Banner Vista de Livro
 Aplicar filtros
Livros do mês: Julho 2019
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

Índia

Foram localizados 46 resultados para: Índia

 

Referência:13961
Autor:AGUIAR, Luiz
Título:LIVRO NEGRO DA DESCOLONIZAÇÃO
Descrição:

Editorial Intervenção, Lisboa/Braga, 1977. In-8º de 748 págs. Br.

INVULGAR

Observações:

Livro bastante polémico escrito por Luiz Aguiar onde ele analisa e documenta o processo  da descolonização portuguesa.

Da Introdução:
“ E na certeza de que constitui obrigação nacional mostrar, aos nossos irmãos do Ultramar, que o povo da antiga “Metrópole” não deve ser confundido com a minoria que deve ser responsabilizada pelo “incontestável sucesso”, como chamava ainda em 1976, à “Descolonização”, o Dr. Mário Soares, dedicamos este livro:

AOS VIVOS E MORTOS, NEGROS E BRANCOS,
VÍTIMAS DA “DESCOLONIZAÇÃO EXEMPLAR”.

Preço:30,00€

Referência:14123
Autor:ÁLVARES, Padre Francisco
Título:VERDADEIRA INFORMAÇÃO das terras do Preste João das Índias.
Descrição:

Agência-Geral do Ultramar, Lisboa, 1943. In-8º de XXXIX437-(1) págs. Brochado. Capas ligeiramente empoeiradas e miolo impecável, na obstante de ocasionais e raros picos de humidade, própria da qualidade hidrófila do papel. Reproduz a cores, negro e veremlho a portada da edição princeps (1540).

Observações:

Edição anotada e com a grafia actualizada para uma mais fácil leitura deste importante documento sobre as terras da Etiópia e da empresa diplomática enviada por D. Manuel. Esta edição, prefaciada, anotada e actualizada na grafia por Augusto Reis Machado, foi feita pela de 1889 e cotejada, num ponto ou outro, pela de 1540. Trata-se de um importante documentoque relata de forma detalhada a vida e costumes das gentes da Etiópia. Esta obra atingiu na época uma extraordinária difusão a partir das traduções para italiano (1550), para castelhano (1557), para alemão (1566) ou para francês (1574). Depois desta expedição, por D. Rodrigues de Lima, os portugueses puderam estabelecer contactos mais assíduos com as terras do Preste (que afinal se chamava Onandiguel), através de sucessivas expedições, uma das quais parte da Índia em socorro do négus da Etiópia contra os turcos, expedição dirigida por D. Cristóvão da Gama e narrada na “História” de Miguel de Castanhoso (1564) e na “Breve Relação” de João Bermudez (1565).

Preço:28,00€

Referência:14124
Autor:ANDRADE, José Ignácio de
Título:CARTAS ESCRIPTAS DA ÍNDIA E DA CHINA nos anos de 1815 a 1835 por ... a sua mulher D. Maria Gertrudes de Andrade. Segunda edição.
Descrição:

Tomo I (e II). Na Imprensa Nacional. Lisboa. 1847. In 8º de 2 volumes com (22) - 245 - (3) e (10) - 235 - (8) págs. respectivamente. Encadernação coeva meia inglesa com elaborados ferros gravados a ouro na lombada de pele, esta com ligeiros e insignificantes defeitos acentuados no primeiro volume. Cantos do primeiro volume com ligeiro sinais de manuseamento descuidado. Miolo impecável, muito limpo com rarísimos picos de acidez.

Observações:

2ª EDIÇÂO. Frei Francisco de S. Luis (Cardeal Saraiva) refere que o autor nos deu a conhecer “... os costumes, as leis, o génio e o singular caracter do grande Império da China, fazendo justiça ao espirito, e ao valor dos antigos portuguezes ...”. É de facto notável o desenvolvimento dado pelo o autor aos curiosos costumes orientais, bem como á história da presença dos portugueses por aquelas paragens. Ilustrado com doze belos retratos litográficos, de sua mulher, de Domingos António de Sequeira, de Rodrigo Ferreira da Costa e de importantes personagens chineses.

