Banner Vista de Livro
 Aplicar filtros
Livros do mês: Outubro 2020
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

República

Foram localizados 44 resultados para: República

 

Referência:13655
Autor:ALMEIDA, António José de
Título:DISCURSOS DE...
Descrição:

Jacintho Ribeiro dos Santos, Rio de Janeiro, 1922. In-8º de 42-(1)-VI-(1) págs. Encadernação moderna meia inglesa em pele com dizeres a ouro em rótulo de pele na pasta. Conserva as capas de brochura. Bom exemplar, bem estimado e estado atendendo à qualidade do papel brasileiro do período em questão.
Folheto bastante raro entre nós.

Observações:

Discursos proferidos durante a estadia de António José de Almeida no Rio de Janeiro de 17 a 27 de Setembro de 1922, por ocasião das festas commemorativas do 1º centenária da Independencia do Brasil.

Preço:19,00€

Referência:13653
Autor:ALMEIDA, António José de
Título:A MONARCHIA
Descrição:

Typ. Eduardo Roza, Lisboa, s.d. [1908 ?]. In-8º de 30 págs. Encadernação de execução moderna, meia francesa em pele com cantos e rótulo na pasta anterior. Folheto com picos acentuados, dada a qualidade própria do papel, de baixa gramagem. Restauro marginal com reforço tosco de charneira.

 

RARO.

Observações:

 "Discurso pronunciado na camara dos deputados, em sessão de 3 de Junho de 1908, e mandado publicar e distribuir por um grupo de republicanos", relacionado com os seguimento da conspiração contra a ditadura de João Franco sendo enclausurado quando dos acontecimentos de Janeiro de 1908. Posto em liberdade, continuou a sua propaganda nas páginas dum panfleto, Alma Nacional, e no livro A Monarquia Nova.

Preço:25,00€

Referência:12804
Autor:ALMEIDA, António José de
Título:DESAFFRONTA (Historia d’uma perseguição).
Descrição:

Augusto d' Oliveira Editor, Livraria Moderna, Coimbra, 1894. In-8º de 204-(4) págs. Encadernação coeva modesta meia inglesa em sintético com dizeres a ouro na lombada. Miolo com alguns picos de acidez. Apresenta  o fac-símile da polémica "proposta que o Sr. Lopes Vieira apresentou á congregação da faculdade de medicina". Ante rosto e frontspício com manchas de humidade.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

INVULGAR.

Observações:

Obra que trata da denúncia do autor sobre o facto de não ter sido  admitido no corpo docente da Faculdade de Medicina como era o seu desejo, e que ele afirma ser um caso de perseguição política contra ele  feita por  Lopes Vieira  conjuntamente com Augusto Rocha e Costa Alemão por ocasião da revolta de 31 de Janeiro.

 

Preço:30,00€

Referência:14349
Autor:ARRIAGA, José d'
Título:OS ULTIMOS 60 ANNOS DA MONARCHIA. Causas da Revolução de 5 de Outubro de 1910.
Descrição:

Parceria A. M. Pereira, Lisboa, 1911. In-8º de 239-(2) págs. Brochado. Capas impressas em papel fino, apresentando alguns insignificantes defeitos marginais. Miolo muito limpo, apesar de amarelecido pela acção do tempo. Rúbrica de posse no frontspício.

Observações:

Da afamada Wikipédia, lemos o seguinte, sobre este autor, irmão de Manuel de Arriaga:

"José de Arriaga nasceu na casa do Arco, no centro da cidade da Horta, Ilha do Faial, filho de Sebastião José de Arriaga Brum da Silveira e de sua esposa Maria Cristina Pardal Ramos Caldeira. Foi irmão de , o primeiro Presidente da República Portuguesa. Pertencente à melhor sociedade faialense, o pai era um dos mais ricos comerciantes da cidade, último administrador do morgadio familiar e grande proprietário. A família, com pretensões aristocráticas, traçava as suas origens até ao flamengo Joss van Aard, um dos povoadores iniciais da ilha. Foi neto do general Sebastião José Brum da Silveira, que se distinguiu na Guerra Peninsular, e sobrinho-neto do desembargador Manuel José Arriaga Brum da Silveira, que em 1821 e 1822 foi deputado pelos Açores às Cortes Gerais e Extraordinárias da Nação Portuguesa .

