Banner Vista de Livro

Palavras chave | Key Words

Açores | África | Afrodite | Agricultura | Alemanha | Alentejo | Algarve | América | Angola | Anti-Clericalismo | Antigo Regime | Antologia | Antropologia | Aramaico | Arqueologia | Arquitectura | Arquitectura Militar | Arquitectura Religiosa | Arte | Arte Monumental | Arte Popular | Arte Portuguesa | Artes Decorativas | Artes Plásticas | Artesanato | Autógrafos | Aveiro | Azurara | Bacalhau | Barrancos | Beira | Bibliofilia | Bibliografia | Biografia | Botânica | Braga | Bragança | Brasil | Cabo Verde | Caça | Calão | Camiliana | Camões | Campo Maior | Canada | Caricaturas | Casa de Bragança | Castelo Branco | Castelo de Vide | Catálogo | Ceilão | Censura | Cervantes | Ceuta | Chaves | China | Ciências | Ciganos | Cinema | Coimbra | Colonização | Conto | Contos | Costumes | Cristãos Novos | Crítica | Crónica | Cuba | Culinária | D. Henrique | Dança | Descobrimentos | Descolonização | Dicionário | Diplomacia | Direito | Ditadura | Douro | Economia | Edição especial | Educação | Educação Sexual | Emigração | Ensaio | Ensino | Epístola | Epistolografia | Ericeira | Erotismo | Escultura | Esoterismo | Espanha | Estado Novo | Estanho | Estremoz | Estudos Pessoanos | Etnografia | Europa | Évora | Fauna | Feminismo | Fernando Pessoa | Figueira da Foz | Filologia | Filosofia | Flora | Folclore | Fotografia | França | Fundão | Galiza | Genealogia | Geografia | Gil Vicente | Goa | Grécia | Guerra | Guerra Colonial | Guerra Peninsular | Guiné | Hagiografia | Hebraico | História | História Natural | Humanismo | Idade Média | Igreja | Iluminura | Ilustração | Imprensa | In Memoriam | Índia | Inglaterra | Inquisição | Invasões Francesas | Itália | Japão | Jesuítas | Jogo de Cartas | Jornalismo | Judeus | Latim | Leiria | Linguagem | Linguística | Lisboa | Literatura | Literatura de Cordel | Literatura de Viagens | Literatura Infantil | Literatura portuguesa | Livro | Livros Proibidos | Macau | Maçonaria | Madeira | Malacologia | Manuel Macedo | Mariana Alcoforado | Marinha | Marquês de Pombal | Marrocos | Medicina | Memórias | Militar | Minho | Misericórdias | Missões | Mitologia | Moçambique | Modernismo | Monarquia | Muçulmanos | Música | Música Portuguesa | Neo-Realismo | Novela | Oriente | Ourivesaria | Patuleia | Pedagogia | Pesca | Pintura | Piratas | Poesia | Polémica | Polémicas | Polícia | Política | Porto | Portugal | Presença | Primeira Guerra Mundial | Primeiras edições | Propaganda | Prostituição | Queirosiana | Quintentista | Raro | Regional | Religião | Religiosa Portuguesa | Renascimento | República | Restauração | Revista | Ribatejo | Romance | Romanceiro | Romantismo | S. Tomé e Príncipe | Salazar | Santarém | Sátira | Sebastianismo | Segunda Guerra Mundial | Sermão | Sexualidade | Sociedade | Solares | Surrealismo | Tauromaquia | Tavira | Teatro | Tecnologia Tradicional | Teologia | Termas | Terminologia Militar | Timor | Tiragem Especial | Torres Vedras | Tradução | Trás-os-Montes | Tratado | Turismo | Ultramar | Universidade | Viagens | Viana do Castelo | Vila Nova de Gaia | Vinho | Viseu | Vista Alegre | Zoologia

Módulo background

Moçambique

Foram localizados 49 resultados para: Moçambique

 

Referência:13961
Autor:AGUIAR, Luiz
Título:LIVRO NEGRO DA DESCOLONIZAÇÃO
Descrição:

Editorial Intervenção, Lisboa/Braga, 1977. In-8º de 748 págs. Br.

INVULGAR

Observações:

Livro bastante polémico escrito por Luiz Aguiar onde ele analisa e documenta o processo  da descolonização portuguesa.