As cartas apresentam os seguintes títulos: Sahida de Lisboa; Ensaio da navegação em mar largo; Entrada em Calcuttá; Carta-Bade-Chasta-Brima; Das leis e sua applicação; Sacrificio das viuvas; Ordens religiosas; Decadencia do Indostão; Os lusitanos, e os inglezes na Africa, e na India; Caracter do governo inglez; Costumes dos naires; Palacio Mogol; Jardins de Calcuttá; Estado acual de Maco; Entrada, e sahida dos Jesuitas na China; Principios politicos, e moraes de Confucio, e de Meng-Tscu; Caracter, costumes, e retrato dos chinezes; População, e rendimento público; Amostra das leis chinezas; Da astronomia, e da geographia; Juizo sobre Fernão Mendes Pinto, e sobre algumas cousas vistas por elle na China; Da Medicina; Do espaço e do tempo; Da materia, e suas propriedades; Do movimento; Systema planetario; Effeitos da lua; Liberdade civil dos chineses; Costumes na mesa; Festividade chineza; Agricultura; Cultura, fabrico, e virtudes do chá; Juizo sobre a poesia, extrahido do Cou-King; Canção do Philosopho Lean; Da pintura; Do suicidio; Ilha de Santa Helena; Estado de Portugal;  entre muitos outros.

Segundo Manuela Delgado Leão ramos, esta obra de Ignácio de Andrade, que, como convidado ilustrado, percorre a China dos anos 1815-1830 onde ouviu palestras sobre a cultura chinesa em casa dos seus amigos Chá-Amui e Saoqua (onde, aliás, também explica a “filosofia experimental” europeia), num período em que a imagem da China sofre em Portugal o mesmo processo que no resto da Europa: a passagem de uma sinofilia a uma sinofobia. Esta mudança reflecte, nas suas particularidades, os moinhos de vento com que se debatia o pensamento europeu, e os ventos dominantes que, mais ou menos intensamente, chegavam cá também para moer a ‘farinha’ nacional .

José Inácio de Andrade nasceu nos Açores em 1780 e morreu em Lisboa, em 1863. Como oficial da Armada empreendeu várias viagens à Índia e à China. Foi vereador e presidente da Câmara Municipal de Lisboa e figura destacada das letras portuguesas da época, deixando vasta obra.

Preço:175,00€

Referência:14026
Autor:autoria indefinida
Título:REFORMA DO MINISTÉRIO DAS COLÓNIAS
Descrição:

Imprensa Nacional, Macau, 1936. In-8º de 73 págs. Br. Capas de brochura envelhecidas e com alguns picos de acidez. Alguns sublinhados a tinta permanente.

Observações:

Texto da reforma do Ministério das Colónias,através do decreto ecreto 26:180, de 7 de Janeiro de 1936. Encerra a Legislação correspondente à reforma do Ministério das colónias portuguesas, entre as quais Angola, Moçambique, S. Tomé, Goa, Damão, Diu, Timor, etc.

Preço:20,00€

Referência:12337
Autor:autoria indefinida
Título:INVASÃO E OCUPAÇÃO DE GOA comentários da imprensa mundial
Descrição:

Sec. Nac. da Inform. Cultura Popular e Turismo, Lisboa, 1962. In-8º de 619 págs. Br. Ilustrado ao longo do texto.

Observações:

Repositório de artigos publicados imediatamente antes, durante ou logo a seguir à Invasão em órgãos da Imprensa nacional mas, fundamentalmente, de outros países, cujo contexto, sem abstracção do possível interesse político posto na sua selecção por quem o elaborou, expressa enorme conjunto de apreciações pessoais ou de instituições literárias pejadas de informação geopolítica e geoestratégica.

Preço:25,00€

Referência:12426
Autor:BOUVIER, Réne
Título:ALBUQUERQUE
Descrição:

Edições da Esfera, s/l, 1937. In-8º de 104-(2) págs. Br. Cadernos por abrir. Ilustrado em extra-texto com um retrato  de Afonso de Albuquerque e um mapa.

 

INVULGAR.

Observações:

Tradução e prefácio de M. Lopes D'Almeida.
Encerra os seguintes capítulos: Portugal e a India no começo do século XVI; As primeiras campanhas de Albuquerque; Carácter de Albuquerque; As concepções e a obra de Albuquerque e por fim Os últimos anos - A Decadência.

Preço:35,00€

Referência:12371
Autor:BRITO, Bernardo Gomes de
Título:HISTÓRIA TRÁGICO-MARÍTIMA DE PORTUGAL
Descrição:

Lisboa, 1898. In-4.º de 71 págs. Encadernação meia-inglesa com cantos e lombada em pele. Conserva capas de brochura. Ilustrado ao longo do texto.

Observações:

A História Trágico-Marítima trata de naufrágios infelizes, acontecidos aos navegadores portugueses, escritos por Bernardo Gomes de Brito.

"Descripção dos três primeiros naufrágios succedidos depois da descoberta da Caminho da India. Extracto feito do livro de Bernardo Gomes de Brito por Hygino Mendonça.