Depois de concluídos os estudos preparatórios na cidade da Horta, em 1860  foi para Coimbra na companhia do seu irmão Manuel de Arriaga, quatro anos mais velho, que se matriculara em Direito na Universidade de Coimbra. Depois de concluir os seus estudos preparatórios naquela cidade, em 1863 matriculou-se também no curso de Direito.

Tendo aderido, como o irmão, ao ideário do republicanismo democrático, o pai, um monárquico conservador com laivos de miguelismo, recusou-se a pagar-lhe os estudos, tendo então que recorrer à ajuda do irmão, que dava aulas particulares de inglês, e à escrita de artigos para diversos periódicos. Em 1869 tornou-se bacharel em Direito.

Ainda enquanto estudante, colaborou em jornais e realizou estudos históricos, que continuou ao iniciar a carreira burocrática como conservador do Registo Predial em várias comarcas, entre as quais Armamar, Benavente e Reguengos de Monsaraz, onde não tomou posse. Conseguiu um lugar na Biblioteca Nacional de Lisboa, o que lhe deu ensejo de se dedicar aos estudos históricos e filosóficos. A sua principal obra é a História da Revolução Portuguesa de 1820 (4 vols., Porto, 1886-1889).

Viveu sempre solitário, sofrendo de depressão. Partiu inopinadamente para o Brasil, aparentemente por julgar que os parentes e amigos o perseguiam, tendo ali passado grandes necessidade e regressado doente a Lisboa. Terminou os seus dias no recolhimento da Irmãs da Mercê, em Lisboa."

Este título que agora se apresenta, é seu último enquanto historiador.

Preço:20,00€

Referência:13652
Autor:BRUNO, Sampaio
Título:A DICTADURA. Subsidios moraes para seu critico.
Descrição:

Livraria Chardron, Porto, 1909. In-8º de 293.(1) págs. Encadernação editorial em percalina verde, com ferros dourados nas pastas.

Observações:

Bruno ou Sampaio Bruno (1857-1915) foi escritor, ensaísta e filósofo portuense; figura cimeira do pensamento português do seu tempo Sampaio Bruno integrou o directório do Partido Republicano Português e fundou vários semanários portuenses. Com Antero de Quental e Basílio Teles elaborou os estatutos da Liga Patriótica do Norte no seguimento do Ultimato Britânico de 1890; participou na malograda revolta republicana de 31 de Janeiro de 1891, de cujo manifesto foi redactor e exilando-se depois em Paris com João Chagas. A depressão que o afectou no exílio contribuiu para encaminhar a sua pesquisa no sentido do misticismo e do esoterismo, mergulhando na literatura gnóstica de inspiração judaica, na cabala e na ideologia maçónica. No regresso a Portugal em 1893 publicou então as Notas do Exílio. Em 1898 publicou o Brasil Mental, em que desenvolveu a sua crítica ao positivismo comteano iniciada vinte anos antes. Em 1909 foi nomeado director da Biblioteca Pública Municipal do Porto mantendo o cargo após a proclamação da República até à sua morte em 1915. O seu pensamento filosófico de crescentes contornos místicos e esotéricos influênciou Fernando Pessoa.

Paulo Costa Domingos, no seu blog de informação bibliográfica, diz-nos o seguinte: "... Em pleno conflito ideológico com Afonso Costa, que chegou a agredir Sampaio Bruno fisicamente, o que levou este último a afastar-se do Partido Republicano, será ainda «[...] na qualidade de jornalista republicano independente que ele vai travar o veemente combate, que foi o seu, contra a ditadura de João Franco. Volta-lhe o ardor combativo de outrora. Escreve quase diàriamente um artigo. Insurge-se contra a supressão dos direitos cívicos e, quando, em 1908, João Franco caiu, logo após o assassinato do rei e do príncipe herdeiro, exclama: “o regicídio é, seguramente, um acto condenável, mas o despotismo não o é menos. O tiranicídio é, na verdade, um crime; mas a tirania é também um crime”. [...]»
. O vertente livro serve História na exactidão dos factos e na conotação posta nos mesmos.

