Banner Vista de Livro

Palavras chave | Key Words

Açores | África | Afrodite | Agricultura | Alemanha | Alentejo | Algarve | América | Anais | Angola | Anti-Clericalismo | Antologia | Aramaico | Arqueologia | Arquitectura | Arquitectura Militar | Arquitectura Religiosa | Arte | Arte Monumental | Arte Popular | Arte Portuguesa | Artes Decorativas | Artes Plásticas | Artesanato | Autógrafos | Aveiro | Azurara | Barrancos | Beira | Bibliofilia | Bibliografia | Biografia | Botânica | Braga | Bragança | Brasil | Cabo Verde | Caça | Calão | Camiliana | Camilo | Camões | Campo Maior | Caricaturas | Casa de Bragança | Castelo Branco | Castelo de Vide | Catálogo | Ceilão | Censura | Cerâmica | Cervantes | Ceuta | Chaves | China | Ciências | Ciganos | Cister | Coimbra | Colonização | Conto | Contos | Costumes | Cristãos Novos | Crítica | Crónica | Culinária | D. Henrique | Dança | Descobrimentos | Descolonização | Diário | Dicionário | Diplomacia | Direito | Ditadura | Douro | Economia | Edição especial | Educação | Educação Sexual | Emigração | Ensaio | Epístola | Epistolografia | Ericeira | Erotismo | Escultura | Esoterismo | Espanha | Estado Novo | Estanho | Estremoz | Etnografia | Europa | Fado | Fauna | Fernando Pessoa | Figueira da Foz | Filologia | Filosofia | Flora | Folclore | Fotografia | França | Galiza | Genealogia | Geografia | Goa | Grécia | Guerra | Guerra Peninsular | Guiné | Hagiografia | Hebraico | História | História Natural | Idade Média | Igreja | Iluminura | Ilustração | Imprensa | In Memoriam | Índia | Inglaterra | Inquisição | Invasões Francesas | Islão | Itália | Japão | Jesuítas | Jogo de Cartas | Jornalismo | Judeus | Latim | Leiria | Liberalismo | Linguagem | Linguística | Lisboa | Literatura | Literatura de Cordel | Literatura de Viagens | Literatura Infantil | Literatura portuguesa | Livro | Macau | Maçonaria | Madeira | Malacologia | Mariana Alcoforado | Marinha | Marquês de Pombal | Marrocos | Medicina | medieval | Memórias | Minho | Misericórdias | Missões | Mitologia | Moçambique | Moda | Modernismo | Monarquia | Monarquia Constitucional | Muçulmanos | Música | Música Portuguesa | Neo-Realismo | Novela | Novelas | Ordem Monástica | Oriente | Ourivesaria | Pesca | Pintura | Piratas | Poesia | Poesia Trovadoresca | Polémica | Polícia | Política | Porto | Portugal | Presença | Primeira Guerra Mundial | Primeiras edições | Propaganda | Prostituição | Queirosiana | Quintentista | Rafael Bordalo Pinheiro | Raro | Regional | Religião | Religiosa Portuguesa | Renascimento | República | Restauração | Revista | Romance | Romanceiro | Romantismo | S. Tomé e Príncipe | Salazar | Sátira | Sebastianismo | Segunda Guerra Mundial | Sermão | Sexualidade | Sintra | Sociedade | Solares | Tauromaquia | Tavira | Teatro | Tecnologia Tradicional | Teologia | Termas | Terminologia Militar | Timor | Tipografia | Tiragem Especial | Torres Vedras | Tradução | Trás-os-Montes | Tratado | Turismo | Ultramar | Viagens | Vila Real | Vinho | Viseu | Vista Alegre | Zoologia

Módulo background

Poesia

Foram localizados 201 resultados para: Poesia

 

Referência:12597
Autor:A. B. de C
Título:FILENAIDA poema erotico que à sua Filena dedica e consagra
Descrição:

Imprensa da Universidade, Coimbra, 1822. In-8º de 80 págs. Encadernação meia francesa com dizeres a ouro na lombada. Impressão cuidada em papel encorpado. Pequeno restauro no canto superior direito e rubrica de posse não coeva no frontspício

PRIMEIRA EDIÇÃO.

MUITO RARO.

Observações:

Livro com um longo poema heróico-erótico supostamente escrito por António Bernardino de Carvalho, enquanto estudante de Direito na Universidade de Coimbra, o poema é fortemente influênciado pelo Arcadismo.

António Bernardino de Carvalho, nascido em Março de 1802, formou-se em Direito pela Universidade de Coimbra, dedicou- também às letras, escrevendo em prosa e em verso.

Alberto Pimentel no seu POEMAS HEROI-CÓMICOS diz o seguinte:

"... Não sei se será herói-cómico ou não. Ainda o não encontrei. Os livreiros de Coimbra não me puderam dar notícia dele. Nem a Biblioteca da Universidade o possui ..."  

Preço:200,00€

Referência:13027
Autor:ALBUQUERQUE, Luís da Silva Mousinho de
Título:RUY O ESCUDEIRO. Conto
Descrição:

Typographia. da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Úteis, Lisboa, 1844. In-8º de 112 págs. Encadernação meia francesa em pele com dizeres e florões em pele. Edição muito cuidada, impressa em papel de qualidade superior, ornado com desenhos de inspiração celta no texto, vinhetas e capitulares. CONSERVA CAPA DE BROCHURA anterior.

 

Observações:

 "Uma das mais curiosas obras do romantismo em Portugal" segundo Albino Forjaz de Sampaio, é  um longo poema em seis cantos ao gosto romântico,

"O manuscripto original do presente Poema foi dadiva generosa de seu illustre Auctor, feita á Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Uteis, que desejando corresponder a tão obsequioso offerecimento empenhou os recursos artisticos, de que podia dispor, para que a edição fosse primorosa, e provasse o adiantamento da gravura em madeira e da typographia em Portugal nestes ultimos annos."

Inocêncio, V, 324
Luís da Silva Mousinho de Albuquerque (1792-1846). Militar e estadista português. Atingiu o posto de coronel (de Engenharia). "Fez parte de vários ministérios e desempenhou papel de relevo nas disputas políticas do seu tempo - combatendo, designadamente, no Cerco do Porto, do lado dos liberais. Notabilizou-se também como docente na área das ciências, sendo autor de um Curso Elementar de Física e Química. Foi ainda autor de vários livros de poesia.

Preço:75,00€

Referência:5634
Autor:ALEGRE, Manuel
Título:O CANTO E AS ARMAS
Descrição:

Edição do autor, Porto, 1967. In-8.º de 150-(1) págs. Br. Inserido na colecção "Nova Realidade". Capa de brochura realizada a partir de foto de Eduardo Gageiro. Sobrecapa acidificada com falta de papel na parte superior da lombada perturbando a mancha tipográfica.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

PRIMEIRA EDIÇÃO da segunda obra de MANUEL ALEGRE, onde se acentua a propensão ideológica e de poesia de combate, acrescentando-se a temática do exílio que será constante ao longo de toda a sua obra.

 

Letra para um hino

É possível falar sem um nó na garganta
É possível amar sem que venham proibir
É possível correr sem que seja fugir.
Se tens vontade de cantar não tenhas medo: canta.


É possível andar sem olhar para o chão
É possível viver sem que seja de rastos.
Os teus olhos nasceram para olhar os astros
Se te apetece dizer não grita comigo: não.

o canto e as armas É possível viver de outro modo.
É possível transformares em arma a tua mão.
É possível o amor. É possível o pão.
É possível viver de pé.

Não te deixes murchar. Não deixes que te domem.
É possível viver sem fingir que se vive.
É possível ser homem.
É possível ser livre livre livre

Preço:45,00€

Referência:13583
Autor:ALMEIDA, Nicolau Tolentino de
Título:OBRAS COMPLETAS de Nicolau Tolentino de Almeida
Descrição:

Estúdios Cor, Lisboa, 1968. In-4º de XII-384 págs. Profusamente ilustrado ao longo do texto com ilustrações de  Nogueira da Silva. Encadernação artística em Chagrin verde assinada por Frederico d'Almeida, com dizeres a ouro na lombada e fillet floreado nas nervuras da lombada e a emoldurar as pastas.  Corte das folhas brunido a ouro fino. Exemplar duma tiragem restrita de 1000 exemplares sendo este o nº 550.

Observações:

Terceira edição das obras de Nicolau TolenSegue o modelo do volume publicado em 1861 por José Torres e o grafismo de Nogueira da Silva . Tem um prefácio de Alexandre O'Neill , "Uma Arte do Pormenor ou um Preâmbulo para Desatentos":
 "[Tolentino] soube preservar, no meio das insignificâncias dum quotidiano sem relevo, uma visão implacável e irónica da sociedade do seu tempo. Objectar-se-á que ele fez uma crítica movida de cima para baixo, uma crítica de galarim para a plateia, mas Honoré (de) Balzac – e abstraímos da salvação das devidas proporções – que teria feito? Se o ponto de vista donde a visão procede é importante, a objectividade da visão não o é menos."

 

Apreciada obra do poeta Nicolau Tolentino De Almeida sendo a 1.ª edição de 1801 e a  2.ª edição de 1861.

Preço:65,00€

Referência:13581
Autor:ALMEIDA, Nicolau Tolentino de
Título:OBRAS POÉTICAS DE ...tomo I e II
Descrição:

LISBOA, NA REGIA OFFICINA TYPOGRAFICA. ANNO M.DCCCI. In 8º de 2 volumes com 231 - (1) e 222 - (1) respectivamente. Encadernação da época em carneira mosqueada, com rótulos vermelhos e dourados de execução recente na lombada. papel mantendo a sonoridade original, muito saudável, na obstante de apresentar uma mancha de humidade marginal nas últimas paginas do primeiro volume.

PRIMEIRA EDIÇÃO

Observações:

Referido pelo poeta O’Neill, no prefácio a «Uma Arte do Pormenor ou um Preâmbulo para Desatentos»: "...[Tolentino] soube preservar, no meio das insignificâncias dum quotidiano sem relevo, uma visão implacável e irónica da sociedade do seu tempo. Objectar-se-á que ele fez uma crítica movida de cima para baixo, uma crítica de galarim para a plateia, mas Honoré (de) Balzac – e abstraímos da salvação das devidas proporções – que teria feito? Se o ponto de vista donde a visão procede é importante, a objectividade da visão não o é menos..."

O escritor e editor Paulo da Costa Domingos nos diz ainda sobre este poeta:
"...Poeta da transição de século, do XVIII para o XIX. A presente edição surgiu ainda em vida, dado ele haver falecido apenas em 1811; edição a expensas do Estado, que, na altura, e apesar da feroz vigilância sobre os costumes, permitiu que se desse à estampa requintes sátiros como o do seguinte exemplo entre muitos:

«Em fege eftreita entaipados, Sol á ilharga, Sol por cima, Vinha eu, e o Padre Lima Cheios de pó, e encalmados. Eis-que na eftrada atacados, Párão as mulas baratas; Cuidei eu que erão Piratas, Que tirão vida, e dinheiro, Fui ver fe era o Clavineiro, E achei duas Açafatas.

Trazião a arma mais dura, Que nos peitos fe tem pofto, Trazião ambas no rofto O refpeito, e a formozura. Querem fege mais fegura, Porque a fua eftá quebrada; E em quanto o Padre na eftrada Lhe diz palavras pompozas, As minhas mãos refpeitozas Lhe affoufavão a almofada. [...]»

EDIÇÃO ORIGINAL deste célebre e muito apreciado livro de poesias satíricas.

Preço:125,00€

Referência:13580
Autor:ALMEIDA, Nicolau Tolentino de
Título:OBRAS COMPLETAS DE NICOLAU TOLENTINO DE ALMEIDA illustradas por Nogueira da Silva Com alguns inéditos e um ensaio biographico-critico por José Torres
Descrição:

Editores - Castro, Irmão & Cª. Lisboa. In-4º de 388-II-LXXXVI-X págs. Encadernação meia inglesa em pele com dizeres e florões a ouro na lombada. Profusamente ilustrado ao longo do texto e em extra-texto com excelentes ilustrações vinhetas caricaturais abertas em madeira por Nogueira da Silva, desenhador-gravador, que foi o pioneiro da introdução desta técnica em Portugal. Conserva capas de brochura.

