Banner Vista de Livro

Palavras chave | Key Words

Açores | África | Afrodite | Agricultura | Alemanha | Alentejo | Algarve | América | Anais | Angola | Anti-Clericalismo | Antologia | Aramaico | Arqueologia | Arquitectura | Arquitectura Militar | Arquitectura Religiosa | Arte | Arte Monumental | Arte Popular | Arte Portuguesa | Artes Decorativas | Artes Plásticas | Artesanato | Autógrafos | Aveiro | Azurara | Barrancos | Beira | Bibliofilia | Bibliografia | Biografia | Botânica | Braga | Bragança | Brasil | Cabo Verde | Caça | Calão | Camiliana | Camilo | Camões | Campo Maior | Caricaturas | Casa de Bragança | Castelo Branco | Castelo de Vide | Catálogo | Ceilão | Censura | Cerâmica | Cervantes | Ceuta | Chaves | China | Ciências | Ciganos | Cister | Coimbra | Colonização | Conto | Contos | Costumes | Cristãos Novos | Crítica | Crónica | Culinária | D. Henrique | Dança | Descobrimentos | Descolonização | Diário | Dicionário | Diplomacia | Direito | Ditadura | Douro | Economia | Edição especial | Educação | Educação Sexual | Emigração | Ensaio | Epístola | Epistolografia | Ericeira | Erotismo | Escultura | Esoterismo | Espanha | Estado Novo | Estanho | Estremoz | Etnografia | Europa | Fado | Fauna | Fernando Pessoa | Figueira da Foz | Filologia | Filosofia | Flora | Folclore | Fotografia | França | Galiza | Genealogia | Geografia | Goa | Grécia | Guerra | Guerra Peninsular | Guiné | Hagiografia | Hebraico | História | História Natural | Idade Média | Igreja | Iluminura | Ilustração | Imprensa | In Memoriam | Índia | Inglaterra | Inquisição | Invasões Francesas | Islão | Itália | Japão | Jesuítas | Jogo de Cartas | Jornalismo | Judeus | Latim | Leiria | Liberalismo | Linguagem | Linguística | Lisboa | Literatura | Literatura de Cordel | Literatura de Viagens | Literatura Infantil | Literatura portuguesa | Livro | Macau | Maçonaria | Madeira | Malacologia | Mariana Alcoforado | Marinha | Marquês de Pombal | Marrocos | Medicina | medieval | Memórias | Minho | Misericórdias | Missões | Mitologia | Moçambique | Moda | Modernismo | Monarquia | Monarquia Constitucional | Muçulmanos | Música | Música Portuguesa | Neo-Realismo | Novela | Novelas | Ordem Monástica | Oriente | Ourivesaria | Pesca | Pintura | Piratas | Poesia | Poesia Trovadoresca | Polémica | Polícia | Política | Porto | Portugal | Presença | Primeira Guerra Mundial | Primeiras edições | Propaganda | Prostituição | Queirosiana | Quintentista | Rafael Bordalo Pinheiro | Raro | Regional | Religião | Religiosa Portuguesa | Renascimento | República | Restauração | Revista | Romance | Romanceiro | Romantismo | S. Tomé e Príncipe | Salazar | Sátira | Sebastianismo | Segunda Guerra Mundial | Sermão | Sexualidade | Sintra | Sociedade | Solares | Tauromaquia | Tavira | Teatro | Tecnologia Tradicional | Teologia | Termas | Terminologia Militar | Timor | Tipografia | Tiragem Especial | Torres Vedras | Tradução | Trás-os-Montes | Tratado | Turismo | Ultramar | Viagens | Vila Real | Vinho | Viseu | Vista Alegre | Zoologia

Módulo background

Literatura portuguesa

Foram localizados 283 resultados para: Literatura portuguesa

 

Referência:12174
Autor:ABRANTES, Ventura [coord.]
Título:IN MEMORIAM DE CAMILLO
Descrição:

Casa Ventura Abrantes, Lisboa, 1925. In-fólio de VI-851-(3) págs. Br. Profusamente ilustrado com estampas ao longo do texto e em extra-texto, sendo algumas a cores. Direcção artística de Saavedra Machado.

Tiragem restrita de 1000 exemplares.

Observações:

Obra com uma esmerada edição que engloba variadas e valiosíssimas colaborações  dos maiores nomes do panorama literário da época, especialmente de autores consagrados ao  estudo da vida e obra de Camilo.
Livro do maior interesse para a biobibliografia do grande romancista.

Preço:80,00€

Referência:13608
Autor:ALMEIDA, Fialho d'
Título:ACTORES E AUTORES (Impressões de teatro) (livro póstumo)
Descrição:

Livraria Clássica Editora, Lisboa, 1925. In-8º de 295-(9) págs. Encadernação meia francesa em pele com dizeres e florões em casas abertas na lombada. Conserva capas de brochura. 1º Milhar.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Apreciada obra do autor com  várias crónicas sobre o mundo do teatro e também o único texto teatral que escreveu, “Trinca-Fortes na Parvónia” ( paródia em um acto e seis cenas). Encerra entre outros  capítulos: Teatro D. Maria II. Estado do teatro. Othelo. O Rei Lear. A Duse na «Magda». A Duse na «Dama das Camélias». Alleluia.

Preço:24,00€

Referência:13166
Autor:ALMEIDA, Fialho d'; VASCONCELLOS, Henrique de
Título:LIVRO PROHIBIDO profecias, farças & sandices
Descrição:

Centro Typographico Colonial, Lisboa, 1904, In-8º de 141-(3) págs. Encadernação meia francesa em pele com dizeres a ouro na lombada. Profusamente ilustrado com caricaturas. Papel amarelecido pelo tempo.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Invulgar

Observações:

Curiosa e contundente sátira aos costumes da época, ilustrada com interessantes caricaturas de Celso Hermínio e Francisco Teixeira.

A ABRIR

"Vae o leitor assistir a um espectáculosinho em três actos, complexo — tragédia, comedia de salão e uma revista politica e de costumes — onde três escriptores trataram de lhe rezumir, em três figurações diferentes, o quantum d'anotação filosófica, optimismo ou agrura dos seus espíritos fasciados.

Espectaculo que o leitor não terá de pagar por um quartinho, como no D. Maria e D. Amelia, obrigado de dois em doisminutos a erguer-se para deixar passar um senhor retardatário, e que a seu talante pode aplaudir ou patear, sem que maiormente isso lhe traga as hostilidades de ninguém.

Os auctores que para esta recita escreveram, são pessoas de tempera diferente e idealisação sentimental de varia côr."

Preço:30,00€

Referência:13583
Autor:ALMEIDA, Nicolau Tolentino de
Título:OBRAS COMPLETAS de Nicolau Tolentino de Almeida
Descrição:

Estúdios Cor, Lisboa, 1968. In-4º de XII-384 págs. Profusamente ilustrado ao longo do texto com ilustrações de  Nogueira da Silva. Encadernação artística em Chagrin verde assinada por Frederico d'Almeida, com dizeres a ouro na lombada e fillet floreado nas nervuras da lombada e a emoldurar as pastas.  Corte das folhas brunido a ouro fino. Exemplar duma tiragem restrita de 1000 exemplares sendo este o nº 550.

Observações:

Terceira edição das obras de Nicolau TolenSegue o modelo do volume publicado em 1861 por José Torres e o grafismo de Nogueira da Silva . Tem um prefácio de Alexandre O'Neill , "Uma Arte do Pormenor ou um Preâmbulo para Desatentos":
 "[Tolentino] soube preservar, no meio das insignificâncias dum quotidiano sem relevo, uma visão implacável e irónica da sociedade do seu tempo. Objectar-se-á que ele fez uma crítica movida de cima para baixo, uma crítica de galarim para a plateia, mas Honoré (de) Balzac – e abstraímos da salvação das devidas proporções – que teria feito? Se o ponto de vista donde a visão procede é importante, a objectividade da visão não o é menos."

 

Apreciada obra do poeta Nicolau Tolentino De Almeida sendo a 1.ª edição de 1801 e a  2.ª edição de 1861.

Preço:65,00€

Referência:13581
Autor:ALMEIDA, Nicolau Tolentino de
Título:OBRAS POÉTICAS DE ...tomo I e II
Descrição:

LISBOA, NA REGIA OFFICINA TYPOGRAFICA. ANNO M.DCCCI. In 8º de 2 volumes com 231 - (1) e 222 - (1) respectivamente. Encadernação da época em carneira mosqueada, com rótulos vermelhos e dourados de execução recente na lombada. papel mantendo a sonoridade original, muito saudável, na obstante de apresentar uma mancha de humidade marginal nas últimas paginas do primeiro volume.

PRIMEIRA EDIÇÃO

Observações:

Referido pelo poeta O’Neill, no prefácio a «Uma Arte do Pormenor ou um Preâmbulo para Desatentos»: "...[Tolentino] soube preservar, no meio das insignificâncias dum quotidiano sem relevo, uma visão implacável e irónica da sociedade do seu tempo. Objectar-se-á que ele fez uma crítica movida de cima para baixo, uma crítica de galarim para a plateia, mas Honoré (de) Balzac – e abstraímos da salvação das devidas proporções – que teria feito? Se o ponto de vista donde a visão procede é importante, a objectividade da visão não o é menos..."

O escritor e editor Paulo da Costa Domingos nos diz ainda sobre este poeta:
"...Poeta da transição de século, do XVIII para o XIX. A presente edição surgiu ainda em vida, dado ele haver falecido apenas em 1811; edição a expensas do Estado, que, na altura, e apesar da feroz vigilância sobre os costumes, permitiu que se desse à estampa requintes sátiros como o do seguinte exemplo entre muitos:

«Em fege eftreita entaipados, Sol á ilharga, Sol por cima, Vinha eu, e o Padre Lima Cheios de pó, e encalmados. Eis-que na eftrada atacados, Párão as mulas baratas; Cuidei eu que erão Piratas, Que tirão vida, e dinheiro, Fui ver fe era o Clavineiro, E achei duas Açafatas.

Trazião a arma mais dura, Que nos peitos fe tem pofto, Trazião ambas no rofto O refpeito, e a formozura. Querem fege mais fegura, Porque a fua eftá quebrada; E em quanto o Padre na eftrada Lhe diz palavras pompozas, As minhas mãos refpeitozas Lhe affoufavão a almofada. [...]»

EDIÇÃO ORIGINAL deste célebre e muito apreciado livro de poesias satíricas.

Preço:125,00€

Referência:13560
Autor:ALORNA, Marquesa de
Título:OBRAS POETICAS DE D. LEONOR D'ALMEIDA PORTUGAL LORENA E LENCASTRE, Marqueza d'Alorna, condessa d'Assumar, e d'Oeynhausen, conhecida entre os poetas portugueses pelo nome de ALCIPE.
Descrição:

Imprensa Nacional, Lisboa, 1844. Seis tomos encadernados em três volumes de in-4º com XLVIII-307-(8)-383-(12), 299-(4)-289-(2), 330-(4)-527-(8) págs. Encadernação coeva meia inglesa em pele preta com dizeres e florões na lombada. Primeiro volume encerra um retrato da Marquesa de Alorna.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

MUITO INVULGAR.

Observações:

Reunião das obras escritas e traduzidas pela Marquesa de Alorna e que foram publicadas postumamente.

Tomo I: Noticia Biographica (pag. V a pag. XLVIII) das três épocas pricipais da sua vida: 1ª- menina e donzella; 2ª- Condessa d' Oeynhausen; 3ª- Marqueza d' Alorna.; Poesias compostas no mosteiro de Chellas; Poesias escriptas depois da sa­hida do mosteiro de Chellas.
    Tomo II: Continuação das poesias lyricas, escriptas depois da sahida do mosteiro de Chellas.
    Tomo III: A primavera, tradução livre do poema das Estações de Thompson; os primeiros seis cantos do Oberon, poema de Wieland, traduzidos do alemão; Darthula, poema traduzido de Ossian; tradução de uma parte do livro I da llliada em oitava rima.
    Tomo IV: Recreações botanicas, poema original em seis cantos; O Cemiterio d'aldeia, elegia, imi­tada de Gray; O Eremita, balada imitada de Goldsmith; Ode, imitada de Fulvio Testi; Ode de Lamartine a Filinto Elysio, traduzida; Epistola a lord Byron, imitação da 2ª meditação de Lamartine; imitação da 28ª meditação do mesmo poeta, intitulada: Deus.
    Tomo V: Poetica de Horacio; Ensaio sobre a critica, de Pope; O roubo de Proser­pina, poema de Claudiano em quatro livros .
    Tomo VI: Paraphrase dos cento e cinquenta salmos que compõem o Psalterio, em várias espécies de ritmo seguida da paráfrase do varino cânticos bíblicos e hinos da igreja.

Preço:250,00€

Referência:12189
Autor:ANDRADE, Eugénio de
Título:POESIA E PROSA
Descrição:

Limiar/ o Jornal, Lisboa, 1990. Dois Volumes de  In-8º de 416-(3) e 446-(2) págs.Br.

Observações:

Obra que reúne toda a prosa e obra poética do autor incluídos nos livros até então publicados.

Devias estar Aqui

Devias estar aqui rente aos meus lábios
para dividir contigo esta amargura
dos meus dias partidos um a um

- Eu vi a terra limpa no teu rosto,
Só no teu rosto e nunca em mais nenhum.

 

Preço:32,00€

Referência:12252
Autor:ANDRADE, José Ignácio de
Título:CARTAS ESCRIPTAS DA ÍNDIA E DA CHINA nos anos de 1815 a 1835 por ... a sua mulher D. Maria Gertrudes de Andrade. Segunda edição.
Descrição:

Tomo I (e II). Na Imprensa Nacional. Lisboa. 1847. In 8º de 2 volumes com (22) - 245 - (3) e (10) - 235 - (8) págs. respectivamente. Encadernação coeva meia inglesa com elaborados ferros gravados a ouro na lombada de pele, esta com ligeiros e insignificantes defeitos acentuados no primeiro volume. Cantos do primeiro volume com ligeiro sinais de manuseamento descuidado. Miolo impecável, muito limpo com rarísimos picos de acidez.

Observações:

2ª EDIÇÂO. Frei Francisco de S. Luis (Cardeal Saraiva) refere que o autor nos deu a conhecer “... os costumes, as leis, o génio e o singular caracter do grande Império da China, fazendo justiça ao espirito, e ao valor dos antigos portuguezes ...”. É de facto notável o desenvolvimento dado pelo o autor aos curiosos costumes orientais, bem como á história da presença dos portugueses por aquelas paragens. Ilustrado com doze belos retratos litográficos, de sua mulher, de Domingos António de Sequeira, de Rodrigo Ferreira da Costa e de importantes personagens chineses.

As cartas apresentam os seguintes títulos: Sahida de Lisboa; Ensaio da navegação em mar largo; Entrada em Calcuttá; Carta-Bade-Chasta-Brima; Das leis e sua applicação; Sacrificio das viuvas; Ordens religiosas; Decadencia do Indostão; Os lusitanos, e os inglezes na Africa, e na India; Caracter do governo inglez; Costumes dos naires; Palacio Mogol; Jardins de Calcuttá; Estado acual de Maco; Entrada, e sahida dos Jesuitas na China; Principios politicos, e moraes de Confucio, e de Meng-Tscu; Caracter, costumes, e retrato dos chinezes; População, e rendimento público; Amostra das leis chinezas; Da astronomia, e da geographia; Juizo sobre Fernão Mendes Pinto, e sobre algumas cousas vistas por elle na China; Da Medicina; Do espaço e do tempo; Da materia, e suas propriedades; Do movimento; Systema planetario; Effeitos da lua; Liberdade civil dos chineses; Costumes na mesa; Festividade chineza; Agricultura; Cultura, fabrico, e virtudes do chá; Juizo sobre a poesia, extrahido do Cou-King; Canção do Philosopho Lean; Da pintura; Do suicidio; Ilha de Santa Helena; Estado de Portugal;  entre muitos outros.

Segundo Manuela Delgado Leão ramos, esta obra de Ignácio de Andrade, que, como convidado ilustrado, percorre a China dos anos 1815-1830 onde ouviu palestras sobre a cultura chinesa em casa dos seus amigos Chá-Amui e Saoqua (onde, aliás, também explica a “filosofia experimental” europeia), num período em que a imagem da China sofre em Portugal o mesmo processo que no resto da Europa: a passagem de uma sinofilia a uma sinofobia. Esta mudança reflecte, nas suas particularidades, os moinhos de vento com que se debatia o pensamento europeu, e os ventos dominantes que, mais ou menos intensamente, chegavam cá também para moer a ‘farinha’ nacional .

José Inácio de Andrade nasceu nos Açores em 1780 e morreu em Lisboa, em 1863. Como oficial da Armada empreendeu várias viagens à Índia e à China. Foi vereador e presidente da Câmara Municipal de Lisboa e figura destacada das letras portuguesas da época, deixando vasta obra.

Preço:135,00€

Referência:12627
Autor:autoria indefinida
Título:OS MELHORES CONTOS RÚSTICOS DE PORTUGAL
Descrição:

Edições Dois Mundos, Rio de Janeiro, 1943. In-8º de 322 págs. Encadernação meia francesa com dizeres a ouro em rótulo de pele na lombada. Conserva capas de brochura. Ilustrado em extra-texto com  retratos dos autores antologiados.

 

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

 Com um extenso e interessante prefácio de Jorge de Lima, este livro é uma antologia de contos de 9 autores: Raúl Brandão, Ramalho Ortigao, Pedro Ivo, Teixeira de Queiroz, Trindade Coelho, D. Joao da Câmara, Antero de Figueiredo, Brito Camacho e José Loureiro Botas sobre o homem comum.

"Os nove contistas portugueses escolhidos para figurar no presente volume, vindo embora das mais divesas origens, e dos meios-de-vida mais opostos, dentro das mais variadas condutas sociais e religiosas, apresentam a mesma visão do homem sofredor ecumênico, não importa de que classe ou condição."

 

Preço:20,00€

Referência:12546
Autor:autoria indefinida
Título:A SEMENTE NAS PALAVRAS contos
Descrição:

Centelha, Coimbra, 1977. In-8º de 193-(6) págs. Br. Capas de brochura com picos de acidez e ligeiramente empoeiradas.

SEGUNDA EDIÇÃO, MODIFICADA.

Observações:

Colectânea de contos publicada em 1977 pela Centelha. Esta colectânea havia sido primeiramente publicada em Dezembro de 1973, “ano UM antes de Abril” e aí se refere: “O título, fruto de uma reflexão cuidada, pretende ser um símbolo. Símbolo de que só aquilo que germina verdadeiramente importa. De que nada na vida é estático e imutável. Todos os dias nascem os dias do futuro. Nos actos que soubermos tornar significativos pela união crítica das finalidades comuns.”

Nesta segunda edição “A semente nas palavras” conta com a colaboração de Alves Redol, Fernando Namora, José Cardoso Pires, José Gomes Ferreira, José Manuel Mendes, Maria Judite de Carvalho, Maria Ondina Braga, Santos Simões, Urbano Tavares Rodrigues.

Preço:18,00€

Referência:13303
Autor:BARBOSA, Manuel
Título:MEMÓRIAS DAS ILHAS DESAFORTUNADAS
Descrição:

Edição de autor, Braga, 1981. In-8º de 212-(4) págs. Br.
 

Observações:

Livro autobiográfico, muito interessante pois relata eventos importantes para um melhor conhecimento na ilha da Terceira. Entre outros assuntos o autor aborda O começo do cinema dos Açores, os primeiros  automóveis, a maçonaria, a agitação durante a primeira guerra mundial nas ilhas.

