Banner Vista de Livro

Palavras chave | Key Words

Açores | África | Afrodite | Agricultura | Alemanha | Alentejo | Algarve | América | Anais | Angola | Anti-Clericalismo | Antologia | Aramaico | Arqueologia | Arquitectura | Arquitectura Militar | Arquitectura Religiosa | Arte | Arte Monumental | Arte Popular | Arte Portuguesa | Artes Decorativas | Artes Plásticas | Artesanato | Autógrafos | Aveiro | Azurara | Barrancos | Beira | Bibliofilia | Bibliografia | Biografia | Botânica | Braga | Bragança | Brasil | Cabo Verde | Caça | Calão | Camiliana | Camilo | Camões | Campo Maior | Caricaturas | Casa de Bragança | Castelo Branco | Castelo de Vide | Catálogo | Ceilão | Censura | Cerâmica | Cervantes | Ceuta | Chaves | China | Ciências | Ciganos | Cister | Coimbra | Colonização | Conto | Contos | Costumes | Cristãos Novos | Crítica | Crónica | Culinária | D. Henrique | Dança | Descobrimentos | Descolonização | Diário | Dicionário | Diplomacia | Direito | Ditadura | Douro | Economia | Edição especial | Educação | Educação Sexual | Emigração | Ensaio | Epístola | Epistolografia | Ericeira | Erotismo | Escultura | Esoterismo | Espanha | Estado Novo | Estanho | Estremoz | Etnografia | Europa | Fado | Fauna | Fernando Pessoa | Figueira da Foz | Filologia | Filosofia | Flora | Folclore | Fotografia | França | Galiza | Genealogia | Geografia | Goa | Grécia | Guerra | Guerra Peninsular | Guiné | Hagiografia | Hebraico | História | História Natural | Idade Média | Igreja | Iluminura | Ilustração | Imprensa | In Memoriam | Índia | Inglaterra | Inquisição | Invasões Francesas | Islão | Itália | Japão | Jesuítas | Jogo de Cartas | Jornalismo | Judeus | Latim | Leiria | Liberalismo | Linguagem | Linguística | Lisboa | Literatura | Literatura de Cordel | Literatura de Viagens | Literatura Infantil | Literatura portuguesa | Livro | Macau | Maçonaria | Madeira | Malacologia | Mariana Alcoforado | Marinha | Marquês de Pombal | Marrocos | Medicina | medieval | Memórias | Minho | Misericórdias | Missões | Mitologia | Moçambique | Moda | Modernismo | Monarquia | Monarquia Constitucional | Muçulmanos | Música | Música Portuguesa | Neo-Realismo | Novela | Novelas | Ordem Monástica | Oriente | Ourivesaria | Pesca | Pintura | Piratas | Poesia | Poesia Trovadoresca | Polémica | Polícia | Política | Porto | Portugal | Presença | Primeira Guerra Mundial | Primeiras edições | Propaganda | Prostituição | Queirosiana | Quintentista | Rafael Bordalo Pinheiro | Raro | Regional | Religião | Religiosa Portuguesa | Renascimento | República | Restauração | Revista | Romance | Romanceiro | Romantismo | S. Tomé e Príncipe | Salazar | Sátira | Sebastianismo | Segunda Guerra Mundial | Sermão | Sexualidade | Sintra | Sociedade | Solares | Tauromaquia | Tavira | Teatro | Tecnologia Tradicional | Teologia | Termas | Terminologia Militar | Timor | Tipografia | Tiragem Especial | Torres Vedras | Tradução | Trás-os-Montes | Tratado | Turismo | Ultramar | Viagens | Vila Real | Vinho | Viseu | Vista Alegre | Zoologia

Módulo background

Oriente

Foram localizados 12 resultados para: Oriente

 

Referência:12406
Autor:BARREIROS, Leopoldo Danilo,
Título:A PAIXÃO CHINESADE WENCESLAU DE MORAES
Descrição:

Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1955. In-8º de 86 págs. Br. Ilustrado em extra-texto com fac-similes de correspondência e com fotografias.

Observações:

Obra que é uma excelente abordagem da vida privada e particular de Moraes pela compilação da troca de correspondência que o autor efectuou com João de Sousa Moraes, filho do autor, durante a década de 1940.

Através desta obra entramos em contacto estreito com Camilo Pessanha, José Vicente Jorge, Sun Yat-Sen, Lou-Kau, Lou-LimIok, Zeng Guanying, entre muitas outras figuras ligadas à história da vida social de Macau.