Da Introdução:
“ E na certeza de que constitui obrigação nacional mostrar, aos nossos irmãos do Ultramar, que o povo da antiga “Metrópole” não deve ser confundido com a minoria que deve ser responsabilizada pelo “incontestável sucesso”, como chamava ainda em 1976, à “Descolonização”, o Dr. Mário Soares, dedicamos este livro:

AOS VIVOS E MORTOS, NEGROS E BRANCOS,
VÍTIMAS DA “DESCOLONIZAÇÃO EXEMPLAR”.

Preço:30,00€

Referência:12239
Autor:autoria indefinida
Título:ESTATUTO POLÍTICO-ADMINISTRATIVO DA PROVÍNCIA DE MOCAMBIQUE
Descrição:

Agência Geral do Ultramar, Lisboa. 1963, In-8º de 39-(1) págs. Br. Ostenta um carimbo de biblioteca particular.

Observações:

Estatuto Político-Administrativo da Província de Moçambique, que, aprovado em 1963, consagrou em Moçambique o modelo colonial fundamentado na ideologia do Estado Novo.

Preço:10,00€

Referência:12585
Autor:AZEVEDO, J. Fraga de; MEDEIROS, Lídia do Carmo M. de; FARO, M. M. da Costa; XAVIER, M. de Lourdes; GÂNDARA, Álvaro Franco e MORAIS, Tito de
Título:OS MOLUSCOS DE ÁGUA DOCE DO ULTRAMAR PORTUGUÊS III- MOLUSCOS DE MOÇAMBIQUE
Descrição:

Junta de Investigações do Ultramar, Lisboa, 1961. In-8º de 394-(230) págs. Cartonagem editorial. Ilustrado com  63 figuras e mapas fora do texto e LXII estampas em separado representando a anatomia e as conchas dos moluscos.. Integrrado na colecção "Estudos, Ensaios e Documentos".  Edição bilingue.

Observações:

Importante monografia científica sobre os moluscos de Moçambique.

"O presente estudo baseia se na observacão dos exemplares colhidos durante as missões realizadas naquele território com vista à prospecção das bilharzioses, completando assim o que já foi referido em publicações anteriores sobre os moluscos de água doce de Moçambique."

Preço:35,00€

Referência:14011
Autor:BELLO, António Pedro de Bellegarde
Título:JOÃO BELLO E A NAÇÃO
Descrição:

Agência Geral do Ultramar, Lisboa, s/d. In-8º de 651 págs.Br. Ilustrado em extra-texto. Carimbo antigo de biblioteca privada preenchido a tinta no frotnspício. De resto, magnífico exemplar, quase novo.

 

Observações:

Biografia de João Bello, natural de Leiria (1876), militar da Armada Portuguesa e político que se notabilizou como militar e administrador colonial de Moçambique.

Preço:38,00€

Referência:12235
Autor:BOLÉO, Dr. Oliveira
Título:MOÇAMBIQUE Pequena Monografia
Descrição:

Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1961. In-4º de 166 págs. Br. Profusamente ilustrado.Primeira edição.

Observações:

Breve porém muito interessante monografia que versa sobre múltiplos aspectos: administrativos, etno-geográficos, urbanísticos, etc. – de Mocambique.

Preço:25,00€

Referência:12412
Autor:DURÃO, António
Título:CERCOS DE MOÇAMBIQUE DEFENDIDOS POR D. ESTÊVÃO DE ATAÍDE
Descrição:

Minerva Central Editora, Lourenço Marques, 1952. In-8º de 155 págs. Br. Edição conforme a edição original de 1633. Capa de brochura ilustrada com gravura da Ilha de Moçambique no códice de António Bocarro "Livro das Plantas de todas as Fortalezas do Estado da Índia Oriental, 1633.

Observações:

Da Apresentação pelos editores:

Obra qe é uma das mais preciosas peças da biblioteca moçambicana e mesmo de toda a bibliografia sobre os descobrimentos e conquistas portugueses. Para a história, é um documento inestimável, tratando-se, como se trata, de uma narrativa simples e clara, directa e objectiva, feita por um dos soldados que serviam às ordens do capitão--general D.Estêvão de Ataíde.
(...)Cercos de Moçambique escritos por António Durão é um livro geralmente ignorado, até mesmo por curiosos e estudiosos da nossa história. Que saibamos, dele não existe nas bibliotecas da Província, oficiais ou particulares, se não o exemplar da edição de 1633 que se acha no Arquivo Histórico de Moçambique. Por tudo, pois, nos pareceu que seria acto de justiça ao autor e de bom serviço ao crescente empenho que entre nós se verifica pelo estudo das coisas de Moçambique, proporcionarmos ao livro uma maior divulgação e ao público a possibilidade de conhecer a admirável história que António Durão nos conta. Daí, esta nova edição, que vai conforme o exemplar de 1633 pertencente ao Arquivo Histórico de Moçambique, apenascom a correcção de alguns evidentes erros tipográficos.