Preço:40,00€

Referência:13913
Autor:BRITO, Raquel Soeiro de
Título:GOA E AS PRAÇAS DO NORTE
Descrição:

Junta de Investigações do Ultramar, Lisboa,  1966. DIn-8º de  197-(128) pags. Encadernação editorial cartonada preservando sobrecapa de protecção. Profusamente ilustrado ao longo do texto e em extra-texto com fotografias a preto e branco e a  cores e com mapas desdobráveis (geográficos, políticos, demográficos) com a ocupação do solo, nos territórios em geral.

Observações:

Obra bastante detalhada sobre o trabalho de campo realizado, entre 1955 e 1956, sob a direcção de Orlando Ribeiro, ao serviço da Missão de Geografia da Índia.
Goa e as Praças do Norte é uma narrativa científica da geografia colonial portuguesa que recorre à análise dos  contextos institucionais, intelectuais e sociais não só do povo em questão mas também dos seus colonizadores.
A autora faz uma descrição pormenorizada dos modos de vida da Índia Portuguesa estruturando a sua obra na história e na descrição dos aspectos físicos e humanos.

 

Preço:38,00€

Referência:13952
Autor:BROCHADO, Costa
Título:O PILOTO ÁRABE DE VASCO DA GAMA
Descrição:

Comissão Executiva das Comemorações dos Quinto Centenário da Morte do Infante D. Henrique, Lisboa, 1959. In. 8.º de 130 págs. Br. Ocasionais picos de acidez nas capas de brochura. Miolo muito limpo.

Observações:

Obra bastante interessante sobre Ibn Madjid "para sempre ligado à História de Portugal, através do descobrimento do caminho marítimo para a Índia".

Preço:18,00€

Referência:14019
Autor:CALDAS, Pereira
Título:ALVARO DE BRAGA E NÃO ALVARO VELHO como auctor plausivel do Roteiro da viagem que em descobrimento da India, pelo Cabo da Boa-Esperança fizera Vasco da Gama em 1497, segundo um manuscripto coetaneo existente na Bibliotheca Publica do Porto ...
Descrição:

Typographia e Papelaria Costa Braga & C.a,Braga, 1898. In-8º de 45 págs.Br. Capas de brochura empoeiradas e miolo com picos de acidez. Valorizado pela dedicatória e carimbo pessoal do autor. Marcas de carimbo a óleo. "Tiragem limitada em papel escolhido".

INVULGAR.

Observações:

Opúsculo sobre a autoria do roteiro da Viagem de vasco da Gama à Índia, argumentando que seria Álvaro de Braga e não Álvaro Velho o seu autor.

Preço:24,00€

Referência:12342
Autor:CARVALHO, Agostinho de
Título:A ÍNDIA - um relicário ! Símbolo da Fé e do Império
Descrição:

Edição da Imprensa Nacional da Guiné, 1950. In-8º de 123-(1) págs. Br. Ostenta uma curiosa dedicatória autógrafa.

Observações:

No índice, destaca-se os seguintes capítulos:
A Índia também e Portugal
Á União Indiana falta unidade
As Índias do Industão
Nós conhecemos Nehru
Assim falou Nehru
A Índia, um relicário!

Preço:20,00€

Referência:13024
Autor:CASTRO, Fernando de
Título:CRÓNICA DO VICE-REI D. JOÃO DE CASTRO
Descrição:

Escola Superior de Tecnologia de Tomar, Tomar, 1995. In-4º de 589 págs. Br.

 

 

Observações:

Crónica de uma das maiores figuras da expansão portuguesa, nasceu em Lisboa a 27 de Fevereiro de 1500, tendo falecido em Goa a 6 de Junho de 1548. Esta crónica, escrita pelo seu neto aborda os seus anos enquanto vice-rei e o Segundo Cerco à fortaleza portuguesa de Diu pelas forças do sultanato do Guzerate, capitaneadas por Coge Sofar que teve lugar entre Abril e Novembro de 1546. Este acontecimento de incontestável importância para o “Estado da Índia”, definiu a governação do Vice-Rei D. João de Castro. Coja Sofar,  foi derrotado pelos portugueses  comandados em terra por D. João de Mascarenhas e por mar por D. João de Castro. Pereceu nesta luta o próprio Coja Sofar e D. Fernando de Castro, filho do Vice-Rei português.