Preço:19,00€

Referência:12884
Autor:BATTELLI , Guido
Título:TEIXEIRA DE PASCOAES
Descrição:

Coimbra Editora, Coimbra, 1953. In-8º de 58-(2) págs. Br. Ilustrado com uma fotografia de Teixeira de Pascoaes na companhia do Prof. Joaquim de Carvalho. Com dedicatoria não autógrafa.

 

Observações:

Colectânea de artigos muito interessantes de Guido Battelli sobre Teixeira de Pascoaes primitivamente divulgados nas páginas do "Diário de Coimbra" e no "Osservatore Romano", antecedidos por um outro de Joaquim Montezuma de Carvalho.

Preço:10,00€

Referência:13335
Autor:BEAU, Albin Eduard
Título:ESTUDOSVol I e II
Descrição:

Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, Coimbra, 1959-1964. Dois volumes de in-8º de 438 e 544 págs. Br. Capas de brochuras com alguns picos de acidez e envelhecidas. Alguns cadernos por abrir. Integrado na colecção Acta Universitatis Conimbrigensis.

Observações:

Estudos muitos exaustivos sobre a cultura e autores portugueses , de destacar os ensaios sobre
Fernão Lopes, Gil Vicente, Humanismo, Padre António Vieira, Alexandre Herculano, Fernnando Pessoa, entre outros.

Preço:39,00€

Referência:12210
Autor:BOTTO, António
Título:AINDA NÃO SE ESCREVEU
Descrição:

Edições Ática, Lisboa, 1959. In - 8º de XI-198-(6) págs. Br.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Obra póstuma cujo original o autor enviou para as Edições Ática.

Preço:40,00€

Referência:12207
Autor:BOTTO, António
Título:ELE QUE DIGA SE EU MINTO
Descrição:

Edições Romero. Lisboa,s/d. In-8º de In-8º de 414 págs. Br. Capa com pequenas e insignificantes falhas marginais.
 

PRIMEIRA EDIÇÃO

Observações:

da Introdução:

“Todo êste livro é uma infinita camaradagem de vários factos sucedidos. A chamada literatura não tem nêle intervenção. Talvez lhe faça falta a mentira de que alguns verdadeiros escritores abusam... Agrada-me ser oposto a essas virtudes de confecção, e sou assim, por natureza. Aqui há só o relato da verdade pura e simples. Podia chamar-lhe memórias ou mais pròpriamente ainda: um romance original, se às personagens pusesse o nome que as acompanha na vida.”

Preço:40,00€

Referência:12206
Autor:BOTTO, António
Título:ASCANÇÕES DE ....
Descrição:

Edições Paulo Guedes, Lisboa, 1932. In-8.º de 173 págs. Encadernação meia francesa, com cantos e lombada em pele verde, ornamentada com dizeres e florões dourados na lombada. Conserva capas de brochura. Ex-libris de Frederico de Bivar. Ocasionais picos de acidez.

Observações:

"Nova edição definitiva de toda a obra poética do autor com oito canções inéditas e um estudo crítico de Teixeira Gomes, antigo chefe de Estado".

Livro Terceiro, Piquenas Esculturas - Décimo Primeiro Poema

Acabemos.
E acabemos para sempre.
Continuar, para quê?
Nem uma palavra amiga,
Nem um sorriso,
Nada
Que dê conforto ou prazer...
Não, acabemos...
Ou acabar..., - ou morrer.

Preço:50,00€

Referência:13155
Autor:BRAGA, Theophilo
Título:OS DOZE DE INGLATERRA - poema
Descrição:

Typographia da Academia Real das Sciencias, Lisboa, 1899. In-8.º de 19 págs. Encadernação moderna inteira de sintético, com dizeres dourados nas pastas. Conserva capas de brochura. Esmerada edição em papel encorpado e que se apresenta em excelente estado de conservação.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Poema narrativo que revisita um dos mais conhecidos episódios da literatura portuguesa

"Edição comemorativa do centenário do nascimento de Garrett".

 

QUEM ha hoje que crêa
N'isto de almas penadas?
Por mim, liberto de uma tal ideia,
Da obsessão das cousas do outro mundo
Que amedrontara as gerações passadas,
Tinha-a como ridicula, irrisória;
Agora não !
Vereis em que me fundo.
Peço licença; entremos já na historia

 

Um vulto magro, com o olhar sombrio,
De nariz afilado, unctuoso, esguio,
Cheio de dignidade, postulante,
Com incerto sorriso, poz-se diante
Da minha meza de trabalho, e falia
Uma estranha linguagem que me abala

Pelo influxo dos mysteriosos seres

 

Preço:19,00€

Referência:13554
Autor:BRANCO, Camilo Castelo
Título:A SENHORA RATTAZZI
Descrição:

Livraria Internacional de Ernesto Chardron Editor, Porto e Braga, 1880. In-8º de 30-II págs. Encadernação meia francesa em chagrin com dizeres e florões em casas fechadas. Conserva capas de brochura anterior, reforçada nas margens. Ante-rosto com os dizeres A SENHORA RATTAZZI enquadrados numa bonita e romântica moldura de composição tipográfica.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR

Observações:

Primeira edição deste folheto da Questão Rattazzi, polémicas em que Camilo se envolveu a propósito do livro escrito pela Princesa Rattazzi sobre Portugal. Este livro é a resposta às provocações da Sr.ª Rattazzi e termina da seguinte maneira:
“Em conclusão: o seu livro não é cano de escorrencias muito nauseabundas, nem é canal de noticias uteis, tirante a dos hoteis infamados de persevejos; não é pois cano, nem cabal; mas é canudo, porque custa sete tostões; e — vá de calão — como troça e bexiga, é caro.”

Inocêncio. XVIII, 144. “A questão Rattazzi: esteve por differentes vezes em Portugal uma dama estrangeira, de origem italiana ou ingleza, que se apresentou com o titulo de Princeza Rattazzi dizendo-se aparentada com a familia Imperial Bonaparte, o que, aliás, segundo consta de informações notorias, as auctoridades francezas não permittiam officialmente. algumas folhas francezas, hespanholas e italianas tinham falado d"ella a proposito de seus escriptos dados ao prelo, dos seus consorcios e de varios incidentes da sua vida aventurosa. Da ultima vez que se demorou em Lisboa, por 1879, lembrou-se ella de escrever um livro de viagem acerca de Portugal: mas, ou por falta de estudo, ou por leviandade, acreditando em esclarecimentos ministrados por pessoas de sua intimidade e de acanhada consciencia quanto aos factos que inculcaram, o certo e que fizeram cair Maria Rattazi em dislates e erros gravissimos, como lhe foi demonstrado. O seu livro, pois, deu margem larga e extensa á publicacão de outras obras de refutação aspera, em que a auctora, apesar do sexo, da idade, do nome aristocratico e da fama de que se fazia cercar, e em que desejava escudár-se, padecem duros ataques, sendo os mais vivos, mordazes e acerados os que lhe vibraram sem piedade Camillo Castello Branco e Urbano de Castro, que assignava os seus escriptos sob o pseudonymo chá-ri-vá-ri. Estas controversias e criticas tomaram o caràcter de verdadeiro escandalo litterario e foram só é alastrando pela imprensa de todas as cidades, em artigos soltos, em folhetins e em correspondencias”.

Preço:90,00€

Referência:13154
Autor:BRANDÃO, Fiama Hasse Pais
Título:ORETRATADOIníciodeumanarrativa
Descrição:

 & etc. Lisboa. 1985. In-8º de 21-(3) págs. Br.

SEGUNDA EDIÇÃO.

INVULGAR

Observações:

Obra baseado  no  célebre  retrato  de  Fernando  Pessoa  por Almada  Negreiros. Na  capa  aparece  uma
 representação  desse  retrato  com a cabeça  de Almada  no  lugar  da  de  Pessoa. Nele a autora teoriza sobre  a apresentação desta prosa, as suas especificidades formais, mas que pode ser entendida como razão de fundo para a concepção de toda a escrita de Fiama:

“o Leitor que é aquilo em que se transformou este Autor quando chegou ao fim da obra sabe que enquanto a vida está presente na consciência é improvável poder sentir-Se o transitório dos dias”.

“O não deixar que a palavra escrita ganhe como tem ganho neste século oestatuto transposto e transviado de entemental ou de gráfico de uma sonoridade
Escrever não representa o ser sonoro A escrita é uma figura palpável que imita as figuras-objectos Tal como o som que éuma contiguidade sonora que representaas figuras objectos”

Preço:18,00€

Referência:12293
Autor:BRITO, Casimiro de
Título:MESA DO AMOR. Segunda edição. emendada e seguida de ALGARVE LUGAR ONDE.
Descrição:

Centelha, Coimbra, 1977. In-8º de 84-(4) págs. Br. Incluída na colecção Poesia do Nosso Tempo.

Observações:

FUGA

Alto estou a teu lado
no verão deitado

Alto no esplendor de possuir-te
e trocarmos silenciosamente
os frutos mais fundos da morte

Como se navegasse um rio
por dentro
e na tua fragilidade encontrasse
a minha força

Um caminho rigoroso de silêncio

Preço:15,00€

Referência:13229
Autor:BURNAY, Eduardo
Título:RAMALHO ORTIGÃO carta a Luiz de Magalhães
Descrição:

Typographia “A Editora Lda”, Lisboa, 1916. In-8º de 60-(2) págs. Br. Ilustrada em extra-texto com um retrato de Ramalho Ortigão e fac-similes. Com alguns picos de acidez. Valorizado pela dedicatória autógrafa.

Observações:

Publicação das cartas que Eduardo Burnay escreveu a Luís de Magalhães a propósito de Ramalho Ortigão e que forampublicadas originalmente no jornal O Dia. Obra com valor historico e documental, que pode considerar-se de interesse geral para a "historia biographica das  lettras portuguezas”.

Preço:17,00€

Referência:12473
Autor:CARDOSO, Joaquim
Título:FERREIRA DE CASTRO DESMASCARADO -A verdade àcêrca do romance
Descrição:

Livraria Renascença - J. Cardoso, Lisboa, 1953. In-8.º de 40 págs. Br. Rubrica de posse, no ante-rosto.

 

RARO.

Observações:

Curioso opúsculo em que Joaquim Cardoso denuncia a alegada desonestidade por parte de Ferreira de Castro na escrita do romance "Emigrantes", alegando que os documentos que estiveram na base do argumento ficcional do livro serem da sua autoria, e também de ter perdido os direitos de publicação em favor da Livraria Guimarães.

Preço:18,00€

Referência:13246
Autor:CASTELO BRANCO, Camilo
Título:A MULHER FATAL
Descrição:

Livraria de Campos Junior - Editor, Lisboa, S/D. In-8º de 265-(3) págs. Encadernação meia inglesa em pele com dizeres a ouro na lombada. Conserva as capas de brochura. Com uma assinatura de posse na capa de brochura já quase ilegível. Este exemplar pertenceu ao distinto impressor, Anteriano e bibliofilo Candido Nazareth, do qual se conserva a assinatura de posse (já quase desaparecida) na capa e um escrito  a lápis que diz "este livro pertenceu a Candido Nazareth, cuja morte inspirou Joao Deus, para escrever o poema "A vida". A assinatura está na capa, um bocado desaparecida".

Segunda edição revista e emendada pelo auctor.

Observações:

Um dos mais estimados romances de Camilo, baseado, segundo Henrique Marques, em factos autênticos, como autêntica era a sua principal protagonista. A Mulher Fatal é ao mesmo tempo um romance passional e um romance de costumes. A narrativa das sucessivas experiências  amorosas do protagonista, Carlos Pereira (brasileiro de origem), serve não só para descrever as aventuras sentimentais do herói mas também os hábitos, usos, costumes e comportamentos vigentes na sociedade de várias regiões do País.

 

Preço:60,00€

Referência:13189
Autor:CASTELO BRANCO, Camilo
Título:VINTE HORAS DE LITEIRA
Descrição:

Typographia do Commercio, Porto, 1864. In-8.º de (2)-VI-281-(1) págs. Encadernação meia inglesa com lombada em pele, decorada com dourados. Apresenta sinais de manuseamento, com prejuízo particular dos cantos, mas o miolo apresenta-se em muito bom estado de conservação. Aparado e sem capas de brochura.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Primeira edição muito rara do romance primitivamente publicado em 26 folhetins do Commercio do Porto durante o mesmo ano. Segundo Alexandre Cabral, esta obra não corresponde a um verdadeiro romance mas sim a uma sucessão de histórias ou narrativas que um amigo do autor lhe conta no decurso de uma viagem empreendida em liteira de Vila Real ao Porto.

Preço:60,00€

Referência:12155
Autor:CASTRO OSÓRIO, Ana de
Título:AMBIÇÕES Romance
Descrição:

Parceria António Maria Pereira, Lisboa, 1934. In-8º de 272 págs. Br.

Observações:

Em Ambições, romance publicado pela primeira vez em 1903, a autora pretende, através do exemplo  das personagens,  das  suas  atitudes  e  palavras,  propor  vias  de  melhoramento  das  condições  sociais  do  país  e particularmente da  mulher, bem  como  sugerir  o conceito por  si defendido  daquilo  que  deve  ser,  na sociedade  portuguesa  do  primeiro quartel do século XX, um casamento digno, no qual a  esposa desempenhe um nobre e útil papel, tal como o viria a preconizar em textos doutrinários mais tardios.

Preço:19,00€

Referência:12146
Autor:CASTRO OSÓRIO, Ana de
Título:A CAPELA DE ROSAS
Descrição:

Parceria António Maria Pereira, Lisboa, s.d. In-8º de 143-(8) págs. Br. Cadernos por abrir. Pequena mancha marginal de humidade.

 

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Livro com três contos, caracterizados pela simplicidade da narrativa e das próprias personagens, frequentemente crianças ou jovens escrito por Ana de Castro Osório  escritora e pedagoga portuguesa considerada uma das principais responsáveis pela divulgação de literatura infantil e juvenil em Portugal.

 

Preço:18,00€

Referência:12197
Autor:CASTRO, Fernanda de
Título:A ILHA DA GRANDE SOLIDÃO Poema
Descrição:

Portugália Editora, Lisboa, 1962. In-8º de 69-(2) págs. Br. Apresenta um pequeno carimbo editorial de oferta. Apresenta todos os cadernos por abrir. Excelente estado de conservação.

Observações:

 

Pequena flor…
Petite fleur.
A trompette do Sidney Bechet
dilacera-me ouvidos
e sentidos.
Magoa-me a estridência
da música obcecante.
Enerva-me a violência
dos sons,
dos desejos incontidos.
Dói-me a culpa,
a inocência
de uns braços estendidos.

 

Preço:20,00€

Referência:12876
Autor:CINATTI, Ruy
Título:MEMÓRIA DESCRITIVA
Descrição:

Portugália Editora, Lisboa, 1971. In-8º de 140 págs. Br. Reproduz em zincogravura um poema manuscrito do Autor.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Causas perdidas
são as
que me dão vida.

Quero-te,
ó minha pátria!

Aterro a minha casa
construo outra
igual, parecida.

 

Preço:30,00€

Referência:12975
Autor:COCHOFEL, João José
Título:OS DIAS ÍNTIMOS
Descrição:

Edição do Autor, Coimbra, 1950.In-8º de 55-(9) págs.Br. Integrado na colecção "Sob o Signo do Galo".

Exemplar nº 21 de uma "Tiragem especial de 30 exemplares numerada, em papel de linho, com um poesia autógrafo e um retrato do autor". Retrato do autor de Mário Dionísio.

PRIMEIRA EDIÇÃO do livro de poemas deste importante autor ligado à fundação do Neo-realismo em Portugal.
RARO.

Observações:

OS ANOS PASSARAM

Os anos passaram
e eu que fiz na vida?
Escorreu-me dos dedos
como água perdida.

Tive-a nas mãos
e não a bebi.
Secou-se-me a fonte;
agora a ouvi.

Pobre fio de água
fingindo sonhar.
Silêncio de música
que acorda ao cessar.

Preço:65,00€

Referência:13358
Autor:CORREIA, João de Araújo
Título:NOITE DE FOGO e outros contos
Descrição:

Editorial Inova, Porto, 1974. In-8º de 96-(2) págs. Br. Capas de brochura com algum desgaste e miolo amarelecido pelo tempo. Integrado na Colecção Duas Horas de Leitura, com direcção gráfica de Armando Alves.

 

Observações:

Antologia de contos deste autor considerado o maior contista português. A sua escrita sofre  influências de Júlio Dinis, Camilo Castelo Branco e Trindade Coelho.

Da badana:

“É João de Araújo Correia um estilista de linhagem camiliana, com o senso agudo do dinamismo narrativo: escreve para contar histórias e tão bem sabe fazê-lo, que nelas se imprime, como o rosto sangrento de Cristo na toalha de Verónica, a fisionomia de um povo”

Urbano Tavares Rodrigues

Preço:20,00€

Referência:13340
Autor:CORTES-RODRIGUES, Armando
Título:ANTOLOGIA DE POEMAS de...
Descrição:

Arquipelago, Coimbra, 1956. In-8º de 290-(2) págs. Br. Ilustrado em extra-texto com um retrato do autor da autoria de Domingos Rebelo. Valorizado pela dedicatória autógrafa ao poeta José Osório de Oliveira.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Antologia de poemas de Armando Cortes-Rodrigues com selecção e prefácio de Eduíno de Jesus, e que reune todos os seus livros publicados até então e inclui as participações nas duas revista "orpheu". No número 2 da revista «Orpheu» assina com o heterónimo Violante de Cysneiros.

Preço:20,00€

Referência:13598
Autor:COSTA, Alfredo Duarte
Título:O FIDALGO DE CASTRO D'AIRE
Descrição:

Edição do autor, Lisboa, 1969. In-8º de 192-(8) págs. Br.  Capas de brochura amarelecidas pelo tempo. Ilustrado com fotografias de Castro D'Aire.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Romance de indole regional abordado a vida em Castro d' Aire.

"Ironia do destino! O que tem de ser tem muita força, tudo neste mundo se paga, ou mais cedo ou mais tarde.
Mas como há males que vêm por bem, a triste situação a que chegaram os velhos fidalgos serviu, à mil maravilhas, para poder ainda comentar-se, com palavras de azedume e até de chacota, essa coisa de nascer-se fidalgo e rico para morrer pobre e plebeu, como se o capitalismo, hoje em dia, valesse alguma coisa, sem andar de braço dado com o trabalho, a razão e a justiça!"

 

Preço:20,00€

Referência:13538
Autor:COUTO, António Maria do
Título:MANIFESTO CRITICO, ANALYTICO E APOLOGETICO em que se defende o insigne vate Luiz de Camõs, da mordacidade do discurso preliminar, que precede ao poema Oriente; e se demonstrão os infinitos erros do mesmo poema
Descrição:

Na Impressão de J.F.M de Campos, Lisboa, 1815. In-8º de 104-(1) págs. Encadernação modesta meia inglesa, desgastada, com dizeres a ouro na lombada. Rótulo de papel de núemro de ordem de biblioteca na pasta.

INVULGAR.

Observações:

Folheto onde o António Maria do Couto tece considerações e condena  o poema "O Oriente" da autoria de J. A. Macedo, que este pretendia melhor que "Os Lusíadas" de Camões.

Preço:45,00€

Referência:12437
Autor:COUTO, Ribeiro
Título:SENTIMENTO LUSITANO
Descrição:

Livraria Martins Editora, São Paulo, 1961. In-8º de 178 págs. Br. valorizado pela expressiva e extensa dedicatória autógrafa aos poetas Raquel Bastos e José Osório de Oliveira.

PRIMEIRA EDIÇÃO da obra publicada no Brasil e só póstumamente publicada em Portugal.