Preço:24,00€

Referência:12981
Autor:CABRAL, Manuel Villaverde
Título:O OPERARIADO NAS VÉSPERAS DA REPÚBLICA (1909/1910)
Descrição:

Editorial Presença, Gabinete de Investigações Sociais, Lisboa, 1977. In-8º de 346 págs. Br. Capa de brochura ilustrada.

Observações:

Este trabalho tem um duplo intento: por um lado, inverter a ordem tradicional do discurso histórico sobre a classe operária (ordem que tem quase invariavelmente procedido das organizações para a classe); por outro lado, inverter a ordem do discurso histórico predominante entre nós sobre as relações entre o operariado e a República de 1910 (ordem que tem sempre procedido da esfera político-ideológica para a esfera socioeconómica). Um estudo que aponta, afinal, para uma maneira diferente de abordar a história em Portugal.

Preço:15,00€

Referência:13427
Autor:CASTRO, José Augusto de
Título:CALVARIO E TABÔR
Descrição:

Edição do autor, Lisboa, 1921. In-8º de 264 págs. Br. Capa de brochura com alguns picos de acidez, e com uma pequena falha de papel. Cadernos por abrir. Ilustrado com uma fotografia em extra-texto.

Observações:

Conjunto de crónicas de pendor republicano escritas por José Augusto de Castro, jornalista e poeta queno início do século XX, na Guarda, desempenhou um papel fundamental na luta e defesa dos ideais republicanos antes e depois da implantação da República. Estas crónicas reflectem a defesa dos seus ideais  e o combate feroz aos seus opositores políticos e à própria Igreja Católica.

Preço:20,00€

Referência:14460
Autor:DAEHNHARDT, Rainer
Título:PÁGINAS SECRETAS DA HISTÓRIA DE PORTUGAL
Descrição:

Edições Nova Acrópole, Lisboa,1995. Dois volumes cartonados de in-8º de 191 e 227 págs, respectivamente. Encadernação editorial ilustrada, assim como Ilustrado se apresenta ao longoda obra e em extra-texto.

Observações:

Esta obra é um compêndio de várias histórias, mais ou menos secretas organizado por  este historiador luso-alemão acrescentando sempre a sua análise e as fontes a que recorreu para abordar diversos casos omissos e falsas verdades da História de Portugal.

Abordam-se perguntas como, entre muitas outras:

Damião de Goes foi assassinado porque sabia demais? Houve um "Artigo Secreto" no tratado da aliança luso-britânica? A custódia de Belém esteve quase a ser derretida para cunhar moeda? O Mosteiro da Batalha foi vendido em hasta pública para servir de pedreira? Os antepassados de D. Afonso Henriques vieram do Báltico? Os lusitanos eram cristãos-arianos? Lisboetas já tinham ido aos Açores antes dos homens enviados pelo Infante D. Henrique?

Do Índice:

Volume I

- Um Deus Lusitano disfarçadamente ainda venerado
- O secretismo acerca dos Vândalos
- A origem Borgonhesa da 1ª dinastia portuguesa
- Dom João I, Fernão Lopes e a mudança da data
- Porque assassinaram Damião de Goes?
- O Avanço tecnológico do armamento português e sua influência nos contactos co outras culturas
- Lusitânea é a Coroa da Europa
- Para evitar Nova Guerra Portugal comprou o Brasil à Holanda
- O Conde de Lippe, um Homem de Espanto
- Moeda Falsa oficializada
- Dom Fernando II e seu amor por Portugal
- A Aliança Luso-Britânica e sua cláusula secreta
- Campos de concentração portugueses
- Serviço de correio estrangeiro a funcionar em Portugal

Volume II
- Terão Moçárabes lisboetas chegado aos Açores?
- Acerca da pergunta: "Quem foi Lopo de Calvo"?
- Contactos Luso-coptas
- Os cristãos de São Tomé
- Fernão de Magalhães não traiu Portugal
- Um presente português que mudou o Extremo-Oriente
- Uma investigação alemã sobre o falso (?) D. Sebastião
- O sebastianismo, a lenda messiânica portuguesa
- Um canhão no Cabo da Roca
- Uma carta de brasão espanhola passada em Lisboa
- O Duque de Schomberg, herói da Guerra da Restauração
- Uma rainha da Grã-Bretanha passou uma sentença de morte no Brasil
- Zeppelins nos Açores e Madeira
- Perdemos a nossa "Rampa de Lançamento"

