Banner Temas de Livros

Palavras chave | Key Words

Açores | África | Afrodite | Agricultura | Alemanha | Alentejo | Algarve | América | Anais | Angola | Anti-Clericalismo | Antigo Regime | Antologia | Aramaico | Arqueologia | Arquitectura | Arquitectura Militar | Arquitectura Religiosa | Arte | Arte Monumental | Arte Popular | Arte Portuguesa | Artes Decorativas | Artes Plásticas | Artesanato | Autógrafos | Aveiro | Azurara | Barrancos | Batalhas | Beira | Bibliofilia | Bibliografia | Biografia | Botânica | Braga | Bragança | Brasil | Cabo Verde | Caça | Calão | Camiliana | Camões | Campo Maior | Caricaturas | Casa de Bragança | Castelo Branco | Castelo de Vide | Catálogo | Ceilão | Censura | Cerâmica | Cervantes | Ceuta | Chaves | China | Ciências | Ciganos | Cinema | Cister | Coimbra | Colonização | Conto | Contos | Correspondência | Costumes | Cristãos Novos | Crítica | Crónica | Culinária | D. Henrique | Dança | Descobrimentos | Descolonização | Diário | Dicionário | Diplomacia | Direito | Ditadura | Douro | Economia | Edição especial | Educação | Educação Sexual | Emigração | Ensaio | Ensino | Epístola | Epistolografia | Ericeira | Erotismo | Escultura | Esoterismo | Espanha | Estado Novo | Estanho | Estremoz | Estudos Pessoanos | Etnografia | Europa | Évora | Fauna | Fernando Pessoa | Figueira da Foz | Filologia | Filosofia | Flora | Folclore | Fotografia | França | Fundão | Galiza | Genealogia | Geografia | Gil Vicente | Goa | Grécia | Guerra | Guerra Colonial | Guerra Peninsular | Guiné | Hagiografia | Hebraico | História | História Natural | Humanismo | Idade Média | Igreja | Iluminura | Ilustração | Imprensa | In Memoriam | Índia | Inglaterra | Inquisição | Islão | Itália | Japão | Jesuítas | Jogo de Cartas | Jornalismo | Judeus | Latim | Leiria | Liberalismo | Linguagem | Linguística | Lisboa | Literatura | Literatura de Cordel | Literatura de Viagens | Literatura Erótica | Literatura Infantil | Literatura portuguesa | Livro | Livros Proibidos | Macau | Maçonaria | Madeira | Malacologia | Mariana Alcoforado | Marinha | Marquês de Pombal | Marrocos | Medicina | medieval | Memórias | Militar | Minho | Misericórdias | Missões | Mitologia | Moçambique | Modernismo | Monarquia | Monarquia Constitucional | Muçulmanos | Música | Música Portuguesa | Neo-Realismo | Novela | Novelas | Numismática | Ordem Monástica | Oriente | Ourivesaria | Pedagogia | Pesca | Pintura | Piratas | Poesia | Polémica | Polícia | Política | Porto | Portugal | Presença | Primeira Guerra Mundial | Primeiras edições | Propaganda | Prostituição | Quintentista | Rafael Bordalo Pinheiro | Raro | Regional | Religião | Religiosa Portuguesa | Renascimento | República | Restauração | Revista | Ribatejo | Romance | Romanceiro | Romantismo | S. Tomé e Príncipe | Salazar | Santarém | Sátira | Sebastianismo | Segunda Guerra Mundial | Sermão | Sexualidade | Sociedade | Solares | Surrealismo | Tauromaquia | Tavira | Teatro | Tecnologia Tradicional | Teologia | Termas | Terminologia Militar | Timor | Tipografia | Tiragem Especial | Torres Vedras | Tradução | Trás-os-Montes | Tratado | Turismo | Ultramar | Universidade | Viagens | Vila Real | Vinho | Viseu | Vista Alegre

Módulo background

Periódicos literários, artísticos e outros

Foram localizados 11 resultados para: Periódicos literários, artísticos e outros

 

Referência:13357
Autor:autoria indefinida
Título:REVISTA CRÍTICA DE CIENCIAS SOCIAIS
Descrição:

Centros de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, Coimbra, 1978-1986. Vinte primeiros números da Revista de Estudos Sociais em treze volumes (alguns dos números são duplos ou triplos). Br. Alguns volumes com assinatura de posse. Falho do nº 6.