PRIMEIRA EDIÇÃO

 

Observações:

Edição muito cuidada da obra completa de um dos mais notáveis poetas satíricos portugueses, "Com alguns ineditos e um ensaio Biographico-critico por José de Torres. Illustradas por Nogueira da Silva". Pertenceu à Nova Arcádia a sua obra é composta de sátiras descritivas e caricaturais, sonetos e odes.

Preço:70,00€

Referência:13560
Autor:ALORNA, Marquesa de
Título:OBRAS POETICAS DE D. LEONOR D'ALMEIDA PORTUGAL LORENA E LENCASTRE, Marqueza d'Alorna, condessa d'Assumar, e d'Oeynhausen, conhecida entre os poetas portugueses pelo nome de ALCIPE.
Descrição:

Imprensa Nacional, Lisboa, 1844. Seis tomos encadernados em três volumes de in-4º com XLVIII-307-(8)-383-(12), 299-(4)-289-(2), 330-(4)-527-(8) págs. Encadernação coeva meia inglesa em pele preta com dizeres e florões na lombada. Primeiro volume encerra um retrato da Marquesa de Alorna.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

MUITO INVULGAR.

Observações:

Reunião das obras escritas e traduzidas pela Marquesa de Alorna e que foram publicadas postumamente.

Tomo I: Noticia Biographica (pag. V a pag. XLVIII) das três épocas pricipais da sua vida: 1ª- menina e donzella; 2ª- Condessa d' Oeynhausen; 3ª- Marqueza d' Alorna.; Poesias compostas no mosteiro de Chellas; Poesias escriptas depois da sa­hida do mosteiro de Chellas.
    Tomo II: Continuação das poesias lyricas, escriptas depois da sahida do mosteiro de Chellas.
    Tomo III: A primavera, tradução livre do poema das Estações de Thompson; os primeiros seis cantos do Oberon, poema de Wieland, traduzidos do alemão; Darthula, poema traduzido de Ossian; tradução de uma parte do livro I da llliada em oitava rima.
    Tomo IV: Recreações botanicas, poema original em seis cantos; O Cemiterio d'aldeia, elegia, imi­tada de Gray; O Eremita, balada imitada de Goldsmith; Ode, imitada de Fulvio Testi; Ode de Lamartine a Filinto Elysio, traduzida; Epistola a lord Byron, imitação da 2ª meditação de Lamartine; imitação da 28ª meditação do mesmo poeta, intitulada: Deus.
    Tomo V: Poetica de Horacio; Ensaio sobre a critica, de Pope; O roubo de Proser­pina, poema de Claudiano em quatro livros .
    Tomo VI: Paraphrase dos cento e cinquenta salmos que compõem o Psalterio, em várias espécies de ritmo seguida da paráfrase do varino cânticos bíblicos e hinos da igreja.

Preço:250,00€

Referência:12189
Autor:ANDRADE, Eugénio de
Título:POESIA E PROSA
Descrição:

Limiar/ o Jornal, Lisboa, 1990. Dois Volumes de  In-8º de 416-(3) e 446-(2) págs.Br.

Observações:

Obra que reúne toda a prosa e obra poética do autor incluídos nos livros até então publicados.

Devias estar Aqui

Devias estar aqui rente aos meus lábios
para dividir contigo esta amargura
dos meus dias partidos um a um

- Eu vi a terra limpa no teu rosto,
Só no teu rosto e nunca em mais nenhum.

 

Preço:32,00€

Referência:13547
Autor:autoria indefinida
Título:TROVADOR Collecção de modinhas, recitativos, árias, lundús, etc Vol. I (a V)
Descrição:

Livraria Popular de A.A. Da Cruz Coutinho,Rio de Janeiro,  1876. Cinco tomos encadernados num volume único com in-8º de 208-160-160-144-144 págs. respectivamente. Encadernação moderna meia inglesa em pele com dizeres e florões na lombada sobre rótulo de pele castanha. Conserva todas as capas de brochura e está apenas aparado À cabeça- BONITO EXEMPLAR.
Nova edição, correcta. RARO.

Observações:

Curiosa colectânea de letras de  modinhas, de origem portuguesa e Lundús, de origem africana, algumas com autoria e outras anónimas. Encerra ainda um conjunto de poesias de gosto popular do século XIX de poetas portugueses e brasileiros.

 

Preço:100,00€

Referência:13141
Autor:autoria indefinida
Título:POEMAS DO ÚLTIMO SÉCULO ANTES DO HOMEM
Descrição:

Porto, Editorial Inova. In-4º de IV-176-(8) págs. Br. Edição de grande cuidado gráfico, em papel de superior qualidade. Profusamente ilustrado com ilustrações de Abel Salazar, Manuel Ribeiro de Pavia, Augusto Gomes, Álvaro Cunhal, Júlio  Resende, José Dias Coelho, Rogério Ribeiro e Ângelo de Sousa.
"edição, assinada pelo editor, de mil exemplares, numerados de 1 a 1000.”

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Antologia ou "colheita de poesia e arte na resistência antifascista".encerra  poesias de Manuel  Bandeira, Pasternak, Guillén, Paul Éluard, Aragon, Brecht, José Gomes Ferreira, Drummond de Andrade,  Armindo  Rodrigues,  Pablo  Neruda, Miguel  Torga,  Manuel  da  Fonseca,  Vinicius  de  Moraes,  Luís Veiga Leitão, Mário Dionísio, Jorge de Sena, Sophia de Mello Breyner Andresen, Egito Gonçalves, Agostinho  Neto,  José  Craveirinha, Pasolini, Eugénio de Andrade, António Ramos  Rosa,  Ruy  Belo, Ary  dos  Santos,  Manuel Alegre,  Fiama  Hasse  Pais  Brandão  e  muitos  outros,  portugueses  e  estrangeiros.

Preço:28,00€

Referência:13331
Autor:BARROS, João de
Título:ANTEU Poema Dramático
Descrição:

Livraria Bertrand, Lisboa, 1933.In-8º de 122-(6) págs. Br. Capa de brochura de Raúl Lino. Valorizado pela expressiva dedicatória ao poeta José Osório de Oliveira.

Observações:

Do  prefácio  de  Ferreira  de  Castro  publicado  na  edição posterior "Anteu -  Sísifo",  das  Edições
Livros do Brasil:
"Anteu é a batalha da minoria com a maioria. A  batalha  dos  percursores  com  as  dúvidas  dos  seus  contemporâneos.  É  o  sonho  que  vê  mais  longe, que  vê  para  lá  daqueles  a  quem  a força  dos  hábitos,  as  escravaturas  consagradas,  as  aceitações  tradicionais,  impregnam  de  cepticismo  e  encurtam  a  visão  da nova  terra  onde  eles  próprios  se redimiram (...)".

Preço:20,00€

Referência:12211
Autor:BOTTO, António
Título:BAIONETAS DA MORTE
Descrição:

Oficinas Gráficas do Empresa do Anuario Comercial. 1936. In-4º de 64 págs. inumeradas. Encadernação inteira de skivertex de cor azul.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Livro de poemas dedicado aos Combatentes Portugueses que é considerado um dos melhores livros do autor. " Organizem os povos, estabeleçam a concórdia, acabem com a miséria e veremos, depois, se a vida não é um cântico divino, enternecedor e eterno ao amor, à natureza e a Deus "

Preço:70,00€

Referência:12210
Autor:BOTTO, António
Título:AINDA NÃO SE ESCREVEU
Descrição:

Edições Ática, Lisboa, 1959. In - 8º de XI-198-(6) págs. Br.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Obra póstuma cujo original o autor enviou para as Edições Ática.

Preço:40,00€

Referência:12206
Autor:BOTTO, António
Título:ASCANÇÕES DE ....
Descrição:

Edições Paulo Guedes, Lisboa, 1932. In-8.º de 173 págs. Encadernação meia francesa, com cantos e lombada em pele verde, ornamentada com dizeres e florões dourados na lombada. Conserva capas de brochura. Ex-libris de Frederico de Bivar. Ocasionais picos de acidez.

Observações:

"Nova edição definitiva de toda a obra poética do autor com oito canções inéditas e um estudo crítico de Teixeira Gomes, antigo chefe de Estado".

Livro Terceiro, Piquenas Esculturas - Décimo Primeiro Poema

Acabemos.
E acabemos para sempre.
Continuar, para quê?
Nem uma palavra amiga,
Nem um sorriso,
Nada
Que dê conforto ou prazer...
Não, acabemos...
Ou acabar..., - ou morrer.

Preço:50,00€

Referência:13155
Autor:BRAGA, Theophilo
Título:OS DOZE DE INGLATERRA - poema
Descrição:

Typographia da Academia Real das Sciencias, Lisboa, 1899. In-8.º de 19 págs. Encadernação moderna inteira de sintético, com dizeres dourados nas pastas. Conserva capas de brochura. Esmerada edição em papel encorpado e que se apresenta em excelente estado de conservação.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Poema narrativo que revisita um dos mais conhecidos episódios da literatura portuguesa

"Edição comemorativa do centenário do nascimento de Garrett".

 

QUEM ha hoje que crêa
N'isto de almas penadas?
Por mim, liberto de uma tal ideia,
Da obsessão das cousas do outro mundo
Que amedrontara as gerações passadas,
Tinha-a como ridicula, irrisória;
Agora não !
Vereis em que me fundo.
Peço licença; entremos já na historia

 

Um vulto magro, com o olhar sombrio,
De nariz afilado, unctuoso, esguio,
Cheio de dignidade, postulante,
Com incerto sorriso, poz-se diante
Da minha meza de trabalho, e falia
Uma estranha linguagem que me abala

Pelo influxo dos mysteriosos seres

 

Preço:19,00€

Referência:12293
Autor:BRITO, Casimiro de
Título:MESA DO AMOR. Segunda edição. emendada e seguida de ALGARVE LUGAR ONDE.
Descrição:

Centelha, Coimbra, 1977. In-8º de 84-(4) págs. Br. Incluída na colecção Poesia do Nosso Tempo.

Observações:

FUGA

Alto estou a teu lado
no verão deitado

Alto no esplendor de possuir-te
e trocarmos silenciosamente
os frutos mais fundos da morte

Como se navegasse um rio
por dentro
e na tua fragilidade encontrasse
a minha força

Um caminho rigoroso de silêncio

Preço:15,00€

Referência:13557
Autor:CARVALHO, Antonio Joaquim de
Título:OS TOIROS, Poema heroe-Cómico
Descrição:

Typografia Nunesiana, Lisboa, 1796. In-8º de X-89 págs. Encadernação coeva em carneira com dizeres em rótulo de pele na lombada. Guardas em papel marmoreado da época. Papel mantendo a sonoridade original.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:

Um dos mais apreciados poemas herói-cómicos da nossa literatura que explora  o ridiculo de alguns episódios tauromáquicos. É um poema em quatro cantos e é considerado o melhor trabalho deste autor conhecido como "poeta jocoso".
Inocêncio I, 159. “Presumo que fosse natural de Lisboa; porém não o affirmo por falta de noticias certas. Parece que exercera em principio a arte de cabelleireiro, a qual deixou depois pela profissão de mestre de dança. Morreu octogenario, quasi cego e pobrissimo em 1817, morador na rua do Crucifixo; e que fora sepultado na ermida da Victoria. Não declara porém a sua naturalidade, nem os annos que tinha quando morreu. Os Touros: Poema heroi comico. Ibi, na Typ. Nunesiana 1796. 8.o de X 89 pag. - Ibi, na Imp. de João Nunes Esteves 1825. 8.o de 52 pag. Este poema em quatro cantos, em oitava rima, passa entre os criticos por uma das melhores, se não pela melhor de todas as produções do auctor. Alguns chegaram até a duvidar de que fosse obra só dele, e disse se que Belchior Manuel Curvo Semedo o polira e retocara antes da impressão'

Preço:95,00€

Referência:13170
Autor:CARVALHO, Mendes de
Título:CAMALEÕES & ALTIFALANTES.
Descrição:

Guimarães Editores, Lisboa, 1982. In-8º de 65-(7) págs. Br. Integrado na Colecção Poesia e Verdade. cadernos por abrir. Dedicatória autógrafa a Lucas Pires.


Segunda edição.