 

Observações:

Conjunto de ensaios muito interessantes de Ribeiro Couto,Autor brasileiro muito apreciado entre os intelectuais portuguesesda sua época,  encerra ensaios sobre, António Nobre, João de Barros, Joaquim Paço d'Arcos, entre outros. De destacar também o ensaio " O pequeno emigrante português e a continuidade histórica do Brasil".

“não era adquirido sem trabalho, não caia do céu; custava muito esforço” -, para muitos mais terá constituído um penoso exercício de sobrevivência, talvez pelas poucas habilitações com que em sua grande maioria arribaram a terras de Vera Cruz. Mas não é desse brasileiro entre aspas o objecto desta minha fala, já retratado  por Guilhermino César, em O “Brasileiro” na ficção portuguesa: O Direito e o Avesso de uma Personagem-Tipo”

 

Preço:40,00€

reservado Sugerir

Referência:13590
Autor:CUNHA, Faustino António da
Título:LIVRO D'OURO DO FADISTA Nova collecção de fados para cantar ao piano e águitarra, escriptos e recopilados por
Descrição:

Livraria Portugueza e Estrangeira, Porto, 1878. In-8º de 128 págs. Br. Conserva capas de brochura. Cadernos por abrir.

INVULGAR.

Observações:

Obra muito curiosa e de pendor satírico que encerra letras de fados como "o fado do caminho de ferro, o fado das palavradas, novo fado da gíria" entre muitos outros.

Preço:40,00€

Referência:12458
Autor:DIAS, Aida Fernanda
Título:O CANCIONEIRO PORTUGUÊS DO MUSEU CONDÉ DE CHANTILLY
Descrição:

Edição de autor, Coimbra, 1966. In-8º de VIII-183 - (4) págs. Br.  Tiragem reduzida.

INVULGAR.

Observações:

Estudo muito importante sobre o sobre o codice Ms.605 do cancioneiro manuscrito português que se encontra
no Museu de Chantilly.

Tese de Licenciatura em Filologia Românica, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, em Janeiro de 1966..

Preço:17,00€

Referência:12445
Autor:DIONÍSIO, Mário
Título:MONÓLOGO A DUAS VOZES histórias
Descrição:

Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1986. In-8º de 224 págs. Br.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Conjunto de contos que foi um dos ultimos livros deste autor.

Preço:17,00€

Referência:13539
Autor:ESTRADA, Raymundo Manoel da Silva
Título:CONFRONTAÇÃO MINUCIOSA DOS DOIS POEMAS LUSÍADAS, E ORIENTE,Defensa imparcial do grande Luiz de Camões contra as invectivas, e embustes do discurso preliminar do Oriente composto pelo padre José Agostinho de Macedo, em que se prova as suas falsas
Descrição:

Imprensa Nevesiana, Lisboa, 1834. In-8º de 56 págs. Encadernação moderna meia inglesa em pele com dizeres a ouro na lombada sobre rótulo de pele vermelha. Frontspício com ex-libris.

INVULGAR.

Observações:

Folheto onde o autor faz uma comparação minuciosa dos Lusíadas e do Oriente, criticando o poema de Agostinho de Macedo e acima de tudo o Discurso Preliminar que antecede o poema de Macedo.

Preço:40,00€

Referência:12295
Autor:FANHA, José
Título:OLHO POR OLHO
Descrição:

Edição do autor, Lisboa, 1977. In-8º de 40 págs. Br. Capa de  Manuel Botelho. Valorizado por uma dedicatória autógrafa.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

À conquista do espaço

Não
Não quero voar
Rapidamente no espaço
E pousar em qualquer lua.


Quero uma estrela pequena,
Do meu tamanho de gente,
A iluminar
Quem passa
Nesta rua.

 

Preço:10,00€

Referência:13492
Autor:FERRO, Túlio Ramires
Título:TRADIÇÃO E MODERNIDADE EM CAMILO (A QUEDA DE UM ANJO)
Descrição:

Parceria A. M. Pereira Lda, Lisboa, 1966. In-8.º de 137-(1) págs. Br. Cadernos por abrir. Ilustrado em extra-texto.

Observações:

Interessante ensaio sobre como nas obras de Camilo, aqui focando-se na Queda de um anjo, convivem o romantismo e o realismo.

Preço:15,00€

Referência:13046
Autor:FIGUEIREDO, Antero de
Título:OESCÂNDALODOESPÍRITO
Descrição:

 Pro Domo, Lisboa, 1945.In-4.º de XXXV-I-28-(8) págs. Br. Tiragem especial em papel superior assinada e numerada em numeração romana.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Prefácio para “duas novelas por terminar”, que aparece antecedido de um justificativo «Antelóquio» do mesmo autor.

Preço:18,00€

Referência:13387
Autor:FIGUEIREDO, Fidelino de
Título:HISTÓRIA LITERÁRIA DE PORTUGAL (secs XII-XX)
Descrição:

Editorial Nobel, Coimbra, 1944. In-4º de 469 págs. Br. Com alguns picos de acidez ao longo do texto.

Observações:

Obra publicada em 1944 onde o autor faz uma sintese dos  periodos literários portugueses. A obra divide-se em 4 partes: Introdução historica e a lingua e a literatura portuguesa;era medieval; era clássica; era romântica, onde analisa os principais autores da nossa literatura.

 

Preço:24,00€

Referência:13395
Autor:FONSECA, Manuel da
Título:SEARA DE VENTO
Descrição:

Ulisseia, Lisboa, 1958. In-8º de 171-(1) págs. Br. Sobrecapa editorial com ilustração de Vespeira. Valorizado pela expressiva dedicatória autógrafa.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Primeira edição deste excelente livro de Manuel da Fonseca, autor vigiado pelo regime salazarista, tendo a publicação deste livro sido autorizado após apreciação da Direcção dos Serviços de Censura.
A obra, dentro da estética neo-realista inspira-se num acontecimento verídico que ocorreu na aldeia da Trindade (Beja), Manuel da Fonseca descreve um episódio ocorrido em 1932, nessa aldeia, o assassinato de António Dias Matos, operário agrícola, pela GNR e constitui um testemunho de um "tempo" de repressão, fome, humilhação e privação de direitos nos campos do Sul de Portugal.

 

Preço:40,00€

Referência:12595
Autor:FONSECA, Tomás da
Título:NA COVA DOS LEÕES
Descrição:

Edição de Autor, Lisboa, 1958. In-8º de 454-(10) págs. Br. Edição destinada ao Brasil. Capas de brochura insignificantemente empoeiradas. BOM EXEMPLAR

PRIMEIRA EDIÇÃO

INVULGAR.

Observações:

Livro de Tomás da Fonseca, considerado por muitos o livro mais subversivo que algum dia se escreveu em Portugal, durante a época salazarista. É um conjunto de cartas publicadas no então jornal “República” tendo por base não só a situação política vivida na altura como as relações promíscuas entre o regime do Estado Novo e a Igreja. Tomás da Fonseca procura desconstruir, quer o cristianismo, num primeiro momento, e depois, as muito famosas aparições de «Nossa Senhora» aos pastorinhos em Fátima.
O estilo acusatório do autor é, em muitas circunstâncias, de uma violência impiedosa. Tomás da Fonseca usa o seu longo reportório e conhecimentos de natureza teológica para desmontar aquilo que designa como embuste de Fátima.

Preço:40,00€

Referência:12694
Autor:FREIRE, António de Abreu
Título:DIÁRIO DE BORDO NA ROTA DE VIEIRA - Pelos 400 Anos do Nascimento do Pe. António Vieira, 1608-1967
Descrição:

Portugália Editora, Lisboa, 2008. Inn-8º de 393-(7) págs. Br. Profusamente ilustrado ao longo do texto e em extra-texto com fotografias.

 

Observações:

Diário de bordo da viagem de barco à vela, que durou aproximadamente um ano, do professor Antônio Abreu Freire, que percorreu dez mil quilómetros numa  viagem comemorativa e de investigação, marcando em cada lugar os passos do Padre António Vieira. É, por isso, um diário  de uma navegação que o levou até à Madeira, litoral do Brasil, Caraíbas e Açores.


"Quinta-feira, 13 de Setembro

Alcântara, Maranhão
Existe uma lenda sebastianista por estas terras. A 4 de Agosto de cada ano aparece um galeão todo iluminado nos Lençóis do Maranhão, um imenso deserto entremeado de lagoas de água doce; dele desce el-rei D. Sebastião que logo desaparece debaixo do areal onde reina numa cidade prodigiosa, rodeado de uma corte brilhante. Depois, na noite de S. João, disfarçado de touro negro, o rei deixa a sua corte subterrânea e corre pelas praias ao luar. Se alguém conseguir atingir a sua cabeça e dela fazer jorrar sangue, quebrar-se-á o encantamento e ficará vivo e presente el-rei D. Sebastião".

Preço:15,00€

Referência:13336
Autor:FREITAS, Gustavo de & CABRAL, Miguel de Castro
Título:OBRAS DO DIABINHO DA MÃO FURADA Novela atribuída a Antonio José da Silva ( o Judeu). Edição e estudo Critico de
Descrição:

Revista da Lingua Portuguesa, Rio de Janeiro, 1925. In-4º de XXV-85 págs. Br. Capas de brochura envelhecidas. Separata da Revista da Lingua Portuguesa. Edição especial de 29 exemplares numerados e rubricados pelos autores dos quais "só entram no commercio os de nº 22  a 29", sendo este exemplar o nº 19. Valorizado pela dedicatória autógrafa ao poeta José Osório de Oliveira.

RARO.

Observações:

Obra portuguesa, de autoria e data controversa do Séc XVIII ou XIX,atribuida a António José da Silva e que circulou em forma de manuscritos, conhecendo-se apenas dois manuscritos preservados que divergem em alguns detalhes: um deles está na Biblioteca Nacional e outro na Academia de Ciências de Lisboa.
A obra,  narra a  história do Diabinho da Mão furado e do soldado Peralta às voltas com pactos, diabos, bruxas, e também com  referências clássicas, como a Bíblia, a Divina Comédia de Dante,e Dom Quixote de  Cervantes.Nas entrelinhas dessa   narrativa, o autor introduz severas críticas à sociedade lisboeta e à intolerância da Inquisição  
Portuguesa.
As primeiras 25 páginas desta obra encerram um prefácio de Fidelino de Figueiredo e um estudo critico de Gustavo de Freitas & Miguel de Castro Cabral.

Preço:50,00€

Referência:13587
Autor:GARÇÃO, P. A. Correa
Título:OBRASPOETICAS E ORATORIAS DE ...com uma introdução e notas por J. A. de Azevedo
Descrição:

Typographia dos Irmãos Centenari, Roma, 1888. In-8º de 622 págs. Encadernação inteira em pele um pouco suja com dizeres a ouro na lombada. Conserva capas de brochura. Corpo do texto todo decorado com bonitas vinhetas coloridas.Aparado só à cabeça.

INVULGAR

 

Observações:

Reunião da obra literária de Correia Garção com uma introducção e notas por J.A. de Azevedo Castro e dedicada ao Imperador D. Pedro II.

Divide-se em três partes I - Poesia;II - Theatro ; III - Prosa

Preço:65,00€

Referência:13394
Autor:GOMES, Soeiro Pereira
Título:REFÚGIO PERDIDO inéditos e esparsos
Descrição:

Edições SEN, Porto, 1950. In-8º de I-106-(4) págs. Br. Ilustrado em extra-texto com uma fotografia do autor. capa de Veloso e Mário Bonito.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Publicado postumamente "Refúgio Perdido" reune um conjunto de contos e crónicas de Soeiro Pereira Gomes. Encerra também uma breve entrevista sob o título "5 Minutos de Conversa Telefónica com o Autor de "Esteiros", publicada pela primeira vez no jornal "O Primeiro de Janeiro", na página de "Artes e Letras" de 10 de Fevereiro de 1943 e "Fogo!", ao tempo páginas inéditas do romance Engrenagem.

 

Preço:25,00€

Referência:12962
Autor:HORTA, Maria Teresa
Título:A PAIXÃO SEGUNDO CONSTANÇA H.
Descrição:

Bertrand Editora, Lisboa, 1994. In-8º de 295-(5) págs. Br.

PRIMEIRA EDIÇÃO.
 

Observações:

Da badana

"A obra literária de Maria Teresa Horta tem frequentemente contribuído para alterar os modelos estéticos ou comportamentais instituídos e tem muitas vez sido, ao longo das últimas décadas, um sinalizador de mudanças essenciais, quer no âmbito literário, que inclusivamente de alcance social.
A Paixão Segundo Constança H. traz consigo toda a violência e todo o sofrimento daquele a quem coube em sorte viver num mundo em transformação, onde os valores tradicionais da família e os afectos a que nos tínhamos habituado a considerar mais estáveis resvalam, gradualmente, para um terreno movediço e irrespirável."

Preço:18,00€

Referência:13275
Autor:HORTA, Maria Tereza; ARY DOS SANTOS, José Carlos [org]
Título:CANCIONEIRO DA ESPERANÇA
Descrição:

Seara Nova, Lisboa, 1971. (Lisboa).In-8º de 46-(2) págs. Br.

Observações:

Antologia organizada por Maria Tereza Horta e José Carlos Ary dos Santos onde se reúnem alguns dos mais importantes poemas de resistência ao fascismo português.

Encerra poemas dos seguintes autores: António Aleixo, Reinaldo Ferreira, Miguel Torga, José Gomes Ferreira, Manuel Alegre, Alexandre O’Neill, José Cutileiro, Daniel Filipe, Luís Veiga Leitão, Egito Gonçalves, Carlos de Oliveira, Gastão Cruz, David Mourão-Ferreira, Fiama Hasse Pais Brandão, Joaquim Namorado, João Rui de Sousa, Mário Dionísio, Sophia de Mello Breyner Andresen, Natália Correia, Armando da Silva Carvalho, Manuel da Fonseca, João Apolinário, Orlando da Costa, Papiniano Carlos, e os próprios antologiadores.

Livro que mereceu o seguinte parecer da parte da Censura:

 

"Trata-se de uma antologia organizada com espírito e objectivos que teremos de classificar de subversivos. Embora todos os poemas escolhidos sejam inconvenientes, sobressaiem três temas:
-reacção contra a ordem e a autoridade; exemplos: pp.14 e 15;
- restricções às liberdades individuais; exemplos: pp.5, 13;
- alusões à defesa do Ultramar; exemplo: pp.32.
Nesta conformidade, sou do parecer que o presente livro não seja autorizado. Todavia, por decisão superior, este livro foi autorizado, em 5 de Janeiro de 1972, tendo então merecido o seguinte despacho: “Trata-se de uma antologia feita com propósitos bem evidentes. Mas todas as obras de onde forem extraídos os poemas circulam livremente”. Não há, assim, uma justificação suficiente para a proibição, que resultaria em propaganda garantida para a obra."

in  "Mutiladas e Proibidas. Para a história da censura literária em Portugal nos tempos do Estado Novo."
Cândido de Azevedo

Preço:20,00€

Referência:13503
Autor:JORGE, Lídia
Título:O CAIS DAS MERENDAS
Descrição:

Publicações Europa-América, Lisboa, 1982. In-8º de 251 págs. Br. Integrado na Colecção Século XX.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Segundo romance de Lídia Jorge, que se desenvolve-se em torno dos temas da identidade e da aculturação no pós 25 de Abril. Trata-se de uma narrativa poética, teatralizada, em que as personagens rurais, confrontadas com o mundo exterior, dão testemunho da sua intimidade, dos seus medos e desejos mais profundos.

Preço:25,00€

Referência:13255
Autor:LAPA, M.Rodrigues
Título:MISCELÂNEA DE LÍNGUA E LITERATURA PORTUGUÊSA MEDIEVAL
Descrição:

Por Ordem da Universidade, Coimbra, 1982. In-4º de 458 págs. Br. Cadernos por abrir.

Observações:

Importante compilação de artigos sobre a literatura e língua medieval Portuguesa.

Encerra capitúlos como:

1 — O problema das origens líricas
2 — Das origens da poesia lírica medieval portuguesa
3 — Da versificação medieval
4 — Os temas iniciais
5 — O paralelismo
6 — O texto das cantigas d'amigo
7 — HENRY R. LANG, The Text of a Poem by King Denis of Portugal
8 — Uma cantiga de D. Denis
9 — O escudeiro Joan de Gaia
10 — Sobre a cantiga da garvaia
11 — Post-Scriptum sobre a cantiga da garvaia
12 — Nótulas trovadorescas
13 — O Trovador D. Lopo Lias. Introdução ao estudo do seu Cancioneiro
14 — A «Demanda do Santo Graal»
15 — Em torno da «Demanda do Santo Graal»
16 — AUGUSTO MAGNE, A Demanda do Santo Graal
17 — Froissart e Fernão Lopes
18 — Portugal na Alemanha
19 — Um problema etimológico: «Bravo»
20 — EDWIN B. WILLIAMS, The portuguese final -ão
21 — Cajon ou Ocajon?
22 — ARMANDO COTARELO VALLEDOR, Los hermanos Eanes Marino, poetas gallegos del siglo XIII
23 — WALTER EBELÍNG, Die landwirtschftlichen Geräte im Osten der Provinz Lugo
24 — GEORG SACHS, Die germanischen Ortsnamen in Spanien und Portugal
25 — JOLE RUGGIERI, II Canzoniere di Resende

Preço:19,00€

Referência:13605
Autor:LIMA, Augusto J. Gonçalves
Título:MURMURIOS
Descrição:

Typographia da Revista Popular, Lisboa, 1851. In-8º de XXIV-262-(2) págs. Encadernação meia inglesa em pano com dizeres a ouro em rótulo de pele. Sem capas de brochura e ligeiramente aparado. Pequenoa carimbo de posse.


PRIMEIRA EDIÇÃO
INVULGAR

 

Observações:

Livro de poemas de Augusto Gonçalves Lima, um dos nove poetas que integraram a revista "Trovador" editada por Feliciano de Castilho que acreditava ter descoberto uma nova linhagem de poetas coimbrães, "os poetas do Trovador". Em jeito de prólogo o livro encerra cartas trocadas entre o autor e o critico literário dessa geração, António Pedro Lopes de Mendonça.

Preço:25,00€

Referência:12660
Autor:LIMA, Fernando de Castro Pires de
Título:A SEREIA naHistóriaenaLenda
Descrição:

Porto Editora,  Porto, S/d. In-8º de 204-(1) págs. Br.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Prólogo de Gregório Marañón.

Notável estudo de Fernando Pires de Lima, onde se aborda a origem e evolução da lenda das sereias, com particular incidência nas tradições sobre esse assunto existentes na Península Ibérica e na América latina e a sua projecção em numerosas obras literárias.

As últimas 10 páginas são preenchidas com uma extensa lista de bibliografia sobre a temática das sereias.

Camiliano

Preço:13,00€

Referência:13372
Autor:LIMA, Jaime de Magalhães
Título:RASTO DE SONHOS arte e alentos de pousadas da minha terra
Descrição:

Emprêsa Gráfica A Universal, Porto, S/D. In-8º de 219-(4)págs. Br. Conserva capas de brochura. Valorizado pela dedicatória autógrafa ao poeta José Osório de Oliveira.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Livro de crónicas escrita por Jaime de Magalhães Lima.

"Não  traduzem elas nem uma teoria, nem um sistema, nem princípios, nem regras, nem o que quer que seja disciplinado e fundado em sciência e razão; são apenas as impressões desordenadas de um vagabundo optimista qque, por ser optimista, confia sempre em que o dia de amanhã será mais alumiado e feliz do que o dia de hoje..."