Preço:24,00€

Referência:12405
Autor:ENES, António
Título:MOÇAMBIQUERelatório apresentado ao governo
Descrição:

Imprensa Nacional, Lisboa, 1971. In-8º de 625-(2)págs. Br. 4ª edição fac-similada pela de 1946. Cadernos por abrir.

Observações:

Relatório sobre Moçambique apresentado ao governo por António Enes.
Excertos do livro:

"(…) a administração (…) e a opinião pública precisam de perder o medo do estrangeiro, o ciúme do estrangeiro, a antipatia ao estrangeiro, quando tiverem de deliberar acerca de Moçambique. O mais que se pode e deve fazer, à cautela, é diligenciar que (…) se estabeleçam estrangeiros de todas as raças e de todas as nacionalidades, e não de uma só, seja ela qual for."
"(…) A estabilidade é especialmente necessária. O comércio e a indústria não podem ter iniciativa afoita estando sujeitos a que o fisco altere o valor das mercadorias alterando os direitos pautais ou outros impostos que sobre elas incidem; onere hoje produtos ou lucros que ontem favorecia com isenções; faça variar largamente encargos que são factores importantes no cálculo das operações mercantis. Já seria um desafogo e uma segurança enormes tornarem-se inalteráveis os regimes tributários ao menos durante períodos certos..."

Preço:28,00€

Referência:13206
Autor:EVARISTO, Vitor
Título:MOÇAMBICANA - DESENHOS DE JOÃO AYRES
Descrição:

Tip. Minerva Central, Lourenço Marques, 1954. In-8º de 4 págs e 15 desenhos em folhas soltas de João Ayres encerradas numa capa-envelope. Valorizado pela dedicatória autógrafa dos editores ao poeta José Osório de Oliveira.

Invulgar.

Observações:

Curioso encarte com 15 desenhos de João Ayres  com introdução de Fernando Ferreira. 15 desenhos em separado de João Ayres. Integra a série de cadernos «Moçambicana» sobre temas e manifestações de cultura em Moçambique. A arte de João Ayres, nesta primeira fase foi muito marcada por temas locais e africanos, por temas da condição humana que  no contexto colonial ganhavam mais força. Influenciou quase todos os que, no pequeno meio citadino, queriam ser artistas.

Preço:32,00€

Referência:13205
Autor:EVARISTO, Vitor
Título:MOÇAMBICANA -ESCULTURA INDÍGENA NOS ARREDORES DE LOURENÇO MARQUES
Descrição:

Tip. Minerva Central, Lourenço Marques, 1956. In-8º de 14-(2) págs e 16 estampas encerradas numa capa-envelope. Valorizado pela dedicatória autógrafa do autor e editor ao poeta José Osório de Oliveira.

Invulgar.

Observações:

Curiosa  publicação pioneira sobre a arte popular do Save integrada nos Cadernos Moçambicana ("Recolha, estudo e divulgação de temas culturais de Moçambique").

"Grandes são as dificuldades que. inevitavelmente. surgem a quem se propõe abrir caminho no terreno quase virgem do imenso campo da arte negra. Entre nós, pelo menos. A literatura sobre o assunto é praticamente inexistente e, a confirmá-lo, algumas raras excepções surgem como árvores desgarradas na pequena flora do interesse pelas nossas coisas ultramarinas. Perderam-se o gosto e os alicerces duma literatura que os missionários iniciaram com finalidades de documentação e de estudo.

Algumas razões houve que justificam o nosso alheamento, durante muito tempo, pela escultura indígena que representa uma valiosa manifestação da cultura dos negros.

Este pequeno trabalho tem, como única ambição, a recolha de elementos de estudo da escultura indígena dos arredores de Lourenço Marques e satisfeito se dará o autor se com ele conseguir interessar quem quer que seja que se atreva a fazer o estudo que se impõe."

