Banner Vista de Livro
 Aplicar filtros
Livros do mês: Junho 2024
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

Presença

Foram localizados 29 resultados para: Presença

 

Referência:14963
Autor:AAVV
Título:A TRADIÇÃO. Revista Academica Coimbrã.
Descrição:

 [Casa Tipográfica de Alves & Mourão. Coimbra]. Tomo I (1 a 5). Coimbra, Agosto - 1920. In-4.° de (2)-40 págs. Brochado com estampas em separado impressas em papel couché. Ostenta uma dedicatória autógrafa de Camilo Valente, director da revista. Capa de brochura com ligeira acidez generalizada localmente com foxing, própria da sua qualidade intrínseca. Cantos inferior e superior direito da capa anterior com pequena falha de papel. Miolo muito bem conservado e muito limpo.

Preserva a muito rara folha volante AOS PORTUGUESES D'ALÉM MAR, não referida na bibliografia especializada, nem nos importantes catálogos de colecções de periódicos literários (ver penúltima foto).


 

Observações:

Revista académica coimbrã, que se apresenta com subtítulo «Pró-Raça», um tomo (fascículos de 1 a 5). Daniel Pires, no seu Dicionário da Imprensa Periódica Literária Portuguesa, diz-nos "... dirigida em Coimbra por Camilo Valente, mostra-se incisiva na sua afirmação: «Senhor Ministro: Esta folha académica será a trampa donde os clamores da Academia ecoem, e junto de Vª Ex° deponham as nossas aspirações.» ...".

Colecção completa desta interessante revista literária coimbrã, precedida de um número espécime, que não possuímos e que raramente aparece reunido (na Biblioteca Nacional tão pouco existe um exemplar). Direcção e edição de Camilo Valente e colaboração literária assinada por Augusto Casimiro, Américo Cortez Pinto, Afonso Duarte, Ângelo César Machado, António de Portucale (António de Sousa), Alfredo Brochado, Cabral do Nascimento, Fernandes Martins entre outros.

Fernando Guimarães na sua importante obra ensaística Simbolismo, Modernismo e Vanguardas (1982) considera ser esta revista a que prepara o aparecimento da imprtante revista literária Presença.

Alfredo Ribeiro dos Santos, 3434. Laureano Barros não refere.

Preço:275,00€

Referência:15364
Autor:BUGALHO, Francisco
Título:CANÇÕES DE ENTRE CEU E TERRA.
Descrição:

Edições “Presença”, Coimbra, 1940. In-8º de 92-(4) págs. Brochado com capas ligeiramente amarelecidas por acção do tempo, lombada com ligeiros defeitos de manuseamento e acção ligeira de lepismatídeos. Miolo em bom estado, não obstante a acidez generalizada resultante da fraca qualidade de papel empregado (raras são as obras que, no período da guerra, não apresentam esta característica de papel de menor qualidade).

PRIMEIRA EDIÇÃO ostentando uma dedicatória autógrafa, de uma tiragem total limitada a 450 exemplares. Ilustrado ao longo do texto e na capa de brochura com xilogravuras da autoria de Átila Mendley.

Observações:

Trata-se do segundo livro (o primeiro foi publicado em 1931) de Francisco Bugalho (1905-1949) saído dos prelos das apreciadas e procuradas edições Presença. Na opinião de João Gaspar Simões, a leitura de Canções de Entre Céu e Terra e Paisagem “... ajudará a medir o talento desse quase desconhecido lírico, cantor dos costumes, da paisagem, dos largos silênciosos, da estepe alentejana...”.

 

Preço:80,00€

Referência:15363
Autor:BUGALHO, Francisco
Título:PAISAGEM
Descrição:

(Tip. Ramos, Afonso & Moita), Lisboa, 1947. In-8º de 97-(5) págs. Brochado. Miolo muito lmpo e fresco. Capas de brochura ligeiramente amarelecidas por acção do tempo, lombada com ligeiros defeitos de manuseamento, frontspício com rubrica de posse safada.

PRIMEIRA EDIÇÃO

Observações:

A poesia de Francisco Bugalho (1905-1949) é considerada "provincial" por David Mourão-Ferreira, no sentido da contemplação com atitude plácida. Neste título de lirismo sóbrio do poeta da Presença, são os elementos como a paisagem, a natureza, o envolvimento rural e o ambiente social alentejano que são exaltados.

Preço:40,00€

Referência:15203
Autor:DUARTE, Afonso
Título:OSSADAS
Descrição:

Seara Nova Editora, Lisboa, 1947. In. 8.º de 98-(4) págs. Brochado. Exemplar muito limpo e fresco, impresso sobre papel de linho.

PRIMEIRA EDIÇÃO e peça de colecção deste exemplar, que pertence à edição especial em papel de linho, numa tiragem de 100, numerados e rubricados pelo autor, levando este o nº 4.

 

 

Observações:

Afonso Duarte é tido como autor cuja poesia se situa entre o saudosismo e o movimento da revista Presença, e que acabou por ter relevante influência na geração de poetas do neo-realismo.