Observações:

ALTIFALANTES


Altifalam vozes
nos salões e nas praças
nos ouvidos nos tumultos
martelam esmurram gritam palmejam
comunicam urram.
Conferências discursos aspectos e palavras
lições homenagens notas do dia e da semana
et nunc et semper.
Discursos almicos encomendados traduzidos
decorados divertidos ambaquistas.
Palavras dactilografadas improvisos ponderados
palavras dinâmicas magnéticas.
Altifalam palavras.
Hora de camaleões e altifalantes.

Preço:10,00€

Referência:12943
Autor:CARVALHO, Miguel de.
Título:AU NOM DU LOISIR ET DE L'AMITIE. rhétorique et morale dans l'épître en vers en langue portugaise au XVIe siècle
Descrição:

Centre Culturel Calouste Gulbenkian, Paris, 1999. In-8º de 300-(2) págs. Br. Ilustrado em extra-texto.

Observações:

Obra muito exaustiva sobre a dimensão retórica e o alcance moral da epístola em verso de Francisco Sá de Miranda (1487-1558), António Ferreira (1528-1569) e Diogo Bernardes (1530? -1595?),poetas que cultivam este tipo de poesia  como forma de actualização dos elementos emprestados às tradições de reflexão sobre lazer e amizade, para criticar os costumes contemporâneos.

Preço:20,00€

Referência:12498
Autor:CARVALHO, Ruy Duarte de
Título:A DECISÃO DA IDADE
Descrição:

Livraria Sá da Costa/ União dos Escritores Angolanos, Lisboa, 1976. In-8º de 97-(3) págs, Br. Capa de Sebastião Rodrigues.

Observações:

O Sul

O sol o sul o sal
as mãos de alguém ao sol
o sal do sul ao sol
o sol em mãos do sul
e mãos de sal ao sol

O sal do sul em mãos de sol
e mãos de sul ao sol

um sol de sal ao sul
o sol ao sul
o sal ao sol
o sal o sol
e mãos de sul sem sol nem sal

Para quando enfim amor
no sul ao sol
uma mão cheia de sal?

Preço:15,00€

Referência:12197
Autor:CASTRO, Fernanda de
Título:A ILHA DA GRANDE SOLIDÃO Poema
Descrição:

Portugália Editora, Lisboa, 1962. In-8º de 69-(2) págs. Br. Apresenta um pequeno carimbo editorial de oferta. Apresenta todos os cadernos por abrir. Excelente estado de conservação.

Observações:

 

Pequena flor…
Petite fleur.
A trompette do Sidney Bechet
dilacera-me ouvidos
e sentidos.
Magoa-me a estridência
da música obcecante.
Enerva-me a violência
dos sons,
dos desejos incontidos.
Dói-me a culpa,
a inocência
de uns braços estendidos.

 

Preço:20,00€

Referência:12512
Autor:CÉSAR, Amândio
Título:NÃO POSSO DIZER ADEUS ÀS ARMAS
Descrição:

Editora Pax, Braga, 1945. In-8º de 76-(4) págs. Br. Integrado na colecção "Metrópole  e Ultramar".

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Obra distinguida com o Prémio Camilo Pessanha.

NECROLOGIA PARA UM SOLDADO DA ÍNDIA

Os jornais publicaram nomes,
Muitos nomes,
Não se sabe ao certo quantas linhas de nomes:
O TEU NÃO ESTAVA LÁ!

Eram nomes, muitos nomes,
Não se sabe ao certo quantas linhas de nomes!
Eram milhares de nomes de vivos:
O TEU NÃO ESTAVA LÁ!

Nas linhas, muitas linhas de nomes,
Vinham altas patentes e soldados rasos,
Hierarquicamente e por ordem alfabética:
O TEU NOME NÃO ESTAVA LÁ!

Não! O teu nome não podia estar ali:
Tu morreste em Goa, à vista de Goa,
Que morria quando tu morreste.
Por isso ficaste abandonado e só,
Junto de Goa moribunda.

Tão abandonado e tão só
Como a pistola metralhadora,
Agora inútil,
Agora inútil porque tu morreste
E Goa morreu contigo!

Há-de florir, vermelha,
Uma flor nascida do teu sangue.
As folhas serão verdes
Como a última imagem dos teus olhos baços.

É o último reduto,
Será a última bandeira hasteada em Goa,
Na terra ocupada pelo invasor,
Depois que alguém ergueu ao céu azul
A branca bandeira do medo e da ignomínia!

Não vens na lista de nomes,
Em nenhuma das linhas dos nomes:
O TEU NOME NÃO PODIA ESTAR ALI!

Mas, quando uma jovem manducar
Colher a flor vermelha que sobrou do teu martírio,
Aspirar o perfume solene dessa flor cortada
E perder seus olhos pretos no verde das folhas tenras,
ENTÃO SIM, TU ESTARÁS ALI!

Ali ressuscitado,
Ali vigilante como a sentinela,
Até que tornem os fantasmas dos soldados de Albuquerque
Para castigarem o orgulho sacrílego do invasor.

Tu, anónimo soldado,
Morto na terra escaldante de Goa,
És a imagem do Governador
Que à vista dela morreu.
Tu, sim, és da estirpe de Albuquerque,
Nunca vassalo…

Preço:15,00€

Referência:12878
Autor:CINATTI, Ruy
Título:56 POEMAS por...
Descrição:

Na Regra do Jogo, Lisboa, 1981. in-8º de 88págs. Br. Com reprodução de uma fotografia numa das primeiras páginas.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Nota:
(...)a presente antologia compõe-se de poemas anteriormente publicados em folha volantes e depois agrupados em colectâneas ainda inéditas.(...)

Sentimento

A noite transfigurou-se em penas d'ave
e a miudinha chuva sacudiu-as
e a noite recolheu-se aos astros, suave,
e adormeceu as almas esquecidas.
O grande pequeno homem admirou-se,
olhou para si e viu-se vazio.
Chorou então o tempo perdido
e perdeu-se na noite, frio e quente.

Preço:30,00€

Referência:12876
Autor:CINATTI, Ruy
Título:MEMÓRIA DESCRITIVA
Descrição:

Portugália Editora, Lisboa, 1971. In-8º de 140 págs. Br. Reproduz em zincogravura um poema manuscrito do Autor.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Causas perdidas
são as
que me dão vida.

Quero-te,
ó minha pátria!

Aterro a minha casa
construo outra
igual, parecida.

 

Preço:30,00€

Referência:12880
Autor:CINATTI, Ruy; PORTUGAL, José Blanc de
Título:BORDA D´ALMA - OS MELHORES ANOS DA NOSSA VIDA - DIVERTIMENTO CONTRAPONTÍSTICO
Descrição:

Oficina dos Antigos "Cadernos de poesia ", Lisboa, 1973. In-8º de 32-(1)págs. Br.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

MUITO RARO.

Observações:

Sátira ao sistema eleitoral e político, ao regime fascista e à guerra colonial, ao destino da pátria e do império. Inclui também ainda 2 trabalhos: OS MELHORES ANOS DA NOSSA VIDA/ R. Cinatti e DIVERTIMENTO CONTRAPONTÍSTICO /José Blanc de Portugal.

Preço:75,00€

Referência:12975
Autor:COCHOFEL, João José
Título:OS DIAS ÍNTIMOS
Descrição:

Edição do Autor, Coimbra, 1950.In-8º de 55-(9) págs.Br. Integrado na colecção "Sob o Signo do Galo".

Exemplar nº 21 de uma "Tiragem especial de 30 exemplares numerada, em papel de linho, com um poesia autógrafo e um retrato do autor". Retrato do autor de Mário Dionísio.

PRIMEIRA EDIÇÃO do livro de poemas deste importante autor ligado à fundação do Neo-realismo em Portugal.
RARO.

Observações:

OS ANOS PASSARAM

Os anos passaram
e eu que fiz na vida?
Escorreu-me dos dedos
como água perdida.

Tive-a nas mãos
e não a bebi.
Secou-se-me a fonte;
agora a ouvi.

Pobre fio de água
fingindo sonhar.
Silêncio de música
que acorda ao cessar.

Preço:65,00€

Referência:12459
Autor:CORREIA, Natália (org.)
Título:CANTARES DOS TROVADORES GALEGO-PORTUGUESES
Descrição:

Editorial Estampa, Lisboa, 1970. In-8.º de 295-(5) págs. Br. Pequena assinatura de posse. Arranjo gráfico de Alda Rosa e Eduardo Dias. 

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Interessante antologia de poemas de trovadores medievais escolhidos  por Natália Correia que também escreveu a introdução e que para cada  texto original escreveu respectiva versão em português moderno.

Da Introdução:

"O amor trovadoresco não exprime um ajustamento da realidade e do conceito do amor e do amar, mas é um conceito que quer operar sobre a realidade, transformá-la, ou seja, converter a situação passiva da mulher em
princípio activo, a mulher que inspira o amor que integra a personalidade do homem, a fim de que este reconquiste a sua natureza una, perdida na pluralidade que o escraviza à autoridade desnaturante. Nestes termos, a valorização do princípio feminino, a exaltação do amor como portador do valor da unificação que liberta é uma arma contra a autoridade que oprime o livre exercício da individualidade."

Preço:20,00€

Referência:13340
Autor:CORTES-RODRIGUES, Armando
Título:ANTOLOGIA DE POEMAS de...
Descrição:

Arquipelago, Coimbra, 1956. In-8º de 290-(2) págs. Br. Ilustrado em extra-texto com um retrato do autor da autoria de Domingos Rebelo. Valorizado pela dedicatória autógrafa ao poeta José Osório de Oliveira.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Antologia de poemas de Armando Cortes-Rodrigues com selecção e prefácio de Eduíno de Jesus, e que reune todos os seus livros publicados até então e inclui as participações nas duas revista "orpheu". No número 2 da revista «Orpheu» assina com o heterónimo Violante de Cysneiros.

Preço:20,00€

reservado Sugerir

Referência:13287
Autor:COSTA, Nuno Félix da
Título:ARTE ÚLTIMA
Descrição:

Casa Fernando Pessoa, Lisboa, 1998. In-8º de 69-(3) págs.Br. Profusamente ilustrado em extra-texto.

Observações:

Livro onde o autor mistura fotografia com poesia com um expressivo prefácio de Nuno Júdice.

"é antes o tempo da sequência fotográfica, alucinante, exigida pela pressa de saber que a poesia estará nalgum lugar".

Preço:20,00€

Referência:13207
Autor:COUTO, Ribeiro
Título:ENTRE RIO E MAR poesia
Descrição:

Livros do Brasil, Lisboa, 1952. In-8º de 140 págs.Br. Capas de brochura com algunns picos de acidez.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Livro de poesia que é uma espécie de roteiro poético de Portugal, no qual o poeta fala de Santos, sua terra natal, mas acima de tudo de várias cidades portuguesas.

 

Cantiga do avô português


O meu avô foi à caça
Na serra do Cubatão.
Mas, ano vem, ano passa,
Nunca volta do sertão.

Dizem que os índios são bravos.
Nem sempre as índias também!
Meu avô levou escravos
Com redes que embalam bem.

O bafo das noites quentes
Faz pensar noutros Brasis
Em que andam nossos parentes
Com outras índias gentis.

"A caça, que tempo dura?",
A minha mãe perguntei.
"Vai até a sepultura,
Porque é serviço de El-Rei.

 

Preço:18,00€

Referência:12439
Autor:COUTO, Ribeiro
Título:POESIAS REUNIDAS
Descrição:

Livraria José Ollympio, Rio de Janeiro, 1960, In-8º de 4486-(2) págs. Br. Valorizado pela expressiva dedicatória autógrafa ao poeta José Osório de Oliveira.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Obra que reune todos os livros de poesia publicados pelo autor, na altura da sua publicação Manuel Bandeira escreveu :

"Sua poesia continuou sempre sendo a anotação arguta dos momentos raros da vida, aqueles momentos de “indecisão delicada”. Momentos de subúrbio, digamos assim, quando do luar descem coisas – “certas coisas”. Nunca lhe interessaram as polêmicas sobre o que seja poesia. “É poesia? Não é poesia? Quem saberá jamais?” Todos os problemas estavam resolvidos para ele “pela aceitação da simplicidade”.

Preço:40,00€

Referência:12438
Autor:COUTO, Ribeiro
Título:POEMETOS DE TERNURA E MELANCOLIA
Descrição:

Editora Monteiro Lobato, São Paulo, 1924. In-8º de 112-(2) págs. Br. Valorizado pela expressiva dedicatória autógrafa ao poeta José Osório de Oliveira. Capas de brochura com alguns picos de acidez.

