Banner Vista de Livro

Palavras chave | Key Words

Açores | África | Afrodite | Agricultura | Alemanha | Alentejo | Algarve | América | Angola | Anti-Clericalismo | Antigo Regime | Antologia | Antropologia | Aramaico | Arqueologia | Arquitectura | Arquitectura Militar | Arquitectura Religiosa | Arte | Arte Monumental | Arte Popular | Arte Portuguesa | Artes Decorativas | Artes Plásticas | Artesanato | Autógrafos | Aveiro | Azurara | Bacalhau | Barrancos | Beira | Bibliofilia | Bibliografia | Biografia | Botânica | Braga | Bragança | Brasil | Cabo Verde | Caça | Calão | Camiliana | Camões | Campo Maior | Canada | Caricaturas | Casa de Bragança | Castelo Branco | Castelo de Vide | Catálogo | Ceilão | Censura | Ceuta | Chaves | China | Ciências | Ciganos | Cinema | Coimbra | Colonização | Conto | Contos | Costumes | Cristãos Novos | Crítica | Crónica | Cuba | D. Henrique | Dança | Descobrimentos | Descolonização | Dicionário | Diplomacia | Direito | Ditadura | Douro | Economia | Edição especial | Educação | Educação Sexual | Emigração | Ensaio | Ensino | Epístola | Epistolografia | Ericeira | Erotismo | Escultura | Esoterismo | Espanha | Estado Novo | Estanho | Estremoz | Estudos Pessoanos | Etnografia | Europa | Évora | Fauna | Feminismo | Fernando Pessoa | Figueira da Foz | Filologia | Filosofia | Flora | Folclore | Fotografia | França | Galiza | Genealogia | Geografia | Gil Vicente | Goa | Grécia | Guerra | Guerra Colonial | Guerra Peninsular | Guiné | Hagiografia | Hebraico | História | História Natural | Humanismo | Idade Média | Igreja | Iluminura | Ilustração | Imprensa | In Memoriam | Índia | Inglaterra | Inquisição | Invasões Francesas | Itália | Japão | Jesuítas | Jogo de Cartas | Jornalismo | Judeus | Latim | Leiria | Linguagem | Linguística | Lisboa | Literatura | Literatura de Cordel | Literatura de Viagens | Literatura Infantil | Literatura portuguesa | Livro | Livros Proibidos | Macau | Maçonaria | Madeira | Malacologia | Manuel Macedo | Mariana Alcoforado | Marinha | Marquês de Pombal | Marrocos | Medicina | Memórias | Militar | Minho | Misericórdias | Missões | Mitologia | Moçambique | Modernismo | Monarquia | Muçulmanos | Música | Música Portuguesa | Neo-Realismo | Novela | Oriente | Ourivesaria | Patuleia | Pedagogia | Pesca | Pintura | Piratas | Poesia | Polémica | Polícia | Política | Porto | Portugal | Presença | Primeira Guerra Mundial | Primeiras edições | Propaganda | Prostituição | Queirosiana | Quintentista | Raro | Regional | Religião | Religiosa Portuguesa | Renascimento | República | Restauração | Revista | Ribatejo | Romance | Romanceiro | Romantismo | S. Tomé e Príncipe | Salazar | Santarém | Sátira | Sebastianismo | Segunda Guerra Mundial | Sermão | Sexualidade | Sociedade | Solares | Surrealismo | Tauromaquia | Tavira | Teatro | Tecnologia Tradicional | Teologia | Termas | Terminologia Militar | Timor | Tiragem Especial | Torres Vedras | Tradução | Trás-os-Montes | Tratado | Turismo | Ultramar | Universidade | Viagens | Viana do Castelo | Vila Nova de Gaia | Vinho | Viseu | Vista Alegre | Zoologia

Módulo background

Idade Média

Foram localizados 11 resultados para: Idade Média

 

Referência:13660
Autor:ENTWISTLE, William J.
Título:A LENDA ARTURIANA NAS LITERATURAS DA PENÍNSULA IBÉRICATradução do inglês de António Alvaro Dória. Revista e acrescentada pelo Autor
Descrição:

Imprensa Nacional de Lisboa, Lisboa, 1942. In-4º de 248 págs. Br. Capa e miolo com leves picos de acidez. Ostenta carimbo de biblioteca particular.

Observações:

Obra muito exaustiva que estuda a difusão da matéria arturiana na peninsula Ibérica, através dos Livros de cavalaria em especial no Amadis de Gaula.

Do Prefácio do Tradutor:

"A literatura cavalheiresca tem dado motivo para muitos estudos mais ou menos volumosos, entre os quais o presente é dos de mais valor. Foi por o reconhecer que o Sr. Dr. Joaquim de Carvalho, antigo e muito ilustre Director da Imprensa da Universidade de Coimbra, entendeu publicar a sua tradução, que só tem de lamentável o ter-me sido confiada. Embora os pontos de vista do Sr. Entwistle se limitem a um aspecto da vasta literatura cavalheiresca — o das novelas artimañas—, e mesmo esse restringido à Península Ibérica, ële é exaustivo, como facilmente pode verificarse. A literatura cavalheiresca tem sido incompletamente estudada entre nós, e o que de valioso existe sobre o assunto, mesmo no que respeita às novelas portuguesas, deve-se à pena de alguns dos mais ilustres especialistas estrangeiros. ¡E no entanto que magnífico campo a lavrar! Estou crente de que a presente obra vai contribuir para os estudiosos e eruditos portugueses fazerem incidir a sua atenção, pelo menos, sobre o contributo de Portugal para o vasto mar da novelística cavalheiresca."

Preço:18,00€

Referência:13978
Autor:MATTOSO, José
Título:IDENTIFICAÇÃO DE UM PAÍS Ensaio Sobre as Origens de Portugal 1096-1325
Descrição:

Editorial Estampa, Lisboa, 1985. Dois volumes de in-8º de 459 e 330 págs. Br. Miolo com amarelecimento marginal próprio da qualidade do papel.

Observações:

Do Prefácio

"Este livro nasce de uma insatisfação: a de não encontrar na historiografia portuguesa respostas para muitas interrogações que a moderna ciência histórica não pode deixar de colocar. Tentei dar as minhas e coordená-las num conjunto que constituísse uma visão global da História de Portugal durante os seus dois primeiros séculos. A minha curiosidade orientou-se especialmente para os homens concretos, a sua maneira de viver e de pensar. As instituições, as estruturas, as formações sociais e económicas interessaram-me sobretudo na medida em que os podem revelar. Mas o que mais me atrai no passado medieval é a mentalidade: como é que os homens viam o mundo e se organizavam para tentarem dominar a realidade, nessa época tão diferente da nossa? A mentalidade parece-me, por sua vez, uma das chaves mais decisivas para a compreensão das estruturas. [...] Mais do que exaltar a Pátria, interessa-me o relacionamento dos Portugueses uns com os outros. Acabado o trabalho, pergunto a mim próprio se o tema escolhido e a maneira como o tratei não são fruto das minhas interrogações acerca das divergências políticas e de todo o género que atualmente dividem o povo português, e que parece estarem longe de se resolverem. A resposta do passado medieval, pelo menos a que ouvi, foi esta: Portugal é irredutível e simultaneamente uno e múltiplo. A História convida-nos a viver com as incomodidades daí decorrentes e a tentar tirar delas algum partido."

Preço:28,00€