Preço:28,00€

Referência:13505
Autor:LIMA, Mesquitela
Título:MIGRAÇÕES E POVOAMENTO o fenómeno cultural português
Descrição:

Edição de autor, Luanda, 1965. In-8º de 37 págs. Br. Edição em stencil. capas de brochura com alguns picos de acidez.

Invulgar

Observações:

Conferência proferida no dia 6 de maio de 1965, integrada nas comemorações da Semana do Ultramar, na Associação dos Naturais de Angola, em Luanda e que versa sobre a expansao e a formação de uma mentalidade ultramarina; a penetração na cultura portuguesa de valores culturais do ultramar (o fenómeno linguístico); a influência do ultramar na litratura e no pensamento luso.

Preço:18,00€

Referência:13627
Autor:LISBOA, Irene
Título:UMA MÃO CHEIA DE NADA, OUTRA DE COISA NENHUMA
Descrição:

Livraria Figueirinhas, Porto, 1973. In-8º de de 155-(3) págs. Br.  Arranjo gráfico de Armando Alves e Ilustrações ao longo do texto de Pitum Keil do Amaral.

Observações:

Livro de contos para a infância de Irene Lisboa sobre o qual José Régio afirmou “é verdadeira alegria reconhecer a gente um estilo, uma arte (que só à primeira vista parece não ter arte) de escrever, nas suas frases ora ondulosas ora, as mais das vezes, antes singelas, claras, de uma brevidade ou concisão quase telegráfica, — nesta época triste em que uns enaltecem a banalidade da escrita, outros debalde a pretendem ultrapassar, e ainda outros imbecilmente a confundem com a luminosa simplicidade dos Mestres.”

Preço:19,00€

Referência:13522
Autor:LOPES, Joaquim José Pedro
Título:CARTA AO SR. ANTÓNIO MARIA DO COUTO,na qual se dá breve, seria, e terminante resposta ao Manifesto, em que pretende mostrar os erros do poema Oriente, e defender os das Lusiadas
Descrição:

Impressão Régia, Lisboa, 1815. In-8º de 31 págs. Br.  Páginas com alguns picos de acidez. Exemplar cosido apenas à margem estando intacto de margens, sem encadernação como na origem

INVULGAR.

Observações:

Carta que faz parte da polémica iniciada por António Maria do Couto com a publicação do  "Manifesto critico, analytico e apologético em que se defende o insigne vate Camões da mordacidade do discurso preliminar do Poema Oriente, e se demonstram os infinitos erros do mesmo poema". Esta resposta de Joaquim José Pedro Lopes, é  uma defesa do poema de Macedo e onde se apontam erros encontrados nos Lusiadas.

Preço:20,00€

Referência:13535
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:A LYRA ANACREONTICA; Á Illustrissima SenhoraD. M. C. D. V.
Descrição:

Na Impressão Regia, Lisboa, 1819. In-8º de de 192 págs. Encadernação coeva inteira de pele mosqueada com dizeres a ouro sibre rótulo de pele vermelha na lombada.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Primeira edição, muito invulgar de uma das mais  apreciadas obras de José Agostinho de Macedo.
Contém cento e uma odes anacreonticas, precedidas de uma epístola dedicatória em versos hendecasyllabos.
Nas "Memorias para a vida intima de José Agostinho de Macedo", Inocêncio refere-se que Agostinho de Macedo manteve assidua relação com D. Joanna Thomasia de Brito Lobo, freira do mosteiro de Odivelas, “fazendo por seu respeito amiudadas visitas áquelle convento. (...)  Era esta dama, ao que parece, dotada de alguma instrucção e apaixonada das lettras; José Agostinho dedicou-lhe as suas  Cartas philosophicas a Attico, impressas em 1815 (...) Estes amores tiveram seu termo em 1818; e não deixa de ser curioso o modo como finalisaram. A religiosa de quem temos fallado, entretinha correspondencia epistolar com outra da mesma ordem (...), chamada D. Maria Candida do Valle e n’uma das sortidas que José Agostinho fazia a Odivellas, D. Joanna lhe fez ver uma carta mui discreta, que pouco antes recebera d’aquella sua amiga. O padre agradou-se tanto da linguagem  e estylo d’aquella missiva, que pediu in continenti, permissão de ser elle quem fizesse a resposta. Foi satisfeito o seu desejo e parece que por mais tempo continuou a servir de secretario na correspondencia das duas damas. Porém como a tal D. Maria Candida viesse a Lisboa, José Agostinho sollicitou ter  com ella uma entrevista. Não sabemos o que passaram, porém o certo é que D. Joanna foi desde logo abandonada tendo de ceder o campo á sua rival. Cumpre notar que José Agostinho contava então 59 annos e D. Maria passava dos 38; foram taes os atractivos que elle encontrou n’esta nova conquista  e com tal fervor se entregou á sua paixão, que em tres dias compoz (apesar das cans que lhe alvejavam a fronte), cem Odes anacreonticas, em louvor da sua bella, as quaes deu á luz no anno de 1819, sob o titulo de Lyra Anacreontica ”.

Preço:75,00€

reservado Sugerir

Referência:13525
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:DIVERSAS OBRAS DE J.A.M
Descrição:

Na Impressão Regia, Lisboa, 1811; Na Impressão Regia, Lisboa, 1811;Na Impressão Regia, Lisboa, 1812; Na Impressão Regia, Lisboa, 1812; Na Impressão Regia, Lisboa, 1812; Na Impressão Regia, Lisboa, 1812; Na Impressão Regia, Lisboa, 1822. Volume com 8  obras encadernadas juntas. In-8º de 34,31,54,77,49,30,132, 20 págs. Encadernação inteira em pele com dizeres a ouro em rótulo de pele na lombada. Aparado. Encerra um índice manuscrito das obras incluídas.

INVULGAR.

Observações:

Volume com diversas obras de José Agostinho de Macedo, encerra: Reflexões criticas sobre o episodio de Adamastor nas Lusiadas; Carta que escreveo o doutor Manuel Mendes Fogaça, a hum seu amigo transmontano, sobre huma comedia, que vira representar em Lisboa;  Carta II do Doutor Manoel Mendes Fogaça, escrita ao seu amigo transmontano — sobre mais comedia; Carta de Fogaça, ou historia do Cerco de Saragoça — segundo o vio representar em huma Comedia do Doutor Manoel Mendes Fogaça, que a descreve ao seu amigo Transmontano no estilo de seu o Avô Fernão Mendes; Carta escrita por Manoel Mendes Fogaça, a seu amigo António  Balea — sobre uma Farça anonyma, que lera impressa, e vira huma vez representar, intitulada Manoel Mendes; Carta de Manoel Mendes Fogaça, escrita a seu Amigo Transmontano, sobre huma cousa que observou em Lisboa, chamada o Observador; As Pateadas de theatro investigadas na sua origem, e causas; Epistola de Manoel Mendes Fogaça. Dirigida de Lisboa a hum Amigo da sua Terra, em que lhe refere como de repente se fez Poeta, e lhe conta as proezas de hum Rafeiro.
A maioria destaas obras encerradas neste volume abordam polémicas sobre obras teatrais e também uma critica feroz aos Lusiadas.
Na Introdução a Reflexões criticas sobre o episodio de Adamastor nas Lusiadas ele afirma "Mandava aos seus Discipulos Quintiliano, que, quando ajuizassem de alguma parvoice, que escapasse aos mais abalisados Escriptores da antiguidade, o fizessem sempre com muita modestia, e circunspecção, lembrando-se sempre, que erão grandes Varões. Eu estaria por este Canon do Rethorico, se elle me provasse que os Varões antigos tinhão authoridade para descreverem impunemente os disparates que quizessem; e os Senhores Modernos querem que se observe esta regra, mostrem-me a razão, por hum Gigante ha de ter a liberdade de fazer huma parvoice, e não ha de ter liberdade hum Pigmeo de lhe dizer = Isto, Senhor Gigante, he huma parvoice."

 

Preço:75,00€

Referência:13520
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:O ORIENTE
Descrição:

Impressão Regia, Lisboa,1814. Dois volumes de in-8º de 247 e 238(2) págs. Encadernação inteira em pele com dizeres a ouro na lombada. Ilustrado com um retrato do autor.

PRIMEIRA EDIÇÃO

INVULGAR

Observações:

Poema heróico sobre a descoberta do caminho marítimo para a Índia, tendo como herói Vasco da Gama. É uma das mais discutidas obras de Macedo, pois provocou bastante polémica aquando da sua publicação dada a sua desmedida presunção literária que levou-o a criticar os Lusíadas, no Discurso Preliminar que acompanha o poema, tentando sobrepor-lhe com este livro.

Preço:80,00€

reservado Sugerir

Referência:13518
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:OS BURROSou O Reinado da Sandice: Poemaheroi-comico-satyrico em seis cantos.
Descrição:

Na Officina Typographica de Casimir, Paris, 1835. In-12º de 379 págs. Encadernação coeva em pele com  com dourados e ferros a seco na lombada e pastas. Pequena mancha marginal no canto inferior das páginas.

INVULGAR.

Observações:

Os Burros é  um dos mais célebres poemas herói-cómicos portugueses,  é uma obra difamatória e maledicente que chocou a sociedade da época e obrigou o próprio autor a renegá-la, durante algum tempo,dizendo que era obra dos seus inimigos, após ser ameaçado com um processo judicial. O autor faz a "crónica escandalosa dos presentes tempos em Portugal" através da critica à tertúlia do botequim de José Pedro da Silva.

Preço:75,00€

Referência:13517
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:A MEDITAÇÃO junto com NEWTON
Descrição:

Typ de Francisco Pereira d'Azevedo, Porto, 1854. Dois tomos de 270 e 169 págs encadernados juntos num só volume. Encadernação coeva em pele castanha meia inglesa com dizeres a ouro na lombada. Pequena vinheta de número de ordem de biblioetac particular na lombada.

Observações:

Dois poemas de inspiração filosófica de José Agostinho de Macedo.

A Meditação, poema em quatro cantos que segundo Innocêncio no seu livro "Vida e Obra de José Agostinho de Macedo" transcrevendo um juízo de Costa e Silva afirma: "De  todas as obras de José Agostinho a mais importante é a Meditação. Este poema lhe levou longos annos de trabalho e de desvelo, refundindo-o e corrigindo-o muitas vezes, e mudando-lhe o titulo, antes de o dar á luz."

 

Newton, Esta edição encerra o "Discurso Preliminar. A Fisica, ou alguma de suas
partes, he, ou póde ser digna materia da poezia sublime?"

 

Preço:95,00€

Referência:13516
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:A NATUREZA
Descrição:

Typographia de Francisco Pereira De Azevedo, Porto, 1854. In-8º de 363 págs. Encadernação coeva meia inglesa em pele castanha com dizeres a ouro na lombada. Pequena vinheta de núemro de ordem de biblioteca particular na lombada.

Observações:

"Tomei para objecto d'este poema a descripção das maravilhas da Natureza.(...) o compasso frigidissimo das estereis, e infecundas regras, com que nos opprimem alguns pedantes, não tem aqui lugar."

Preço:65,00€

Referência:13514
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:AS PATEADAS DE THEATRO INVESTIGADAS NA SUA ORIGEM; E CAUSAS junto com A IMPOSTURA CASTIGADA junto com O SEBASTIANISTA DESENGANADO À SUA CUSTA junto com D, LÍZ DE ATHAIDE OU A TOMADA DE DABUL junto com BRANCA DE ROSSIS
Descrição:

Na Impressão Régia, Lisboa, 1812.In-8º de 132 págs. Junto com: A impostura castigada, comedia em tres actos; composta em 1812 por J. A. D. M. Lisboa : Na Imprensa Nacional, Lisboa, 1822. In-8º de 56 págs. Junto com: O Sebastianista desenganado á sua custa. Comedia composta por José Agostinho de Macedo. Representada oito vezes sucessivas no Theatro da Rua dos Condes,  Na Imprensa Nacional, Lisboa, 1823. In-8º de 56 págs. Junto com: D. Luiz d'Athaide ou a tomada de Dabul. Drama heroico. O assumpto he tirado da Asia Portugueza de Manoel de Faria e Sousa. Tom. II. Parte III. &c. por J. A. de M. Na Imprensa Nacional,  Lisboa, 1823. In-8º de 72 págs. Junto com: Branca de Rossis. Tragedia. Na Impressão Régia, Lisboa, 1819.In-8º de 93-(3) págs. Encadernação  recente em papel marmoreado com rótulo na lombada. Assinatura de posse no rosto. Exemplar em razoável estado de conservação.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Reunião num volume só de várias obras de josé Agostinho de Macedo relacionadas com teatro. Na introdução à primeira obra  “Pateada he hum movimento espontaneo de pés, bordões, cacheiras, taboas, assobios, feito na Platéa  elos  Senhores espectadores,  de  que  resulta  huma  assoada,  açogaria,  marinada,  e  ingrezia  confusa dada nas bochechas aos cómicos, para se lhes dizer com toda a civilidade, que o que estão representando, ou acabão de representar, he huma completa parvoice, huma manifesta pouca vergonha, ou hum solemne destempero.” Esta é a definição que o autor dá na «Carta, que serve de Introducção» aos VIII  capítulos da obra, onde ele dá exemplos práticos oriundos do teatro da época.

Seguem-se quatro peças de teatro, comédias e tragédias, escritas pelo autor:  A impostura castigada, comedia em tres actos; O Sebastianista desenganado á sua custa. Comedia composta por José Agostinho de Macedo. Representada oito vezes sucessivas no Theatro da Rua dos Condes; D. Luiz d'Athaide ou a tomada de Dabul. Drama heroico. O assumpto he tirado da Asia Portugueza de Manoel de Faria e Sousa e  Branca de Rossis. Tragedia.

Preço:75,00€

reservado Sugerir

Referência:13511
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:CENSURA DAS LUSIADAS
Descrição:

Na Impressão Regia, Lisboa, 1820.  Dois tomos encadernados num volume de in-8.º  295-(1) e 271-(1) págs. Encadernação coeva meia inglesa em pele com dizeres e florões a ouro na lombada ao gosto da época.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:

Curiosa e "severa" crítica aos Lusíadas onde  o Padre José Agostinho Macedo tenta demonstrar que os os lusíadas apesar de ser em mais louvada obra poética portuguesas era na verdade um poema monstruoso,cheio de erros,  cheio de versos errados e prosaicos e incorreções de linguagem e de gramática.

Segundo  Inocêncio F. da Silva no seu livro "Memorias para a vida intima de José Agostinho de Macedo": "Entretanto José Agostinho cada vez mais indignado de que as suas invectivas contra os 'Lusiadas' não produzissem o fim a que aspirava; vendo que á proporção que avançava em seus dicterios e motejos, se realçava entre naturaes e estranhos a fama do vate portuguez, que o seu 'Oriente' bem longe de offuscar aquelle immortal poema, servira pelo contrario de incentivo para serem melhor estudadas e mais devidamente sentidas e apreciadas as innumeraveis bellezas, que n'elle resgatam com tanta usura esses inevitaveis defeitos, que a inveja ou a malevolencia tem pretendido assoalhar e avultar aos olhos do mundo; propoz-se a fazer um ultimo esforço, rompendo todos os diques da decencia, do decoro e por assim dizer do pundonor nacional, depoz os pequenos vislumbres da fingida contemplação, que em algumas occasiões figurava guardar, fallando de 'Camões'; (...) empenhou-se não menos em mostrar 'ex professo', que os 'Lusiadas' não obstante a sua celebridade e o consenso de dois compridos seculos, apezar de lidos comentados e tantas vezes traduzidos e louvados, eram na realidade um poema monstruoso, um tecido de erros, de incoherencia e de destemperos, destituido até do menor resabio de estylo e colorido poetico; cheio de versos errados e prosaicos, de incorrecções, de faltas de linguagem e de grammatica. Eis o objectivo de dois volumes de oitavo que no principio de 1820 deu á luz com o titulo de 'Censura dos Lusiadas', obra que diz compozera em dez dias, (valha a verdade!) mas que de certo não era mais que a tradução dos seus pensamentos desde muitos annos".

Preço:65,00€

Referência:13510
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:CARTAS FILOSOFICAS A ATTICO por...
Descrição:

Na Impressão Regia, Lisboa, 1815. In-8.º de 240 págs (As duas últimas páginas estão numeradas com o nº 239 e 240). Encadernação inteira de pele (com sinais de ressequimento) decorada com dizeres e florões a ouro sobre rótulo de pele vermelha na lombada. Pequena assinatura de posse no frontispício. Corte das folhas carminadas.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Obra onde Agostinho de Macedo aborda temas políticos, sociais, religiosos, culturais e económicos.
Encerra os seguintes capítulos: I. Sobre os bens da Fortuna; II. Sobre o Suicidio; III. Sobre a Filosofia de Mendelson; IV. Sobre o Bello; V. Sobre a Exageração dos males da Sociedade; VI e VII. Sobre o Sublime; VIII e IX. Sobre o ser a ignorancia mais conducente para a felicidade do que a Sciencia, (Sustenta-se este paradoxo); X. Sobre o modo de ser eloquente; XI. Sobre o Estylo, etc.; XII. Sobre as Bellas Artes; XIII. Sobre a Poesia em relação com a Musica; XIV. Sobre o Desterro; XV e XVI. Sobre o Patriotismo; XVII. Sobre o assumpto de que a maior Bibliotheca não he mais que hum só Livro (Sustenta-se este Paradoxo); XVIII. Sobre o assumpto das Cartas; XIX. Sobre ser o homem o objecto mais ignorado pelo mesmo homem; XX. Sobre Seneca e Young serem dois Escriptores prejudiciaes; XXI. Sobre não haver Sciencia sem a Sciencia moral; XXII. Sobre as operações do entendimento; XXIII. Sobre o Genio; XXIV. Sobre o Gosto; XXV. Sobre a Indifferença, etc.: XXVI. Sobre as inclinações fysicas e espirituaes; XXVII. Sobre os poucos conhecimentos do homem.

Este livro tem uma extensa dedicatória a uma religiosa Cisterciense do Mosteiro de Odivelas, D. Joana Tomásia de Brito Lobo de Sampaio.
Segundo Inocêncio nas  "Memorias para a vida intima de José Agostinho de Macedo": "Já dissemos no XIX d'este capitulo, como José Agostinho de Macedo vivera por algum tempo ligado em intimo trato com a actriz 'Maria Ignacia da Luz', porém este commercio amoroso em breve arrefeceu como era de esperar e José Agostinho voltando-se rapidamente do theatro para o claustro, depressa se lhe deparou para substituir a actriz uma religiosa do mosteiro de Odivellas, por nome 'D. Joanna Thomasia de Brito Lobo de Sampaio' a qual durante annos foi cortejada com assiduidade, fazendo por seu respeito amiudadas visitas àquelle convento. Estas deram azo a que se divulgasse o segredo, e a que seus inimigos tirassem d'ahi assumpto para motejos e zombarias. Era esta dama, ao que parece, dotada de alguma instrucção e apaixonada das lettras: José Agostinho de Macedo dedicou-lha as suas 'Cartas Philosophicas a Attico', em 1815, bem como a traducção de uma pequena novella com o titulo de 'Arrependimento premiado', que sahiu anonyma em 1818. Se tivesemos de dar credito aos elogios e louvores de que são tecidas as dedicatorias que precedem estas duas producções, teriamos que collocar tal senhora, quando menos, a par de Mad. de Sevigné, Dacier ou Staël; porém José Agostinho, encarecia em todas as suas cousas e assim como não sabia fazer uso dos doestos e das satyras individuaes, tambem não podia louvar senão adulando aquelles a quem procurava engrandecer, tecendo-lhas os mais encomiasticos e hyperbolicos panegyricos, rescendentes de podres incensos e malbaratadas lisonjas."