Preço:45,00€

Referência:13107
Autor:FREIRE, João Paulo (MARIO)
Título:FOGOS-FÁTUOS
Descrição:

Edição da Renascença Portuguesa, porto, 1923. In-8º de 173-(1) págs. Encadernação moderna inteira de sintético castanho, conservando as capas de brochura com ligeiro restauro. Amarelecimento geral do papel, dada a sua fraca qualidade.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Curioso livro que trata de "Alguns problemas nacionais à margem... da política" (primeira parte) e de "Documentos para a História do Movimento Revolucionário do 19 de Outubro" (segunda parte do livro)

"Tudo quanto se coordenou neste volume sob a rubrica geral de Fogos-Fátuos veio publicado no diário lisbonense A Imprensa da Manhã. Pareceu-me conveniente arquivar em livro as duas partes deste volume. A primeira porque dizendo respeito a melhoramentos e iniciativas nacionais mais facilmente pode ser consultada pelos que a estas ninharias dedicam a sua inteligência e o seu esforço, tão inútil perante a contra-maré imbecil das massas; a segunda porque constituindo por si mesma uma série de interessantíssimos depoimentos para a desgraçada história do movimento revolucionário de 19 de Outubro de 1921, à História pertence e como tal a ela é devida, exactamente como o calhau bruto e informe faz parte do edifício que se constrói."

Preço:25,00€

Referência:13647
Autor:JUNIOR, Martins
Título:OPRESIDENTELANDRÚNAREPUBLICADACALABRIA
Descrição:

J.Rodrigues & Cª,Lisboa, 1927. In-8.º de XVI-660 págs. Br. Ilustrado com um retrato do autor. Capas e brochura empoeiradas.

Segunda Edição.

INVULGAR.

Observações:

Obra polémica escrita por um radical onde ele  critíca os políticos da Primeira República  e especialmente António Maria da Silva. É de notar também que  o autor, nascido em Abrantes, não deixa de referir a sua terra e o respectivo ambiente na época.

"Declaramos  que  este  livro  foi  escrito  pelo  seu  autor durante a "dinastia" do sr. Antonio Maria da Silva e que, de então para cá, ele não foi alterado, uma virgula sequer, no que estava produzido. Fazemos  esta  declaração  para  que  os  mal  intencionados  não  digam  que  a  violencia  da  linguagem contra os "do Landrú", fôra feita depois dele haver cahido. Este  livro  estava  concluido  no dia 31 de Maio de 1926".

Preço:25,00€

Referência:12505
Autor:NUNES, Manuel
Título:AS MEMÓRIAS DE UM AGENTE DA POLÍCIA. O chefe Pereira dos Santos contou-me a sua vida.
Descrição:

Editora Marítimo-Colonial, Lisboa, 1945. In-8º  de 291-(5) págs. Br. Ilustrado em extra-texto com fotografias do chefe Pereira dos Santos.

INVULGAR.

Observações:

Curiosa biografia do “Super-polícia” Pereira dos Santos, recheada de episódios, principalmente dos anos que se seguiram à implantação da República, e com referências a  entre outros, Brito Camacho, Afonso Costa, João Franco, Bernardino Machado, Homem Cristo, Sidónio Pais, etc. Contém memórias sobra a organização da Policia Preventiva.

"Nem sempre a biografia é o homem. Mas neste caso é – e longamente vivida, agitada, sofrida. Pereira dos Santos pode considerar-se hoje, dentro da sua profissão, um nome nacional. Todos o conhecem, até mesmo os que não passam pelas malhas da Justiça. Tem um passado e um presente. Aquele serviu-lhe de lição, e agora, já com cabelos brancos, e uma folha magnífica de serviços pode ser considerado o policia n. º 1."