Preço:32,00€

Referência:12291
Autor:HONWANA, Luis Bernardo
Título:NÓS MATÁMOS O CÃO-TINHOSO 2ª edição revista
Descrição:

Afrontamento, Porto, 1972. In-8º de 145-(7) págs. Br.

Observações:

Nós Matámos o Cão-Tinhoso é um livro de sete contos publicado  pela primeira vez em 1964 ( sendo de  imediato apreendido pela PIDE) e considerado uma obra inaugural da moderna literatura moçambicana. Os contos incluídos no livro são “Nós Matámos o Cão-Tinhoso”, “Dina”, “Papa, Cobra, Eu”, “As Mãos dos Pretos”, "Inventário de Imóveis e Jacentes”, "A Velhota" e "Nhinguitimo".

Do prefácio

“Não sei se realmente sou escritor. Acho que apenas escrevo sobre coisas que, acontecendo à minha volta, se relacionem intimamente comigo ou traduzam factos que me pareçam decentes. Este livro de histórias é o testemunho em que tento retratar uma série de situações e procedimentos que talvez interesse conhecer. Chamo-me Luis Augusto Bernardo Manuel. O apelido Honwana não vem nos meus documentos. Sou filho de Raul Bernardo Manuel (Honwana) e de Nally Jeremias Nhaca. Ele intérprete da administração da Moamba e ela doméstica. Tenho oito irmãos.
As minhas primeiras histórias datam do início da antiga página literária juvenil do jornal «Notícias», o «Despertar». Todavia quase os contos que agora são publicados começaram a ser feitos anteriormente, quando ainda não dava tanta atenção ao que de vez em quando me dava para escrever. Foi numa altura em que, embora praticasse desportos muito intensamente, um grupo de jornalistas, pintores e poetas ajudou-me a ler uma quantidade de livros importantes, levou-me a ver filmes que tinham de ser vistos e emprestou-me algumas das suas preocupações. Entretanto estudei desenho e pintura durante algum tempo e participei com vários trabalhos em exposições de arte. Também escrevi coisas para filmes que não se fizeram e pertenci a uma equipa que começou a fazer um filme e desistiu antes do fim."

 

Preço:25,00€

Referência:13815
Autor:JARDIM, Jorge
Título:MOÇAMBIQUE - terra queimada
Descrição:

Editorial Intervenção, Lisboa, 1976. In-8º de 416-(54) págs. Br.

Observações:

NOTÍCIA SOBRE O AUTOR

Editar Jorge Jardim em Portugal e em pleno "processo revolucionário em curso" poderá ser acto de loucura para uns, ou acto de coragem para outros. Como editor responsável por esta obra, penso não ser nem uma coisa nem outra: será apenas um acto de intervenção democrática.

Publicar este livro tornou-se um imperativo. Inadiável. Urgente. Fundamental para a interpretação de um dos aspectos mais sinistros do "processo revolucionário": a descolonização "exemplar". A visão de centenas de milhares de refugiados de Angola e Moçambique vegetando numa sociedade metropolitana incapaz de os absorver, é demasiado degradante para que seja justo conhecer apenas a tese oficial ou "revolucionária". A consequência de dezenas de milhares de mortos, negros e brancos, portugueses, angolanos e moçambicanos, faz-nos perguntar baixinho, no recolhimento de uma auto-crítica inevitável, o porquê de tudo isto. O "porquê" e o "quem foi". Quem foi o responsável, é uma pergunta concreta para a qual a paz interior exige uma resposta concreta.

Jorge Jardim, ao escrever Moçambique-Terra Queimada, interfere no tribunal da História. Dramaticamente, fornece elementos para o tribunal dos homens.

Mas, para o grande público, quem é Jorge Jardim? Quem é este homem que foi apresentado à Opinião Pública como altamente perigoso? Em Junho de 1974, poderia ler-se na imprensa portuguesa que as Forças Armadas em Moçambique tinham recebido instruções para capturar ou abater o eng.° Jorge Jardim... Estas instruções haviam sido emitidas pelo general Costa Gomes.
Jardim, que chegou a ser denominado o "Lawrence de África", tem 56 anos e doze filhos. Natural de Lisboa, viveu 22 anos em Moçambique onde, aliás, nasceram seis dos seus filhos. Todos ali foram educados e aprenderam, como o pai, a "sentir e pensar Moçambique". Como moçambicanos.

