Banner Vista de Livro
 Aplicar filtros
Livros do mês: Junho 2024
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

Gravura

Foram localizados 9 resultados para: Gravura

 

Referência:15357
Autor:AAVV
Título:REVISTA CONTEMPORANEA DE PORTUGAL E BRAZIL. Primeiro anno, 1 DE ABRIL DE 1859. Vol. I (a V).
Descrição:

In-4.º de 5 volumes com 12 números cada respectivamente 586-(1), 584, 660-(2) e 666-(1) págs cada. Encadernação meia amador em chagrin preto ricamente decorada na lombada com florões e dizeres dourados em casas fechadas. Corte superior das folhas carminadas. Miolo muito bem conservado e muito fresco. Último volume com
encadernação restaurada à cabeça. Faltam os índices dos volumes II e III.

Ricamente ilustrado à parte com inúmeras gravuras abertas a talha doce reproduzindo magníficos retratos dos escritores contemporâneos, actores, membors da família real, políticos e cientistas e quadros dos nossos melhores artistas como os desenhos do Rei D. Fernando e Tomaz da Anunciação, impressos à parte. No volume II, dois grandes mapas desdobráveis da Praça de Gaeta, gravuras estas não referidas nas bibliografias. Esta colecção apresenta uma numeração de páginas errada no último volume em que aparecem as páginas 555 a 608 marcadas 355 a 408, característica esta nunca referida pelos bibliografos.

Colecção da PRIMEIRA EDIÇÃO e MUITO RARA.
Salientamos o facto de ser aqui publicado um texto de Machado de Assis no mesmo ano em que se estreou com Chrysalidas, a sua primeira obra literária.

HENRIQUE MARQUES, 513; JOSÉ DOS SANTOS (1916), 294; JOSÉ DOS SANTOS (1939), 1294; CONDE D A FOLGOSA, 3307;
CAMILIANA (SOARES & MENDONÇA, 1968), 3450; ALMEIDA MARQUES, 1852

Observações:

Apreciadíssima revista mensal, que segundo Alberto Pimentel em Memorias do Tempo de Camillo (1913) " ... era o mais cotado órgão das letras portuguêsas - uma espécie de olimpo para escritores consagrados ...". Foi fundada por Ernesto Biester, António Xavier de Brederode e José Maria de Andrade Ferreira, e conheceu os melhores colaboradores literários da época incluindo Camilo com diversos escritos originais depois reunidos em Doze Casamentos Felizes e Esboços de Apreciações Literárias. Teve ainda como colaboradores, a participação literária destacada de A. F. de Castilho, Andrade Corvo, Andrade Ferreira, A. P. Lopes de Mendonça, Bulhão Pato, Ernesto Biester, F. Xavier de Novais, Gonçalves Dias, Inocêncio Francisco da Silva, Júlio de Castilho, Júlio César, L. A. Palmeirim, Latino Coelho, Machado de Assis, Mendes Leal, Pinheiro Chagas, Teixeira de Vasconcelos, Rebelo da Silva, Teófilo Braga, Tomás Ribeiro, Zacarias d'Aça,



 

Preço:850,00€

Referência:15239
Autor:ANDRADE DE FIGUEIREDO, Manuel de
Título:NOVA ESCOLA PARA APRENDER A LER, ESCREVER E CONTAR.Offerecida á Augusta Magestade do Senhor Dom Joaõ V. Rey de Portugal. Primeira parte / por Manoel de Andrade de Figueiredo, Mestre desta Arte nas cidades de Lisboa Occidental, e Oriental
Descrição:

Na Officina de Bernardo da Costa de Carvalho, Impressor do Serenissimo Senhor Infante, Lisboa, S/d. (1722). In-4º de XVIII-156 págs. Encadernação coeva (?) em pele, com decoração dourada moderna na lombada. Ilustrado em extra-texto com 2 gravuras de B. Picart: uma representando de Lisboa antes do terramoto de 1755, encimada por dois anjos segurando o brasão real e a segunda com o retrato do autor datado de 1721. Seguem-se 45 estampas com alfabetos, penas e desenhos caligráficos da autoria de Andrade datadas de 1718. Borba de Morais, na sua Bibliografia Brasileira do Periodo Colonial, p. 136 refere a existência de três impressões, contestando assim a descrição em Inocêncio (V, 336) que refere apenas duas. refere ainda que a primeira tiragem da obra corresponde a que tem 7 folhas preliminares inumeradas além do frontspício e a portada alegórica, situação essa que se verifica no exemplar que se apresenta.

Encadernação ligeiramente coçada, ocasionais picos de humidade em algumas folhas, com raras manchinhas de tinta.

 

PRIMEIRA TIRAGEM EM PRIMEIRA EDIÇÃO, muito valiosa e rara.

