Banner Temas de Livros

Palavras chave | Key Words

Açores | África | Afrodite | Agricultura | Alemanha | Alentejo | Algarve | América | Anais | Angola | Anti-Clericalismo | Antigo Regime | Antologia | Aramaico | Arqueologia | Arquitectura | Arquitectura Militar | Arquitectura Religiosa | Arte | Arte Monumental | Arte Popular | Arte Portuguesa | Artes Decorativas | Artes Plásticas | Artesanato | Autógrafos | Aveiro | Azurara | Barrancos | Batalhas | Beira | Bibliofilia | Bibliografia | Biografia | Botânica | Braga | Bragança | Brasil | Cabo Verde | Caça | Calão | Camiliana | Camões | Campo Maior | Caricaturas | Casa de Bragança | Castelo Branco | Castelo de Vide | Catálogo | Ceilão | Censura | Cerâmica | Cervantes | Ceuta | Chaves | China | Ciências | Ciganos | Cinema | Cister | Coimbra | Colonização | Conto | Contos | Correspondência | Costumes | Cristãos Novos | Crítica | Crónica | Culinária | D. Henrique | Dança | Descobrimentos | Descolonização | Diário | Dicionário | Diplomacia | Direito | Ditadura | Douro | Economia | Edição especial | Educação | Educação Sexual | Emigração | Ensaio | Ensino | Epístola | Epistolografia | Ericeira | Erotismo | Escultura | Esoterismo | Espanha | Estado Novo | Estanho | Estremoz | Estudos Pessoanos | Etnografia | Europa | Évora | Fauna | Fernando Pessoa | Figueira da Foz | Filologia | Filosofia | Flora | Folclore | Fotografia | França | Fundão | Galiza | Genealogia | Geografia | Gil Vicente | Goa | Grécia | Guerra | Guerra Colonial | Guerra Peninsular | Guiné | Hagiografia | Hebraico | História | História Natural | Humanismo | Idade Média | Igreja | Iluminura | Ilustração | Imprensa | In Memoriam | Índia | Inglaterra | Inquisição | Islão | Itália | Japão | Jesuítas | Jogo de Cartas | Jornalismo | Judeus | Latim | Leiria | Liberalismo | Linguagem | Linguística | Lisboa | Literatura | Literatura de Cordel | Literatura de Viagens | Literatura Infantil | Literatura portuguesa | Livro | Livros Proibidos | Macau | Maçonaria | Madeira | Malacologia | Mariana Alcoforado | Marinha | Marquês de Pombal | Marrocos | Medicina | medieval | Memórias | Militar | Minho | Misericórdias | Missões | Mitologia | Moçambique | Modernismo | Monarquia | Monarquia Constitucional | Muçulmanos | Música | Música Portuguesa | Neo-Realismo | Novela | Numismática | Ordem Monástica | Oriente | Ourivesaria | Pedagogia | Pesca | Pintura | Piratas | Poesia | Polémica | Polícia | Política | Porto | Portugal | Presença | Primeira Guerra Mundial | Primeiras edições | Propaganda | Prostituição | Quintentista | Rafael Bordalo Pinheiro | Raro | Regional | Religião | Religiosa Portuguesa | Renascimento | República | Restauração | Revista | Ribatejo | Romance | Romanceiro | Romantismo | S. Tomé e Príncipe | Salazar | Santarém | Sátira | Sebastianismo | Segunda Guerra Mundial | Sermão | Sexualidade | Sociedade | Solares | Surrealismo | Tauromaquia | Tavira | Teatro | Tecnologia Tradicional | Teologia | Termas | Terminologia Militar | Timor | Tipografia | Tiragem Especial | Torres Vedras | Tradução | Trás-os-Montes | Tratado | Turismo | Ultramar | Universidade | Viagens | Vila Real | Vinho | Viseu | Vista Alegre

Módulo background

A CADEIRA DE SIDÓNIO ou a memória do presidencialismo.

em História - Descobrimentos

Referência:
8140

Autor:
ANTUNES, José Freire

Palavras chave:
sem palavras chave

Ano de Edição:
sem ano de edição definido

23,00€


Adicionar Sugerir

Título:
A CADEIRA DE SIDÓNIO ou a memória do presidencialismo.
Descrição:

Publicações Europo-América, Lisboa, 1981. In-8º de 192 págs. Brochado.

Observações:

"... o major Sidónio Pais habitou durante um ano o palácio de Belém. Fez no topo do Estado uma crónica romântiva. Amassou com bravura, vilezas e crimes a sua própria lenda. Governou e viveu perigosamente. Morreu assassinado. Nenhum político português do século XX foi tão odiado e tão aclamado. Muito se escreveu sobre ele. Certos autores são pródigos em atribuir-lhe as maiores audácias no plano institucional. Outros autores estão convencidos de que a figura não tinha cabeça própria e foi uma espécie de Mister Chance inventado pelos pais da igreja católica e pelos bacharéis do Integralismo Lusitano. Este livro não visa fazer de Sidónio nem um herói nem um bandido e tão-pouco retomar a torpeza da esquerda ou a nostalgia da direita. Mas tenta retroceder ao chão histórico real onde medraram Sidónio Pais e o seu autoritário. Uma cronologia sumária auxiliará o leitor a situar os factos descritos ao longo dos treze capítulos. Inserem-se, em apêndice documental, extractos do discurso político de Sidónio e da lei eleitoral corporativa, bem como uma entrevista com Martinho Nobre de Melo, um ministro do governo presidencialista. O fantasmo do homem providencial desponta nas encruzilhadas do Portugal contemporâneo. Mas não é demais lembrar que os chefes políticos, mesmo os providenciais, não caem do céu. A falência dos instalados e a angústia popular os engendram e lhes dão o palco da história..."

Voltar