Engenheiro agrónomo, soldado e diplomata, homem de negócios e agente secreto, caçador de feras e jornalista, piloto aviador e pára-quedista, chefe de família e aventureiro audacioso, político desconcertante e estratega sereno, Jorge Jardim conhece profundamente Moçambique e todo o contexto africano. Manteve relações com quase todos os chefes do governo da África Austral, sendo conhecidas a sua amizade com o Dr. Banda, Presidente do Malawi, e a sua intimidade com o Dr. Kaunda, Presidente da Zâmbia.

Figura lendária e controversa em todo o Ultramar, sobretudo a partir de 1961 com o eclodir da guerra de Angola, Jardim viu-se perseguido e obrigado a fugir de Portugal após o golpe militar de "25 de Abril". Fuga que, aliás, descreve em algumas das mais emocionantes páginas de Moçambique-Terra Queimada.

Colaborador íntimo de Salazar a quem admirava e de quem, talvez, tenha apreendido o culto da eficácia, o eng.° Jorge Jardim possuía, muitos meses antes da Revolução das Flores, um plano para a independência de Moçambique, plano que tinha o acordo da Zâmbia, do Malawi, da Tanzânia e da própria Frelimo. É este um dos aspectos mais sensacionais deste livro a demonstrar que "nunca tão poucos traíram tantos em tão pouco tempo". A demonstrar que esses poucos têm de ser julgados. Dramaticamente já.

Contudo, esta obra não revela apenas o plano, conhecido de alguns como o Programa de Lusaka, nem é somente uma colectânea de memórias. Vai mais longe para se tornar uma arma de combate em que descreve, documenta, analisa e denuncia os crimes cometidos dentro de um plano premeditado, cujos responsáveis aponta.

"Quero voltar ainda a Moçambique, para em Moçambique morrer. Pertenço àquela terra". Este é o grito do Autor, expresso nesta obra, mas é também o grito de muitos milhares de homens e mulheres que foram obrigados a fugir.

 

Preço:15,00€

Referência:11365
Autor:JARDIM, Jorge
Título:MOÇAMBIQUE TERRA QUEIMADA
Descrição:

Editorial Intervenção, Lisboa, 1976. In-8º de 416 págs. Br. Ostenta uma assinatura de posse.

Observações:

esta obra não revela apenas o plano, conhecido de alguns commo o Programa de Lusaka, nem é somente uma colectânea de memórias. Vai mais longe para se tornar uma arma de combate em que se descreve, documenta, analisa e denuncia os crimes cometidos dentro de um plano premeditado, cujos responsáveis aponta."

Preço:15,00€

Referência:13434
Autor:JÚNIOR, Rodrigues
Título:PARA UMA CULTURA AFRICANA DE EXPRESSÃO PORTUGUESA
Descrição:

Editora Pax, Braga, 1978. In-8º de 310-(2) págs. Br. Integrado  na "Colecção Autores Lusíadas". Valorizado pela extensa dedicatória autógrafa.

Observações:

Obra de um dos melhores conhecedores da sociedade indígena e europeia de Moçambique sobre a influência cultural portuguesa na sociedade africana desta antiga província ultramarina, abordando áreas como a poesia, o romance, o ensaio, o teatro e as artes plásticas.

Preço:18,00€

Referência:12414
Autor:LEITE, Bertha
Título:D. GONÇALO DA SILVEIRA
Descrição:

Agência Geral das Colónias, Lisboa, 1946. In-8.º de 429-(1) págs. Br. ILustrado ao longo do texto. Dedicatória autógrafa no ante-rosto. Bom estado de conservação.

Observações:

"D. Gonçalo da Silveira é o nome de um missionário português do século XVI que fêz parte da Companhia de Jesus e lutou nobremente contra tudo e contra todos que pretenderam toldar-lhe o mais belo sonho da humanidade em tôdas as eras: praticar o bem, amar o bem, elevar-se pelo bem."