Preço:18,00€

Referência:12576
Autor:BOXER. (Charles Ralph); VASCONCELOS ,Frazão de
Título:O IMPÉRIO COLONIAL PORTUGUÊS (1415-1825)
Descrição:

Edições 70, Lisboa, 1981. In-8º de 406 págs. Br. Ilustrado em extra-texto com gravuras e mapas desdobráveis em extra-texto. Obra inicialmente publicada em 1969 com o título original de 'The Portuguese Seaborn Empire".
 

Observações:

Obra imprescindível na história da expansão portuguesa e é reconhecido por muitos especialistas como a mais importante investigação feita por um historiador estrangeiro  sobre a época áurea dos Descobrimentos. Charles Ralph Boxer, o autor, professor de  Estudos Camonianos e de Português no King ́s  College, em Londres e publicou várias obras sobre  Portugal, especialmente sobre os feitos dos  portugueses na China e no Japão nos séculos XVI e XVI.

ÍNDICE

 

Vicissitudes do império:
ouro da Guiné e o Prestes João; a navegação e as especiarias nos mares da Ásia; os convertidos e o clero na Ásia das monções; escravos e o açúcar no Atlântico Sul; luta global com os holandeses; estagnação e contração no Oriente; renascimento e expansão no Ocidente; a ditadura pombalina e as suas consequências.

Características do império:
as frotas da Índia e as frotas do Brasil; o padroado da coroa e as missões católicas; «pureza de sangue» e »raças inferiores»; conselheiros municipais e irmãos de caridade; soldados colonos e vagabundos; mercadores monopolistas e contrabandistas; os «cafres da Europa», o Renascimento e o Iluminismo; Sebastianismo, Messianismo e Nacionalismo.

Preço:20,00€

Referência:12574
Autor:BOXER. (Charles Ralph); VASCONCELOS ,Frazão de
Título:ANDRÉ FURTADO DE MENDONÇA
Descrição:

Fundação Oriente e Museu e Centro de Estudos Marítimos de Macau, Lisboa e Macau, 1989. In-8º de 195 págs. Br. Reedição facsimilada. Ilustrado em extra-texto.

 

Observações:

Nesta biografia do Capitão André Furtado de Mendonça, a conjugação dos esforços de dois dos mais conceituados historiadores da História da Expansão Portuguesa permitiu a realização de um trabalho como há poucos no seu género, que corresponde ao tratamento da figura de um militar português que se distinguiu pelas suas acções no Oriente entre os finais do sec. XVI e os inícios do sec. XVII.
Através de uma cuidadosa apreciação crítica da documentação tirada dos arquivos e das crónicas, de maneira a podermos ver, podemos ver uma figura que se salientou no seu tempo pela capacidade de liderança em situações difíceis.
 

Preço:15,00€

Referência:12573
Autor:BOXER. (Charles Ralph); VASCONCELOS ,Frazão de
Título:ANDRÉ FURTADO DE MENDONÇA 1558-1610 por
Descrição:

Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1955. In-8º de 195 págs. Br. Ilustrado ao longo do texto. Capas de brochura com alguns picos de acidez.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Nesta biografia do Capitão André Furtado de Mendonça, a conjugação dos esforços de dois dos mais conceituados historiadores da História da Expansão Portuguesa permitiu a realização de um trabalho como há poucos no seu género, que corresponde ao tratamento da figura de um militar português que se distinguiu pelas suas acções no Oriente entre os finais do sec. XVI e os inícios do sec. XVII.
Através de uma cuidadosa apreciação crítica da documentação tirada dos arquivos e das crónicas, de maneira a podermos ver, podemos ver uma figura que se salientou no seu tempo pela capacidade de liderança em situações difíceis.
É por isso uma obra de consulta imprescindível.

Preço:25,00€

Referência:12586
Autor:INSO, Jaime do
Título:CHINA
Descrição:

Edições Europa, Lisboa, 1936. In-4º de 396 págs. Belíssima encadernação editorial, decorada a ouro e lavrada a ferros secos nas pastas e lombada.  Livro  impresso em papel couché, primorosamente ilustrado a negro nas páginas de texto e algumas gravuras a cores aplicadas em folhas de cartolina e protegidas por papel vegetal.

INVULGAR.

Observações:

Jaime do Inso foi um oficial da marinha Portuguesa que serviu em Macau e participou na pacificação de Timor em 1912. Era membro da geração de orientalistas portugueses juntamente com nomes como Wenceslau de Moraes, Alberto Osório de Castro e Camilo Pessanha, e escreveu vários livros e opúsculos sobre a China e Macau.