“…Eu mandei desenterrar D. Fernando, meu filho, que os mouros mataram nesta fortaleza pelejando por serviço de Deus e de el-rei nosso senhor, para vos mandar empenhar os seus ossos, mas acharam-no de tal maneira que não foi lícito ainda agora de o tirar à terra, pelo que não me ficou outropenhor salvo as minhas próprias barbas que vos aqui mando por Diogo Rodrigues de Azevedo, porque, como já deveis ter sabido, eu não possuo ouro, nem prata, nem móvel, nem cousa alguma de raíz, por onde vos possa segurar vossas fazendas, somente uma verdade seca e breve de que me Nosso Senhor deu…”

Preço:19,00€

Referência:12402
Autor:CHATTERJI, J. C.
Título:FILOSOFIA ESOTÉRICA DA ÍNDIA
Descrição:

Edição do Ramo Maitreya da Sociedade Teosófica de Portugal, Lisboa, 1956, in-8º de 139-(5)págs. Br

Observações:

Obra que se debruça sobre o esoterismo na Índia.

"Não há senão uma coisa que podemos estudar a fundo: nós próprios."

Preço:23,00€

Referência:13984
Autor:COUTO, Diogo do;VIDAL, Frederico Gavazzo Perry
Título:FALA QUE FEZ DIOGO DO COUTO, Guarda Mor da Torre do Tombo da Índia, em nome da Câmara de Goa, a André Furtado de Mendonça, entrando por Governador da Índia. Com um prefácio e a reprodução diplomática da espécie por Frederico Gavazzo Perry Vidal.
Descrição:

Separata da Revista “o Mundo Português”, Lisboa, 1941. In-8º de 11 págs. Br. Capa de brochura com alguns picos de acidez. Ilustrado com fac-simile em extra-texto. Carimbo a tinta manchado no frontispício. Tiragem reduzida de 150 exemplares numerados e assinados pelos autor, sendo este o n~105. Valorizado pela dedicatória autógrafa.

INVULGAR.

Observações:

Fac-simile de um "um rarissimo folheto cimélio da Biblioteca da Ajuda" que é uma das oratórias que Diogo do Couto escreveu, acompanhado de um prefácio de Frederico Gavazzo Perry Vidal
 

Preço:15,00€

Referência:12419
Autor:FERREIRA, Manuel António
Título:O FUNDADOR DO IMPÉRIO LUSO NO ORIENTE
Descrição:

Edição da Sociedade Luso-Africana, Rio de Janeiro,1936. In-8º de 207 págs. Encadernação inteira em sintético azul com dizeres dourados na lombada. Conserva capas de brochura. Ilustrado em extra-texto com mapas das ilhas de Goa, vistas e planos urbanos das vilas e cidades de Goa, retratos de Vasco da Gama e Afonso de Albuquerque.

INVULGAR.

Observações:

Invulgar biografia de Afonso de Albuquerque  impresso no Rio de Janeiro.

Preço:48,00€

Referência:12344
Autor:FONSECA, Arthur Lambert da
Título:O IIº CERCO DE DIO
Descrição:

Gládio, Vila do Conde, (1962). In-8º de 209-(3) págs. Br. Cadernos por abrir e ilustrado em separado com vistas de monumentos. Bom exemplar.

Observações:

Na badana, a opinião de António José de Brito: “Artur Lambert da Fonseca debruçou-se com amor sobre as velhas crónicas, os livros de Diogo do Couto, Faria e Sousa, Leonardo Nunes, Gaspar Correia, Jacinto Freire de Andrade,... para, com entusiasmo, labor e fadiga, nos apresentar uma imagem rápida e sintética de maior conformidade com o gosto moderno do que se passou no segundo cerco da fortaleza da Costa do Malabar. Perante os dolorosos sucessos — ou melhor, insucessos — do presente ele voltou-se para as páginas gloriosas da nossa história não com o intento de se refugiar no passado (...) antes para apontar a perenidade de certos valores que merecem acatamento seja em que ocasião for e, por isso, urge fazer incidir sobre o futuro.»

Preço:35,00€

Referência:12248
Autor:GODINHO, P.º Manuel
Título:RELAÇÃO DO NOVO CAMINHO que fez por terra e mar vinda da Índia para Portugal no ano de 1663.
Descrição:

Imprensa Casa Nacional da Moeda, Lisboa, 1974. In. – 8.º de 297 págs. Encadernação editorial com sobrecapa ilustrada, com ligeiros defeitos. Livro e miolo impecávelmente bem conservado.

Observações:

Introdução e notas por A. Machado Guerreiro. Relato muito pormenorizado da viagem por terra, da Índia a Portugal, em 1633.
Trata-se da 4ª edição desta apreciada obra de literatura de viagens.