Encerra os seguintes capítulos: Os pais, a infância e a família; A Companhia de Jesus e o Noviciado; A Pregação, a Côrte e as Infantas; A Infanta D. Maria; As Missões; A acção de D. Gonçalo da Silveira: D. Gonçalo da Silveira, Provincial do Oriente, a cooperação de D. Gonçalo da Silveira nas leis de Francisco Barreto, D. Gonçalo e os Judeus, Damão, Através da Índia; Inhambane; Monomotapa: de Moçambique até Sena, de Sena a Simbaoé, por Tete; Martírio e Morte; A Epopeia das Letras nas Letras da Epopeia Portuguesa.

Preço:40,00€

Referência:13859
Autor:LEMOS, Merícia de
Título:12 POEMAS
Descrição:

Imprensa Nacional Casa da Moeda, Lisboa, 1990. In. 4.º de 47 págs. Br. Edição integrada na colecção «Musarum Officia», de que se imprimiram apenas mil exemplares. Ilustrações em extra-texto de Cícero Dias.

Observações:

Posfácio de Maria de Lourdes Belchior.
Da poesia de Merícia de lemos, disse Jorge de Sena: "A sua poesia caracteriza-se por um tom directo muito lúcido e subtil, em que uma feminilidade franca e desenvolvida sabe encontrar uma intensidade nada romântica (...) para dizer numa linguagem que provém dos poetas do "Orpheu" e de uma cultura poética que pouco deverá ao lirismo exclusivamente masculino da "Presença" (...) as suas emoções e as suas mágoas de mulher, por uma forma que é das primeiras, depois de Irene Lisboa, a evitar o convencionalismo socio-sentimental da poesia "feminina" a que nem a grande Florbela pudera evitar."

Preço:18,00€

Referência:12845
Autor:LIMA, J. A. Pires de
Título:OS POVOS DO IMPÉRIO PORTUGUÊS Estudo Antropológico
Descrição:

Livraria Civilização, Porto, 1938. In-8º de 199 págs. Br. Capas de brochura com alguns picos de acidez.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:

Estudos morfológicos dos povos de Angola, Moçambique, Guiné e Timor.


 "Logo que organizei o Instituto de Anatomia da Faculdade de Medicina do Porto e que tomei a sua direção, pensei que era meu dever iniciar nesta cidade a investigação anatómica, na qual devia dar primazia a estudos de morfologia dos Portugueses, tanto da Metrópole como do nosso vasto império Ultramarino.  As raças que povoam as nossas Colónias estavam quási inteiramente por estudar, o que me parecia indecoroso para o nosso brio de povo culto."

Preço:24,00€

Referência:12260
Autor:LUPI, Eduardo
Título:ESCOLA DE MOUSINHO episódios de serviço - Moçambique, 1895-1910
Descrição:

Edição de autor, Lisboa, s.d. In-8º de 203-(3)págs. Br. Capa de brochura com alguns picos de acidez.

INVULGAR.

Observações:

Memórias do Administrador Distrital do Governo de Moçambique sobre a sua estadia em Moçambique.

Preço:15,00€

Referência:12622
Autor:MATOS, Correia de
Título:TERRA CONQUISTADA
Descrição:

Editorial Gleba, Lisboa s/d.- In- 8º de 366 págs. Encadernação meia francesa em pele com dizeres a ouro em rótulo de pele na lombada.  Conserva capas de brochura. Capa e vinhetas, de abertura e fecho dos capítulos, de autor não identificado. Aparo marginal.

Segunda edição.

Observações:

Obra que ganhou primeiro prémio do Concurso de Literatura Colonial de 1945.  Aborda a  vivência do autor em Moçambique, onde desempenhou o cargo de chefe dos serviços agrícolas de Inhambane, o romance  entrecruza as tradições locais com a acção colonizadora portuguesa, num discurso narrativo recheado de diversas expressões de Quelimane e da Zambézia, o que justificou a inclusão de um glossário, com dezenas de vocábulos, para permitir maior legibilidade de um texto que ocasionalmente se aproxima do registo etnográfico.

"A indumentária de Catuane, essa é que era realmente assombrosa. Fazia a inveja e a cobiça de quantos a admiravam. Botas de cano largo, até meio da perna, de solas ferradas; calções à Chantily, às riscas azuis e brancas, chapeadas de cabedal em figuras geométricas; espessas meias vermelhas de lã que chegavam aos joelhos, saindo dos canos das botas; uma blusa feita de retraços de pergamóide de diversas cores, unindo ao meio por um fecho éclair; além dum casacão enorme, tão felpudo que era inteiramente aceitável ter pertencido ao espólio de algum alpinista. Na cabeça, um grande chapéu à cow-boy, de alta copa e de aba larga revirada, com duas penas de galo espetadas no alto. Óculos preto e uma sombrinha de senhora completavam a carnavalesca indumentária. A atravessar o lóbulo de uma das orelhas uma caneta de tinta permanente."