Observações:

 A Revista Crítica de Ciências Sociais é  uma edição quadrimestral do CES (Centro de Estudos Sociais) da Universidade de Coimbra que publica artigos que apresentem resultados de investigação avançada e de reflexão teórica inovadora em todas as áreas das ciências sociais e das humanidades. A revista foi fundada em 1978 por professores de Sociologia da Faculdade de Ecoomia da UC sob a direcção de Boaventura de Sousa Santos.
A Revista privilegia a publicação de números temáticos com artigos escritos por investigadores sobre as  respectivas áreas de especialidade.


Estes primeiros vinte números encerram alguns números temáticos como : Literatura e sociedade; Teoria das classes; A pequena agricultura em Portugal;Portugal 1974-1984: Dez anos de transformação social,  e artigos bastantes interessantes como : Um Exemplo de Resistência Popular - O Sebastianismo (José Veiga Torres);A Reforma Agrária em Portugal e o Desenvolvimento Económico e Social (Afonso de Barros); Telenovelas. A Propósito da Cultura de Massas (João Paulo Moreira); A Escrita na Vida da Gente: Sobre "Autobiografias Operárias" (Maria Irene Ramalho); Re-lendo "A Room of One's Own". Onde se conta de mudas que ouvem, surdos que falam e mudas que aprenderam a falar (Graça Abranches); "All Colored People Sing". Do estereótipo à identidade (Isabel Caldeira); Carta inédita  de Jorge de Sena; Mulheres, Família e Trabalho Doméstico no Capitalismo  (Virgínia Ferreira);Para uma Sociologia da População - um comentário à Demografia  (Carlos Fortuna); A figura do camponês em Artes e Letras de oitocentos (José Augusto França) entre muitos outros.

Preço:75,00€

Referência:13368
Autor:GUERRA, Oliveira
Título:CÉLTICA
Descrição:

Escola Tipográfica da Oficina de S. José, Porto, 1960-1961. quatro números de in-8º com numeração corrida (o primeiro tem 48 páginas, o segundo decorre entre a 51 e 144, o terceiro entre a 147 e 240, e o final entre as 243 e 336). Br. Capas de brochura ligeira mente empoeiradas. Ilustrado ao longo do texto. Arranjo gráfico de António Leite.

COLECÇÃO COMPLETA.

INVULGAR

Observações:

Revista dirigida por Manuel de Oliveira Guerra no início da década de 60 do século passado. Esta
publicação tratava de "quebrar a capa de gelo" entre a literatura português e a literatura galega, e nela se recolheram colaborações de vários autores.
Existia um núcleo de colaboradores permanentes do lado português ( Hugo Rocha, Barata Feyo, Rebelo Bonito); um artista catalão, Tomás Casals Marginet,  e um núcleo galego, formado em volta dos irmãos Carré Alvarellos: Lois, Uxio e Leandro. Revista muito importante para traçar o panorama da relação galego-portuguesa a nível das artes e literatura nos anos 60.

 

Preço:45,00€

Referência:13636
Autor:GUIMARÃES, Jorge [edit.]
Título:LUSÍADA. Revista ilustrada de Cultura. Arte - Literatura - História - Crítica
Descrição:

Porto. 1952-1960. três volumes encerrando 13 números com 340 págs (1 a 4)-364 págs (5 a 8)- 444-62 págs. (9 a 13) + 20 págs. Encadernação meia francesa em pele com dizeres e florões a ouro na lombada. Profusamente ilustradas e com  impressão de luxo a cores sobre papéis couchés e texturados ou avergoados, brancos e a cores, brilhantes e mates. Folhas aparadas. No sétimo número as primeiras 24 páginas têm erro de numeração.

COLECÇÃO COMPLETA

INVULGAR.