 

 

Observações:

Obra monumental sobre a caligrafia portuguesa moderna, A sua publicação reformou uma arte que não tinha evoluído desde que saiu a luz a obra Exemplares de Diversas Sortes de Letras de Manuel Barata, ainda no início do período filipino. Manteve-se actual até ao início do reinado de D. José. Embora referido no frontspício como sendo Primeira Parte, não foi impresso nada mais do que aqui se apresenta.
A obra divide-se em quatro tratados:

- o primeiro ensina o idioma português, com o objetivo de ler e escrever perfeitamente;
- o segundo apresenta os diversos caracteres e tipos de letras que se usavam naqueles tempos;
- o terceiro fornece as regras da ortografia portuguesa;
- o quarto ensina as noções básicas de aritmética.

Manoel de Figueiredo aborda as características dos suportes da escrita, fornece receitas de tintas e apresenta, nas suas gravuras, exemplos de vinhetas e cercaduras em florões, pássaros, animais, anjos e cavaleiros em desenhos figurativos ou caligráficos, compostos a partir do movimento da pena sobre o papel em riscos circulares entremeados. Fornece ainda  modelos de letras romanas, grifas, góticas e antigas, ensinando como grafar cada uma, além de fornecer exercícios de caligrafia.e aborda também  uso de cada tipo de letra e sua função, de acordo com as características do documento. Apresenta quatro modelos diferentes de letras capitulares adornadas, das mais rebuscadas às mais simples.

A Nova Escola é também considerada uma revolução do ensino no século XVIII por incentivar uma mudança no pensamento pedagógico em Portugal. Segundo Rogério Fernandes “Andrade de Figueiredo atribuía largo alcance social à educação. As qualificações dos súbditos, assegurava sem hesitações, provêm da sua aplicação enquanto meninos e do ensino dos mestres”.

Inocêncio V, 355 diz-nos : “Famoso professor de calligraphia em Lisboa, e natural da capitania do Espírito-Santo no estado, hoje império, do Brasil", e segundo Ventura da Silva "deu á Luz Andrade a sua Arte de Escripta, que enriqueseu d’elegantes abecedários, ornados de engraçadas laçarias."

Inocencio V, pág. 355-356. Samodães, 151; Ameal, 107; Ferreira Lima (Calígrafos), p. 7 et seq; Bonacini 66; Becker, Practice of Letters 138; Borba de Moraes, Bibliografia Brasileira do Período Colonial, pág. 136; Borba de Moraes, Bibliografia Brasiliana, 311

Preço:1650,00€

Referência:15198
Autor:COSTA, J. C. Rodrigues da
Título:JOÃO BAPTISTA. Gravador português do séc. XVII (1628-1680). Contribuição para a História da Gravura em Portugal.
Descrição:

Imprensa da Universidade, Coimbra, 1925. In-8º de XV-222-(1) págs. Encadernação moderna inteira de percalina vermelha, com dizeres dourados na lombada. Ostenta um belíssimo ex-libris heráldico de Eugénio de Castro e Almeida. Ilustrado è parte, sobre papel couché. Conserva capas de brochura, estas com picos de acidez e pequena falha de papel, à margem. Aparo marginal generalizado. Vestígios de uma muito ténue mancha marginal. Muito bom exemplar, apesar dos defeitos apontados.

Observações:

Integrada na prestigiada colecção Subsídeos para a História da Arte Portuguesa.

O texto de introdução que ocupa as primiras 15 páginas, diz respeito a um rasgado elogio realizado por C.A. Marques Leitão, ao labor da escrita do autor do livro, o General Rodrigues da Costa, que acabou de escrever este estudo em 1916 e publicado aqui noveanos depois. Trata-se de um valioso estudo, documentado com numerosas reproduções de obras de João Baptista Lusitano ou ainda João Baptista Coelho representando gravuras de brasões, frontspícios, retratos, mapas, etc ... . Este estudo surgiu na sequência da descoberta pelo autor de uma chapa de coibre gravada por João Baptista, contndo a planta militar das linhas de Elvas, em 1658-59. João Baptista foi, no século XVII e em Portugal, "... um gravador de excepcional mérito, de complexas aptidões, e de tão largo trabalho, que chega a parecer incrível ser só agora, e por mero acaso, revelado o seu nome, para o estudo e para a história da arte, em que êle foi excelente e fecundo".

Preço:20,00€

reservado Sugerir

Referência:14975
Autor:PIMENTA, Belisário
Título:MEMÓRIAS DUM APRENDIZ DE GRAVADOR. Notas para a História da Gravura em Portugal
Descrição:

Edição do autor, Coimbra (Tipografia Loyo), 1961. In-8º de 26 págs. Brochado. Tiragem muito limitada, a 250 exemplares.
 