Preço:18,00€

Referência:13816
Autor:MELIM, Fernando
Título:REQUIEM PARA OS HERÓIS
Descrição:

Edição do autor, Viana do Castelo, 1972. In-8º de 349 págs. Br. Profusamente ilustrado em extra-texto.

INVULGAR.

Observações:

Livro de memórias muito interessante dedicado aos Paraquedistas que combateram em Moçambique  durante a guerra colonial.

 

Preço:27,00€

Referência:13903
Autor:MORAES E CASTRO, Armando A. G. de; CARDOSO, A. Pereira
Título:UMA VIAGEM ATRAVÉS DAS COLÓNIAS PORTUGUESAS
Descrição:

Companhia Portuguesa Editora, Porto, 1926. In-8º de 240-(2) págs. Br. Capas de brochura empoeiradas. miolo amarelecido. Com uma pequena assinatura de posse.

INVULGAR

Observações:

Livro com prefácio do Almirante Ernesto de Vasconcelos que  é o relato de forma epistolar da viagem efectuada por Armando Moraes e António Cardoso pelas colónias portuguesas, no ano de 1926. Analisa as  colónias sob o ponto de vista físico, económico e político usando uma escrita tipica  de propaganda colonial.

Preço:19,00€

Referência:12395
Autor:NOGUEIRA, Rodrigo de Sá
Título:DICIONÁRIO RONGA-PORTUGUÊS
Descrição:

Junta de Investigações do Ultramar-Centro de Estudos Políticos e Sociais, Lisboa, 1960. In-8º de 643 págs. Encadernação editorial.

Observações:

Lingua Ronga - XiRonga, também referido como Ronga, ShiRonga ou GiRonga, é uma das línguas originárias da província e cidade de Maputo, em Moçambique. Faz parte do ramo Tswa-Ronga das línguas bantu. Tem cerca de 650 mil falantes em Moçambique e 90 mil na África do Sul. Alguns linguistas consideram que esta língua é uma forma ou dialecto da língua xiTsonga. Na actualidade a língua, que já foi a mais falada na capital do país, está ameaçada pela preponderância do português e do xangana. As autoridades locais têm vindo a tomar medidas para evitar a decadência deste idioma, tornando-a língua de ensino e de trabalho. Esta língua também é conhecida como landim pelos falantes de português, uma vez que os seus falantes se referem à sua língua como xilandi.

Preço:40,00€

Referência:12674
Autor:NORTE, Amália de Proença
Título:RAÇA ETERNA
Descrição:

Editorial Império, Lisboa, 1953. In-8º de 313-(10) págs. Br. Profusamente ilustrado ao longo do texto e em extra-texto. Capa de brochura com ligeira e insignificante falha de papel.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.
 

Observações:

Curioso livro de crónicas e conferências de teor propagandista sobre a importância da Raça Lusa. Aborda aspectos não só históricos como também sociais. A segunda parte do livro exalta os feitos portugueses em Angola e Moçambique.

"A raça -  a raça lusa que ainda hoje trabalha, canta e sofre na terra portuguesa."

 

Preço:20,00€

Referência:13226
Autor:PEREIRA, Albano da Silva
Título:ILHA DE MOÇAMBIQUE
Descrição:

Camera Escura, Coimbra, 1995. In-8º de 128 ágs. Encadernação editorial com sobrecapa. Profusamente ilustrado com fotos a preto e branco e a cores. Sobrecapa com leve mancha marginal.

Observações:

Catálogo da exposição realizada em 1995 que teve por base as fotografias  que Albano da Silva Pereira tirou na Ilha de Moçambique entre 1972-75 e Julho de 1995.

O livro tem um prefácio de Tereza Siza e um texto de José Forjaz.

Preço:30,00€

Referência:12417
Autor:SILVA, S. J. António
Título:MENTALIDADES MISSIOLÓGICA DOS JESUÍTAS EM MOÇAMBIQUE ANTES DE 1759 - Esboço ideológico a partir do núcleo decumental
Descrição:

Junta de Investigações do Ultramar, Lisboa, 1967. In-8º de dois volumes com 391 e 359 págs. respectivamente. Encadernação editorial com sobrecapa.