Preço:18,00€

Referência:12724
Autor:GOLISH, Vitold de; RAMBACH, Pierre e HEBERT-STEVENS, F.
Título:L'INDE INEXPLORÉE. Expédition Tortue 1950-1952. Afrique - Moyen-Orient - Indes
Descrição:

Arthaud, Paris, 1953. In-4º de 52-(82)págs. Br. profusamente ilustrado com 82 fotografias a cores e a preto e branco. Ostenta uma dedicatória não autógrafa.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:

Magnifico álbum com fotografias tiradas durante a Expedieção "Tortue" que durou de 1950 a 1952 e que começou em França, atravessou países africanos do médio-oriente e acabou na Índia.
 

Preço:28,00€

Referência:12312
Autor:GRACIAS, João Baptista Amâncio
Título:HISTÓRIA ECONÓMICA-FINANCEIRA DA INDIA PORTUGUESA. (1910 a 1947). Volume I - Conspecto económico-financeiro) e Volume II - Governadores Gerais do Estado da India no Regime Republicano
Descrição:

Agência Geral das Colónias, Lisboa, 1950.  Dois volumes de in-8º gr. de 622 e 412 págs. Br.

Observações:

Valioso estudo sobre os aspectos económicos e financeiros da Índia Portuguesa entre 1910 e 1947 escrito por João Baptista Amâncio Gracias, historiador ilustre que  escreveu infinidade de artigos num elevado número de publicações periódicas goesas e foi secretário da Imprensa Nacional de Goa, colaborador do jornal O Século de Lisboa e correspondente da Academia das Ciências de Lisboa, do Instituto de Coimbra e do instituto Vasco da Gama de Panjim e, por muitos anos, vogal da Comissão Permanente de Arqueologia de Goa. O segundo volume aborda os Governadores Gerais do Estado da Índia no Regime Republicano.

Preço:38,00€

Referência:12343
Autor:LINHARES, 3º Conde de
Título:DIÁRIO DO 3º CONDE DE LINHARES, VICE-REI DA ÍNDIA
Descrição:

Biblioteca Nacional Lisboa, Lisboa, 1937.In-8º de 128-(2)págs. Br.

Apenas o primeiro volume.

Observações:

Diário de D. Miguel de Noronha ,3º Conde de Linhares, é uma preciosa fonte de informações para a história da ìndia.

Do Prefácio:
"Preciosa fonte para a história dos nossos domínios orientais - preciosa pela minúcia e por derivar de quem, permita-se-me o termo, estava no centro da maquina."

Preço:39,00€

Referência:13692
Autor:LOBO, António Costa; SILVEIRA, Francisco Rodrigues
Título:MEMÓRIAS DE UM SOLDADO DA ÍNDIAcompiladasde um manuscripto portuguêz do Museu Britânico por
Descrição:

Imprensa Nacional Casa da Moeda, Lisboa, 1877. In-8º de 342-(2)págs. Br. Fac-simíle.

Observações:

Fac-simíle do manuscrito, encontrado na biblioteca do British Museum por Costa Lobo, e que divide-se em duas partes com assuntos totalmente diferente embora o tema da justiça seja comum.
A primeira parte – Reforma das milícias e do governo do estado da Índia Oriental– fala da experiência pessoal de R. da Silveira como ‘soldado prático’ do exército português no Oriente, entre 1585 e 1597, e a segunda – Discurso sobre a reforma da justiça na comarca da Beira e Entre-Douro-e-Minho – narra um problema judicial após o seu regresso à metrópole.
ESte livro ao contrário do costume naquela época não se interessa pela vida aventurosa dos soldados mas sim pelos costumes da sua época, sendo uma violenta crítica à acção dos portugueses na Índia, ao estado das armadas, à incúria dos governos e à desmoralização geral dos conquistadores. Inclui,no entanto, um relato  das acções militares em que Silveira participou.

Preço:13,00€

Referência:14122
Autor:MANRIQUE, Sebastião
Título:ITINERÁRIO DE SEBASTIÃO MANRIQUE
Descrição:

Agência Geral das Colónias, Lisboa, 1946. In-8º de 2 volumes com XV-324-429 pags. Brochados. Ilustrados em separaddo sobre papel couché facsímile da edição de 1608 e com um mapa desdobrável da região onde Manrique passou a maior parte do tempo relatado na obra. Ligeiro empoeiramento das capas mas miolo muito limpo. 

Edição organizada e prefaciada por Luís Silveira.