Encerra os seguintes capítulos:

Quem é Pereira dos Santos? O segredo de Brito Camacho. Pereira dos Santos, moço de fretes. O primeiro polícia da República. Como se assaltavam as “batotas”. Afonso Costa e João Franco. Um drama em Estói. O chefe Pereira dos Santos condenado. A campainha do Marquês de Pombal. É preciso prender um. Noblesse oblige! Uma greve operária. A expulsão de Homem Cristo. Um episódio do 14 de Maio. Pereira dos Santos passador de notas falsas. Os amigos são para as ocasiões. Um atentado ao “Sud”. Um cão descobre um crime. A “hidra” no tempo de Liberato Pinto. Atentado frustrado. Uma ordem secreta de Sidónio Pais. As madrugadas do Sr. Bernardino Machado. “Todos ficamos servidos”. O que anda aqui a fazer? “Condessas” a dez contos. O mistério de um crime. Um homem misterioso. Segredo trágico. A arte ao serviço do crime. Madame Brouillard. Policia ou carteirista? O amor não é uma bola. Cuidado com as assinaturas. Os “órfãos” inconsoláveis”. A carteira de Maeterlinck. O bébé Lindberg não foi raptado? O falso Dr. Jacinto Simões. A quadrilha do presidiário. Três incêndios misteriosos. Lisboa por dentro. A sorte grande no Limoeiro. Coisas que sucedem. Matei o professor Gueifão! Amor a quanto obrigas. A polícia também teu coração. O roubo do Ministério das Subsistências. Um automóvel esquerdista. Coma se fazem notas. A estreia de Pereira dos Santos. As botas do padeiro. Alexandre Braga ataca Pereira dos Santos. Um falso denunciante. A arte de enganar o próximo. Quem matou? Romance de uma rapariga pobre. A luta contra os falsários. Um caso de “chantage”. As libras do inglês. Uma aventura amorosa. Nota final.

 

Preço:17,00€

Referência:14243
Autor:TELLES, Bazilio
Título:I-AS DICTADURAS II- O REGIMEN REVOLUCIONARIO
Descrição:

Typographia Minerva - Editora, Famalicão, 1911. In-8.º de 86 págs. Br. Assinatura de posse no ante-rosto.

Observações:

Se a posteridade regista sobretudo Bazilio Telles - o filósofo, o facto é que o seu trabalho dividiu-se entre essa faceta, os assuntos económicos, a actividade de publicista muito crítico da I República e a actividade política intensa. Depois de estudos incompletos, primeiro na Academia Politécnica do Porto e, depois, na Escola Médico-Cirúrgica também na sua cidade, dedicou-se ao ensino não universitário enquanto desenvolvia actividade política intensa e relevante no Partido Republicano. Chegou mesmo a ter de se exilar na sequência do seu envolvimento na tentativa falhada de implantação da República, lançada no Porto, de 31 de Janeiro de 1891. O momento central deste percurso perfaz mesmo o título de uma obra que publicará mais tarde, Do Ultimatum ao 31 de Janeiro (1905), título sintomático de um sentir republicano altamente patriótico e de extrema exigência que rapidamente o tornará um dos críticos mais severos da experiência republicana de 1910 a 1926.

Preço:25,00€

Referência:13677
Autor:VENTURA, António
Título:TEÓFILO JÚNIOR
Descrição:

Câmara Municipal de Arronches, Arronches, 1991.  In-8º de 217 págs. Br.

Observações:

Obra sobre Teófilo Júnior,  Républicano, Natural de Arronches, e que escreveu bastantes textos sobre os ideais Republicanos.

"Na manhã do dia 5 começou a afluir ao Centro Republicano grande quantidade de povo que aclamava febrilmente a República e os seus maiores vultos. Pouco depois saía do centro a filarmónica acompanhada de povo que já era em número considerável, à frente do qual marchavam os membros da comissão municipal repúblicana empunhando bandeiras.
Dirigiu-se o cortejo aos paços do concelho, onde foi içada, numa das janelas a primeira bandeira da República.
(...)De uma das janelas da câmara falaram entusiasticamente os académicos Barradas Tenório e Teófilo Júnior e o operário José Lopes, os quais receberam do povo grandes manifestações de simpatia."

 

Encerra os seguinte capítulos:

Introdução; Textos autobiográficos; Textos literários filosóficos, Polémica com António Sardinha, Textos políticos.

 

Preço:14,00€