Observações:

O período de 1559 a 1759, a que a obra se circunscreve, apresenta mais ou menos a mesma mentalidade e maneira de agir e, pelo corte abrupto da actividade jesuítica nesta última data, pode justamente considerar-se um todo separado de outros períodos. A obra descreve a posição geográfica, que em parte foram os missionários os primeiros a dar a conhecer, a economia, os elementos artísticos e de relação cultural, a estrutura familiar, a organização social, as expressões religiosas, a concorrência muçulmana e a capacidade da gente da terra para a cristianização através das várias épocas de tentativas e de fracassos da acção missionária.

Preço:43,00€

Referência:13907
Autor:SOROMENHO, Castro
Título:HOMENS SEM CAMINHO
Descrição:

Livraria Portugália, Lisboa, s/d. In-8º de 240 págs. Br. Sem a sobrecapa editorial. Capa de brochura com alguns picos de acidez.

PRIMEIRA EDIÇÃO
INVULGAR

Observações:

Romance que tem como pano de fundo o conflito entre Lundas e Quiocos e que obteve o primeiro prémio no concurso promovido em 1942 pela Agência Geral do Ultramar. Tem também interesse pelo forte pendor etnográfico através de inúmeras descrições culturais, e de narradores que demonstram empatia pelas personagens africanas.

“Estava um homem, que fora um dos grandes da tribo, dado à morte para melhor viver na história do seu povo, pendurado numa árvore sagrada, a afrontar e a encher de pavor a sua gente, lá do outro lado da montanha, aos pés da aldeia onde se acoita, perdido num sono de ópio e de alcóol, o soba"

Preço:21,00€

Referência:13648
Autor:TRACEY, Hugh
Título:A MÚSICA CHOPE Gentes Afortunadas
Descrição:

Imprensa Nacional de Moçambique, Lourenço Marques, 1949. In-4º com  X-273-(30) págs. Br. Capas de brochuras com alguns picos de acidez. Edição de apurado cuidado gráfico profusamente ilustrada ao longo do texto com vinhetas decorativas e com fotografias em extra-texto. Separata do Documentário Trimestral Moçambique. Tradução de Maria Helena Barradas.

Observações:

Uma das obras mais importantes até hoje sobre canto e dança em Moçambique, onde o autor analisa "com minúcia a inventiva dos compositores, a sequência das danças, a acção das orquestras, a batuta dos maestros, a tonalidade dos instrumentos e até o seu fabrico. Há verdadeiros Guarniérios e Stradivários pretos, fabricantes de timbilas cuja fama se estende por dez léguas em derredor..."; "por este estudo etnológico, tão excelentemente levado a cabo, muito gratos lhe devemos ficar, nós, os portugueses, a quem cumpre completar o estudo da razão lógica do indígena da nossa África, através da sua linguagem; da sua vida afectiva, através do folclore; e da sua vida de acção, através da sua história".

Encerra os seguintes capítulos:
Cap. 1: Compositores
Cap. 2: Lírica – Justiça Poética
Cap. 3: Os dançarinos e as danças
Cap. 4: Músicos e maestros
Cap. 5: Músicos Chopes no Rand
Cap. 6: As timbilas, xilofones dos Chopes
Cap. 7: Fabrico de timbilas

 

Preço:50,00€

Referência:12489
Autor:XAVIER, Alfredo Caldas
Título:O MAJOR CALDAS XAVIER
Descrição:

Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1953. In-8º de 198-(8) págs. Br. Ilustrado em extra-texto.

RARO.

Observações:

Biografia do Major Caldas Xavier, que serviu o exército português em Moçambique, no final do século XIX, durante a  guerra com o vátua Gungunhana. Sobre o seu valor militar disse Mousinho de Albuquerque: “o mais ilustre de todos os oficiais que têm honrado o nome português em África, modelo de virtudes militares, de coragem e abnegação”

" Julgamos ser indíspensavel (...) proporcionar aos portugueses o cultivo das qualidades intelectuais e de carácter que predominaram em Caldas Xavier: a publicação da sua biografia, num livro onde se retratem a vida e os tempos desse notável obreiro do Império."

Preço:19,00€
página 1 de 2