Preço:60,00€

reservado Sugerir

Referência:13513
Autor:MACEDO, Pe.José Agostinho de .
Título:OS SEBASTIANISTAS
Descrição:

Na Officina de Antonio Rodrigues Galhardo, Impressor do Conselho de Guerra, Lisboa, 1810. In-8º de V-114 págs.Encadernação moderna meia francesa em pele com ferros a ouro na lombada.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Primeira parte desta obra de repúdio ao mito sebástico, que na época das Invasões Francesas voltou a aparecer, cantando-se outra vez o regresso do Encoberto, e que segundo o autor no seu prefácio: 'Na História Universal da Demencia Humana, ainda não apareceo, nem apparecerá hum delírio similhante'.

José Agostinho de Macedo acusa os sebastianistas incriminando-os de quatro graves delitos: são maus cristãos, maus vassalos, maus cidadãos e tolos. Maus cristãos, porque têm a impiedade de equiparar profecias fantasiadas às canónicas; maus vassalos, porque, esperando a vinda de D. Sebastião, não reconhecem sinceramente a Casa de Bragança; maus cidadãos, porque, contando com intervenções milagrosas, se imergem na inércia; tolos, porque acreditam em asneiras.

 

Preço:100,00€

Referência:13570
Autor:MACHADO, Fr. José
Título:NOVO MESTRE PERIODIQUEIRO, ou dialogo de hum sebastianista, hum doutor, e hum ermitão , sobre o modo de ganhar dinheiro no tempo presente.
Descrição:

Na Imprensa de Galhardo, Lisboa, 1821. In-8º de 38 págs. Encadernação moderna em papel marmoreado. Ostenta um pequeno autocolante de biblioteca particular.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Opúsculo polémico que atacava as ideias de liberdade da época. Nele o autor defendia os estabelecimentos antigos, as ordens religiosas e mesmo a Inquisição. Foi o primeiro de uma série de opúsculos.

Preço:45,00€

Referência:13582
Autor:MAFFRE, Claude
Título:L'OEUVRE SATIRIQUE DE NICOLAU TOLENTINO
Descrição:

Centre Culturel Calouste Gulbenkian,Paris, 1994. In-4º de 822 págs. Br. Profusamente ilustrado em extra-exto com reproduções de fac-similes, caricaturas e outros documentos relativos a Nicolau Tolentino. Livro em lingua francesa.

 

Observações:

Magnífico estudo a partir do estabelecimento de uma edição comentada dos poemas considerados mais característicos e densos dee Nicolau Tolentino, que resultou de um confronto de trinta e sete manuscritos, entre outros, anteriores à edição de 1801, consultados nas bibliotecas públicas de Lisboa, Porto, Coimbra, Évora e Braga.
Claude Maffre procede, num segundo momento deste estudo, a um apreciável trabalho de síntese sobre a globalidade da obra satírica, salientando o ângulo particular de visão que Tolentino tinha da sociedade lisboeta do seu tempo.

Preço:23,00€

Referência:13584
Autor:MAIA, Manoel Rodrigues
Título:NOVO ENTREMEZ O DOUTOR SOVINA composto por... para se representar no Real Theatro de S. Carlos
Descrição:

Na Officina de Simão Thaddeo Ferreira, Lisboa, 1839. In-8º de 16 págs. Encadernação moderna em papel marmoreado com dizeres a ouro em rótulo de pele na lombada. Algumas páginas com restauro margina, não aparadas.

 

Valorizado pela nota de apreciação manuscrita de Almeida Garrett enquanto censor do Teatro S. Carlos.

PRIMEIRA EDIÇÃO e RARO. PEÇA DE COLECÇÂO.

 

Observações:


"é o Doutor Sovina de Manoel Rodrigues Maia, que a escreveu para ser repre- sentada no Theatro de Sam Carlos ; a acção é bastante simples, e só se sustem pela chulice da linguagem e pelas anecdotas que Maia dramatisou incidentemente. O Doutor Sovina é uma espécie de Manoel Mendes, menos bem entretecido; tem uma filha em casa, chamada D. Lépida, que se apaixona pelo praticante de escriptorio Silvério; O Doutor Sovina vive com a mais restricta parcimonia, sáe pela manhã para ajuntar folhas de couve na praça da Figueira, tempera a agua da fonte com a de um poço que tem em casa para não dispender com o aguadeiro, faz com qUe um pão dure para quatro diaâ, mas é bastante rico. Silvério quer casar com D. Lépida, e sabendo que o Doutor é eminente nos conselhos da rabolice, consalta-o acerca ào seu projecto, mas sem personificar a noiva"
In "História do Theatro Portuguez" de Teofilo Braga

 

Acreditamos ser esta a edição original pois o tipo de impressão e o papel são caraterístico do final do século XVIII e também porque segundo Albino Forjaz de Sampaio que no seu "tratado" sobre Literatura de Cordel refere as edições do DOUTOR SOVINA E DO NOVO ENTREMEZ DO DOUTOR SOVINA e indica a nossa edição (impressa na Oficina de Simão Thaddeo Ferreira sem data) colocando-a cronologicamente como sendo a primeira das que não têm indicação/impressão de data.Todas as outras edições  com indicação/impressão de data são posteriores à data manuscrita pelo punho do Garrett.
Este facto é corroborado pela informação fornecida pela  Biblioteca Nacional de Austrália e também pela  tese De Andreia Amaral, que se refere a esta edição apontando para a data de 1790 (?).

Preço:250,00€

Referência:13049
Autor:MARTINS, Mário
Título:GUIA GERAL DAS HORAS DEL-REI D. DUARTE
Descrição:

Edições "Brotéria", Lisboa, 1982. In-8º de 256 pags.Br. Ilustrado em extra-texto com fac-similes de páginas iluminadas do Livro de Horas de D. Duarte.

SEGUNDA EDIÇÃO.

Observações:


Obra destinada a orientar a leitura  do Livro de Horas de D. Duarte e que também serve de "chave para abrir as portas fechadas de outros livros do mesmo género". ensinando-nos para tanto «a distinguir um Livro de Horas dum simples breviario (...) a situa-lo no  tempo e no espaço por meio de elementos seguros, a fixar o núcleo essencial das Horas,  sua evolução e crescimento, c a avaliar a sua importância para a historia da poesia medieval, não só em latim, mas também em romances."

Preço:23,00€

Referência:12942
Autor:MARTOCQ, Bernard
Título:MANUEL LARANJEIRA ET SON TEMPS (1877-1912
Descrição:

Fondation Calouste Gulbenkian, Paris, 1985. In-8º de 716-(8) págs. Br. Ilustrado em extra-texto.

Observações:

Estudo muito aprofundado sobre a vida e obra de Manuel Laranjeira.

Do índice

La formation ; Rencontres à Espinho ; Laranjeira, solitaire et solidaire ; Scientisme et mal du siècle ; La critique artistique et littéraire ; Politique et pédagogie ; Le théâtre portugais vers 1900 ; Le théâtre de Laranjeira ; La poésie : comigo ; Laranjeira après Laranjeira ; Bibliographie
 

Preço:20,00€

Referência:13626
Autor:MATOS, A. Campos
Título:CARTAS DE AMOR DE ANNA CONOVER E MOLIE BIDWELL PARA JOSÉ MARIA EÇA DE QUEIROZ cônsul de Portugal em Havana (1873-1874) original letters in english
Descrição:

Assírio & Alvim, Lisboa, 1998. In-4º de 191 págs. Encadernação editorial em tela com dizeres a ouro na lombada e nas pastas. Ilustrado em extra-texto.

Observações:

Reunião das cartas enviadas a Eça de Queiroz por duas americanas que ele conheceu enquanto consul em Havana. São ao todos 33 cartas: sete de Mollie Bidwell, cinco dos seus pais e vinte e uma de Anna Conover. Estas cartas vieram abrir novas perspectivas quanto à vida do escritor, desvendando facetas de Eça que as biografias tradicionais  ainda não tinham mostrado.

Preço:24,00€

Referência:12622
Autor:MATOS, Correia de
Título:TERRA CONQUISTADA
Descrição:

Editorial Gleba, Lisboa s/d.- In- 8º de 366 págs. Encadernação meia francesa em pele com dizeres a ouro em rótulo de pele na lombada.  Conserva capas de brochura. Capa e vinhetas, de abertura e fecho dos capítulos, de autor não identificado. Aparo marginal.

Segunda edição.

Observações:

Obra que ganhou primeiro prémio do Concurso de Literatura Colonial de 1945.  Aborda a  vivência do autor em Moçambique, onde desempenhou o cargo de chefe dos serviços agrícolas de Inhambane, o romance  entrecruza as tradições locais com a acção colonizadora portuguesa, num discurso narrativo recheado de diversas expressões de Quelimane e da Zambézia, o que justificou a inclusão de um glossário, com dezenas de vocábulos, para permitir maior legibilidade de um texto que ocasionalmente se aproxima do registo etnográfico.

"A indumentária de Catuane, essa é que era realmente assombrosa. Fazia a inveja e a cobiça de quantos a admiravam. Botas de cano largo, até meio da perna, de solas ferradas; calções à Chantily, às riscas azuis e brancas, chapeadas de cabedal em figuras geométricas; espessas meias vermelhas de lã que chegavam aos joelhos, saindo dos canos das botas; uma blusa feita de retraços de pergamóide de diversas cores, unindo ao meio por um fecho éclair; além dum casacão enorme, tão felpudo que era inteiramente aceitável ter pertencido ao espólio de algum alpinista. Na cabeça, um grande chapéu à cow-boy, de alta copa e de aba larga revirada, com duas penas de galo espetadas no alto. Óculos preto e uma sombrinha de senhora completavam a carnavalesca indumentária. A atravessar o lóbulo de uma das orelhas uma caneta de tinta permanente."

Preço:18,00€

Referência:13502
Autor:MIGUÉIS, José Rodrigues
Título:SAUDADES PARA A DONA GENCIANA
Descrição:

Iniciativas Editoriais, Lisboa, 1956, In-8º de 32-(4)págs. Br. Desenho de Carlos Botelho.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

 

Observações:

«Saudades para Dona Genciana» é uma obra-prima na evocação de ambientes e personagens de uma Lisboa fim-de-século, provinciana, antes de ser transformada pelo progresso.

"Há daquelas mulheres que se diria terem nascido para uma existência sedentária, de intimidade e contemplação, no harém , ou na família querendo Deus. Vistas na rua, ninguém dá por elas: o andar pesado e desgracioso, as formas transbordantes, o vestido antiquado e mau gosto...são como peixes fora de água. Assim era a Dona Genciana: feita para reinar na moldura do serralho ou do lar. Visse-a você ali à janela, na bata de folhos engomados, o cabelo preto todo frisado a papelotes, cotovelos no peitoril , os seios fartos aninhados como pombos nos braços roliços - e não resistiria a admirá-la como todos nós, os do tempo. Sugeria frescuras, grandes lavagens, bochechos de água de Botot, conchegos tépidos, colchões macios , noites regaladas. Vista de perto, não era nova, nem bela, nem elegante. Tinha mesmo o nariz avermelhado e grosso. Mas os seus olhos eram negros e rasgados, a pele alva e fresca, o cabelo abundante. E tinha essa fartura de carnes que, com o ardor dos nossos olhos e as rendas e os folhos, faz o nosso encanto. "Mulher asseada! " ou "Bom colchão". Toda ela irradiava um magnetismo misterioso. absorvente , que valia por todas as belezas. Não havia homem sério, pai de família, polícia cívico ou mesmo simples guarda nocturnoque, ao vê-la não sentisse um respeito invencível, um desejo de cumprimentar, de travar conversa, de falar de coisas inofensivas e familiares, e mesmo confidenciais"

Preço:20,00€

Referência:12928
Autor:MONTE, José Ferreira
Título:PARA QUE TUDO RENASÇA poemas
Descrição:

Edição do autor, Coimbra, 1948. In-8º de 79-(5) págs. Br.Integrado na colecção do "Galo", dada a lume em Coimbra e cuja tiragem foi sempre muito restrita. Capa de brochura com alguns picos de acidez e manchas marginais.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:

Passadas
hesitadas
na penumbra que freme.

-Nem por isso o andar treme!

Preço:25,00€

Referência:12829
Autor:MORAES, Diniz ; MICHELLIS, A.
Título:MENSAGEIRO DAS DAMAS Jornal de modas
Descrição:

Typographia de Luiz Correa da Cunha, Lisboa, 1853-1854. In-4º de 24 números com (1)4-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8-(1)8 págs. Encadernação coeva meia inglesa em pele com dizeres e florões na lombada. Profusamente ilustrado em extra-texto com belas litografias romanticas da autoria de A. Michellis.

Colecção completa de todos os fascículos e figurinos.

RARO.

Observações:

Colecção completa desta interessantíssima publicação sobre moda e onde os conteúdos abordam acima de tudo moda, relatos históricos, costumes, curiosidades, Cada um dos 24 números é acompanhado de um belo e elegante figurino litografado a cores. Colaboração literária, para além de Camiliana, sobretudo de consagrados autores estrangeiros.

Camiliano.

Preço:375,00€

Referência:13214
Autor:MOURÃO-FERREIRA, David
Título:GAIVOTAS EM TERRA – novelas
Descrição:

Editora Ulisseia, Lisboa, 1958. In-8º de 243 págs. Br. Capa de Marcelino Vespeira. Colecção "Atlantida".

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Reúne quatro novelas, entre as quais "E aos Costumes Disse Nada", que esteve na origem do guião para o filme "Sem Sombra de Pecado" de José Fonseca e Costa. Podemos mesmo dizer que se trata de um dos mais importante conjunto de ficções criadas por Mourão-Ferreira (também poeta, dramaturgo, ensaísta).

Da badana:

"Porém a grande revelação de Mourão-Ferreira é o presente livro, a sua primeira obra de ficção, constituída por quatro novelas de ambiente lisboeta — ou melhor: quatro histórias de amor em quatro Lisboas diferentes, quatro épocas diversas, ligadas por algumas personagens comuns e alguns temas afins. A perspectiva do narrador e a consequente estrutura narrativa, essas é que variam em cada uma das novelas, propiciando pontos de vista que completam, situações que se contrastam, atmosferas que se singularizam.”

Preço:35,00€

Referência:12852
Autor:NASCIMENTO, Cabral do
Título:CONFIDÊNCIA
Descrição:

Portugália Editora, Lisboa,  s/d. In-8º de 107 págs. Br. Vinheta de Maria Franco. Capa de brochura com algumas picos de acidez.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:

Livro de poemas deste poeta fortemente marcado pelo Saudosismo.

Natal


Se alguém por mim passou,
O seu caminho foi.
Nenhuma dor me dói;
Neste canto me isolo;
Dá-me tanto consolo
Saber que apenas sou!

Reduz-se tudo a isto:
Suavíssimo perfume
De heliotrópio morto.
Traz-me tanto conforto
Saber que só existo
Aqui, junto do lume!

E o vento que, lá fora,
Deita as folhas em terra,
Não me abala sequer.
Ah, quanto bem encerra
A minha ideia, agora,
De estar num canto, e ser?

 

Preço:19,00€

Referência:12792
Autor:NEGREIROS, José de Almada
Título:PIERROT E ARLEQUIM, personagens de Theatro. Ensaios de dialogo seguidos de commentarios por... com um autoretrato dois figurinos um desenho allusivo e motivo da capas.
Descrição:

 Portugália Editora. Nov. De XXIV. (1924), Lisboa, In-8º 69, [2] págs. Encadernação inteira de marroquin vermelho com dizeres dourados na lombada. Decoração nas seixas. cosnerva capas de brochura. Ligeiro aparo à cabeça.

Observações:

Edição original das mais raras obras do autor. Capa de brochura ilustrada a cores e prata.

Preço:300,00€

Referência:13413
Autor:NEMÉSIO, Vitorino
Título:SAPATEIA AÇORIANA Andamento Holandês e outros poemas
Descrição:

Editora Arcádia, Lisboa, 1976. In-8º de 92-(3) págs. Br

Observações:

 Último livro de poemas de Vitorino Nemésio.

"Este volume de poemas devia ser acompanhado de quatro motivos, a cor, inspirados a Nikias Skapinakis pelo andamento Holandês... Por razões de crise económica, que o editor, o pintor e o poeta lamentam, esse projecto de edição fica adiado..."


 A  CAMINHO DO CORVO

A minha vida está velha
Mas eu sou novo até aos dentes.
Bendito seja o deus do encontro,
O mar que nos criou
Na sede da verdade,
A moça que o Canal tocou com seus fantasmas
E se deu de repente a mim como uma mãe,
Pois fica-se sabendo
Que da espuma do mar sai gente e amor também.
Bendita a Milha, o espaço ardente,
E a mão cerrada
Contra a vida esmagada.
Abençoemos o impossível
E que o silêncio bem ouvido
Seja por mim no amor de alguém.

Preço:23,00€

Referência:12534
Autor:OLIVEIRA, José Osório
Título:PANORAMA DA LITERATURA PORTUGUESA
Descrição:

Edições Ática, Lisboa, 1947. In-8º de 159 págs. Br. cadernos por abrir. Valorizado pela dedicatória autógrafa emotiva a sua esposa, a poeta Raquel Bastos.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.
 

Observações:

Conjunto de conferências proferidas pelo autor na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de S. Paulo, no Brasil, onde o autor aborda a História da literatura portuguesa.  A introdução é um interessante ensaio entitulado "Sobre a psicologia do povo português".

Preço:25,00€

Referência:12536
Autor:OSÓRIO, João de Castro
Título:O ALÉM-MARNA LITERATURA PORTUGUESA. (Épocados Descobrimentos)
Descrição:

 Edições Gama. Lisboa. 1948. In-8.º de 272 págs. Br.

INVULGAR.

PRIMEIRA EDIÇÃO

Observações:

Obra muito interessante para a compreensão da literatura da Época dos Descobrimentos e da importância do mar como ambiente de fundo da Literatura Portuguesa.
Encerra os seguintes capítulos: Condições históricas da criação original da Literatura Portuguesa;
Uma Literatura criada em sincronismo com a expansão marítima; A poesia lírica da época dos Descobrimentos; O nascer da poesia épica portuguesa; Raízes nacionais da poesia épica portuguesa; O reverso da grandeza humana da expansão marítima observado pelo génio cómico; O génio satírico recriado pelo julgamento de um aspecto social da expansão ultramarina; A expansão ultramarina e as raízes nacionais do pensamento dramático português; A visão épico-dramática da expansão portuguesa e a primeira obra do novo pensamento humanista

 

Preço:15,00€

Referência:13497
Autor:PACHECO, Luiz
Título:EXERCÍCIOS DE ESTILO
Descrição:

Editorial Estampa, Lisboa, 1971.In-8º de 252-(2) págs. Br. Capas de brochura cansadas com marcas profundas de manuseamento nas charneiras. Integrado na colecção Novas Direcções.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Compilação de textos de Luiz Pacheco onde se incluem escritos como: O teodolito, os namorados, comunidade, o que é o neo-abjeccionismo, o caso das criancinhas desaparecidas, entre muitos outros.

 

 

Chamo-me Luiz José Machado Gomes Guerreiro Pacheco, ou só Luiz Pacheco, se preferem. Tenho trinta e sete anos, casado, lisboeta, português. Estou na cama de uma camarata, a seis paus a dormida. É asseado, mas não recebo visitas. Também não me apetece fazer visitas. A Ninguém. Estou bastante só. Perdi muito. Perdi quase tudo.

