstein.

Preço:15,00€

Referência:13607
Autor:NIETZSCHE, Friedrich
Título:EL OCASO DE LOS ÍDOLOS. EL ANTICRISTO.- DITIRAMBOS DIONISÍACOS.- LA VOLUNTAD DE DOMINIO (continuacion)
Descrição:

M. Aguilar Editor, Madrid. 1932.In-8º de 412 págs. Encadernação meia francesa em chagrn com decorção barroca e dizeres dourados na lombada. Conserva capas de brochura. É o tomo IX das Obras completas de Federico Nietzsche.

Observações:

Volume que encerra quatro das obras mais importantes que Nietzsche escreveu e onde através dos aforismos, do sarcasmo vai desafiando os valores da cultura Ocidental.

Preço:17,00€

Referência:13487
Autor:PACHECO, Mário
Título:A GÉNESE DO PROBLEMA DA ACÇÃO EM BLONDEL ( 1878-1882) Sentido de um projecto filosófico.
Descrição:

Centro Cultural Português, Paris, 1982. In-8º de 293-(1) págs. Br. Integrado na série "Humanismo Clássico e Humanismo Moderno". Cadernos por abrir.

Observações:

Obra onde se traça o  percurso filosófico de Blondel desde a Escola Normal Superior até à redacção de L'Action.
 

Preço:25,00€

Referência:13014
Autor:PAIS, Fr. Álvaro
Título:ESPELHO DOS REIS Vol. I
Descrição:

Instituto de Alta Cultura, Lisboa, 1955. In-4º de 489-(7) págs. Br. Ilustrado em extra-texto. Por abrir.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Obra de Álvaro Pais, Bispo de Silves que antes exercera o cargo de Secretário do Papa João XXII, em Avinhão,  que é uma espécie de manual do bom governo. O autor considera que o poder político vem de Deus, indicando três formas como rectamente chega uma pessoa ao governo. A primeira "quando é posta à frente das outras por geral e comum consenso da multidão (communi consensu multitudinis)"; a segunda, "por especial mandato do próprio Deus, como sucedeu no povo israelítico"; a terceira "por instituição daqueles que fazem as vezes de Deus". Este livro é considerado o primeira obra conhecida de filosofia política escrito em Portugal, contudo as informações nele contidas abrangem aspectos que ultrapassam o pensamento político, abordando temas de interesses diversos para o estudo da Península Ibérica.

Preço:29,00€

Referência:13734
Autor:PEREIRA, Miguel Baptista
Título:PEDRO DA FONSECA ser e pessoa I - o método da filosofia
Descrição:

Universidade de Coimbra, 1967, Coimbra. In-4º de 414 págs. Br. Cadernos por abrir.

Observações:

Tese de doutoramento em letras (filosofia) apresentada a Faculdade  de Letras da Unniversidade de Coimbra sobre a vida e obra de Pedro da Fonseca que  foi o expoente de um dos raros momentos cm que o pensamento português se encontrou em real sintonia com o ambiente cultural europeu. As suas obras principais foram nas áreas da lógica e metafísica.

 

Preço:28,00€

Referência:13484
Autor:RIBEIRO, Álvaro
Título:O PROBLEMA DA FILOSOFIA PORTUGUESA
Descrição:

Editorial Inquérito, Lisboa, s/d. In-8.º de 74(4) págs. Br. Cadernos por abrir.

 

Observações:

Ensaio importante,  publicado na decada de 40, e que constitui um marco na na discussão da existência, ou não, de uma filosofia portuguesa.  Álvaro Ribeiro tenta mostrar a capacidade filosófica portuguesa, baseando-se na obra de nomes como Antero de Quental, Sampaio Bruno, Adolfo Coelho e Teixeira de Pascoaes. Critica o ensino por não cultivar o gosto pela filosofia e termina afirmando que sendo o homem um ser de cultura, não pode viver sem filosofia.

Preço:10,00€

Referência:13481
Autor:RIBEIRO, Álvaro
Título:A ARTE DE FILOSOFAR
Descrição:

Portugália, Lisboa, 1955. In-8º de 244-(2)págs. Br. Valorizado pela dedicatória ao poeta José Osório de Oliveira.
 

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Obra fundamental de um dos fundadores do grupo da «filosofia portuguesa», onde participaram também António Quadros, Afonso Botelho e António Braz Teixeira.Considerava que a arte de filosofar consistia em tornar explícito o que está implícito, principalmente na linguagem poética e literária, e, em seguida, transformar em raciocínio.