Observações:

Frei Sebastião Manrique, natural da cidade do Porto, e foi ermita Augustiniano, professou no convento de Goa no ano de 1604; mandado por Frei Luís Coutinho, provincial da congregação da Índia, no ano de 1628 às missões de Bengala, em cujo ministério consumiu o largo espaço de treze anos; regressou a Roma por terra, onde foi eleito definidor geral, e Procurador Geral da província de Portugal. A curia de Roma transferiu-o para Londres no ano de 1669, em cuja jornada um seu criado o matou com o intento de lhe roubar o dinheiro que levava. Este foi o trágico fim que teve Fr. Sebastião Manrique, digno certamente de outro mais feliz pelas largas peregrinações que fez em obséquio da religião cristã, nos reinos do Pegu, Mogor, Cochinchina (Vietnam), ilha de Macassar, e outros emporios do oriente, cuja memória permanece eternizada em alguns escritores. O Itinerário de Sebastião Manrique, de valor universal, teve uma adaptação romanceada em Inglaterra com grande aceitação.

"... Como é sabido, nas diferentes geografias orientais, coalhadas de reis e tiranetes, nada, absolutamente nada se conseguia se não viesse acompanhado pelo respectivo presente.

Tomemos como exemplo a epopeia de Sebastião Manrique, frade agostinho, autor do Itinerário, o relato de uma das aventuras mais fascinantes do início da centúria de Seiscentos, obra bem mais conhecida no estrangeiro do que em Portugal.

Goa, pela sua importância política e posição geoestratégica, foi, para o monge agostinho, local de diversas passagens e prolongadas estadas. A Companhia de Jesus era então o mais moderno, culto e prestigiado organismo, e, por esse motivo, tinha a seu cargo a administração do afamado hospital local, com tal nível de excelência que muitos o consideravam superior ao Hospital do Espírito Santo, em Roma, ou à Enfermaria dos Cavaleiros de Malta, os dois estabelecimentos de referência naquela época. Diz-nos Sebastião Manrique que na janta, numa ampla sala desse hospital, serviram-lhe coisas agradáveis, “um frango a cada doente”, salientando que os pratos e os copos eram de porcelana Ming, então uma raridade na Europa. Consta que o lorde tesoureiro Burghley, ministro das finanças da Inglaterra, ao deparar com a preciosidade oriental pensou tratarem-se de tijelas, copos e pratos “de porcelana branca guarnecidos a ouro”, desde logo considerando ser essa a prenda ideal de ano novo para à rainha Isabel.

Em 1628, Manrique parte de Cochim para Uglim a bordo de um navio mercante, o Santo Agostinho, carregado de búzios, essas grandes conchas usadas como trombetas e (ainda hoje) utilizadas nos templos hindus, e em si um objecto  apetecido, susceptível de ser utilizado como prebenda. Se cortados em rodelas, os ditos búzios serviam de adorno às mulheres. Esta pequena achega, aparentemente fora do contexto, serve para demonstrar a diferença do conceito daquilo que é um presente de acordo com as diferentes culturas.

Os produtos chineses foram protagonistas na gestação e fortalecimento da feitoria de Uglim, que esteve na origem da metrópole de Calcutá. Relatam-nos as crónicas coevas que, em 1577 o imperador mogol Acbar mandou chamar um mercador e aventureiro de nome Pedro Tavares. O português, previdente, viu uma excelente oportunidade de negócio, e aproveitou-a. Garantiu uma entrega anual de quantos objectos de luxo chineses fossem requeridos, desde que lhe permitissem construir uma cidade importante em Uglim, para residência dos seus compatriotas e dos respectivos padres. Pelo teor da oferta, ficamos com uma vaga ideia de quão significativo era o comércio feito pelos portugueses ao longo da costa da China, duas décadas apenas após a fundação da cidade de Macau.  Acbar acedeu face aos desejos de Tavares e logo deu instruções ao vice-rei de Daca, a cuja jurisdição pertencia Uglim, no sentido de conceder todas as facilidades possíveis, não se esquecendo de avisar, simultaneamente, que se houvesse qualquer interrupção nos fornecimentos, o vice-rei naturalmente perderia o seu lugar. Assim, pode-se dizer que foi graças aos presentes chineses transportados pelos portugueses que Uglim singrou muito rapidamente, atraindo pessoas das mais variadas crenças e nações.

Também o poderoso Sirisudhammaraja, rei de Arracão (região do actual Myanmar), beneficiou dos presentes oriundos da China. Era dever dos oficiais, em todas estas monarquias, enviarem despachos pelos estrangeiros de elevado estatuto social, especialmente quando estes transportavam presentes para o rei, como era o caso. Manrique, que se fazia acompanhar pelo capitão Gonçalves Tibau – sobrinho do homónimo Sebastião Gonçalves Tibau, misto de aventureiro e pirata, senhor absoluto durante largos anos da ilha de Sundiva, ao largo do actual  Bangladesh – tinha dado a conhecer a sua chegada e, como incentivo adicional, mandara “ao governador da província de Perorem” um presente de “quatro tabuleiros chineses cheios de cravos-da-índia, canela, pimento e cardamomo especiarias que no local não podiam obter-se e haviam sido importadas para Djanga pelos navios portugueses que vinham de Java e de Samatra”.