Perdi mãe e perdi pai, que estão no cemitério de Bucelas. Perdi três filhos – a Maria Luísa, o João Miguel, o Fernando António –, que estão vivos, mas me desprezam (e eu dou-lhes razão). Perdi amigos. Perdi o Lisboa; a mulher, a Amada, nunca mais a vi. Perdi os meus livros todos! Perdi muito tempo, já. Se querem saber mais, perdi o gosto da virilidade; se querem saber tudo, perdi a honra. Roubei. Sou o que se chama, na mais profunda baixeza da palavra, um desgraçado. Sou, e sei que sou.

Mas, alto lá! sou um tipo livre, intensamente livre, livre até ser libertino (que é uma forma real e corporal de liberdade), livre até à abjecção, que é o resultado de querer ser livre em português.

Preço:30,00€

Referência:13401
Autor:PASCOAES, Teixeira de
Título:JESUS E PAN
Descrição:

Livraria Editora José Figueirinhas Junior, Porto, 1903. In-8º de 67-(1)págs. Br. Capa de brochura com alguns elementos florais. Folhas cosidas e lombada a precisar de restauro. Com uma dedicatória do editor.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:

Um dos primeiros livros do autor e onde aborda o Cristianismo e o Paganismo.

 

Ó tristeza do mundo em tardes outomnaes!
Longinqua dôr beijando-nos o rôsto…
Crepusculo esfumado em intimo desgôsto,
Bôca da noite acêsa em frios ais…
Aparição soturna, vaga imagem
Do mêdo e do misterio…
Que solidão escura na paisagem!
Tem phantasmas e cruzes,
Tem ciprestes ao vento e moribundas luzes,
Como se fosse um grande cemiterio.

Preço:60,00€

Referência:13400
Autor:PASCOAES, Teixeira de
Título:VIDA ETHEREA
Descrição:

F. França Amado Editor, Coimbra, 1906. In-4º de 192 págs. Br. Capas de brochura de notória influência Art Nouveau mas algo cansadas. Cuidada apresentação gráfica. Alguns picos de acidez.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

 

Observações:

Livro de Teixeira de Pascoaes que é considerado um dos seus livros mais líricos onde  podemos ver influências da poesia do sec XIX, de Almeida Garret, Antero de Quental e Guerra Junqueiro.
 

Preço:75,00€

Referência:13181
Autor:PASCOAES, Teixeira de
Título:AS SOMBRAS
Descrição:

Livraria Ferreira, Lisboa, 1907.In-8º de 210-(1) págs. Encadernação meia inglesa com dizeres a ouro na lombada. Sem capas de Brochura. Picos de acidez no miolo.


PRIMEIRA EDIÇÃO.
INVULGAR.

Observações:

Primeira edição deste livro de Pascoaes que neste livro segundo Tomaz Ribas,  "(...) atinge alguns dos mais altos momentos de toda a nossa poesia (...)".

Preço:32,00€

Referência:12264
Autor:PASCOAES, Teixeira de
Título:MARÁNOS
Descrição:

Magalhães & Moniz, Porto, 1911. In-8º de 298(4)págs. Br. Encadernação meia francesa com dizeres e florões a ouro em casas fechadas na lombada. Conserva capas de brochura e ligeiro aparo marginal. Ocasionais picos de humidade.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

MUITO RARO.

Observações:


Obra paradigmática do Saudosismo, Marânus é um longo poema, de estrutura épico-dramática, que se oferece, ao longo da sua estrutura de "romance em verso" protagonizado por personagens de carácter mítico ou lendário situado "no cenário entre duriense e transmontano, e lavada atmosfera bucólica do Marão (...)".
 

Preço:140,00€

Referência:12163
Autor:PASCOAES, Teixeira de
Título:O EMPECIDO Novela
Descrição:

Edição da Gazeta do Bibliófilo, Porto, 1950. In. 8º de 311-(3) págs. Br.  Primeira edição, limitada a 1000 exemplares numerados e autenticados com a chancela do autor. Ocasionais e insignificantes picos de humidade.

 

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Uma das últimas obras publicadas pelo autor e que é um perfeito exemplo da  teluricidade  e  do  misticismo  da sua visão do mundo e da vida.

“Este livrinho inicia uma nova fase da minha obra literária. A novela é terreno que eu trilho pela primeira
vez”

 

 

Preço:30,00€

Referência:12162
Autor:PASCOAES, Teixeira de
Título:O ESPÍRITO LUSITANO OU O SAUDOSISMO
Descrição:

Edição da Renascença Portuguesa, Porto, 1912. In-4.º de 20 págs. Br. Pequena assinatura de posse.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

MUITO RARO

Observações:

Transcrição da comunicação de Teixeira de Pascoaes durante uma "Conferência da "Renascença Portuguesa" realisada no Ateneu Comercial do Porto, na noite de 23 de Maio de 1912"

 

"Vê-se  que  chegou  o  momento  de  Portugal  reconquistar  a  sua  independência  moral, tornando  a  vivêr  pelo  espírito  e  não  pela  matéria  o  que  é  só  próprio  dos  povos  decadentes".

(...)

As nações pequenas só podem opor às tendências absorventes das grandes nações, como defesa da sua independência, o caracter, a originalidade do seu espirito ativo e criador a autonomia moral.
Ora, a nossa Pátria possui felizmente essas qualidades que se ergueram, outrora, quais sentinelas invencíveis, ao longo das nossas fronteiras, e se espalharam depois através dos vastos mares e das longes terras. O que é preciso, antes de tudo, o que é urgentíssimo, é ressuscitá-las, para que readquiram a perdida atividade.”

 

Preço:180,00€

Referência:12292
Autor:PEPETELA
Título:YAKA
Descrição:

União dos Escritores Angolanos, Rio Tinto, 1988. In-8º de 395 págs. Br.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

É um livro sobre a história da colonização em Angola e, simultaneamente a história da luta pela queda dessa colonização. Uma saga sobre cem anos da história do país vistos através da evolução de uma família e do seu percurso por Angola. Pepetela acompanha a vida de personagens idos de Portugal para Angola no século XIX, com personagens idos do Brasil, essencialmente deportados, e pessoas descontentes com descontentes com a independência do Brasil. A história vai até à independência de Angola em 1975. Termina em Benguela.

Na última geração, como foi comum a muitas famílias há histórias de vidas com opções diferentes dentro dos diferentes partidos angolanos. Toda a história é acompanhada por Yaka, a estátua que acompanha toda a história da família e que no fim é entendida na sua mensagem pelo último dos membros da família.

"Nesse livro eu pretendia mostrar uma vertente europeia na cultura que existe nas cidades da costa angolana. Há a intenção de dizer que há um legado cultural da colonização. Custou-me muito escrevê-lo porque eu estava demasiado amarrado á história. É um livro onde acredito não hajam muitos erros históricos."

Preço:28,00€

Referência:12294
Autor:PEREIRA, Helder Moura
Título:MERCURIO
Descrição:

Frenesi, Lisboa, 1987. In-8º de 20 págs. Br.  Capa com serigrafia de António Inverno de um pormenor de uma gravura de Escher.

PRIMEIRA EDIÇÃO.
 

Observações:

O comboio trazia
mercadorias e pessoas.
O comboio levava
um vazio: passava rente
ao meu rio e nao
me levava

 

Preço:20,00€

Referência:13367
Autor:PIMENTEL, Alberto
Título:O CAPOTE DO SNR. BRAZ
Descrição:

Livraria Internacional de Ernesto Chardron, Porto, 1877. In-8.º de XVI-225-(1) págs. Br. Cadernos por abrir.

Observações:

Compilação de crónicas, artigos e folhetins anteriormente publicados no "Diário de Notícias" por este autor contemporâneo de Camilo Castelo Branco.

"O titulo d'este livro é exactamente como esse  mysterioso capote, porque, por detraz d'elle, estão  os mais variados assumptos, as mais oppostas narrativas, que todavia podem constituir um volume como essas mil pequenas coisas, differentes umas  das outras, de que o próprio Braz era portador iam certamente constituir um jantarinho de velho celibatário."

 

Preço:30,00€

Referência:12592
Autor:PIMENTEL, Alberto
Título:CANTARES
Descrição:

Typ. Editora de Mattos Moreira & Comp.ª, Lisboa, 1875. In. 8.º de XX-209-(3) págs. Br. Conserva as capas de brochura. Por abrir. Lombada com insignificantes defeitos.
 

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Livro de poemas de Alberto Pimentel que inclui uma carta-prólogo do Sr. Conselheiro Thomaz Ribeiro que ocupa as primeiras 15 páginas.


Infancia, como és ruidosa
como me lembro de ti!
nao passas pelos caminhos
sem que ponhas medo aos ninhos
e sem dizer: "vou aqui!"

Velhice como és calada!
que dó que tenho de ti
nem te ouvira o cao receioso,
se o teu bordao vagaroso
nao dissesse: "vou aqui!"

Preço:25,00€

Referência:12587
Autor:PIMENTEL, Alberto
Título:O PORTO POR FORA E POR DENTRO
Descrição:

Livraria Internacional de Ernesto Chardron, Porto, 1878. In-8º de. 277-(3) págs. Brochado com as capas de brochura apresentando ligeiras falhas marginais devido à fragilidade da qualidade do papel.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

 

Interessante livro de memórias onde o autor discorre sobre os assuntos mais diversos e em que mais uma vez se manifesta o amor do autor pela cidade do Porto. Aborda temas com a toponímia, as figuras populares e também os escritores portuenses.

" N'um livro que se propõe tratar exclusivamente do Porto, devia de escrever-se por força um pagina destinada a letras e letrados, porque se ha terreno fadado para escriptores é aquelle, se ha torrão ubérrimo de talentos é o d'aquella velha cidade, que nos seus necrologicos inscreve em cada século uma plêiade de nomes que ficam pelas idades a dentro reflectindo auroras sempre-eternas sobre o chão dos cemitérios..."

O livro é dedicado "A Camilo Castelo Branco".

Preço:55,00€

reservado Sugerir

Referência:13555
Autor:PLÁCIDO, Anna Augusta
Título:LUZ COADA POR FERROS. Escriptos originaes por …
Descrição:

Livraria de A. M. Pereira. Lisboa. 1863. In-8º de XV-210-(1) págs. Encadernação meia francesa com dizeres e florões em casas fechadas. Conserva capas de brochura. Ilustrado com um retrato da autora.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Primeiro livro de Ana Plácido.  É dedicado à sua irmã Maria José Plácido, que Ana tratou quando os pais morreram."Foste a minha única amiga neste mundo: não conheci afeição mais verdadeira." A maior parte dos textos que compõem a obra foi produzida na Cadeia da Relação do Porto.

da Introdução

"Não. sabe talvez a auctora doeste livro, que estamos n'um paiz em que a primeira coisa que uma senhora de talento tem que fazer-se perdoar, é o seu talento mesmo. E tão commodo dispensar-se uma pessoa de ter espirito, que os semsaborôes nacionaes formaram uma seita para castigar os que o teem ; entre os homens a forma de punir o talento é desvialo dos destinos públicos, não lhe recompensar o heroismo da lucta, e, depois de o desdenhar, calumnial o um dia ; entre as senhoras o que se uza, é espalhar o boato de que a sua superioridade não as deixa attender a mais do que ao egoísmo e á vaidade, sem consentir nunca que as domine a vehemencia de sentimentos, que formam o condão e a sorte da mulher."

Preço:75,00€

reservado Sugerir

Referência:13550
Autor:RAMALHO, Monteiro
Título:AS RATICES DA RATTAZZI. O Pello Nacional.
Descrição:

Typ. do Jornal da Manhã, Porto, 1880. In-8º de 20 págs. Encadernação meia inglesa em pele com dizeres a ouro na lombada. Conserva capas de brochura.

INVULGAR

Observações:

Um dos folhetos  mais apreciados da famosa polémica suscitada pelo livro "Le Portugal à vol d’oiseau".

"A sr.ª Maria Laetizia, Solms, Rattazzi e Rutte, e não sei que mais, quando os innumeros exemplares do seu livro vieram para o explorado Portugal, havia de forçosamente seguil-o passo a passo, com o seu terno affecto maternal, a ver com inexcedivel cuidado o que lhe poderia acontecer. Supponho bem ser este um ponto que não póde admittir duvida, porque todos nós nos interessamos vivamente pelo que mais ou menos nos diz respeito, tanto mais quando o objecto é, como o supracitado livro, filho querido das nossas entranhas. (Não esquecer com isto que nunca femeas pódem conceber, sem o respectivo auxilio productor dos machos).

De maneira que sua altez sua excellencia actualmente, e ainda aqui se revela a sua nenhuma vaidade...havia de portanto procurar logo nos jornaes portuguezes, conhecer as impressões que elle inspirava.

Com o succedido, é mais que natural, como já tive occasião de presagiar aqui mesmo, que -sua excellencia- se risse expansivamente da nossa ingenuidade quasi infantil, saboreando com as maiores doçuras os recentes favos de mel da respectiva lua, que por pouco a não allumia mais vezes do que a sua collega planeta o faz á terra.

Mas se ella se desse todos os dias á improba massada de consultar os ditos jornaes, e os achasse sempre muito caladinhos, mudos e serios, sem caírem na tolice inaudita de lhe popularisar o nome--oh! então é que
deveria ser bom vel-a, mesmo que fôsse à vol d'oiseau !..."

Preço:30,00€

Referência:13075
Autor:RAMIRES, Ramiro
Título:PASSEIOS EM FONTELO
Descrição:

Novel Gráfica, Viseu, 1986. In-8.º de 251-(1) págs. Br.

Observações:

"Passeios em Fontelo (de Viseu) é pois o título deste livro constituído por escritos imaginados durante vagarosas deambulações sob as árvores da mata ou entre canteiros desta antiga residência episcopal."

Preço:14,00€

Referência:12785
Autor:RAMOS, Luiz Maria da Silva
Título:LUIZ DE CAMÕES ELOGIO ACADEMICO lido na sala dos actos grandes da Universidade de Coimbra no dia 10 de junho de 1880, tri-centenario do grande epico
Descrição:

Typographia Occidental, Coimbra, 1881. In-8º de 31 págs. Br. Conserva capas de brochura.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Conferência proferida durante o tricentenário de Luís de Camões, por Luís Maria da Silva Ramos, lente de véspera de theologia na universidade de Coimbra.

Preço:10,00€

Referência:13397
Autor:REDOL, Alves
Título:CONSTANTINOguardador de vacas e de sonhos
Descrição:

Portugália Editora, Lisboa, 1962, In-4º de 131-(8) págs.Br. Profusamente ilustrado ao longo do texto com fotografias de António Neto e do autor. Arranjo gráfico de João da Câmara Leme.

PRIMEIRA EDIÇÃO

RARO.

Observações:

Excerto da introdução:

"Esta história simples ganhou raízes e deu fruto numa aldeia da região saloia, o Freixial, onde a sua gente me aconchega com carinho há mais de dez anos - e tanto como se eu fosse da família de cada um e de todos. [...]
Embora inspirado na vida de um jovem daqui, Constantino Cara-Linda, meu vizinho e amigo, este livro não é bem a crónica rigorosa do seu passadio. Inspira-se nele, reprodu-lo nas imagens que ilustram o texto, mas recria-o e inventa-o também naquela medida em que o escritor decanta ou engravida a realidade de que se apossa com amor ou com raiva.
Sem qualquer ímpeto de desforço, este contarelo, um tanto biográfico, é obra de pura devoção."

Preço:30,00€

Referência:13393
Autor:REDOL, Alves
Título:O CAVALO ESPANTADO
Descrição:

Portugália Editora, Lisboa, 1960. In-8º de 326 págs. Br. Capa de João da Câmara Leme. Assinatura autógrafa.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Romance fundamental na obra de Alves Redol onde ele analisa uma sociedade em todo diferente da que ocupou a sua fase sociorregional.

"Com O cavalo espantado vai porém tão longe, que dir-se-ia estarmos perante um outro romancista - não porque se negue, mas porque foca o seu olhar em objecto inteiramente diferente dos seus predominantes motivos sociais (...) Alves Redol apresenta-nos Leo e Pedro como tese e antítese enquanto Yadwiga é a mulher dividida entre uma realidade que intimamente repele e um sonho de idealidade em que já não ousa crer. (...) Leo é um homem amoral, para quem o dinheiro é o primeiro princípio da sociedade e o erotismo é o primeiro princípio do amor. Em Yadwiga há (...) uma aceitação resignada deste amoralismo e ao mesmo tempo um despertar a que não é alheio o exemplo de Pedro. Neste, ao contrário de Leo, há a corajosa procura de uma «personalidade ética», a qual apenas se afasta do moralismo cristão, na medida em que o autor exprime um tipo de moral Kantiana unicamente derivado da razão (...) Devemos acrescentar que a conclusão do livro é tão ambígua quanto a teoria kantiana que suporta a tese. O problema ético proposto fica na realidade sem solução e suspende-se interrogativamente. O maior mérito do livro reside pois na proposição e desenvolvimento da questão, na análise dos caracteres, na verosimilhança das situações, sobretudo na fidelidade psicológica das personagens. (...)"-

António Quadros

 

Preço:30,00€

Referência:13361
Autor:REDOL, Alves
Título:FANGA romance
Descrição:

Portugália Editora, Lisboa, 1943. In-8º  de 353 págs. Br. Miolo com alguns picos de acidez. Com uma pequena assinatura de posse. Capa de Fred Kradolfer.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Um dos livros mais importantes de  Alves Redol, é um exemplo típico do neo-realismo português onde os trabalhadores, sujeitos a brutal exploração, começam a despertar para uma consciência de classe.

"Para vocês, fangueiros dos campos da Golegã, escrevi este livro. Que algum dia o possam ler e rectificar, pois o romance da vossa vida só vocês o poderão escrever."

Preço:25,00€

Referência:13359
Autor:REDOL, Alves
Título:UMA FENDA NA MURALHA
Descrição:

Portugália Editora, Lisboa,  S.d. In-8º de  308-(6) págs. Br. Capa de Octávio Clérigo.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR

Observações:

Romance de um dos fundadores do Neo-Realismo cujo ambiente é o de um porto pesqueiro e que relata uma violenta tempestade a bordo de um pequeno barco de pesca.

Da badana:

"Disse Alves Redol que o seu novo romance é ‘um episódio da História Trágico-Marítima dos nosso dias’ e tem razão. Apesar da nossa chamada ‘vocação marítima’, ainda até hoje ninguém se decidira ou tivera a coragem de o descrever com aquela objectividade inexorável que o autor que o autor de Uma Fenda na Muralha pôde condensar nas seguintes e enxutas palavras: ‘uma análise do medo em oito homens diferentes — desde os que dominam aos que são tomados de pânico ‘(...)”

 

Preço:24,00€

Referência:12666
Autor:REDOL, Alves
Título:A FRANÇA, da resistência à renascença.
Descrição:

Editorial Inquérito (e Edições Cosmos). Lisboa. S.d. In-4º de 575 págs. Encadernação editorial com ferros secos, dourados e a côr nas pastas e na lombada em pele. Profusamene ilustrado ao longo do texto, mancha tipográfica capitular com vinhetas tipográficas decorativas e ilustrado também em separado. Charneira com ligeiros sinais de manuseamento.

MAGNÍFICA edição de luxo publicado sob patrocínio moral do Departamento das Relações Culturais do Minsitério dos Negócios Estrangeiros e da União Nacional dos Intelectuais da França.

No prefácio: "... Escrevi este livro sem propósitos literários, julgando que cumpra um dever humano e um dever nacional. O dever nacional estava no exemplo dado por outra gente que, rodeada de todas a sangústias, perdida no meio de destruições sem conta, tolhida pelo espanto dos massacres feitos na sua própria carne, ainda tinha esperança na sua condição e no seu futuro, para se entregar às mais árduas fainas de uma redenção que muitos outros continuavam a tentar diminuir ou a pretender esmagar. Este livro é, pois, acima de tudo, uam expressão da minha confiança no destino nacional e na caminhada dos homens de braços abertos para o futuro - dos homens que guardaram no coração aquela luz que as trevas quiseram apagar no momento mais tragico da história do mundo ...".