"A arte de filosofar não consiste em escrever livros, em proferir conferências, em minutar lições que, ostensivamente, efectuem transmissão de ensino público. Todas as manifestações da filosofia, que os bibliógrafos registam e os biógrafos explicam, combinando a bibliografia com a biografia, resultam de uma actividade inaudível e invisível a que se dá o nome secreto de pensamento. Maior é o número dos filósofos que cogitam, meditam e especulam, sem que os seus contemporâneos sequer suspeitem, do que o número daqueles que pretendem tornar-se célebres com exibir erudição aprendida em arquivos, bibliotecas ou museus.Cumprindo os ritos religiosos, políticos e morais que são a praxe no círculo social em que preferiu viver e conviver, o pensador sincero fica mais livre para na solidão reflectir sobre os problemas humanos, os segredos naturais e os mistérios divinos. A cada alma esclarecida no cultivo da ciência e inflamada pelo amor da verdade obsidia sempre um só problema, segredo ou mistério, a que atribui primado na ordenação de todas as interrogações que estimulam o pensamento até à hora da iluminação suprema."

Preço:23,00€

Referência:12929
Autor:RIBEIRO, Álvaro
Título:A LITERATURA DE JOSÉ RÉGIO
Descrição:

Sociedade de Expansão Cultural, Lisboa, 1969. In-8º de 369-(7) págs. Br. Com uma assinatura de posse.

Observações:

Obra bastante interessante sobre a obra de José Régio pela riqueza de sugestões e de caminhos que abre ao leitor.

"Se José Régio tivesse sido escolar da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, discípulo de Leonardo Coimbra, e consequentemente habilitado com os respectivos estudos técnicos e especulativos, chegaria a ser pela sua assídua aplicação ao trabalho, pela sua fecundidade criadora, pela sua cooperação social, sem
dúvida, o maior, o mais existencial, o mais realizado filósofo português do século XX. (…) É todavia impressionante o paralelo temático, e até o paralelo tético, da obra literária de José Régio com a obra filosófica de Leonardo Coimbra "

 

Preço:15,00€

Referência:13483
Autor:SAUVAGE, Odette
Título:L'ITINÉRAIRE ÉRASMIEN D'ANDRÉ DE RESENDE (1500-1573)
Descrição:

Fundação Calouste Gulbenkian/Centro Cultural Português, Paris, 1971. In-4º de 196-(4) págs. Br.

Observações:

Obra muito interessante onde a autora traduziu pela primeira vez para uma língua moderna bastantes poemas, interpretando-os através da ligação de Resende às ideias de Erasmo.

Preço:20,00€

Referência:13685
Autor:SILVA, Agostinhoda
Título:MOISÉS E OUTRAS PÁGINAS BÍBLICAS
Descrição:

Edição de Autor, Vila Nova de Famalicão, 1945. In-8º de 163-(1) págs. Br. Capas de brochura com alguns picos de acidez e algumas falhas marginais de papel.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Obra onde Agostinho analisa as passagens bíblicas referentes a Moisés.

Do Índice:

Moisés; Cinco falas de gente pastoril; Fala do Pastor; Fala de Labão; Fala de Lia; Fala de Raquel; Fala do Velho.

Preço:14,00€

Referência:13684
Autor:SILVA, Agostinhoda
Título:PARÁBOLA DA MULHER DE LOT seguida de Policlés e de um Apólogo de Pródico de Céos
Descrição:

Edição de  Autor, Vila Nova de Famalicão, 1944. In-8º de  89-(4) págs. Br. Capa de brochura com alguns picos de acidez.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Obra onde Agostinho da Silva aborda a temática biblica.