PRIMEIRA EDIÇÃO.
 

Observações:

SURDINA

Minha poesia é toda mansa.
Não gesticulo, não me exalto...
Meu tormento sem esperança
tem o pudor de falar alto.

No entanto, de olhos sorridentes,
assisto, pela vida em fora,
à coroação dos eloqüentes.
É natural: a voz sonora
inflama as multidões contentes.

Eu, porém, sou da minoria.
Ao ver as multidões contentes
penso, quase sem ironia:
"Abençoados os eloqüentes
que vos dão toda essa alegria."

Para não ferir a lembrança
minha poesia tem cuidados...
E assim é tão mansa, tão mansa,
que pousa em corações magoados
como um beijo numa criança.

Preço:30,00€

Referência:12295
Autor:FANHA, José
Título:OLHO POR OLHO
Descrição:

Edição do autor, Lisboa, 1977. In-8º de 40 págs. Br. Capa de  Manuel Botelho. Valorizado por uma dedicatória autógrafa.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

À conquista do espaço

Não
Não quero voar
Rapidamente no espaço
E pousar em qualquer lua.


Quero uma estrela pequena,
Do meu tamanho de gente,
A iluminar
Quem passa
Nesta rua.

 

Preço:10,00€

Referência:13295
Autor:FEIJÓ, Antonio
Título:SOL DE INVERNOUltimos Versos.
Descrição:

Livraria Aillaud e Bertrand, Paris-Lisboa, 1922. In-8º de LIII-217 págs. Encadernação modesta. Ilustrado com um retrato do autor e com outro da sua esposa. Duas assinauras de posse, uma de 1923 do poeta João de Castro e a outra do poeta José Osório de Oliveira. Alguns sublinhados a lápis ao longo do texto.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Volume póstumo que reúne as últimas poesias de António Feijó, com um prefácio, de grande interesse crítico e biográfico, de Luís de Magalhães  e uma emotiva evocação dos últimos meses da vida do poeta após a morte da esposa e ainda várias apreciações sobre as coletâneas Ilha dos Amores e Cancioneiro Chinês, recolhidas da imprensa.

O AMOR E O TEMPO

Pela montanha alcantilada
Todos quatro em alegre companhia,
O Amor, o Tempo, a minha Amada
E eu subíamos um dia.

Da minha Amada no gentil semblante
Já se viam indícios de cansaço;
O Amor passava-nos adiante
E o Tempo acelerava o passo.

– «Amor! Amor! mais devagar!
Não corras tanto assim, que tão ligeira
Não pode com certeza caminhar
A minha doce companheira!»

Súbito, o Amor e o Tempo, combinados,
Abrem as asas trémulas ao vento…
– «Por que voais assim tão apressados?
Onde vos dirigis?» – Nesse momento,

Volta-se o Amor e diz com azedume:
– «Tende paciência, amigos meus!
Eu sempre tive este costume
De fugir com o Tempo… Adeus! Adeus!

 

Preço:20,00€

Referência:12460
Autor:FERREIRA, Manuel António
Título:CANCIONEIRO TRANSMONTANO poemas
Descrição:

Livraria Cruz, Braga, 1971. In-8º de 174-(2) págs. Br.

Observações:

Curioso livro de poemas de pendor regionalista que como prefácio tem  uma carta que o Abade de Baçal escreveu ao autor, exaltando as suas virtudes literárias.

Preço:10,00€

Referência:13212
Autor:FIGUEIREDO, Jaime de
Título:MODERNOS POETAS CABO-VERDIANOS
Descrição:

Edições Henriquinas Achamento de Cabo Verde, Praia- Cabo Verde, 1961. In-8º de 197-(3) págs. Br. Capas de brochura com alguns picos de acidez. Ostenta uma pequena assinatura de posse.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:


Antologia com grande importância para  produção de uma ideia de Literatura Cabo-Verdiana e onde, segundo o autor, se procurou a enquadrar “o gosto do organizador” ao  "um tão amplo quanto possível enquadramento dos poetas até à época revelados""a obediência às imposições de um consciente critério de selecção da representação individual".

Encerra poemas de:  Jorge Barbosa, Manuel Lopes, Osvaldo Alcantara, Pedro Corsino Azevedo, António Nunes, Aguinaldo Fonseca, Guilherme Rocheteau, Nuno Miranda, Arnaldo França, Tomaz Martins, Yolanda Morazzo, Ovídio Martins, Virgínio Nobre de Melo, Gabriel Mariano, Terêncio Anahory, Corsino Fortes, Jorge Pedro Barbosa, Onésimo Silveira, João Vário e António Mendes Cardozo.

Preço:20,00€

Referência:13466
Autor:FILIPE, Daniel
Título:MARINHEIRO EM TERRA
Descrição:

Edição do autor, Lisboa, 1949. In-8º de 53-(3)págs. Br. Capas com alguns picos de acidez. Capa de António Vaz Pereira.

 

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

NOME ERRADO

Quando os meus avós disseram
"há-de cha,ar-se Esaú..."
só quatro fadas vieram
ver-me, amedrontado e nu.

Não sei o que me fadaram
_ isso é que a história não diz:
o meu futuro bordaram
(com velhos tons) a matiz.

Verdes. lilazes sombrios
cinza... E eu mp berço nu.

(Sigo a vida por desvios
só não me chamo Esaú).

Preço:40,00€

Referência:13465
Autor:FILIPE, Daniel
Título:MARINHEIRO EM TERRA. Poemas.
Descrição:

Edição do autor, Lisboa, 1949. In-8º de 53-(3)págs. Br. Capas com alguns picos de acidez. Capa de António Vaz Pereira. Este exemplar é o nº 2 de 5 exemplares em papel bíblia, da Matrena, fora do mercado, numerados e rubricados pelo autor". Valorizado pela expressiva dedicatória autógrafa ao poeta José Osório de Castro a quem o livro também é dedicado.

PRIMEIRA EDIÇÃO do segundo e raro livro do autor.

Observações:

 

CANTIGA DE RODA

A tarde no jardim deserto e calmo
e este livro de poemas morno e fútil!
(Por exemplo: vejamos este "salmo")
Tudo tão completamente inútil!

Um céu azul, sem núvens - de verão.
Duas crianças jogam animadamente
ao eixo. Um entusiasmo são
qur me torna igual a toda a gente!

Apetece ser simples e sincero,
aqui onde há crianças e pardais...
Que diabo! Uma vez, ao menos, quero
ser como os mais!

 

Preço:75,00€

Referência:12467
Autor:FONSECA, Branquinho da
Título:MAR COALHADO poemas
Descrição:

Edição do Autor (Imprensa da Universidade), Coimbra, 1932. In-4.º de 31-(1) págs. Br. lustrado com um auto-retrato.
Capa da brochura de invulgar apresentação gráfica, de marcada influência Presencista.

RARO.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Um dos primeiros livros de Branquinho da Fonseca, e onde já se nota na sua escrita, uma “natural fusão de realismo e poesia, do senso das realidades e do senso do mistério, tão penetrantes um como outro” (José Régio)

 

Lago


Com duas tábuas fiz
O barco onde navego
E onde sou tão feliz
Que nunca chego...

Vou sonhando e cantando,
Tão alto, que não sei se o mar e o céu vão bons
Ou se vão mal...

Só quero ir sempre andando
E reparando
Nas diferenças
Da paisagem sempre igual..
.

 

 

Preço:85,00€

Referência:13217
Autor:FREIRE, Natércia
Título:ANEL DE SETE PEDRAS
Descrição:

Edição de autor, Lisboa, 1952. In-4º de 108-(4) págs.Br. Alguns picos de acidez nas capas de brochura. Capa da brochura com um desenho de António Sena. Valorizado pela dedicatória autógrafa ao poeta José Osório de Oliveira.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Livro ao qual foi atribuido o prémio Literário Antero de Quental.

 

O SONHO SEM DESTINO

Se os caminhos são breves
e os dias tão compridos,
e as tuas mãos mais leves
que a espuma dos vestidos;

se é de ti que me ondeia
uma brisa subtil...
E a vaga diz: -- Sereia!
E o sonho diz: -- Abril!

Se cresces e dominas
os campos que acalento,
e inundas as colinas
de fontes que eu invento;

se tens na luz dos olhos
o misterioso apelo
das cidades de fogo,
das cidades de gelo;

se podes bem guardar
na tua mão fechada
o meu altivo Tudo
e o meu imenso Nada;

se cabe nos meus braços
a bruma que tu és,
e em algas e sargaços
te abraço nas marés;

se, puro, na presença
da nossa grande Casa,
pões na voz de horizonte
um lume de asa e brasa.

Não sei porque te sonho
na sombra matinal,
e ao meu lado te vejo,
real e irreal.

Sabeis -- adaga fria,
que ao meu peito cintilas --
onde se oculta o dia
das aragens tranquilas?

Se tudo sabes, mata
com dedos de oiro fino,
ou com gume de prata,
o sonho sem destino!

 

Preço:14,00€

Referência:13587
Autor:GARÇÃO, P. A. Correa
Título:OBRASPOETICAS E ORATORIAS DE ...com uma introdução e notas por J. A. de Azevedo
Descrição:

Typographia dos Irmãos Centenari, Roma, 1888. In-8º de 622 págs. Encadernação inteira em pele um pouco suja com dizeres a ouro na lombada. Conserva capas de brochura. Corpo do texto todo decorado com bonitas vinhetas coloridas.Aparado só à cabeça.

INVULGAR

 

Observações:

Reunião da obra literária de Correia Garção com uma introducção e notas por J.A. de Azevedo Castro e dedicada ao Imperador D. Pedro II.

Divide-se em três partes I - Poesia;II - Theatro ; III - Prosa

Preço:65,00€

Referência:12352
Autor:HORTA, Maria Teresa
Título:CIDADELAS SUBMERSAS
Descrição:

Livr. Nacional, Covilha, 1961. In-8º de 65-(7) págs. Br. Com capa e ilustração extra-texto de Manuel Baptista, Integrada na colecção Pedras Brancas.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Os poemas
são cidadelas para os
lábios

Mais longe as sentinelas
do espaço
e os degraus do oceano
no contorno das pálpebras

Na hora anterior
ao vidro das lágrimas
a mulher ocasionou o parto
das cidades

e as plantas
foram úteros reflexos
de água
gerando no lodo
o vício do ódio
submerso nas palavras

Preço:34,00€

Referência:13275
Autor:HORTA, Maria Tereza; ARY DOS SANTOS, José Carlos [org]
Título:CANCIONEIRO DA ESPERANÇA
Descrição:

Seara Nova, Lisboa, 1971. (Lisboa).In-8º de 46-(2) págs. Br.

Observações:

Antologia organizada por Maria Tereza Horta e José Carlos Ary dos Santos onde se reúnem alguns dos mais importantes poemas de resistência ao fascismo português.

Encerra poemas dos seguintes autores: António Aleixo, Reinaldo Ferreira, Miguel Torga, José Gomes Ferreira, Manuel Alegre, Alexandre O’Neill, José Cutileiro, Daniel Filipe, Luís Veiga Leitão, Egito Gonçalves, Carlos de Oliveira, Gastão Cruz, David Mourão-Ferreira, Fiama Hasse Pais Brandão, Joaquim Namorado, João Rui de Sousa, Mário Dionísio, Sophia de Mello Breyner Andresen, Natália Correia, Armando da Silva Carvalho, Manuel da Fonseca, João Apolinário, Orlando da Costa, Papiniano Carlos, e os próprios antologiadores.

Livro que mereceu o seguinte parecer da parte da Censura:

 

"Trata-se de uma antologia organizada com espírito e objectivos que teremos de classificar de subversivos. Embora todos os poemas escolhidos sejam inconvenientes, sobressaiem três temas:
-reacção contra a ordem e a autoridade; exemplos: pp.14 e 15;
- restricções às liberdades individuais; exemplos: pp.5, 13;
- alusões à defesa do Ultramar; exemplo: pp.32.
Nesta conformidade, sou do parecer que o presente livro não seja autorizado. Todavia, por decisão superior, este livro foi autorizado, em 5 de Janeiro de 1972, tendo então merecido o seguinte despacho: “Trata-se de uma antologia feita com propósitos bem evidentes. Mas todas as obras de onde forem extraídos os poemas circulam livremente”. Não há, assim, uma justificação suficiente para a proibição, que resultaria em propaganda garantida para a obra."

in  "Mutiladas e Proibidas. Para a história da censura literária em Portugal nos tempos do Estado Novo."
Cândido de Azevedo

Preço:20,00€

Referência:13434
Autor:JÚNIOR, Rodrigues
Título:PARA UMA CULTURA AFRICANA DE EXPRESSÃO PORTUGUESA
Descrição:

Editora Pax, Braga, 1978. In-8º de 310-(2) págs. Br. Integrado  na "Colecção Autores Lusíadas". Valorizado pela extensa dedicatória autógrafa.