Observações:
Preço:55,00€

Referência:13391
Autor:RÉGIO, José
Título:FADO
Descrição:

Portugália, Lisboa, 1957. In-8º de 157-(4)págs. Br. Capas de brochura ligeiramente envelhecidas. Ilustrado em extra-texto com 6 ilustrações de Stuart Carvalhais. Exemplar de uma das  variante de capa ,o miolo em nada difere do da outra variante de capa, nem no conteúdo literário, nem no suporte físico.

Observações:

Segunda edição deste estimado livro de José Régio.

"Sim, na avenida vizinha,
Tudo era moderno e fresco;
Mas essa rua... mantinha,
Mantém o seu pitoresco:

Uma igual turba de párias,
Vadios, trabalhadores,
Meretrizes e operárias,
Falhados e sonhadores,

Há centos de anos se some
Nesses palácios escuros,
E cheira mal, passa fome,
De alto a baixo desses muros...

Nas mesmas águas-furtadas
Há centos de anos há poetas,
E as mesmas gatas pejadas
Têm filhos nas valetas."

Preço:28,00€

Referência:13389
Autor:RÉGIO, José
Título:EL-REI SEBASTIÃO Poema Espectacular Em Três Actos
Descrição:

Editora Atlântida, Coimbra, 1949. In-8º de 189-(2) págs. Br. Cadernos por abrir. Terceiro volume da colecção "Teatro de José Régio".

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Importante peça de teatro de José Régio sobre D. Sebastião.

SIMÃO – Salve, rei! A doença da tua carne não é senão preservação da tua pureza. A tua incapacidade de rei não é senão apelo do teu verdadeiro Reinado. A tua loucura não é senão entreveres o que não entendes. O teu suicídio não é senão a condição da tua vida
EL-REI - O meu suicídio?!
SIMÃO – O teu glorioso suicídio; o teu suicídio colectivo.

Preço:25,00€

Referência:12791
Autor:RÉGIO, José
Título:AS ENCRUZILHADAS DE DEUS
Descrição:

Edições Presença - Atlântida, Coimbra, 1935. In-4º de 177, [5] págs. Encadernação coeva meia francesa em pele vermelha com dizeres e floreados dourados na lombada. Conserva capas de brochura e corte superior das folhas carminado. Exemplar impecável. BELÍSSIMA EDIÇÃO ilustrada por Júlio.

1ª EDIÇÃO das primeiras obras do autor

Observações:

Capas de brochura ilustradas por Júlio. Ilustrado ao longo do livro em separado.
 

José Régio pseudónimo de José Maria dos Reis Pereira, nasceu em Vila do Conde, a 17 de Setembro de 1901. Licenciado em Letras em Coimbra. Viveu grande parte da sua vida na cidade de Portalegre (de 1928 a 1967), onde foi professor durante mais de 30 anos, no seu Liceu.

Foi possivelmente o único escritor em língua portuguesa a dominar com igual mestria todos os géneros literários: poeta, dramaturgo, romancista, novelista, contista, ensaísta, cronista, jornalista, crítico, autor de diário, memorialista, epistológrafo e historiador da literatura, foi um dos fundadores da revista Presença, da qual foi editor, director e o seu principal animador, desenhador, pintor, e grande coleccionador de arte sacra e popular.

Preço:400,00€

Referência:12449
Autor:RÉGIO, José
Título:A VELHA CASA - AS RAIZES DO FUTURO
Descrição:

Editora Educação Nacional, Porto, 1947. In-8º de 302-(2) págs. Br.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Primeira edição do segundo romance de A Velha Casa, conjunto de romances composto pelos títulos: I - Uma Gota de Sangue; II - As Raízes do Futuro; III - Os Avisos do Destino; IV - As Monstruosidades Vulgares e o V - Vidas são Vidas, (que inclui os rascunhos do VI volume).
Estes romances de José Régio (1901-1969) são considerados a obra em que "o psicologismo e misticismo de Régio parecem evoluir no sentido de um moralismo idealista, e [em que] a confidência romanceada de fundo autobiográfico apresenta um certo ar de apologia contra a crítica neo-realista, ou de doutrinação muito explícita"  

in História da Literatura Portuguesa de António José Saraiva e Óscar Lopes,

Preço:35,00€

Referência:13290
Autor:RIBEIRO, Aquilino
Título:TERRAS DO DEMO
Descrição:

Livraria Aillaud e Bertrand, Paris e Lisboa, 1919. In-8º de 318 págs. Encadernação em sintético com dizeres a ouro na lombada e pastas. Valorizado pela dedicatória autógrafa ao poeta José Osório de Oliveira. Sem capas.

.

Observações:

Na carta a Carlos Malheiro Dias, que serve de prefácio a “Terras do Demo” Aquilino Ribeiro trata de preparar o leitor para o que se vai seguir, contando que «a acção decorre naqueles lugares onde a lenda se exprime ainda deste jeito: “Uma vez um homem travou do bordão e partiu a correr as sete partidas do Mundo. Andou, andou, até que foi dar a uma terra de que ninguém faz ideia: a gente comia calhaus e ladrava como os cães”.

Aquilino neste livro, faz uma homenagem às "aldeias montesinhas que moram nos picotos da Beira, olham a Estrela, o Caramulo, a cernelha do Douro e, a norte, lhes parece gamela emborcada o monte Marão. O vale, que as explora, trata-as dispicientemente por Terras do Demo."

Preço:28,00€

Referência:13288
Autor:RIBEIRO, Aquilino
Título:VIA SINUOSA
Descrição:

Livrarias Aillaud e Bertrand, Paris – Lisboa, 1919. In-8º de VI-337-(4) págs. Encadernação em sintético vermelho com dizeres dourados nas pastas e na lombada. Sem capas de brochura. Valorizado pela dedicatória autógrafa ao poeta José Osório de Oliveira.

Observações:

Primeiro romance publicado por Aquilino Ribeiro e que  juntamente com Lápides Partidas e Sob o Pendão Bárbaro (esta nunca veio a ser publicada) viria a constituir, uma trilogia baseada no percurso biográfico do autor.

Preço:23,00€

Referência:13216
Autor:RIBEIRO, Bernardim
Título:HISTÓRIA DE MENINA E MOÇA Variantes, Introdução, Notas e Glossário de D. E. Grokenberger. Prefácio do Prof. Hernâni Cidade.
Descrição:

Livraria Studium Editora, Lisboa, 1947. In-4º de XLVIII-209-(5) págs.Br. Capas de brochura envelhecidas. Sublinhados a caneta em algumas páginas. Ilustrada em extra-texto com a reprodução dos frontispícios das primeiras edições.

Observações:

Excelente edição crítica desta obra-prima da literatura quinhentista portuguesa.

Do prefácio

"Quis o Inst. de Alta Cultura confiar-me o honroso encargo de apresentar ao público ledor a jovem romanista alemã Fräulen Dra. Dorothee Grokenberger, autora da presente edição de "Menina E Moça", de cuja publicação o mesmo Inst. benemèricamente assumiu encargos..."

Preço:18,00€

Referência:13534
Autor:RODRIGUES DA COSTA, José Daniel
Título:COMBOY DE MENTIRAS vindo do Reino Petista com a fragata verdade encoberta por capitania.
Descrição:

Na Of. de Simão Thaddeo Ferreira, Lisboa, 1801. Um volume com os 24 números de 16 páginas cada num total de 384 págs. Encadernação coeva  inglesa em pele com dizeres a ouro na lombada. Etiqueta de ordem de biblioteca na cabeça da lombada. Guardas em papel marmoreado da época. Ilustrado com vinhetas decorativas xilogravadas.

COLECÇÃO COMPLETA

INVULGAR
 

Observações:

Colecção completa destes folhetos onde o autor faz a reunião de "Poesias, Maximas , Casos , e Avisos de todos os lotes , para satisfazer a vossa curiosidade".

Segundo Inocêncio, Rodrigues da Costa era muito dado ao bom humor e todos aplaudiam "os seus chistes e ditos naturalmente engraçados e satíricos". Faleceu em 1832, pouco depois de ter recebido uma pensão anual de D. Miguel, de quem era partidário. Deixou uma vasta obra, sendo esta uma das mais estimadas. Inoc., IV

Preço:90,00€

Referência:13531
Autor:RODRIGUES DA COSTA, José Daniel
Título:BARCO DA CARREIRA DOS TOLOS obra critica, moral e divertida
Descrição:

Typographia de Elias José da Costa Sanches, Lisboa, 1850. Volume com 12 folhetos de 32 págs cada. Encadernação moderna meia francesa em pele com florões e dizeres a ouro em rótulos de pele vermelha na lombada. Exemplar em magnífico estado de conservação estando apenas aparado à cabeça carminada. Mantem intactas e muito ireegulares com todas as barbas, as restantes margens.

COLECÇÃO COMPLETA.

Observações:

Uma das mais estimadas obras do autor, onde ele faz uma critica da sociedade portuguesa da altura,  "Muito se alegrou o diligente Navegante com a descoberta, sacrificando se ao louvável fim de fazer ditosos os que tinham nascido para o ser: e por isto destinou transportar à mesma Ilha os Tolos…"

Doze classes de que se compõe esta obra:

Folheto os tôlos modistas; folheto os tôlos namorados; folheto os tôlos mal casados; folheto os tôlos mal creados; folheto os tôlos velhacos encobertos; folheto os tôlos bebedos; folheto os tôlos soberbos; folheto os tôlos presumidos;  folheto os tôlos queixosos da fortuna; folheto os tôlos crédulos; folheto os tôlos que em tudo se mettem; folheto os tôlos em geral.
 

Preço:160,00€

Referência:13530
Autor:RODRIGUES DA COSTA, José Daniel
Título:PORTUGAL ENFERMO por vícios, e abusos de ambos os sexos, dedicado ao senhor José Luís Guerner, Cônsul de S. M. Siciliana
Descrição:

Na Impressão Régia, 1819-1820. Dois volumes de in-8º de 69 e 73 págs. Encadernação moderna inteira de pele com dizeres a ouro em rótulo de pele azul na lombada.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Folhetos onde o autor faz uma sátira  ao Portugal do início do século XIX, cuja sociedade o autor considerava viciosa e perdida, entregando-se a festas e a modas importadas do estrangeiro e ao jogo, desprezando tudo o que é português. Depois da sátira em verso, o autor acrescentou algumas charadas, adivinhas e improvisos, que não tendo relação com o tema principal, tinham a  função de avolumar os impressos e divertir dos leitores.


Portugal, Portugal ! Eu te lastimo !
E bem que velho sou ainda me animo
A mostrar-te os defeitos, e os excessos
Dos costumes, que tens já tão avessos
Dos costumes, que tinhas algum dia,
Quando mais reflexão na gente havia.
Tu de estranhas Nações foste envejado;
Hoje faz compaixão teu pobre estado:
Cada vez te vão mais enfraquecendo,
Todo o brilho, que tinhas, vas perdendo:
Paraiso do mundo te chamavão;
As mais Nações com tigo se animavão;
Ellas porém ficarão sãs, e fortes;
E tu todo o instante exposto aos córtes
Da usura, da ambição, da falcidade,
Do egoismo, da fuga, da impiedade:
Males, que aos que bem pensão cauzão tédio,
A que apenas descubro hum só remedio,
Que outro melhor não ha, a que se apelle,
E muita gente chora a falta d’Elle…

 

Preço:80,00€

Referência:13529
Autor:RODRIGUES DA COSTA, José Daniel
Título:IDÉAS VAGAS sobre varios assumptos para Recreio de todas as pessoas de ambos os sexos.
Descrição:

Na Officina de Simão Thaddeo Ferreira, Lisboa, 1822. In-8º de 79 págs. Encadernação moderna inteira em percalina azul com dizeres e florões a ouro na lombada. Exemplar inteiramente por aparar.

INVULGAR.

Observações:

Curioso folheto com poemas sobre Portugal  e a sociedade portuguesa, deste escritor e frequentador das tertúlias da Arcádia Lusitana.

Innocêncio afirma  “Dotado  de  bom humor, e maneiras affaveis, era bem quisto de todos que o conheciam, e que applaudiam os seus chistes e ditos naturalmente engraçados, e satyricos. Viveu por muitos annos decentemente dos proventos do seu emprego, e do producto dos muitos papeis que imprimia, e que eram bem acolhidos do  publico. Sabendo amoldar-se ás circumstancias politicas do tempo, escreveu sucessivamente a favor  das idéas liberaes e do governo absoluto.”

Preço:42,00€

Referência:13528
Autor:RODRIGUES DA COSTA, José Daniel
Título:NOVODIVERTIMENTOPARAMEIOQUARTODEHORA
Descrição:

Na Impressão de João Nunes Esteves, Lisboa, 1825. In-8º de 20 págs. Encadernação inteira com  dizeres e florões a ouro na lombada.

INVULGAR.

Observações:

Folheto  muito curioso e invulgar deste autor cuja bibliografia tem bastante interesse para a história  da sociedade portuguesa da sua época. Este folheto contém 16 sonetos e no prefácio o autor lamenta-se a perda crescente da qualidade da literatura portuguesa. Nos sonetos 12, 13, 14 e 15, o autor critica o comportamente dos brasileiros "Da ruel Anarquia a effervescencia / Na America soltou toda a impiedade ."(...):"Gentes do Rio, Gentes da Bahia,Do Pará, Maranhão, e Pernambuco,Onde estão as Chulices, e o Batuco,Que tanto no Brazil nos attrahia?"

Preço:45,00€

Referência:13527
Autor:RODRIGUES DA COSTA, José Daniel
Título:JOGO DOS DOTES PARA RECREIO DAS SOCIEDADES,Em que se tirão lindas Sortes em verso; e outro Jogo de 40 perguntas, e 40 respostas, que se deve separar deste Livro, para se usar delle cortado, e pregado com massa nas Cartas de Jogar, ou em cartão
Descrição:

Na Typografia Rollandiana, Lisboa, 1818. In-8º de 308-(4) págs. Encadernação inteira com dizeres a ouro na lombada. Por aparar. Terceira edição.

INVULGAR.

Observações:

Curioso livro com um jogo de cartas por naipes,  em cada página contém 2 poemas de cartomancia (questão e adivinhação) em rima tradicional portuguesa.

Inocêncio IV, 304" José Daniel Rodrigues da Costa (1757-1832) natural da cidade de Leiria, não podendo cursar os estudos superiores aos de primeiras letras e gramática latina por falta de recursos pecuniários, acolheu-se á protecção do desembargador"

Preço:65,00€

Referência:13533
Autor:RODRIGUES DA COSTA, José Daniel ; PIMENTA, Alberto
Título:O BALÃO AOS HABITANTES DA LUA heroi-comico em hum só acto junto com: O BALÃO AOS HABITANTES DA LUA edição organizada e comentada por Alberto Pimenta
Descrição:

livro 1: Na Impressão Regia, Lisboa, 1819. In-8º de 47 págs. Encadernação inteira em pele com dizeres em rótulo vermelho na pasta.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

 

livro 2: Edições 70, Lisboa, 1978. In-8º de 91 págs. Br. Ilustrado com um retrato do autor.

 

Observações:

Livro 1: Obra onde o autor seguindo o exemplo do que Bocage fizera em 1794 com um poema a exaltar o aeronauta italiano Vicente Lunardi e seu balão aerostático,   Rodrigues da Costa, neste poema,  exalta  Robertson e o seu filho que, em Março daquele ano, em Lisboa, fizeram demonstração sobre os grandes avanços dos balões. O poema faz de Robertson o protagonista de sua viagem à Lua. É uma crónica rimada,onde com ironia e perspicácia denuncia os maus costumes de seu tempo. Ao fazer de Robertson um génio, que ao tentar  alcançar o Sol, esbarra na Lua, o autor faz uma alegoria em que mostra os Lulanos, moradores da Lua, extremamente parecidos com os lisboetas.

 

livro 2: Edição com comentários e prefácio muito exaustivo de Alberto Pimenta desta apreciada  e curiosa obra de Rodrigues da Costa onde ele  narra a visita de um homem, de um português, aos Lulanos, os habitantes da lua.

Preço:95,00€

Referência:12769
Autor:RODRIGUES, A. Gonçalves
Título:SOBRE A AUTORIA DAS "LETTRES PORTUGAISES" notas à margem de um artigo de crítica
Descrição:

Edição de autor, Coimbra, 1932. In-8º de 15 págs. Br. Separata da Revista BIBLOS, Vol. VIII, nº 5-8, Maio-Agosto de 1932. Valorizado pela dedicatória autógrafa.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Artigo muito interessante sobre a autoria do livro atribuido a Mariana Alcoforado.

Preço:14,00€

Referência:12927
Autor:RODRIGUES, Armindo
Título:A ESPERANÇA DESESPERADA poemas
Descrição:

Edição do autor, Coimbra, 1948. In-8º de 70-(1) págs. Br.Integrado na colecção do "Galo", dada a lume em Coimbra e cuja tiragem foi sempre muito restrita. Tiragem especial de 30 exemplares numerada, em papel de linho, com um poema autógrafo e um retrato do autor por Maria Keil.


PRIMEIRA EDIÇÃO.
RARO & PEÇA DE COLECÇÃO.

Observações:

RUMO

Ergue-se do fundo
do mundo em mim
tudo o que penso.
Pensar é ir
e o que sou
alegremente
o aceito e quero.

Ao pé do imenso
espanto de existir
o resto é zero.

Tudo procuro
sem crer em nada
definitivo,
com o motivo
exacto e duro
de tudo querer
compreender.

Pensar é ir.
Ir é ser.

Preço:60,00€

Referência:13020
Autor:SALVADO, António
Título:AUTORES NASCIDOS NO DISTRITO DE CASTELO BRANCO (Século XV a 1908)
Descrição:

Aríon Publicações, Lisboa, 2001. In-4º de 642 págs, Encadernação editorial com sobrecapa.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

 

Observações:

"Esta não é uma antologia sobre o distrito de Castelo Branco: um repositório da diversidade geográfica das suas terras, da pureza azul dos seus céus, das características das suas gentes, dos traços ancestrais da sua cultura. Mas tão somente uma colectânea de autores que oferecem em comum o facto de terem nascido no território que constitui o actual distrito de Castelo Branco e que decalca, quase na íntegra, os limites do espaço a que se chamou Beira Baixa.
Uma outra particularidade irmana os autores escolhidos ( e isto em perspectiva quase absoluta): a diáspora existencial Gente que viajou pelas sete partidas do mundo, longe viveu, amou, trabalhou, desenvolveu a vertente criadora. Realidade que, diga-se, se ramificou pelos mais diversos segmentos do pensamento e da acção: da pura criação literária à medicina, da filosofia à economia, da história à ascese, da política à linguística, da etnografia às crónicas de viagem, etc.
Em consequência a palavra "escritor" aparece aqui, e essencialmente, no vasto sentido de utilizador da palavra sem propósitos estéticos imediatos. Embora, e como se verá, os valores da literariedade ganhem relevo, nalguns casos, de forma tecida por invulgar originalidade."