Os seus livros são uma referência para o conhecimento da presença portuguesa no Oriente pois era um verdadeiro apaixonado por Macau e pela China.

 

Do índice:

Introdução — Abordando as terras de Catai; Primeira Parte — A China Antiga; Segunda Parte — A China Moderna; Terceira Parte — Macau, Jóia do Oriente.

“A China absorve-nos, narcotiza-nos, prende e domina, como regra geral, o nosso espírito, invade tudo, o raciocínio e o sentimento, como uma teia invisível que aperta, pouco a pouco, insensivelmente, que nos sufoca, esgota e cansa!
A China é traiçoeira e calma, insinua-se quanto mais se aborrece, deseja-se quando se odeia, aspira-se como uma necessidade, a China, que quase até nos mata!
A China é como uma feiticeira que tem sortilégios, é a cartomante terrível que parece escrever o nosso destino com letras invisíveis: há no seu ambiente um sopro de agoiro, uma agonia, uma tristeza, uma tortura, que se recebem sem custo e com prazer, como uma necessidade fatal da nossa existência.
A China é o mistério que ri e que dança na frente de nós, numa volúpia dolorosa do espírito duende, a China é a mensageira do desconhecido que perturba, enerva, envenena e vence.
A China é tudo isso e muito mais ainda que a minha pena não sabe descrever, a China não se define, só se respira e sente, como um veneno imprescindível a quem uma vez o provou.”

Preço:95,00€

Referência:13080
Autor:LEITE, António Filomeno Lourenço de Sousa
Título:VISEENSES NA EPOPEIA DO ORIENTE
Descrição:

Revista "Beira-Alta", Viseu, 1967. In-8.º de X-9-(2) págs. Br. Separata da Revista "Beira-Alta"

Observações:

Interessante estudo histórico em que são analisadas a ascendência e ligações familiares de diversos viseenses e as obras e serviços que realizaram nas províncias ultramarinas do Oriente.

Preço:12,00€

Referência:12407
Autor:MARTINS, Bastos
Título:TEMPO DE FALAR - DIÁRIO DA INVASÃO A GOA
Descrição:

Edição do autor, s/l, 1961. In-8.º de 90 págs. Br. Edição a stencil.

Obra RARA e polémica.

Observações:

Depoimento de alguém que  viveu a queda de Goa e esteve quase um mês a bordo de um navio que acabaria por levá-lo, a ele e a mais compatriotas portugueses, até Karachi.

"(...) Recordo os dias que acabo de viver.

Os goeses andavam perplexos por não terem uma directiva do Governador-Geral acerca do que deveriam fazer quando a invasão começasse. Directiva única: “Ficaremos aqui, mesmo debaixo da terra”.

É inútil comentar esta directiva balofa e inútil, que cheira a jantares de homenagem e a discursos de velhotes numa academia de história.

Que instruções receberam os goeses acerca do que deveriam fazer para defender as suas terras, os seus lares, os seus bens?

Nenhumas. Não vale a pena sofismar, a resposta é só uma: nenhumas.

Queriam instruções – deram-lhes discursos. Se os indianos invadissem, que fazer? Fugir? Atirar-lhes pedras? Fazer-lhes os discursos que já sabiam de cor? Cruzar os braços? ...

A verdade é que Sua Excelência esqueceu o povo que tanto lhe serviu para comoventes discursos. Sua Excelência não mandou organizar a tempo a Defesa Civil do Território. Sua Excelência a ninguém deu instruções. Sua Excelência limitou-se a ser Sua Excelência.(...)"

Preço:85,00€

Referência:12346
Autor:PINTO, Dr. Américo Cortez
Título:TALANT DE BIEN FAIRE
Descrição:

Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1955. In-8º de 373 págs. Br. Capa de brochura ilustrada. Exemplar com ligeiros picos de acidez. Ilustrado em extra-texto. Obra em português, até à página 159, seguida de resumos em francês e em inglês.

Observações:

Entre outros assuntos trata de:
"O Talant de Bien Faire e o sentido português da palavra "Conquista."
"O ensino das Letras, Artes e Ofícios e a elevação social dos povos das descobertas."
"O ensino na Índia."
"A instrução portuguesa na Corte do Grão Mogol."
"Rosário de Colégios."
"As primeiras gramáticas do Oriente e para o Oriente."
"Intercâmbio cultural e integração dos costumes religiosos."
A introdução da tipografia no ensino dos povos das descobertas."
"Preparação do clima espiritual em que se desenvolvia a política da inteligência."

Preço:22,00€