Observações:

Obra de um dos melhores conhecedores da sociedade indígena e europeia de Moçambique sobre a influência cultural portuguesa na sociedade africana desta antiga província ultramarina, abordando áreas como a poesia, o romance, o ensaio, o teatro e as artes plásticas.

Preço:18,00€

Referência:13464
Autor:LEMOS, Merícia de
Título:HORAS SEM TEMPO
Descrição:

Editora Lux, Lisboa, 1962. In-8º de 51-(1) págs. Br. Ilustrado com um retrato da autora por Alain Brustlein.

Observações:

Último livro que a autora escreveu antes de uma pausa de 30 anos.
Merícia de Lemos nasceu em 1913 na Beira, Moçambique, e morreu em 1996. Colaborou em diversas revistas e jornais, onde foram publicadas várias poesias suas.
A sua poesia caracteriza-se por um tom directo muito lúdico e subtil, em que uma feminilidade franca sabe encontrar uma intensidade ora graciosa ora melancólica, ora comovente.

Preço:25,00€

Referência:13605
Autor:LIMA, Augusto J. Gonçalves
Título:MURMURIOS
Descrição:

Typographia da Revista Popular, Lisboa, 1851. In-8º de XXIV-262-(2) págs. Encadernação meia inglesa em pano com dizeres a ouro em rótulo de pele. Sem capas de brochura e ligeiramente aparado. Pequenoa carimbo de posse.


PRIMEIRA EDIÇÃO
INVULGAR

 

Observações:

Livro de poemas de Augusto Gonçalves Lima, um dos nove poetas que integraram a revista "Trovador" editada por Feliciano de Castilho que acreditava ter descoberto uma nova linhagem de poetas coimbrães, "os poetas do Trovador". Em jeito de prólogo o livro encerra cartas trocadas entre o autor e o critico literário dessa geração, António Pedro Lopes de Mendonça.

Preço:25,00€

Referência:13537
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:GAMA poema narrativo
Descrição:

Na Impressão Regia, Lisboa, 1811. In-8.º de XV-266 págs. Encadernação coeva inteira em pele e dizeres a ouro em rótulo de pele vermelha na lombada.

PRIMEIRA E ÚNICA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Primeira versão do poema Oriente de de Agostinho de Macedo onde ele tentou  corrigir aquilo que considerava errado em «Os Lusíadas», de Camões, e de fazer justiça aos heróis que Camões não tinha exaltado.

Inocêncio: “Foi editor o livreiro Desiderio Marques Leitão. - O poema é dedicado a Ricardo Raymundo Nogueira, então membro da regencia do reino: consta de dez cantos, com 787 oitavas, e é precedido de uma de pindarica em louvor de Camões, a qual se não encontra noutra parte. D’este Gama refundido, e accrescentado com dous novos cantos, é que se formou o Oriente.”

Preço:60,00€

Referência:13535
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:A LYRA ANACREONTICA; Á Illustrissima SenhoraD. M. C. D. V.
Descrição:

Na Impressão Regia, Lisboa, 1819. In-8º de de 192 págs. Encadernação coeva inteira de pele mosqueada com dizeres a ouro sibre rótulo de pele vermelha na lombada.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Primeira edição, muito invulgar de uma das mais  apreciadas obras de José Agostinho de Macedo.
Contém cento e uma odes anacreonticas, precedidas de uma epístola dedicatória em versos hendecasyllabos.
Nas "Memorias para a vida intima de José Agostinho de Macedo", Inocêncio refere-se que Agostinho de Macedo manteve assidua relação com D. Joanna Thomasia de Brito Lobo, freira do mosteiro de Odivelas, “fazendo por seu respeito amiudadas visitas áquelle convento. (...)  Era esta dama, ao que parece, dotada de alguma instrucção e apaixonada das lettras; José Agostinho dedicou-lhe as suas  Cartas philosophicas a Attico, impressas em 1815 (...) Estes amores tiveram seu termo em 1818; e não deixa de ser curioso o modo como finalisaram. A religiosa de quem temos fallado, entretinha correspondencia epistolar com outra da mesma ordem (...), chamada D. Maria Candida do Valle e n’uma das sortidas que José Agostinho fazia a Odivellas, D. Joanna lhe fez ver uma carta mui discreta, que pouco antes recebera d’aquella sua amiga. O padre agradou-se tanto da linguagem  e estylo d’aquella missiva, que pediu in continenti, permissão de ser elle quem fizesse a resposta. Foi satisfeito o seu desejo e parece que por mais tempo continuou a servir de secretario na correspondencia das duas damas. Porém como a tal D. Maria Candida viesse a Lisboa, José Agostinho sollicitou ter  com ella uma entrevista. Não sabemos o que passaram, porém o certo é que D. Joanna foi desde logo abandonada tendo de ceder o campo á sua rival. Cumpre notar que José Agostinho contava então 59 annos e D. Maria passava dos 38; foram taes os atractivos que elle encontrou n’esta nova conquista  e com tal fervor se entregou á sua paixão, que em tres dias compoz (apesar das cans que lhe alvejavam a fronte), cem Odes anacreonticas, em louvor da sua bella, as quaes deu á luz no anno de 1819, sob o titulo de Lyra Anacreontica ”.

Preço:75,00€

Referência:13520
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:O ORIENTE
Descrição:

Impressão Regia, Lisboa,1814. Dois volumes de in-8º de 247 e 238(2) págs. Encadernação inteira em pele com dizeres a ouro na lombada. Ilustrado com um retrato do autor.

PRIMEIRA EDIÇÃO

INVULGAR

Observações:

Poema heróico sobre a descoberta do caminho marítimo para a Índia, tendo como herói Vasco da Gama. É uma das mais discutidas obras de Macedo, pois provocou bastante polémica aquando da sua publicação dada a sua desmedida presunção literária que levou-o a criticar os Lusíadas, no Discurso Preliminar que acompanha o poema, tentando sobrepor-lhe com este livro.

Preço:80,00€

reservado Sugerir

Referência:13518
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:OS BURROSou O Reinado da Sandice: Poemaheroi-comico-satyrico em seis cantos.
Descrição:

Na Officina Typographica de Casimir, Paris, 1835. In-12º de 379 págs. Encadernação coeva em pele com  com dourados e ferros a seco na lombada e pastas. Pequena mancha marginal no canto inferior das páginas.

INVULGAR.

Observações:

Os Burros é  um dos mais célebres poemas herói-cómicos portugueses,  é uma obra difamatória e maledicente que chocou a sociedade da época e obrigou o próprio autor a renegá-la, durante algum tempo,dizendo que era obra dos seus inimigos, após ser ameaçado com um processo judicial. O autor faz a "crónica escandalosa dos presentes tempos em Portugal" através da critica à tertúlia do botequim de José Pedro da Silva.

Preço:75,00€

Referência:13517
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:A MEDITAÇÃO junto com NEWTON
Descrição:

Typ de Francisco Pereira d'Azevedo, Porto, 1854. Dois tomos de 270 e 169 págs encadernados juntos num só volume. Encadernação coeva em pele castanha meia inglesa com dizeres a ouro na lombada. Pequena vinheta de número de ordem de biblioetac particular na lombada.

Observações:

Dois poemas de inspiração filosófica de José Agostinho de Macedo.

A Meditação, poema em quatro cantos que segundo Innocêncio no seu livro "Vida e Obra de José Agostinho de Macedo" transcrevendo um juízo de Costa e Silva afirma: "De  todas as obras de José Agostinho a mais importante é a Meditação. Este poema lhe levou longos annos de trabalho e de desvelo, refundindo-o e corrigindo-o muitas vezes, e mudando-lhe o titulo, antes de o dar á luz."

 

Newton, Esta edição encerra o "Discurso Preliminar. A Fisica, ou alguma de suas
partes, he, ou póde ser digna materia da poezia sublime?"

 

Preço:95,00€

Referência:13516
Autor:MACEDO, José Agostinho de
Título:A NATUREZA
Descrição:

Typographia de Francisco Pereira De Azevedo, Porto, 1854. In-8º de 363 págs. Encadernação coeva meia inglesa em pele castanha com dizeres a ouro na lombada. Pequena vinheta de núemro de ordem de biblioteca particular na lombada.

Observações:

"Tomei para objecto d'este poema a descripção das maravilhas da Natureza.(...) o compasso frigidissimo das estereis, e infecundas regras, com que nos opprimem alguns pedantes, não tem aqui lugar."

Preço:65,00€

Referência:13582
Autor:MAFFRE, Claude
Título:L'OEUVRE SATIRIQUE DE NICOLAU TOLENTINO
Descrição:

Centre Culturel Calouste Gulbenkian,Paris, 1994. In-4º de 822 págs. Br. Profusamente ilustrado em extra-exto com reproduções de fac-similes, caricaturas e outros documentos relativos a Nicolau Tolentino. Livro em lingua francesa.

 

Observações:

Magnífico estudo a partir do estabelecimento de uma edição comentada dos poemas considerados mais característicos e densos dee Nicolau Tolentino, que resultou de um confronto de trinta e sete manuscritos, entre outros, anteriores à edição de 1801, consultados nas bibliotecas públicas de Lisboa, Porto, Coimbra, Évora e Braga.
Claude Maffre procede, num segundo momento deste estudo, a um apreciável trabalho de síntese sobre a globalidade da obra satírica, salientando o ângulo particular de visão que Tolentino tinha da sociedade lisboeta do seu tempo.

Preço:23,00€

Referência:13049
Autor:MARTINS, Mário
Título:GUIA GERAL DAS HORAS DEL-REI D. DUARTE
Descrição:

Edições "Brotéria", Lisboa, 1982. In-8º de 256 pags.Br. Ilustrado em extra-texto com fac-similes de páginas iluminadas do Livro de Horas de D. Duarte.

SEGUNDA EDIÇÃO.

Observações:


Obra destinada a orientar a leitura  do Livro de Horas de D. Duarte e que também serve de "chave para abrir as portas fechadas de outros livros do mesmo género". ensinando-nos para tanto «a distinguir um Livro de Horas dum simples breviario (...) a situa-lo no  tempo e no espaço por meio de elementos seguros, a fixar o núcleo essencial das Horas,  sua evolução e crescimento, c a avaliar a sua importância para a historia da poesia medieval, não só em latim, mas também em romances."

Preço:23,00€

Referência:12433
Autor:MEA, Giuseppe Mea (org.)
Título:POESIA ANGOLANA DE REVOLTA
Descrição:

Paisagem Editora, Porto, 1975. In-8º de 193-(7) págs. Br. Ostenta uma assinatura de posse.

Observações:

Antologia publicada em Outubro de 1975, um mês antes, portanto, do acesso de Angola à independência.
Tinha a intenção de dar a conhecer,  através dalguma da sua melhor poesia,  a voz dos que acusaram e lutaram e que, pela sua denuncia e luta, contribuiram para a edificação de Angola.

"E porquê 'apenas' uma antologia angolana de revolta?
Analisando a panorâmica da poesia angolana dos últimos quinze anos, depara-se-nos que a maioria dos poetas e intelectuais subordinaram as suas obras a um tema constante e cada vez mais pressionante: a revolta, a revolta perante uma situação aviltante para o povo angolano. Daí não estarem incluídos dois dos maiores representantes da poesia angolana - Mário António e Geraldo Bessa Victor - e a maior voz feminina que Angola conheceu até agora - alda Lara - cuja poesia, apesar de ser inconformista, rebelde mesmo, nada tem a ver com a 'revolta' em questão; a sua morte (1962) com certeza não lhe permitiu fazer parte daquela denso grupo de poetas-soldados, poetas-militantes ou mais simplesmente poetas 'angagés'.
Encontram-se assim ao lado de nomes já consagrados no campo da cultura de expressão lusíada (e não só), como Agostinho Neto, Luandino vieira, Viriato da Cruz, Fernando Costa Andrade, etc., poetas relativamente pouco conhecidos ou desconhecidos até nos próprios círculos culturais angolanos."