Livro de "... Poemas breves / como o instante da flor / que abriu para morrer. ..."  publicados nas importantes revistas literárias CONTEMPORÂNEA, TRÍPTICO, PRESENÇA, MANIFESTO, SINAL, SÍNTESE, REVISTA DE PORTUGAL, CADERNOS DE POESIA, ATLÂNTICO, LITORAL, VÉRTICE, PORTUCALE e SEARA NOVA.

Preço:75,00€

Referência:15387
Autor:MONTEIRO, Adolfo Casais
Título:CONFUSÃO. Poemas.
Descrição:

Edições “ Presença”, Coimbra, 1929. In-8º de 70-(1) págs. Encadernação cartonada com dizeres dourados na lombada. PRESERVA AS BONITAS CAPAS DE BROCHURA DE FEITURA TÍPICA PRESENCISTA. Exemplar da tiragem normal e numerada, limiada a 318 exemplares, levando o presente exemplar o número 153. Capa de brochura de original composição sendo de cor branca, ao contrário da das edições especiais de cor verde. Ligeiro aparo à cabeça.

 

PRIMEIRA EDIÇÃO - RARO

Observações:

Livro de poemas de estreia deste autor que é “... entre os poetas presencistas, um dos que de forma mais nítida continuam o espírito do primeiro modernismo”.

Preço:130,00€

Referência:14971
Autor:MONTEIRO, Adolfo Casais
Título:EUROPA.
Descrição:

Editorial Confluência, Lisboa, 1946. In-8.º gr. de 38-(2) págs. Brochado. Capa de brochura ilustrado com desenho de António Dacosta. Rubrica de posse coeva no ante-rosto. Lombada com pequena falha de papel junto ao pé e à cabeça. Miolo impecável, bem estruturado pelo seu exceelnte estado de conservação.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Segundo Vanessa Sousa, este poeta Adolfo Casais Monteiro, " ... sendo um homem interessado pela política e pela defesa da dignidade humana, escreveu os seus versos numa angústia que se intensificou durante a Segunda Guerra Mundial, quando todo e qualquer princípio ético foi posto em causa. Aliás, foi a sua “intervenção cívica de exemplar dignidade” que lhe valeu o exílio. Mas ainda antes de partir para o Brasil, Casais Monteiro escreveu em tom de protesto uma obra com o título do continente que o viu nascer: Europa (1946). Livro composto por um longo poema sobre o velho continente, foi escrito entre 1944 e 1945 e publicado logo após a segunda Grande Guerra. (...) Numa clara crítica ao nazismo, Casais Monteiro pergunta: “Europa sem misérias arrastando seus andrajos, / virás um dia? Virá o dia / em que renasças purificada?” Casais Monteiro descreve uma Europa idealizada por si próprio, uma Europa “sem misérias”, “sem andrajos”, uma Europa purificada e livre da “mão avara”. Este desejo de regeneração estende-se ao longo dos seus versos, que vão descrevendo o estado decadente desse continente. A Europa precisava de se purificar para que não findasse. O poeta pede redenção para o mal que a Europa causou, mas também deseja que o seu bem, já existente antes da guerra, seja repartido. Assim, esta aparente esperança acompanha o percurso do leitor pelos versos referentes à temática da morte e da destruição causadas pela guerra. Tal disforia ocupa grande parte da obra z, apesar de os seus primeiros versos serem de esperança, purificação e renascimento. ...".

Preço:45,00€

Referência:14267
Autor:MONTEIRO, Adolfo Casais
Título:A POESIA DA "PRESENÇA"
Descrição:

Ministério da Educação e Cultura - serviço de documentação, Rio de Janeiro, 1959. In-8º de 363 págs. Br. Rubrica de posse no frontispício.
Primeira edição.

Observações:

Esta obra começa por fazer uma antologia das poesias de António Nobre, dos poetas da Geração do Orpheu, posteriormente apresenta poesias e poetas contemporâneos brasileiros e portugueses.

Preço:25,00€

Referência:15237
Autor:NEMÉSIO, Vitorino
Título:EU, COMOVIDO A OESTE. Poemas.
Descrição:

Revista de Portugal. Lisboa. 1940. In-8º de 36 págs. Brochado. Capa de brochura anterior com pequenas manchinhas de tinta e raro foxing (ausente no miolo).
Ostenta uma dedicatória autógrafa ao poeta Alexandre O'Neill.

Primeira edição independente de um dos mais célebres livros de poemas do autor, RARO no mercado. PEÇA DE COLECÇÃO

Observações:

Conjunto de 41 poemas que Nemésio publicou na Revista de Portugal e ainda no mesmo ano os editou sob a forma de livro.

Paulo Quintela, 467; Laureano Barros, 3896.