 

Autores antologiados:

João Rodrigues de Castelo Branco, Frei Diogo de S.Miguel, Amato Lusitano, Frei Heitor Pinto, Padre Pedro da Fonseca, Padre António de Andrade, António Soares de Albergaria, Nicolau Agostinho, Frei Afonso da Cruz, Frei Manuel da Rocha, António Nunes Ribeiro Sanches, Domingos Nunes de Oliveira, Manuel Joaquim Henriques de Paiva, José da Cunha Taborda, José Silvestre Ribeiro, José Germano da Cunha, A.L. dos Santos Valente, José Nunes da Matta, Feio Terenas, João Franco, Luís Osório, Victor Cal, Manuel Borges Graínha, Alfredo da Cunha, Garibaldi Falcão, David Lopes, Francisco Pina Lopes, Cruz Andrade, Alberto Costa, Alberto de Gusmão Navarro, Celestino David, Faria de Vasconcelos, José Saraiva, Hipólito Raposo, Cunha Leal, Vieira de Almeida, Jaime Lopes Dias, António Cobeira, José Lopes Dias, Eduardo Malta, Alexandre de Aragão, D.Fernando de Almeida, Anunciação Parente, Manuel de Paiva Boléo, José de Oliveira Boléo, Herculano Rebordão, Firmino Crespo, Joaquim Angélico de Jesus Guerra e Reis Brasil.

Preço:31,00€

Referência:13457
Autor:SARAMAGO, José
Título:ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA
Descrição:

Editorial Caminho, Lisboa, 1995. In-8º de 310-(2) págs. Br.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Primeira edição de  um dos mais interessantes romances de José Saramago.

"Ao oferecer-se para ajudar o cego, o homem que depois roubou o carro não tinha em mira, nesse momento preciso, qualquer intenção malévola, muito pelo contrário, o que ele fez não foi mais que obedecer àqueles sentimentos de generosidade e altruísmo que são, como toda a gente sabe, duas das melhores características do género humano, podendo ser encontradas até em criminosos bem mais empernidos do que este, simples ladrãoezeco de automóveis sem esperança de avanço na carreira, explorado pelos verdadeiros donos do negócio, que esses é que se vão aproveitando das necessidades de quem é pobre."

Preço:15,00€

Referência:12775
Autor:SOLEDADE, Felix Joseph da
Título:AUTO DA VIDA DE ADÃOpay do genero humano, primeiro monarca do universo
Descrição:

Na typ. de Mathias José Marques da Silva, Lisboa, 1883. In-8º de 32 págs. Br. Capas de brochura com algumas falhas ligeiras de papel. Ilustrado ao longo do texto.
 

Observações:

Pequeno opúsculo atribuido a  José da Cunha Brochado, cujo objectivo era de moralizar pela mordacidade e pela crítica.

Preço:60,00€

Referência:12212
Autor:SOUSA, João de Saldanha Oliveira e (Marquês de Rio Maior)
Título:O MARQUÊS DE POMBAL ACUSADO E DEFENDIDO O Marquês de Pombal viveu e morreu católico. (Alguns documentos inéditos)
Descrição:

Edição de autor (Tipografia Inglesa), Lisboa,  1938. In-8º de 78-(2) págs. Br. valorizado por uma dedicatória autógrafa inscrita num cartão de visitas anexado ao livro.


 Tiragem restrita.

Observações:

Pequeno opúsculo onde o autor defende a tese de que o Marquês de Pombal "viveu e morreu católico" confirmando-a "com artigos inéditos existentes no (...)arquivo de família".

Preço:18,00€

Referência:12758
Autor:SOUSA, Maria Leonor Machado de
Título:A LITERATURA "NEGRA" OU DE TERROR EM PORTUGAL(séculos XVIII e XIX)
Descrição:

Editorial Novaera, Lisboa, 1978. In-8º de 469 págs. Br. Capa de Manuel Dias. Ilustrado ao longo do texto.
 

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Ensaio muito interessante e exaustivo sobre a literatura "negra" em Portugal.

A principal causa da escassez de romances góticos é a ausência de lendas nacionais, o que os nossos românticos lamentaram amargamente. Os castelos portugueses recordavam vitórias guerreiras dos primeiros tempos da nacionalidade e não casos amorosos.

Preço:18,00€

Referência:13561
Autor:SOYÉ, Luis Rafael
Título:NOITES JOZEPHINAS DE MIRTILO SOBRE A INFAUSTA MORTE DO SERENISSIMO SENHOR D. JOZE PRINCIPE DO BRAZIL edicadas ao consternado povo luzitano por
Descrição:

Na Regia Officina Typografia, Lisboa, 1790. In-8º de 248-(2) págs. Encadernação coeva da época inteira de carneira mosqueada com dizeres a ouro na lombada sobre rótulo de pele vermelha. Obra de grande apuro tipográfico magnificamente ilustrada com 16 gravuras de página inteira em extra texto, o frontispício gravado e decorado com figuras alegóricas e o retrato do autor e 12 vinhetas de meia página no começo de cada canto pelos melhores desenhadores e gravadores portugueses da época: Carneiro da Silva, Jerónimo de Barros, Soyé, Frois, João Tomás da Fonseca, Ventura da Silva, Lucius, Ramalho, entre outros. Cremos estar falho do retrato de D. José.

PRIMEIRA EDIÇÃO

MUITO RARA.

 

Observações:

Poema elegíaco sobre a morte de  D. José, príncipe do Brasil e duque de Bragança.

Inocêncio V, 316. “LUIS RAPHAEL SOYÉ, n. em Madrid a 15 de Abril de 1760, filho de paes estrangeiros, é certo que Soyé veiu para Lisboa trazido ainda na primeira infancia por seus paes, que em breve faleceram, correndo a sua educação, ao que posso julgar, por conta do morgado da Oliveira João de Saldanha Oliveira e Sousa, depois primeiro conde de Rio maior, que parece haver sido o seu protector durante muitos annos. Consta que aprendêra tambem as artes da pintura e gravura a buril, do que nos deixou documento em algumas estampas das suas Noites Josephinas Do seu tracto e amisade com Francisco Manuel existe a prova em uma ode que este lhe dirigiu, na qual se lhe mostra muito affeiçoado. Alguns versos que publicára nos annos de 1808 e seguintes em louvor de Napoleão, e que traduzidos em francez agradaram ao imperador, e foram por elle remunerados generosamente, fizeram que depois da restauração dos Bourbons o poeta ficasse malquisto, e vendo se então em pobreza e impedido de voltar para Portugal, como parece desejava, partiu para o Rio de Janeiro. - Alli conseguiu emfim que por elle se interessassem algumas pessoas influentes, e obteve a nomeação de Secretario da Academia das Bellas artes, logar que pouco tempo. Noites Josephinas de Myrtillo, Tem um frontispicio gravado a buril, os retratos do principe D. José e do auctor, e mais quatorze estampas havendo ainda no principio de cada um dos doze cantos, ou noutes (em quartetos hendecasyllabos rythmados) de que se compõe o poema, uma vinheta allusiva ao assumpto do canto: tudo executado pelos melhores gravadores nacionaes d'aquelle tempo. Posto que este poema elegiaco (o primeiro do seu genero que se imprimiu em Portugal) esteja mui longe de poder julgar se perfeito, não parece todavia tão mau como se esforçaram em fazer crer alguns emulos do auctor. Um d'estes, Manuel Rodrigues Maia, de quem tractarei em seu logar, levou o desejo de ridiculisal o ao ponto de compor á sua parte outro poema heroi comico em tres cantos de outava rythma, com o titulo Josephinada (do qual conservo uma copia manuscripta, e vi o autographo em poder do falecido F. de P. Ferreira da Costa) cujo assumpto é a publicação das Noites Josephinas tractada comicamente, e revestida de episodios satyricos, sem comtudo transcender os limites de uma critica litteraria. Conta se tambem com referencia ás Noites uma anecdota, que não é para ser omittida. Dizem que logo depois da publicação do poema, estando o poeta na loja de não sei qual livreiro onde o tinha posto á venda, entrára ahi um sujeito desconhecido, pedindo um exemplar que lhe foi para logo apresentado. Então o sujeito pediu tambem uma tesoura, e com ella foi cuidadosamente cortando as estampas e vinhetas da obra, as quaes depois de juntas embrulhou n'uma folha de papel. Isto feito, e tirando da bolsa os 1:200 réis, preço do volume, entregou os ao livreiro, dizendo lhe: «Eu pago só as estampas quanto ao livro, ahi fica: póde guardal o para mechas!» E sahiu, comprimentando polidamente as duas personagens, cujo desapontamento é facil de imaginar!”

 

Preço:185,00€

Referência:12745
Autor:TABORDA, João
Título:CALEIDOSCÓPIO
Descrição:

 Medi Bial, Lisboa, 1994. In-8º de 57-(3) págs. Br. Profusamente ilustrado com fotografias ao longo do texto.

INVULGAR.

Observações:

Curioso álbum de fotografias onde João Taborda como assistente graduado do Hospital Pulido Valente, deixa nesta obra escorrer, duma forma poética, toda aquela sensibilidade sempre revelada à cabeceira do doente, de Arte, fotografias e uma seleção de textos.

Textos de Fernando Namora, Julio Dinis, Bernardo Santareno e António Lobo Antunes, entre outros.

Preço:12,00€

Referência:12875
Autor:TORGA, Miguel
Título:CÂMARA ARDENTE - Poemas
Descrição:

Coimbra Editora, Coimbra, 1962. In. 8.º de 86-(1) págs. Brochado com rubrica de posse no ante-rosto.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:

Câmara Ardente

Serve-se no presente
Dum símbolo futuro…
Um frio prematuro
De mortalha
Coalha
A inspiração
Que animava o seu canto.
Não morreu. Mas enquanto
A vida lhe negar um novo sol,
Mais quente e mais fecundo,
Não vislumbra outra imagem
Da intima paisagem
Deste mundo…

 

Preço:40,00€

Referência:12265
Autor:TORRES, António Maria Pinheiro [dir.]
Título:BOLETIM DA CASA DE CAMILO - S. MIGUEL DE SEIDE Primeira série
Descrição:

Edição e Administração da Câmara Municipal de Famalicão, Porto, 1964-1966. Seis números de in-8º de 40-40-52-56-52-54 págs. Br. Profusamente ilustrado ao longo do texto. dIrecção artística e gráfica do pintor e Prof. Amândio Silva.

COLECÇÃO COMPLETA ( seis números: dois simples e quatro duplos.)

INVULGAR

Observações:

Publicação de grande importância, com estudos variados e muito interessantes, assinados pelos escritores que mais se evidenciaram no estudo da vida e obra de Camilo Castelo Branco, um dos mais importantes e populares romancistas do século XIX.

Preço:50,00€

Referência:12687
Autor:VASCONCELLOS, A. A. Teixeira de
Título:O PRATO DE ARROZ
Descrição:

Typ. do Commercio, Porto, 1862. In-8º de 249 págs. Encadernação meia francesa em pele com dizeres a ouro na lombada. Encadernação gasta.

 

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

PRIMEIRA EDICÃO deste célebre romance, de Teixeira de Vasconcelos que  é uma magistral reportagem sobre a revolução portuense de 1846, conhecida por a Patuleia, um dos períodos mais complexos e desconcertantes na História da cidade e do país. Misto de romance histórico  e de crónica de costumes com elementos realistas, já que gira em torno de "sucessos contemporâneos, estando vivos muitos dos que influíram neles, e ainda militantes os partidos políticos apreciados no livro", a obra distingue-se pelo seu valor documental. Este livro é representativo da fase de transição do romance histórico para o romance de atualidade.

Preço:30,00€

Referência:13383
Autor:VIANA, Abel
Título:PARA O CANCIONEIRO POPULAR ALGARVIO
Descrição:

Edição de Álvaro Pinto, Lisboa, 1956. In-8.º de 321-(2) págs. Br. Cadernos por abrir. Impresso em papel de gramagem superior. Separata da "Revista de Portugal".

Observações:

Este trabalho que  reúne 3167 quadras populares algarvias e  encontra-se organizado por temas: reino vegetal, reino animal, reino mineral, meteorologia, topónimos, corpo humano, diversos sentimentos, satíricas e jocosas, alimentação, trabalhos domésticos e agrícolas, dinheiro,entre muitos outros
A seguir a cada capítulo temático, aparecem as conclusões do autor, tiradas a partir daqueles conjuntos de textos. No final do Cancioneiro aparece uma nota, na qual se colocam os locais da recolha por ordem alfabética, seguindo-se, entre parênteses curvos, o concelho e o nome dos colaboradores do autor.

"Quando, em 1933, chegámos ao Algarve, não pudemos deixar de sentir vivamente o contraste, em todos os aspectos, entre aquela província e o Minho, […]. O gosto vinha desde aquele Dezembro de 1917, data da nossa primeira colocação como professor em uma aldeia do concelho de Ponte de Lima. […] Ocorre-nos registar a música e os versos, […]. Foi, para nós, preciosa revelação. Nunca mais, onde quer que estivéssemos, nos chocaram diferenças de costumes, nem de linguagem, nem de alimentação. Antes a diversidade nos proporcionou grato motivo para observação, para registo de novidades, passando-nos a interessar a maneira de ser peculiar a cada um dos meios onde as contingências da vida oficial nos forçaram a residir. O Algarve constituiu, pois, amplíssimo campo à nossa curiosidade."

Preço:48,00€

Referência:13604
Autor:VIEIRA, Padre António
Título:SERMOENS DO P. ANTONIO VIEYRA da Companhia de Jesu, Prègador de Sua Magestade, SEPTIMA PARTE
Descrição:

Na Officina de Miguel Deslandes, Lisboa, 1692. In-8º de VIII-558 págs. Encadernação coeva em pele com dizeres e florões a  ouro na lombada. . Alguns picos de acidez ao longo do texto. manchas marginais em algumas páginas. Ilustrado com vinhetas decorativas no início de cada sermão.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:

Sétima parte ou tomo da colecção completa em 15 volumes da primeira edição dos Sermões do Padre António Vieira (publicados separadamente) e que reunem as versões escritas de prédicas lançadas ao longo da vida do jesuíta, totalizando mais de 200 sermões no total, proferidos em Salvador, Lisboa, São Luís, Cabo Verde, Roma, entre outros lugares, e que cobrem as décadas de 1630 a 1690.

Este volume inclui, entre outros, o "Sermão do Santíssimo Sacramento"; "Sermão na madrugada da Ressurreição"; "Sermão do Mandato". Sobre os Sermões do Pe. António Vieira, Jacinto do Prado Coelho escreveu , no Dicionáro de Literatura, :"Os meados e segunda metade do séc. XVII são dominados pela figura do Pe. António Vieira, astro de tanto fulgor na oratória sacra portuguesa que levou a esquecer injustamente aqueles que o precederam ou se lhe seguiram (...). Vieira empolga pela veemência, pela força inezaurível duma imaginação no entanto subordinada aos esquemas mentais e retóricos, pelo maravilhoso sentido musical que faz do discurso uma sinfonia, e ainda pela riqueza lexical, mestre que foi da língua."

 Inocêncio I, 287. “P. ANTONIO VIEIRA, homem innegavelmente grande, e um dos maiores ingenhos que Portugal ha produzido, nasceu em Lisboa a 6 de Fevereiro de 1608, e foi baptisado na freguezia da Sé a 15 do dito mez. M. na cidade da Bahia de Todos os Sanctos, então capital dos estados da America portugueza, a 18 de Julho de 1697. O espirito de nacionalidade, que poderá ser diversamente qualificado, parecendo a uns caprichoso, e a outros plausivel, suscitou ha pouco uma notavel questão por parte de alguns brasileiros, que pretendiam desapossar Portugal da gloria de ter visto nascer este varão insigne, contestando a opinião commum e geralmente assentada dos biographos, que lhe deram Lisboa por seu primeiro berço. Descubriram se fundamentos mais ou menos procedentes, e buscaram se rasões especiosas, que podiam até certo ponto justificar a duvida, e cohonestar a pretenção. A collecção commummente havida por complete das obras de Vieira, consistindo em quatorze volumes de Sermões, dous das Vozes Saudosas, tres das Cartas, a Historia do Futuro, e Arte de Furtar custava pelo maximo de 12:000 a 14:400 réis; porém obtinha se as vezes por preços muito mais modicos, já pela coexistencia de volumes com algum defeito, ou encadernados desigualmente, já pela possibilidade de ir adquirindo os tomos pouco a pouco, até os reunir todos. É certo que este ultimo expediente era moroso em demasia, pois de mim posso dizer que empregando o, houve mister bons dez annos para completar a collecção citada, com os seus accessorios.”

Preço:200,00€

Referência:13239
Autor:VISCONDE DO MARCO
Título:CARTAS INÉDITAS DE CAMILO E DE D. ANA PLÁCIDO
Descrição:

Livraria Popular de Francisco Franco, Lisboa, 1933. In-8º de 157-(7) págs. Br. Ilustrado em extra-texto. Cadernos por abrir. Capas de brochura com leves picos de acidez. Edição numerada.

Observações:

Encerra os seguintes capítulos:  

Cartas de Camilo para o Dr. Adolfo Soares Carneiro; Cartas de Camilo para o Conselheiro Duarte Gusmão Nogueira Soares; Cartas de Camilo para Francisco de Paula da Silva Pereira; Cartas de Camilo para José Mendes de Carvalho; Cartas de Ana Plácido para Francisco de Paula da Silva Pereira; Cartas de Ana Plácido para o Conselheiro Duarte Gustavo Nogueira Soares; Correspondencia trocada entre Camilo, D. Ana Plácido e o Conselheiro Duarte Gustavo Nogueira Soares.

Preço:13,00€

Referência:12788
Autor:XAVIER, Francisco José da Serra
Título:CARTA A HUM AMIGO SOBRE O QUE NELLA SE CONTEM
Descrição:


na Regia Officina  Typografica, Lisboa, 1800. In-8º de 52 págs. Br. Alguns picos de acidez.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:


Carta a um amigo sobre o que n'ella se contém. E no fim: Lisboa, na Regia Offic. Typ. 1800. 8.° de 52 pag.—Vi um exemplar na livraria de Jesus, e outro em poder do sr. Figaniere. É anonyma, e dirigida ao dr. Domingos José Botado Galvão. N'ella toma o auctor a defesa da memória do arcebispo D. Rodrigo da Cunha, e da sua História Ecclesiastieo de Lisboa, contra o que a respeito de um e outra escreverá o chronista graciano Fr. Antônio da Purificação.

INNOCENCIO T.II

Preço:40,00€

Referência:13289
Autor:XENOFONTE; RIBEIRO,Aquilino
Título:A RETIRADA DOS DEZ MIL
Descrição:

Livraria Bertrand, 1938, Lisboa. In-8º de 351 p´gs. Encadernação em sintético com dizeres a ouro na lombada e nas pastas. Valorizado pela expressiva dedicatória autógrafa ao poeta José Osório de Oliveira. Ilustrado com um mapa. Sem capas de brochura.

Observações:

Primeira tradução para português do que pode ser considerado como um «antepassado distante» dos romances de cavalaria, o livrro foi traduzido por Aquilino Ribeiro que também o prefaciou. No prefácio , Aquilino  explica como é que entrou em contacto com Xenofonte,durante a  sua estadia em Paris, através de um obscuro monsieur Tournier.
"Aqui está como travei relações a fundo com Xenofonte, aristocrata, mas sempre civilista, homem de engenho e de armas, mestre na gineta e na cinegética, apaixonado pela ação e a aventura, e cultivando no seu retiro da Élida a lavoura e as letras"

A obra relata as atribulações do exército helénico em retirada, depois de terminadas as Guerras do Peloponeso. Terminada a expedição mercenária à Pérsia, para combater por Ciro, o Jovem, contra o seu irmão Artaxerxes II, e apesar de vitorioso, o exército bateu em retirada para o Interior da Grécia, depois de atraiçoado num simulacro de armistício, que causou a morte dos seus chefes.

Preço:30,00€
página 1 de 7