Preço:18,00€

Referência:12928
Autor:MONTE, José Ferreira
Título:PARA QUE TUDO RENASÇA poemas
Descrição:

Edição do autor, Coimbra, 1948. In-8º de 79-(5) págs. Br.Integrado na colecção do "Galo", dada a lume em Coimbra e cuja tiragem foi sempre muito restrita. Capa de brochura com alguns picos de acidez e manchas marginais.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:

Passadas
hesitadas
na penumbra que freme.

-Nem por isso o andar treme!

Preço:25,00€

Referência:13333
Autor:MOURÃO-FERREIRA, David
Título:OS QUATRO CANTOS DO TEMPO
Descrição:

Guimarães Editores, Lisboa, 1964. In-8º de 144 págs. Encadernação em sintético com dizeres a ouro nas pastas e na lombada. Sem capas de brochura. Valorizado pela dedicatória ao poeta José Osório de Oliveira.

Segunda edição (Primeira edição em Portugal)

Observações:

Terceiro livro de poemas do Autor, cuja edição princeps foi primeiro impressa no Brasil.

Soneto do Cativo

Se é sem dúvida Amor esta explosão
de tantas sensações contraditórias;
a sórdida mistura das memórias
tão longe da verdade e da invenção;

o espelho deformante; a profusão
de frases insensatas, incensórias;
a cúmplice partilha nas histórias
do que outros dirão ou não dirão;

se é sem dúvida Amor a cobardia
de buscar nos lençóis a mais sombria
razão de encantamento e de desprezo;

não há dúvida, Amor, que te não fujo
e que, por ti, tão cego, surdo e sujo,
tenho vivido eternamente preso!

 

Preço:24,00€

Referência:12353
Autor:MOURÃO-FERREIRA, David
Título:INFINITO PESSOAL ou A ARTE DE AMAR.
Descrição:

Guimarães Editores, Lisboa, 1962.  In-8º de 49-(3) págs. Br.  Integrado na «Colecção Poesia e Verdade».
Assinatura de posse.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Primeira edição de um dos mais estimados livros de David Mourão- Ferreira, figura fundamental das letras portuguesas das últimas décadas. Este é um dos livros mas raros e procurado desta colecção.

Preço:25,00€

Referência:12852
Autor:NASCIMENTO, Cabral do
Título:CONFIDÊNCIA
Descrição:

Portugália Editora, Lisboa,  s/d. In-8º de 107 págs. Br. Vinheta de Maria Franco. Capa de brochura com algumas picos de acidez.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:

Livro de poemas deste poeta fortemente marcado pelo Saudosismo.

Natal


Se alguém por mim passou,
O seu caminho foi.
Nenhuma dor me dói;
Neste canto me isolo;
Dá-me tanto consolo
Saber que apenas sou!

Reduz-se tudo a isto:
Suavíssimo perfume
De heliotrópio morto.
Traz-me tanto conforto
Saber que só existo
Aqui, junto do lume!

E o vento que, lá fora,
Deita as folhas em terra,
Não me abala sequer.
Ah, quanto bem encerra
A minha ideia, agora,
De estar num canto, e ser?

 

Preço:19,00€

Referência:12851
Autor:NASCIMENTO, Cabral do
Título:33 POESIAS
Descrição:

Edições dos "Cadernos de Poesia", Lisboa, 1941. In-8º de 45-(3) págs. Br. Ocasionais picos de acidez nas capas.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:

Livro de poesia deste poeta marcado pelo saudosismo.

Nostalgia

Quem não sonhou com impossíveis
Nem fez castelos grandiosos
Sobre areias movediças?
Doces imagens que nos olhos
Ficastes pálidas e frias!

Sois como pássaros cativos
E abris em frémitos inúteis
As finas asas coloridas
Peixes no aquário translúcido
Sonhais vogar dentro dum rio.

Crianças doentes, que no quarto
Fazeis projectos de futuro.
Surdas canções de condenados…
Breve paisagem de algum quadro
Presa debaixo da moldura.

Ó flutuantes sombras tímidas,
Que receais o mundo e os homens,
Ficai em nós, mudas e moles:
Recordações indefinidas
De tudo aquilo que não fomos

Preço:17,00€

Referência:12909
Autor:NAVARRO, Modesto
Título:POETAS POPULARES ALENTEJANOS
Descrição:

Editorial Vega, Lisboa, 1980. In-8º de 254-(2) págs. Br

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Levantamento da poesia popular alentejana feito em três distritos do Alentejo, Évora, Portalegre e Beja, de que resultou este livro com organização e introdução de Modesto Navarro.

Preço:15,00€

Referência:13413
Autor:NEMÉSIO, Vitorino
Título:SAPATEIA AÇORIANA Andamento Holandês e outros poemas
Descrição:

Editora Arcádia, Lisboa, 1976. In-8º de 92-(3) págs. Br

Observações:

 Último livro de poemas de Vitorino Nemésio.

"Este volume de poemas devia ser acompanhado de quatro motivos, a cor, inspirados a Nikias Skapinakis pelo andamento Holandês... Por razões de crise económica, que o editor, o pintor e o poeta lamentam, esse projecto de edição fica adiado..."


 A  CAMINHO DO CORVO

A minha vida está velha
Mas eu sou novo até aos dentes.
Bendito seja o deus do encontro,
O mar que nos criou
Na sede da verdade,
A moça que o Canal tocou com seus fantasmas
E se deu de repente a mim como uma mãe,
Pois fica-se sabendo
Que da espuma do mar sai gente e amor também.
Bendita a Milha, o espaço ardente,
E a mão cerrada
Contra a vida esmagada.
Abençoemos o impossível
E que o silêncio bem ouvido
Seja por mim no amor de alguém.

Preço:23,00€

Referência:12518
Autor:OLIVEIRA, Paulino
Título:CONTOS E FÁBULAS em verso
Descrição:

Sociedade de Expansão Cultural, Lisboa, 1965. In-8º de 129-(3) págs. Encadernação editorial. Ilustrações de Álvaro Duarte de Almeida.Capas de Brochura ligeiramente empoeiradas. Dedicatória não autógrafa.

3.ª ed. corrigida e aumentada, comemorativa do 1º centenário do poeta.

INVULGAR.

Observações:

Curiosa obra de Paulino de Oliveira de contos e fábulas infantis em verso. São quadras encantadoras sobretudo pelo humor e graça.

Preço:18,00€

Referência:13320
Autor:OSÓRIO, Cochat
Título:CALEMA poemas
Descrição:

Livraria Lello, Luanda,1956. In-4.º de 162-(2) págs. Br. Capa de Israel de Macedo. Valorizado pela dedicatória autógrafa. Cadernos por abrir.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Primeiro livro de Cochat Osório, autor que   Gerard Moser e Manuel Ferreira no seu estudo "Bibliografia das Literaturas de Expressão Portuguesa" consideram, juntamente com Agostinho Neto e Maurício Gomes de Almeida, como os percursores duma nova fase da literatura angolana. 

Preço:18,00€

Referência:13401
Autor:PASCOAES, Teixeira de
Título:JESUS E PAN
Descrição:

Livraria Editora José Figueirinhas Junior, Porto, 1903. In-8º de 67-(1)págs. Br. Capa de brochura com alguns elementos florais. Folhas cosidas e lombada a precisar de restauro. Com uma dedicatória do editor.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:

Um dos primeiros livros do autor e onde aborda o Cristianismo e o Paganismo.

 

Ó tristeza do mundo em tardes outomnaes!
Longinqua dôr beijando-nos o rôsto…
Crepusculo esfumado em intimo desgôsto,
Bôca da noite acêsa em frios ais…
Aparição soturna, vaga imagem
Do mêdo e do misterio…
Que solidão escura na paisagem!
Tem phantasmas e cruzes,
Tem ciprestes ao vento e moribundas luzes,
Como se fosse um grande cemiterio.

Preço:60,00€

Referência:13400
Autor:PASCOAES, Teixeira de
Título:VIDA ETHEREA
Descrição:

F. França Amado Editor, Coimbra, 1906. In-4º de 192 págs. Br. Capas de brochura de notória influência Art Nouveau mas algo cansadas. Cuidada apresentação gráfica. Alguns picos de acidez.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

 

Observações:

Livro de Teixeira de Pascoaes que é considerado um dos seus livros mais líricos onde  podemos ver influências da poesia do sec XIX, de Almeida Garret, Antero de Quental e Guerra Junqueiro.
 

Preço:75,00€

Referência:13181
Autor:PASCOAES, Teixeira de
Título:AS SOMBRAS
Descrição:

Livraria Ferreira, Lisboa, 1907.In-8º de 210-(1) págs. Encadernação meia inglesa com dizeres a ouro na lombada. Sem capas de Brochura. Picos de acidez no miolo.


PRIMEIRA EDIÇÃO.
INVULGAR.

Observações:

Primeira edição deste livro de Pascoaes que neste livro segundo Tomaz Ribas,  "(...) atinge alguns dos mais altos momentos de toda a nossa poesia (...)".

Preço:32,00€

Referência:12798
Autor:PASCOAES, Teixeira de
Título:O HOMEM UNIVERSAL
Descrição:

Edições Europa, Lisboa, 1937.Inn-8º de 199-(7) págs. Br. Sem capa de brochura. Com assinatura de posse.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

 

Observações:

Publicado após o livro sobre São Paulo, a primeira biografia de Teixeira de Pascoaes, depois de ter sido criticado pelos opositores do Estado e da Igreja, que o julgam vendido ao pensamento dominante em Portugal, e pelos próprios Estado e Igreja, para quem a sua descrição dos acontecimentos da vida do Santo não se encontra em concordância com o cânone católico.
Partindo da máxima “o meu pensamento sou eu próprio”, o autor procura neste livro, defender-se desses ataques, definindo as concepções centrais da sua prosa e poesia desde os primeiros trabalhos literários até à data  Disserta, assim, sobre natureza e ciência, poesia e filosofia, ética e estética.

"Escrevi êste volume, com o intuito de elucidar o leitor amigo, acêrca do pensamento da minha obra, desde a sua origem (1897) até ao ano de 1937. Escrevi-o como quem conversa, em voz alta, consigo mesmo.
O leitor amigo sou eu e certas criaturas da minha ignorância e simpatia. Ignorância? Direi que as vejo fraternalmente, ao pé de mim. Formamos, por espontâneo acôrdo, o mesmo sêr. Encontramo-nos na mesma ideia ou sentimento, e atingimos assim uma espécie de unidade moral ou suprema convivência.
Mas outras criaturas rejeitam a nossa palavra, a nossa alma! Fecham-lhe a porta na cara e atiçam-lhe os cãis. Oh, a figura da antipatia hostil! ,seca todos os prados e jardins. Os persas copiaram-na, para representar o vento do deserto, o demónio do sudoeste.
Sem simpatia não há compreensão, não há luz nos olhos nem transparência nas coisas. Ver é ver amorosamente. O ódio fé cego, diz o povo. E a indiferença? Não vê, nem deixa de ver: olha ... Lembra uma sala vazia, com duas janelas abertas."

Preço:19,00€

Referência:12264
Autor:PASCOAES, Teixeira de
Título:MARÁNOS
Descrição:

Magalhães & Moniz, Porto, 1911. In-8º de 298(4)págs. Br. Encadernação meia francesa com dizeres e florões a ouro em casas fechadas na lombada. Conserva capas de brochura e ligeiro aparo marginal. Ocasionais picos de humidade.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

MUITO RARO.

Observações:


Obra paradigmática do Saudosismo, Marânus é um longo poema, de estrutura épico-dramática, que se oferece, ao longo da sua estrutura de "romance em verso" protagonizado por personagens de carácter mítico ou lendário situado "no cenário entre duriense e transmontano, e lavada atmosfera bucólica do Marão (...)".
 

Preço:140,00€

Referência:12166
Autor:PASCOAES, Teixeira de
Título:ÚLTIMOS VERSOS
Descrição:

Centro Bibliográfico. Lisboa. 1953. In-8.º de 90-(2)págs. Br. Capas de brochura com alguns picos de acidez. Integrado na colecção «Cancioneiro Geral».