Preço:225,00€

Referência:15329
Autor:RÉGIO, José
Título:POEMAS DE DEUS E DO DIABO
Descrição:

Composto e Impresso nas Oficinas de "Lúmen", Coimbra, 1925). In-4º de 88 págs. Brochado. Exemplar com miolo irrepreensível e capas de brochura (quase) intactas, estando ligeiramente intervencionadas com reforço das margens, sem rasgões, como habitualmente aparece nos raríssimos exemplares.

PRIMEIRA EDIÇÃO de extrema raridade, quando assim se encontra como o que se apresenta.

Observações:

Poemas de Deus e do Diabo é o primeiro livro de poemas José Régio, onde foi publicado o famoso “Cântico Negro”. Considerado como um dos livros mais marcantes da Literatura Portuguesa, com esta estreia Régio marca literariamente todo o século XX português como também um programa de vida e uma afirmação estética.

Preço:2450,00€

Referência:14962
Autor:RÉGIO, José
Título:MAS DEUS É GRANDE
Descrição:

Editorial "Inquérito" Lda, Lisboa, 1945. In-8.º de 110-(7) págs. Brochado. Exemplar em excelente estado de conservação.

Observações:
Preço:60,00€

Referência:14960
Autor:RÉGIO, José
Título:HÁ MAIS MUNDOS. Contos
Descrição:

Lisboa, Portugália Editora, 1962. In-8º de 264-(6) págs. Brochado. Miolo limpo, com alguma acidez marginal, própria da qualidade do papel.

PRIMEIRA EDIÇÃO

Observações:

Insere os contos intiutlados:
Os Três Vingadores ou Nova História de Roberto do Diabo
O Fundo Do Espelho
Conto do Natal
Os Paradoxos do Bem
Os Três Reinos
Os Alicerces da Realidade
As Historietas dum Coleccionador de Antiguidades

«Tanto mais duvidamos quanto mais sabemos, ou julgamos saber. E sobre nós mesmos, homens, se torna ainda maior a nossa perplexidade! [...] Decerto há mais mundos que os já descobertos, conhecidos, sonhados! Porém o nosso espírito recua, o nosso entendimento vacila e teme, em se aventurando um passo no labirinto das esferas, nas sombras dos nossos próprios subterrâneos...» (in "Os Três Vingadores ou Nova História de Roberto do Diabo", JR)

Preço:30,00€

Referência:14959
Autor:RÉGIO, José
Título:AS ENCRUZILHADAS DE DEUS
Descrição:

Edições Presença - Atlântida, Coimbra, 1935. In-4º de 177, [5] págs. Encadernação coeva meia francesa em pele vermelha com dizeres e floreados dourados na lombada. Conserva capas de brochura e corte superior das folhas carminado. BELÍSSIMA EDIÇÃO ilustrada por Júlio. Miolo impecável, coifas de encadernação fragilizadas pelos ciclos e abertura e fecho.

1ª EDIÇÃO das primeiras obras do autor

Observações:

José Régio pseudónimo de José Maria dos Reis Pereira, nasceu em Vila do Conde, a 17 de Setembro de 1901. Licenciado em Letras pela Universidade de Coimbra. Viveu grande parte da sua vida na cidade de Portalegre (de 1928 a 1967), onde foi professor durante mais de 30 anos, no seu Liceu.

Foi possivelmente o único escritor em língua portuguesa a dominar com igual mestria todos os géneros literários: poeta, dramaturgo, romancista, novelista, contista, ensaísta, cronista, jornalista, crítico, autor de diário, memorialista, epistológrafo e historiador da literatura. Foi um dos fundadores da revista Presença, da qual foi editor, director e o seu principal animador, desenhador, pintor. à parte de tudo isso, foi aina grande coleccionador de arte sacra e popular.

Preço:300,00€

Referência:15223
Autor:SÁ-CARNEIRO, Mário de
Título:INDÍCIOS DE OIRO
Descrição:

Edições Presença, Porto, 1937. In-4º de 86 págs. Encadernação moderna, meia francesa com cantos em pele azul, com dourados em casas fechadas. Preserva as capas de brochura. Aparo marginal generalizado. Raras e insignificantes manchinhasnas capas.

Primeira edição, póstuma, de uma tiragem limitada a 850 exemplares numerados.

Observações:

Na Nota dos Editores, p. 83, lemos: “Propusemo-nos editar os Indícios de Oiro desde que Fernando Pessoa, há anos, nos confiou a sua cópia. A Fernando Pessoa, depositário dos inéditos de Sá-Carneiro, se devia já a publicação na Contemporânea, na Athena, na Presença, em outras revistas ainda, de vários poemas dos Indícios de Oiro. Além de que já um grupo dêles fôra publicado em vida do poeta, no nº2 do Orpheu. Não se trata, pois, duma colectânea de dispersos: mas duma obra que só a morte impediu o autor de publicar, e cujo título e ordenação êle próprio determinou. O poeta suicidou-se a 26 de Abril de 1916. Assim alguns poemas são de poucos meses anteriores à sua morte (...)”

Preço:170,00€