Note-se que as ditas prebendas eram servidas, invariavelmente, em tabuleiros de fabrico chinês.

Manrique e o companheiro receberiam do governador, como moeda de troca, “cinquenta galinhas, dois gamos, quatro sacos de arroz perfumado, que era uma especialidade de Chebuba, ilha perto da costa, situada ao sul e manteiga, frutas e doces”. Satisfeitos com a retribuição, os viajantes ofereceram ao filho do monarca “doces à moda da Europa, maçapães de formas fantásticas que divertiram o rapaz”.

Numa posterior etapa da épica jornada rumo a Mrauk-U, capital do reino, outras ofertas se seguiram, primeiro “a um inspector” e, posteriormente, “a um almirante”. Consistiam “em quatro tabuleiros dourados cheios de especiarias e mais outro com três peças de seda chinesa, duas de cetim e uma de veludo, tendo cada uma peça de largura bastante para uma saia”. Também neste caso, antes foi aberto o caminho com a oferta de maçapães, certamente para lhes adoçar a boca. Diz-nos Manrique que o capitão Tibao fez sinal aos criados “para trazerem doces e bolos, os maçapães que tão apreciados tinham sido em Perorem”. (preciosa informação obtida no Instituto Internacional de Macau)

Preço:45,00€

Referência:12499
Autor:MASCARENHAS, Telo de
Título:A MULHER HINDU
Descrição:

Edições Gleba, Lisboa, 1943, In-8º de 216 págs. Br. Capa de João Carlos. Integrado na Colecção Cultura.

PRIMEIRA EDIÇÃO.
 

Observações:


Conjunto de ensaios em que o autor aborda o "património espiritual da Índia, milenário e eterno, jovem e estuante de seiva". Assim, fala-nos do lugar da mulher  indigena na música, na dança, no teatro, na literatura erótica, etc.

Preço:15,00€

reservado Sugerir

Referência:13903
Autor:MORAES E CASTRO, Armando A. G. de; CARDOSO, A. Pereira
Título:UMA VIAGEM ATRAVÉS DAS COLÓNIAS PORTUGUESAS
Descrição:

Companhia Portuguesa Editora, Porto, 1926. In-8º de 240-(2) págs. Br. Capas de brochura empoeiradas. miolo amarelecido. Com uma pequena assinatura de posse.

INVULGAR

Observações:

Livro com prefácio do Almirante Ernesto de Vasconcelos que  é o relato de forma epistolar da viagem efectuada por Armando Moraes e António Cardoso pelas colónias portuguesas, no ano de 1926. Analisa as  colónias sob o ponto de vista físico, económico e político usando uma escrita tipica  de propaganda colonial.

Preço:19,00€

Referência:12424
Autor:OLIVEIRA, A. Águedo de
Título:O LIBELO DE DIOGO DO COUTO CONTRA OS CONTOS DE GOA.
Descrição:

Tribunal de Contas, Lisboa, 1960. In-8º de 104-(2)págs. Br. Capas ligeiramente empoeiradas.Valorizado pela  dedicatória do autor.

Observações:

Estudo muito interessante e inovador sobre o "Diálogo do Soldado Prático", obra de Diogo de Couto que contém uma crítica cerrada ao funcionalismo da Índia, pondo a nu a ambição da riqueza, o amor ao luxo, a opressão dos pobres, a falta de dignidade e a deslealdade nas informações ao rei.

Preço:25,00€

Referência:13110
Autor:PEDROSO, Sebastião José
Título:RESUMO HISTORICO ACERCA DA ANTIGA INDIA PORTUGUEZA acompanhadas de algumas reflexões concernantes ao que ainda possuimos na Asia, Oceania, China e Africa com um appendice por ...
Descrição:

Typographia Castro Irmão, Lisboa, 1884. In-4º de 482-(1) págs. Encadernação meia francesa em pele grenat com dourados e dizeres na lombada.

Observações:

Inocêncio XIV, 339. “Contém numerosas referencias a Camões, citando trechos dos Lusiadas. O auctor d'esta obra publicára em 1880, pela Imprensa da Academia Real das Sciencias de Lisboa, a primeira edição sob o titulo India Portugueza, do qual foram distribuidos muito poucos exemplares, mandando em seguida inutilisar os restantes. Tornou-se por isso rara.