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Obra publicada postumamente e destinada pelo autor a ser integrado na colecção "Cancioneiro Geral".

O Crime

Quem não é filho de Caim?
Abel não deixou filhos.
Mas, em Caim, havia Abel.
E somos todos
A vítima e o carrasco
No mesmo ser...
A criatura e o criador
Na mesma fera,
O pecado e o remorso
No mesmo Deus.


 

Preço:30,00€

Referência:12165
Autor:PASCOAES, Teixeira de
Título:SENHORA DA NOITE
Descrição:

Magalhães & Moniz Editores, Porto, 1909. In-8º de 54 págs. Br.  Capa de brochura com um pequeno autocolante na parte superior. Lombada um bocado danificada.

PRIMEIRA EDIÇÃO

Observações:

 Canção Final


Aí vem a noite velhinha,
Erma sombra entrevadinha,
Mal pode andar, de cansada.

Já o dia se avizinha,
Já desponta a Madrugada…

E a noite, triste e sozinha,
Tão pálida e fatigada
Da sua longa jornada,
Deita-se e dorme…E a Alvorada
É o sono bom da Noitinha…

E a Noite dorme quentinha,
Na cama que lhe foi dada…

Dorme, dorme, sossegada,
Noite de Deus, sombra minha,
Que o teu sono é madrugada...

Ó erma noite velhinha
Dorme e sonha descansada…

Preço:45,00€

Referência:12161
Autor:PASCOAES, Teixeira de
Título:CÂNTICOS
Descrição:

Empresa Industrial Gráfica do Porto, Porto, s.d (1925). In-8.º de 122-(1) págs. Br. Pequena assinatura de posse.

PRIMEIRA EDIÇÃO

Observações:

A Máscara


Esta luz animada e desprendida
Duma longínqua estrela misteriosa
Que, vindo reflectir-se em nosso rosto,
Acende nele estranha claridade;
Esta lâmpada oculta, em nossa máscara
Tornada transparente e radiante
De alegria, de dor ou desespero
E de outros sentimentos emanados
Do coração dum anjo ou dum demónio;
Este retrato ideal e verdadeiro,
Composto de alma e corpo e de que somos
A trágica moldura, errando à sorte,
E ela, é ela, a nossa aparição,
Feita de estrelas, sombras, ventanias
E séculos sem fim, surgindo, enfim,
Cá fora, sobre a Terra, à luz do Sol.

Preço:40,00€

Referência:13571
Autor:PATO MONIZ, Nuno Alvares Pereira
Título:A APPARIÇÃO poema elegiaco em 4 cantos, consagrado á memoria da senhora D. Firmina Carlota da Sylva Serva
Descrição:

Na Impressão Regia, Lisboa, 1819.In-8º de 83-(1) págs. Encadernação da época inteira em pele, bastante desgastada mas sem perder a estrutura, com ferros a ouro em cercaduras nas pastas. Corte das folhas brunido a ouro.

PRIMEIRA EDIÇÃO
INVULGAR

Observações:

Poema em quatro cantos que o poeta escreveu aquando da morte da filha de Manoel José da Silva Serva, conhecido maçon e grande protector de Pato Moniz.


Inocêncio VI, 308: “A Apparição: poema elegiaco em quatro cantos, consagrado á memoria da senhora D. Firmina Carlota da Silva Serva. Lisboa, na Imp. Regia 1818. 8.º de 64 pag. Saiu uma analise e juízo critico àcerca deste poema, por autor anonimo, porém amigo e admirador do poeta, no Observador Português, tomo I, pag. 138 e seguintes. Da Aparição foi editor o religioso capucho Frei Henrique de Jesus Maria, e tiraram se 425 exemplares. Nuno Alvares Pereira Pato Moniz, poeta e literato distinto, foi natural de Lisboa e nasceu no sitio do Arco do Cego em 1781.'

 

Preço:45,00€

Referência:12294
Autor:PEREIRA, Helder Moura
Título:MERCURIO
Descrição:

Frenesi, Lisboa, 1987. In-8º de 20 págs. Br.  Capa com serigrafia de António Inverno de um pormenor de uma gravura de Escher.

PRIMEIRA EDIÇÃO.
 

Observações:

O comboio trazia
mercadorias e pessoas.
O comboio levava
um vazio: passava rente
ao meu rio e nao
me levava

 

Preço:20,00€

Referência:12592
Autor:PIMENTEL, Alberto
Título:CANTARES
Descrição:

Typ. Editora de Mattos Moreira & Comp.ª, Lisboa, 1875. In. 8.º de XX-209-(3) págs. Br. Conserva as capas de brochura. Por abrir. Lombada com insignificantes defeitos.
 

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Livro de poemas de Alberto Pimentel que inclui uma carta-prólogo do Sr. Conselheiro Thomaz Ribeiro que ocupa as primeiras 15 páginas.


Infancia, como és ruidosa
como me lembro de ti!
nao passas pelos caminhos
sem que ponhas medo aos ninhos
e sem dizer: "vou aqui!"

Velhice como és calada!
que dó que tenho de ti
nem te ouvira o cao receioso,
se o teu bordao vagaroso
nao dissesse: "vou aqui!"

Preço:25,00€

Referência:12451
Autor:PORTOGAL, Pedro de
Título:COPLAS
Descrição:

Josep Porter, editor, Barcelona, 1948. In-fólio de V-68 páginas inumeradas. Ilustrado com uma gravura que reproduz um  retrato do autor. Exemplar nº 30 duma tiragem limitada a 75, impressos a duas cores em papel artesanal de gramagem superior, com esmerado apuro gráfico. Pequena assinatura de posse do poeta José Osório de Oliveira.

 

PRIMEIRA EDIÇÃO facsimilada.

MUITO RARO.

Observações:

Fac-simile das “Coplas del Contempto del Mundo” escritas por  D. Pedro de Portugal ou D. Pedro de Avis , filho de D. Pedro, Infante de Portugal e Duque de Coimbra, foi 5.º Condestável de Portugal e 5.º Administrador da Ordem de Avis. Foi  Conde de Barcelona e Rei de Aragão, Sicília, Valência, Maiorca, Sardenha e Córsega.
Esta obra está escrita em verso de arte maior e combina o tom doutrinal com o cultismo.

 

Preço:75,00€

Referência:12539
Autor:PORTUGAL, José Blanc de
Título:OESPAÇOPROMETIDO
Descrição:

Livraria  Morais  Editora, Lisboa, 1960. In-8.º  de 104-(8) págs.Br. Integrado na colecção "Círculo de poesia". Valorizado pela dedicatória autógrafa aao poeta josé Osório de Oliveira.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Segundo livro de poesia do autor e um dos primeiros livros da colecção «Círculo de Poesia», colecção
que publicou os mais representativos autores da poesia contemporânea portuguesa.


DAR BOM CONSELHO

O conselho é tocar, provar,
Aspirar todos os cheiros do inundo,
Ouvir sempre e ver eternamente,
Abrir as cinco portas; por mais só que estejas
O que entra chega bem para mil vidas.
Depois... é tê-las escancaradas
Pois nada foge e, embora
Saia e entre a cada instante tudo,
É só assim que é possível
Ter e não ter pra sempre tudo.

Casar a pobreza e a riqueza
Viver e morrer mil vezes por segundo
Mudar e ser igual no tempo todo
Cada presente ser
Passado e futuro.

Recusar é deixar;
Conceder tirar;
Tirar é pôr num outro lado;
Pôr é mover;
Mover é fixar num móvel;
Fixar seria
Mudar o futuro.
Esperar é caminhar pra ele.

Preço:43,00€

Referência:12537
Autor:QUADROS, António
Título:VIAGEM DESCONHECIDA
Descrição:

Portugália Editora, Lisboa, 1952. In-8º de 71 págs. Br. Valorizado por uma expressiva dedicatória autógrafa aos poetas José Osório de Oliveira e Raquel Bastos. Capa de brochura e ilustrações extra-texto de Martins Correia.

 

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Poética Contraditória

Não digas o que sabes nos teus versos,
Deixa para trás a ciência e a consciência;
Tudo aquilo que em ti não for ausência
São ideais perdidos, ou submersos.

Abandona-te às vozes que não ouves,
E liberta os teus deuses nos teus dedos;
Não busques os sorrisos, mas os medos,
E o que não for ignoto e só, não louves.

Ser misterioso e triste, é ser poeta:
Mesmo a luz que palpita nos teus cantos.
É uma imagem heroica dos teus prantos.

Percorre o teu caminho até ao fundo,
E com os versos que achaste, aumenta o mundo.
Não sejas um escritor, mas um profeta.

Preço:40,00€

Referência:13391
Autor:RÉGIO, José
Título:FADO
Descrição:

Portugália, Lisboa, 1957. In-8º de 157-(4)págs. Br. Capas de brochura ligeiramente envelhecidas. Ilustrado em extra-texto com 6 ilustrações de Stuart Carvalhais. Exemplar de uma das  variante de capa ,o miolo em nada difere do da outra variante de capa, nem no conteúdo literário, nem no suporte físico.

Observações:

Segunda edição deste estimado livro de José Régio.

"Sim, na avenida vizinha,
Tudo era moderno e fresco;
Mas essa rua... mantinha,
Mantém o seu pitoresco:

Uma igual turba de párias,
Vadios, trabalhadores,
Meretrizes e operárias,
Falhados e sonhadores,

Há centos de anos se some
Nesses palácios escuros,
E cheira mal, passa fome,
De alto a baixo desses muros...

Nas mesmas águas-furtadas
Há centos de anos há poetas,
E as mesmas gatas pejadas
Têm filhos nas valetas."

Preço:28,00€

Referência:12791
Autor:RÉGIO, José
Título:AS ENCRUZILHADAS DE DEUS
Descrição:

Edições Presença - Atlântida, Coimbra, 1935. In-4º de 177, [5] págs. Encadernação coeva meia francesa em pele vermelha com dizeres e floreados dourados na lombada. Conserva capas de brochura e corte superior das folhas carminado. Exemplar impecável. BELÍSSIMA EDIÇÃO ilustrada por Júlio.

1ª EDIÇÃO das primeiras obras do autor

Observações:

Capas de brochura ilustradas por Júlio. Ilustrado ao longo do livro em separado.
 

José Régio pseudónimo de José Maria dos Reis Pereira, nasceu em Vila do Conde, a 17 de Setembro de 1901. Licenciado em Letras em Coimbra. Viveu grande parte da sua vida na cidade de Portalegre (de 1928 a 1967), onde foi professor durante mais de 30 anos, no seu Liceu.

Foi possivelmente o único escritor em língua portuguesa a dominar com igual mestria todos os géneros literários: poeta, dramaturgo, romancista, novelista, contista, ensaísta, cronista, jornalista, crítico, autor de diário, memorialista, epistológrafo e historiador da literatura, foi um dos fundadores da revista Presença, da qual foi editor, director e o seu principal animador, desenhador, pintor, e grande coleccionador de arte sacra e popular.

Preço:400,00€

Referência:12457
Autor:REMEDIOS, Mendes dos
Título:PHILOMENA DE S. BOAVENTURA Reimpressa em harmonia com a edição de 1561
Descrição:

Imprensa da Universidade, Coimbra, 1907. In-8º de 39 págs. Br. Capa de brochura com alguns picos de acidez e uma pequena mancha de água marginal.

 

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

"A Philomena é, pois, no seu genero o unico documento que pos-suimos, traduzido, de S. Boaventura. Pertence ao grupo de composições mysticas que tiveram grande acceitação em Portugal, junto de certos escriptores que, se nao davam em brigóes e valentafos, com
larga folha de serviços em Africa, propendiam para os arróbos do lyrismo tresandando aos perfumes do incenso. Nós os portuguéses sempre fómos assim aventureiros, ainda mesmo quando o campo de acçao eram os poucos palmos dum convento."

 

Preço:25,00€

Referência:13531
Autor:RODRIGUES DA COSTA, José Daniel
Título:BARCO DA CARREIRA DOS TOLOS obra critica, moral e divertida
Descrição:

Typographia de Elias José da Costa Sanches, Lisboa, 1850. Volume com 12 folhetos de 32 págs cada. Encadernação moderna meia francesa em pele com florões e dizeres a ouro em rótulos de pele vermelha na lombada. Exemplar em magnífico estado de conservação estando apenas aparado à cabeça carminada. Mantem intactas e muito ireegulares com todas as barbas, as restantes margens.

