Banner Temas de Livros

Palavras chave | Key Words

Açores | África | Afrodite | Agricultura | Alemanha | Alentejo | Algarve | América | Anais | Angola | Anti-Clericalismo | Antigo Regime | Antologia | Aramaico | Arqueologia | Arquitectura | Arquitectura Militar | Arquitectura Religiosa | Arte | Arte Monumental | Arte Popular | Arte Portuguesa | Artes Decorativas | Artes Plásticas | Artesanato | Autógrafos | Aveiro | Azurara | Barrancos | Batalhas | Beira | Bibliofilia | Bibliografia | Biografia | Botânica | Braga | Bragança | Brasil | Cabo Verde | Caça | Calão | Camiliana | Camões | Campo Maior | Caricaturas | Casa de Bragança | Castelo Branco | Castelo de Vide | Catálogo | Ceilão | Censura | Cerâmica | Cervantes | Ceuta | Chaves | China | Ciências | Ciganos | Cinema | Cister | Coimbra | Colonização | Conto | Contos | Correspondência | Costumes | Cristãos Novos | Crítica | Crónica | Culinária | D. Henrique | Dança | Descobrimentos | Descolonização | Diário | Dicionário | Diplomacia | Direito | Ditadura | Douro | Economia | Edição especial | Educação | Educação Sexual | Emigração | Ensaio | Ensino | Epístola | Epistolografia | Ericeira | Erotismo | Escultura | Esoterismo | Espanha | Estado Novo | Estanho | Estremoz | Estudos Pessoanos | Etnografia | Europa | Évora | Fauna | Fernando Pessoa | Figueira da Foz | Filologia | Filosofia | Flora | Folclore | Fotografia | França | Fundão | Galiza | Genealogia | Geografia | Gil Vicente | Goa | Grécia | Guerra | Guerra Colonial | Guerra Peninsular | Guiné | Hagiografia | Hebraico | História | História Natural | Humanismo | Idade Média | Igreja | Iluminura | Ilustração | Imprensa | In Memoriam | Índia | Inglaterra | Inquisição | Islão | Itália | Japão | Jesuítas | Jogo de Cartas | Jornalismo | Judeus | Latim | Leiria | Liberalismo | Linguagem | Linguística | Lisboa | Literatura | Literatura de Cordel | Literatura de Viagens | Literatura Infantil | Literatura portuguesa | Livro | Livros Proibidos | Macau | Maçonaria | Madeira | Malacologia | Mariana Alcoforado | Marinha | Marquês de Pombal | Marrocos | Medicina | medieval | Memórias | Militar | Minho | Misericórdias | Missões | Mitologia | Moçambique | Modernismo | Monarquia | Monarquia Constitucional | Muçulmanos | Música | Música Portuguesa | Neo-Realismo | Novela | Numismática | Ordem Monástica | Oriente | Ourivesaria | Pedagogia | Pesca | Pintura | Piratas | Poesia | Polémica | Polícia | Política | Porto | Portugal | Presença | Primeira Guerra Mundial | Primeiras edições | Propaganda | Prostituição | Quintentista | Rafael Bordalo Pinheiro | Raro | Regional | Religião | Religiosa Portuguesa | Renascimento | República | Restauração | Revista | Ribatejo | Romance | Romanceiro | Romantismo | S. Tomé e Príncipe | Salazar | Santarém | Sátira | Sebastianismo | Segunda Guerra Mundial | Sermão | Sexualidade | Sociedade | Solares | Surrealismo | Tauromaquia | Tavira | Teatro | Tecnologia Tradicional | Teologia | Termas | Terminologia Militar | Timor | Tipografia | Tiragem Especial | Torres Vedras | Tradução | Trás-os-Montes | Tratado | Turismo | Ultramar | Universidade | Viagens | Vila Real | Vinho | Viseu | Vista Alegre

Módulo background

A COMPANHIA CARRIS DE FERRO DO PORTO

em Diversos

Referência:
8595

Autor:
AMORIM, Diogo Pacheco de

Palavras chave:
sem palavras chave

Ano de Edição:
sem ano de edição definido

38,00€


Adicionar Sugerir

Título:
A COMPANHIA CARRIS DE FERRO DO PORTO
Descrição:
Coimbra Editora Lda, Coimbra, 1965. In-8.º de 187 págs. Brochado. Com todos os cadernos por abrir. Ilustrado com um mapa desdobrável da cidade do Porto, com respectivos caminhos de ferro e Tranvias electricos.

Trata-se da separata de "O Instituto", Vol. CXXV, 1965.
Observações:
"... Em 1894 a cidade do Porto era servida por uma rede de linhas de transporte de passageiros e de mercadorias com carros americanos de tracção animal. Deslocando-se sobre carris, o carro americano era traccionado por uma ou duas parelhas de cavalos, ou por uma ou duas parelhas de mulas. Perante os inconvenientes deste sistema de tracção, a companhia proprietária da concessão — a Companhia Carris de Ferro do Porto — requereu em Janeiro de 1894 uma licença para substituir, como ensaio, a tracção animal pela tracção eléctrica em duas linhas: linha da marginal e linha da Restauração. Iniciou-se, assim, um processo de electrificação que culminou com a viagem pública inaugural do carro eléctrico na linha da Restauração no dia 12 de Setembro de 1895. Esta electrificação ocorria catorze anos depois do aparecimento da primeira linha comercial pública de transporte de passageiros electrificada — a linha Gross-Lichterfelde (2,5 km), perto de Berlim — e sete anos depois de na América começar a expansão da aplicação dos sistemas de tramway eléctrico (carro eléctrico) nas mais diversas cidades. No entanto, como primeira instalação de tracção eléctrica em Portugal, a electrificação da linha da Restauração constitui um exemplo marcante do desenvolvimento da Electrotecnia neste País. A gestão da produção da energia eléctrica utilizada na alimentação dos motores eléctricos dos veículos, a exploração da alimentação em energia desses veículos por condutores aéreos com o retorno pelos carris, e a construção dos carros eléctricos por adaptação e motorização das carruagens do americano constituem acções que marcaram uma época pioneira da Engenharia portuguesa..." (Manuel Vaz Guedes, PORTO 1895 - A Electrificação da Linha da Restauração, revista ELECTRICIDADE, no 327, pp. 271-274, Novembro 1995)
Voltar