Preço:50,00€

Referência:12396
Autor:PENROSE, Boies
Título:GOA - RAINHA DO ORIENTE GOA / QUEEN OF THE EAST
Descrição:

Comissão Ultramarina, Lisboa, 1960. In-4º de 119-(6) págs. Encadernação editorial. Ilustrado em extra-texto com fotografias e gravuras. Edição bilingue em português e inglês.

Observações:

Obra editada em 1960 nas comemorações do V Centenário da morte do Infante D. Henrique com Introdução de Armando Cortesao. Encerra capítulos como: A conquista e perda de Goa; O estabelecimento da Metropole; A Rua Direita; Causas da decadência de Goa, entre muitos outros

Preço:24,00€

Referência:12401
Autor:PEREIRA, Armando Gonçalves
Título:ÍNDIA PORTUGUESA pelo Professor...
Descrição:

Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1953. In-8º de 496-(2) págs. Br. Ilustrado em extra-texto com fotografias e mapas desdobráveis.

Observações:

Obra de referência contendo quadros de dados económicos e sociais dos vários territórios do Estado da Índia.

Preço:30,00€

Referência:12386
Autor:PINTO, Dr. Américo Cortez
Título:"TALANT DE BIEN FAIRE" A DIVISA DO INFANTE E A CRIAÇÃO DO ESTADO DA ÍNDIA
Descrição:

Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1955. In. 8.º de 373 págs. Br.

Observações:

A obra contém os seguintes artigos: "O Talant de Bien Faire e o sentido português da palavra "Conquista"; "O ensino das Letras, Artes e Ofícios e a elevação social dos povos das descobertas"; "O ensino na Índia"; "A instrução portuguesa na Corte do Grão Mogol"; "Rosário de Colégios"; "As primeiras gramáticas do Oriente e para o Oriente"; "Intercâmbio cultural e integração dos costumes religiosos"; A introdução da tipografa no ensino dos povos das descobertas"; "Preparação do clima espiritual em que se desenvolvia a política da inteligência".

Preço:20,00€

Referência:12394
Autor:S. BERNARDINO, Frei Gaspar de
Título:ITINERÁRIO DA ÍNDIA POR TERRA ATÉ À ILHA DE CHIPRE Introdução e notas de Augusto Reis Machado
Descrição:

Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1953. In-8º de 270 pags. Br.

Observações:

Frei Gaspar de S. Bernardino, escritor franciscano português (séc.XVI/XVII), enviado em missão à Índia e que em 1605 inicia a viagem, por terra, de regresso a Lisboa.
"Como eu e meu companheiro tínhamos as licenças largas para o reino, e vimos não ser vontade do Senhor levar-nos a ele por mar, achámos que tudo vinha de sua santa mão, pelo que nos não entristecemos, antes lhe demos graças por assim o permitir. E vendo eu que ao presente tinha caminho aberto, ainda que perigoso, para poder cumprir uns desejos grandíssimos, que sempre tive de visitar os lugares santos de Jerusalém, lancei mão dele nesta boa conjunção."
Esta obra denota o poder de observação de quem a escreve, tornando-se especialmente interessante pelas observações de carácter etnográfico, botânico e zoológico; para além dos comentários mais profundos sobre o que era a acção dos portugueses no além mar nos século XVI.

Preço:29,00€

Referência:13842
Autor:SANDE E CASTRO, António Paes de
Título:ANTÓNIO PAES DE SANDE o grande governador
Descrição:

Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1951. In-8º de 225-(3) págs. Br. Capas de brochura com alguns picos de acidez. Ilustrado em extra-texto.

 

Observações:

Biografia de António Pais de Sande, administrador colonial português do século XVII que participou nas campanhas da Restauração e foi governador de Monção e provedor das Armadas do Reino.

Preço:30,00€

Referência:12892
Autor:TRIGUEIROS, Luiz Forjaz
Título:A HISTÓRIA E A VIDATemas Ultramarinos
Descrição:

Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1955. In-8.º de 185 págs. Br. Esmerada edição impressa em papel encorpado e a duas cores.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

"Ao lado dum capítulo sobre a expansão portuguesa no Mundo, dum outro dedicado à arte indígena e de crónicas versando assuntos que nos últimos anos pertenceram à actualidade ultramarina portuguesa e adento dela tiveram projecção histórica, como foi o caso da viagem ministerial à Índia, em 1952, três grandes temas surgem no decorrer deste livro: a arte sacra missionária, o centenário de S. Francisco Xavier, e, finalmente, a atitude de Portugal, dos seus Chefes e do seu povo perante as pretensões da União Indiana.

Preço:12,00€
página 1 de 2