COLECÇÃO COMPLETA.

Observações:

Uma das mais estimadas obras do autor, onde ele faz uma critica da sociedade portuguesa da altura,  "Muito se alegrou o diligente Navegante com a descoberta, sacrificando se ao louvável fim de fazer ditosos os que tinham nascido para o ser: e por isto destinou transportar à mesma Ilha os Tolos…"

Doze classes de que se compõe esta obra:

Folheto os tôlos modistas; folheto os tôlos namorados; folheto os tôlos mal casados; folheto os tôlos mal creados; folheto os tôlos velhacos encobertos; folheto os tôlos bebedos; folheto os tôlos soberbos; folheto os tôlos presumidos;  folheto os tôlos queixosos da fortuna; folheto os tôlos crédulos; folheto os tôlos que em tudo se mettem; folheto os tôlos em geral.
 

Preço:160,00€

Referência:13530
Autor:RODRIGUES DA COSTA, José Daniel
Título:PORTUGAL ENFERMO por vícios, e abusos de ambos os sexos, dedicado ao senhor José Luís Guerner, Cônsul de S. M. Siciliana
Descrição:

Na Impressão Régia, 1819-1820. Dois volumes de in-8º de 69 e 73 págs. Encadernação moderna inteira de pele com dizeres a ouro em rótulo de pele azul na lombada.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Folhetos onde o autor faz uma sátira  ao Portugal do início do século XIX, cuja sociedade o autor considerava viciosa e perdida, entregando-se a festas e a modas importadas do estrangeiro e ao jogo, desprezando tudo o que é português. Depois da sátira em verso, o autor acrescentou algumas charadas, adivinhas e improvisos, que não tendo relação com o tema principal, tinham a  função de avolumar os impressos e divertir dos leitores.


Portugal, Portugal ! Eu te lastimo !
E bem que velho sou ainda me animo
A mostrar-te os defeitos, e os excessos
Dos costumes, que tens já tão avessos
Dos costumes, que tinhas algum dia,
Quando mais reflexão na gente havia.
Tu de estranhas Nações foste envejado;
Hoje faz compaixão teu pobre estado:
Cada vez te vão mais enfraquecendo,
Todo o brilho, que tinhas, vas perdendo:
Paraiso do mundo te chamavão;
As mais Nações com tigo se animavão;
Ellas porém ficarão sãs, e fortes;
E tu todo o instante exposto aos córtes
Da usura, da ambição, da falcidade,
Do egoismo, da fuga, da impiedade:
Males, que aos que bem pensão cauzão tédio,
A que apenas descubro hum só remedio,
Que outro melhor não ha, a que se apelle,
E muita gente chora a falta d’Elle…

 

Preço:80,00€

Referência:13529
Autor:RODRIGUES DA COSTA, José Daniel
Título:IDÉAS VAGAS sobre varios assumptos para Recreio de todas as pessoas de ambos os sexos.
Descrição:

Na Officina de Simão Thaddeo Ferreira, Lisboa, 1822. In-8º de 79 págs. Encadernação moderna inteira em percalina azul com dizeres e florões a ouro na lombada. Exemplar inteiramente por aparar.

INVULGAR.

Observações:

Curioso folheto com poemas sobre Portugal  e a sociedade portuguesa, deste escritor e frequentador das tertúlias da Arcádia Lusitana.

Innocêncio afirma  “Dotado  de  bom humor, e maneiras affaveis, era bem quisto de todos que o conheciam, e que applaudiam os seus chistes e ditos naturalmente engraçados, e satyricos. Viveu por muitos annos decentemente dos proventos do seu emprego, e do producto dos muitos papeis que imprimia, e que eram bem acolhidos do  publico. Sabendo amoldar-se ás circumstancias politicas do tempo, escreveu sucessivamente a favor  das idéas liberaes e do governo absoluto.”

Preço:42,00€

Referência:13528
Autor:RODRIGUES DA COSTA, José Daniel
Título:NOVODIVERTIMENTOPARAMEIOQUARTODEHORA
Descrição:

Na Impressão de João Nunes Esteves, Lisboa, 1825. In-8º de 20 págs. Encadernação inteira com  dizeres e florões a ouro na lombada.

INVULGAR.

Observações:

Folheto  muito curioso e invulgar deste autor cuja bibliografia tem bastante interesse para a história  da sociedade portuguesa da sua época. Este folheto contém 16 sonetos e no prefácio o autor lamenta-se a perda crescente da qualidade da literatura portuguesa. Nos sonetos 12, 13, 14 e 15, o autor critica o comportamente dos brasileiros "Da ruel Anarquia a effervescencia / Na America soltou toda a impiedade ."(...):"Gentes do Rio, Gentes da Bahia,Do Pará, Maranhão, e Pernambuco,Onde estão as Chulices, e o Batuco,Que tanto no Brazil nos attrahia?"

Preço:45,00€

Referência:12927
Autor:RODRIGUES, Armindo
Título:A ESPERANÇA DESESPERADA poemas
Descrição:

Edição do autor, Coimbra, 1948. In-8º de 70-(1) págs. Br.Integrado na colecção do "Galo", dada a lume em Coimbra e cuja tiragem foi sempre muito restrita. Tiragem especial de 30 exemplares numerada, em papel de linho, com um poema autógrafo e um retrato do autor por Maria Keil.


PRIMEIRA EDIÇÃO.
RARO & PEÇA DE COLECÇÃO.

Observações:

RUMO

Ergue-se do fundo
do mundo em mim
tudo o que penso.
Pensar é ir
e o que sou
alegremente
o aceito e quero.

Ao pé do imenso
espanto de existir
o resto é zero.

Tudo procuro
sem crer em nada
definitivo,
com o motivo
exacto e duro
de tudo querer
compreender.

Pensar é ir.
Ir é ser.

Preço:60,00€

Referência:12501
Autor:RUI, Manuel
Título:11 POEMAS EM NOVEMBRO
Descrição:

União dos Escritores Angolanos, Luanda, 1976. In-8º de 39 págs. Br. Capa de Waldemar. Integrado na colecção "Cadernos Lavra & Oficina".

Segunda edição.

 

"

Observações:

Da badana

"11 Poemas em Novembro é um livro pequeno com o grande valor em que a poesia assume a imagem espiral num crescendo de música, raiva, palavra e voz colectiva"

 

 

O MAR

E tudo é novo
e chamado por novo vocativo:
Camarada!
E até o velho mar
de sal sabendo a tempo antigo
num marulhar tão grande e colectivo
arrombando o peito de ondas contra o sol
anda a bocar à toa que é mar novo
mudou de nome
diz chamar-se povo.

Preço:10,00€

Referência:13561
Autor:SOYÉ, Luis Rafael
Título:NOITES JOZEPHINAS DE MIRTILO SOBRE A INFAUSTA MORTE DO SERENISSIMO SENHOR D. JOZE PRINCIPE DO BRAZIL edicadas ao consternado povo luzitano por
Descrição:

Na Regia Officina Typografia, Lisboa, 1790. In-8º de 248-(2) págs. Encadernação coeva da época inteira de carneira mosqueada com dizeres a ouro na lombada sobre rótulo de pele vermelha. Obra de grande apuro tipográfico magnificamente ilustrada com 16 gravuras de página inteira em extra texto, o frontispício gravado e decorado com figuras alegóricas e o retrato do autor e 12 vinhetas de meia página no começo de cada canto pelos melhores desenhadores e gravadores portugueses da época: Carneiro da Silva, Jerónimo de Barros, Soyé, Frois, João Tomás da Fonseca, Ventura da Silva, Lucius, Ramalho, entre outros. Cremos estar falho do retrato de D. José.

PRIMEIRA EDIÇÃO

MUITO RARA.

 

Observações:

Poema elegíaco sobre a morte de  D. José, príncipe do Brasil e duque de Bragança.

Inocêncio V, 316. “LUIS RAPHAEL SOYÉ, n. em Madrid a 15 de Abril de 1760, filho de paes estrangeiros, é certo que Soyé veiu para Lisboa trazido ainda na primeira infancia por seus paes, que em breve faleceram, correndo a sua educação, ao que posso julgar, por conta do morgado da Oliveira João de Saldanha Oliveira e Sousa, depois primeiro conde de Rio maior, que parece haver sido o seu protector durante muitos annos. Consta que aprendêra tambem as artes da pintura e gravura a buril, do que nos deixou documento em algumas estampas das suas Noites Josephinas Do seu tracto e amisade com Francisco Manuel existe a prova em uma ode que este lhe dirigiu, na qual se lhe mostra muito affeiçoado. Alguns versos que publicára nos annos de 1808 e seguintes em louvor de Napoleão, e que traduzidos em francez agradaram ao imperador, e foram por elle remunerados generosamente, fizeram que depois da restauração dos Bourbons o poeta ficasse malquisto, e vendo se então em pobreza e impedido de voltar para Portugal, como parece desejava, partiu para o Rio de Janeiro. - Alli conseguiu emfim que por elle se interessassem algumas pessoas influentes, e obteve a nomeação de Secretario da Academia das Bellas artes, logar que pouco tempo. Noites Josephinas de Myrtillo, Tem um frontispicio gravado a buril, os retratos do principe D. José e do auctor, e mais quatorze estampas havendo ainda no principio de cada um dos doze cantos, ou noutes (em quartetos hendecasyllabos rythmados) de que se compõe o poema, uma vinheta allusiva ao assumpto do canto: tudo executado pelos melhores gravadores nacionaes d'aquelle tempo. Posto que este poema elegiaco (o primeiro do seu genero que se imprimiu em Portugal) esteja mui longe de poder julgar se perfeito, não parece todavia tão mau como se esforçaram em fazer crer alguns emulos do auctor. Um d'estes, Manuel Rodrigues Maia, de quem tractarei em seu logar, levou o desejo de ridiculisal o ao ponto de compor á sua parte outro poema heroi comico em tres cantos de outava rythma, com o titulo Josephinada (do qual conservo uma copia manuscripta, e vi o autographo em poder do falecido F. de P. Ferreira da Costa) cujo assumpto é a publicação das Noites Josephinas tractada comicamente, e revestida de episodios satyricos, sem comtudo transcender os limites de uma critica litteraria. Conta se tambem com referencia ás Noites uma anecdota, que não é para ser omittida. Dizem que logo depois da publicação do poema, estando o poeta na loja de não sei qual livreiro onde o tinha posto á venda, entrára ahi um sujeito desconhecido, pedindo um exemplar que lhe foi para logo apresentado. Então o sujeito pediu tambem uma tesoura, e com ella foi cuidadosamente cortando as estampas e vinhetas da obra, as quaes depois de juntas embrulhou n'uma folha de papel. Isto feito, e tirando da bolsa os 1:200 réis, preço do volume, entregou os ao livreiro, dizendo lhe: «Eu pago só as estampas quanto ao livro, ahi fica: póde guardal o para mechas!» E sahiu, comprimentando polidamente as duas personagens, cujo desapontamento é facil de imaginar!”

 

Preço:185,00€

Referência:12875
Autor:TORGA, Miguel
Título:CÂMARA ARDENTE - Poemas
Descrição:

Coimbra Editora, Coimbra, 1962. In. 8.º de 86-(1) págs. Brochado com rubrica de posse no ante-rosto.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

RARO.

Observações:

Câmara Ardente

Serve-se no presente
Dum símbolo futuro…
Um frio prematuro
De mortalha
Coalha
A inspiração
Que animava o seu canto.
Não morreu. Mas enquanto
A vida lhe negar um novo sol,
Mais quente e mais fecundo,
Não vislumbra outra imagem
Da intima paisagem
Deste mundo…

 

Preço:40,00€

Referência:12787
Autor:TRINACRINO,Dafni
Título:PER IL FELICISSIMO GIORNO NATALIZIO DI SUA ALTEZA REALLE LA PRINCIPESSA DEL BRASILE
Descrição:

Stamperia Reale, Lisboa, 1790. In-8º de 16 págs. Br. Com alguns picos de acidez no frontispício.

PRIMEIRA EDIÇÃO

RARO.
 

Observações:

Folheto com alguns poemas em italiano escritos por Dafni Trinacrino, Accademico del Buon Gusto, escrito por ocasião do aniversário de Dona Carlota Joaquina.
 

Preço:20,00€
página 1 de 5