Observações:

Emboa com o subtítulo de Notas para a História ... , trata-se na realidade de um trabalho com elevado interesse para a História da Xilogravura (e consequentemente do Livro) em Portugal, sendo poucos os títulos disponíveis em torno desta matéria, além os de Ernesto Soares e os de Monsenhor Nunes Pereira. Apresenta no final uma bibliografia exaustriva de obras do autor.

 

"... De há certo tempo para cá dei-me ao trabalho agradável de trazer para público notícias relativas a pessoas de família com responsabilidades quer no campo da arte da gravura quer em iniciatívas industriais gráficas - umas e outras ou ignoradas ou injustamente esquecidas. Foi tarefa a que me lancei por motivos em parte, valha a verdade, sentimentais, em parte por hábitos inveterados de quem sempre lidou, embora obscuramente, com assuntos históricos e se preocupou com o esclarecimento de certas particularidades da pequena história prestes a ficarem esquecidas ou, quando muito, a poderem scr alteradas com o tempo. Foram pequenas monografias, publicadas em revistas, de que depois reduzido número de separatas daria vago conhecimento. Dois gravadores em madeira e o fundador duma litografia, e a seguir tipografia, ignoradas ou desconhecidas - foi de quem me abalancei a dar notícia a que, naturalmente, raros prestariam benévola atenção (*). Mas na família, além daqueles dois gravadores em madeira, ainda havia mais outro que o meu amigo e Snr. Ernesto Soares veiu muito amavelmente revelar no inventário que fez há pouco tempo desses artistas que os processos qui-micos vieram destronar (1). Esse gravador, igualmente ignorado e com razão, era eu... Aquele ilustre investigador deixou relacionado o meu nome apenas, com certeza, em homenagem à verdade histo-rica. Debaixo deste aspecto ainda se póde compreender a inclusão; se o encararmos pelo lado do valor dos trabalhos é que se podem levantar objecções ..." .

(*) Respectivamente: Albino Caetano da Silva Pinto. Gravador em madeira (1859-1928) na Revista de Guimarães, vol. 59 (1949); Rafael Pimenta, Gravador em madeira (1850-1931) no Instituto de Coimbra, vol. 115 (1952): Uma litografia desconhecida na Miscelanea de estudos da memória de Cláudio Basto (1948); e Uma Tipografia ignorada (em Miranda do Corvo: de 1815-1867) no Arquivo de Bibliografia Portuguesa, vol, 1 (1955).

Preço:23,00€

Referência:14451
Autor:Sem autoria
Título:DOUS GIGANTES PINTADAS CÕ HUS BASTÕES NAS MÃOS
Descrição:

Biblioetca Naciuonal de Portuga, Lisboa, 2013.In-8º de 107 págs. Brochado. Impresão a cores com reproduções e descrições das gravuras expostas.

Observações:

Conjunto de gravuras chinesas de porta dos séculos XVIII a XX pertencentes à colecção privada de António Maia do Amaral. As garvuras são de portões exteriores, de portas de estábulos, de portas interiores e de ocasiões especiais.

Preço:10,00€

Referência:14526
Autor:WAGNER, Padre Franz
Título:VIDA E VIRTUDES HEROYCAS DA AUGUSTISSIMA EMPERATRIZ LEONOR MAGDALENA THEREZA Esposa de LEOPOLDO O GRANDE, EMPERADOR DOS ROMANOS, DEDICADA A Serenissima Senhora INFANTE DE PORTUGAL D. MARIA NETA DA MESMA EMPERATRIZ, Composta por hum Religioso da Compa
Descrição:

Na PATRIARCAL OFFICINA DA MUSICA, Lisboa, Anno M. DCC. XXVII (1727). In-4º de xxxiii-487 págs. Encadernação artistica coeva em carneira mosqueada selectivamente a constituir elementos geométricos de decoração limitados por ferros gravados a seco e a ouro nas pastas, com ferros a ouro na lombada em casas fechadas e rolados nas esquadrias das pastas (com cantos coçados), Obra primorosamente impressa em papel de elevada gramagee ilustrada com conjunto apropriado de vinhetas decorativas de grande mestria (brasão da Infanta de Portugal, brasão de armas do Barão de Seegh, Monograma da Companhia de Jesus, monograma do Santo Oficio, monograma do Patriarcado, brasão de armas do Paço Real, brazão de armas da Imperatiz, miniatura do retrato da Imperatriz, mausoléu da Imperatriz e vinheta final); bem como bela estampa aberta a talhe-doce por Röster, ocupando página inteira e desdobrável (com legenda em rodapé), com o retrato a corpo inteiro da Imperatriz Leonor antecendendo a sua biografia.
RARO.

Observações:

Tem no fim um elogio, composto pelo conde da Ericeira D. Francisco Xavier de Menezes.

Preço:300,00€