"Porque o Paraíso, Loth... Olha, eu sei que todo o mundo um dia se há-de transformar em liberdade e ser mais sereno, mais transparante e mais puro do que este céu de crepúsculo que nos envolve; cada um de nós, quando nasce, recebe uma parte da injustiça do mundo, e a alma dos que morrem depois de se terem despojado do que lhes coube de tirania, de egoísmo e de brutalidade, vai contribuir para formar esse céu, como cada gota contribui para a extensão e a profundidade dos mares; essa é a vida eterna, essa é a delícia dos que se elegeram; para os outros tudo será como se não tivessem vivido e uma vez mais passarão sobre a terra, numa experiência da sua vontade e da sua coragem. Eis o que será o teu destino. Porque o meu será o outro. Duvidada às vezes de ter feito tudo o que devia fazer pela liberdade; sei que muito me deixei arrastar pelo que nos prende ao tempo, que o meu Amor não foi sempre bem amplo, aberto a todos, que a minha alma não foi sempre bem forte, inflexível ao vento do desânimo; ainda bem que hoje posso adquirir a certeza de que não foi inútil a minha passagem pelo mundo; não estarei ao lado deles, não me queimará o mesmo fogo: mas o teu Senhor, como todos os tiranos, teme quem o olha de frente, não gosta de que contemplem a sua obra... É o bem que começa a triunfar; esse avança às claras, não se esconde, não se refugia no segredo e na ignorância. Vou unir-me a todos os que já se bateram por ele; tantos, tão grandes e tão belos! Como poderia hesitar? Chegou o momento, Loth. Não, nem mais uma palavra. Continua. Eu volto."

Preço:15,00€

Referência:13682
Autor:SILVA, Agostinhoda
Título:PLATÃO DEFESA DE SÓCRATES E CRÍTONE Dois ensaios de tradução
Descrição:

Edição do Autor, VIla Nova de Famalicão, 1946. In-8º de 126 págs. Br.  Capas com alguns picos de acidez. alguns apontamentos a lápis no miolo.

 

Observações:

Obra onde o autor revela a sua faceta de tradutor, ao traduzir dois clássicos gregos.

Preço:14,00€

Referência:13489
Autor:THOMAS, Lothar
Título:CONTRIBUIÇÃO PARA A HISTÓRIA DA FILOSOFIA PORTUGUESA
Descrição:

Livraria Clássica Editora. Lisboa. 1944. In-4º de XII-417-(59 págs. Br. Alguns cadernos por abrir.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Primeiro e único volume publicado desta obra de referência para a história da Filosofia portuguesa que saiu originalmente em alemão. Da página 15 à página 29 dá as fontes bibliográficas de que o autor se serviu. A respeito de cada época enumera os seus principais representantes citando sempre  a sua bibliografia principal de acordo, em grande parte, com a Bibliotheca Lusitana, de Barbosa Machado.


Como observação final o autor afirma: "No presente volume fizemos referência a muitas obras de autores portugueses nomeadamente às manuscritas — indicando os seus títulos... Mas não indicámos aí, de caso pensado, quais destas obras existem ainda e quais deverão ser consideradas perdidas; quais apenas conhecidas pelo título e quais parcialmente..., tão-pouco dissemos onde se podem encontrar as existentes. Nós tencionamos, porém, organizar e dar à estampa uma tábua em que todo este material fique arruinado por ordem alfabética e cronológica".

Preço:34,00€

Referência:13733
Autor:VIANA, Mário Gonçalves
Título:A ARTE DE PENSAR
Descrição:

Editora Educação Nacional, Porto, 1954. In-8º de 272 págs. Br. Capa de brochura empoeirada e com alguns picos de acidez.

Observações:

Interessante obra de um estudioso da filosofia da educação integrada na colecção Didáctica.

Da Contracapa:

Qualquer das obras desta interessantíssima e útil colecção fornece a todos os estudantes, principalmente aos estudantes e aos autodidactas, os conhecimentos teóricos e práticos indispensáveis para uma orientação segura, progressiva e metódica em qualquer sector da cultura. Os livros da Colecção Didáctica constituem verdadeiros tratados práticos, sendo os respectivos temas versados com proficiência e clareza.

Preço:10,00€

Referência:13486
Autor:VITORINO, Orlando
Título:INTRODUÇÃO FILOSÓFICA À FILOSOFIA DO DIREITO DE HEGEL
Descrição:

Sociedade de Expansão Cultural, Lisboa, 1961. In-8º de 158-(2) págs. Br. Cadernos por abrir. Integrado na colecção "Ensaistas Portugueses".

Observações:

"Revertendo à concepção da “filosofia do Direito”, com maior clareza podemos agora concluir que seu mais fundo sentido será esse de o direito a si mesmo se pensar, de o direito se constituir sujeito de filosofia, de o direito se saber e se conhecer, de o direito ser para si. Noutros termos poderemos dizer que tal direito assim considerado se torna exigente de uma autonomia, portanto de uma liberdade, e de uma existência, portanto de uma necessidade, que é o que constitui o conceito como unidade da subjectividade e da objectivação que a torna real."

Preço:12,00€
página 1 de 2