Observações:

"Anelos vivos da Lusiada são os de valer como órgão da cultura portuguesa, em prol do avigoramento e realce intelectivos da pátria, como factor representativo da consciência mental do povo luso, não alheio às inquietações morais e artísticas da actualidade."


Revista artística publicada no Porto que aborda eclecticamente os mais variados assuntos, entre o erudito e o popular e encerrando lado a lado participação de autores ligados a doutrinas políticas bastante diferentes. Encerra participações de , entre muitos outros, autores como João Araújo Correia, Fernando Pamplona, Roberto Nobre, Eduardo Malta, António Quadros (o pintor), José-Augusto França, Júlio Resende, Artur Nobre de Gusmão, António Pedro, Diogo de Macedo, Eugénio de Andrade, Amândio César, Matilde Rosa Araújo, conde de Aurora, Fernando Namora, Henrique Medina, Cecília Meireles, Leão Penedo, Armando Côrtes-Rodrigues, Rui Luís Gomes, Hipólito Raposo, Cruz Malpique, Jacinto do Prado Coelho, Fidelino de Figueiredo, Julieta Ferrão, Agustina Bessa-Luís, Américo Cortez Pinto, Cabral do Nascimento, António Sérgio, Damião Peres,

Preço:180,00€

Referência:13837
Autor:LIMA, Campos
Título:A GAFANHA ( 1 e 2)
Descrição:

Edição de autor (composto e impresso na Typ. Minerva), Lisboa, 1909. Dois volumes de in-8º de 16 págs. cada. Br. Capas de brochura amarelecidas pelo tempo e com alguns picos de acidez.

MUITO RARO.

Observações:

Do Primeiro Número:

"A Gafanha, meus caros senhores, não é senão esta boa terra de mesquinharias e de toleimas, a fingir de nação da Europa e que nem ao menos por decoro anda de tanga. A Gafanha é a ‘piolheira’, onde só é gente o sr. Burnay. A Gafanha são os padres do ‘Portugal’, é a intentona, é a juventude monárquica, é a barriga do sr. Alpoim, a chefia do sr. Vilhena, a lei de 13 de Fevereiro, a beleza do sr. D. Manuel, o ‘Vasco da Gama’, o discurso da coroa, a chalaça do sr. Ferreira do Amaral e os adiantamentos. A Gafanha é esta terra de cegos, onde não havendo ao menos quem tenha um olho para ser rei, por esse facto se pensa fazer a República ..."

 

 

A Gafanha foi um periódico publicado em 1909 e do qual se sabe terem existido 8 números. Este tipo de periódicos são bastante difíceis de encontrar quer pela sua reduzida tiragem quer pela perseguição a quem defendia a "doutrina do anarquismo" resultante da Lei de 13 de Fevereiro de 1896.
Nos seus artigos, Campos Lima comentava jocosamente factos políticos, sociais e afins. critica quer a Monarquia quer a República.

Cada exemplar da A Gafanha era composto por 16 páginas, com capa em papel de cor. O seu preço  era de 30 réis. Não incluía imagens, nem  títulos: os textos são separados por dia e mês.

Preço:90,00€

Referência:13827
Autor:LOBO, Eduardo de Barros
Título:VESPAS
Descrição:

Livraria Internacional de Ernesto Chardron/ edição de autor, Porto, 1880. Três tomos de in-8º de 63-63-64 págs. Br. Capas de brochura ligeiramente empoeiradas.

COLECÇAO COMPLETA

INVULGAR.

Observações:

Curiosa publicação de Eduardo Lobo Correia de Barros, conhecido nos meios jornalísticos e literários pelo pseudónimo de  "Baldemónio". Era uma revista mensal humoristica e que visava com as suas críticas a cidade do Porto (Tweve apenas estes 3 números).


“Quem somos, d’onde vimos, para onde vamos?” – “Pódes a teu gosto julgar a aparição d’esta ligeira chronica um facto calamitoso, após as ultimas chuvas de janeiro, como o despontar d’um cogumelo venenoso; e todavia fazemos certo empenho em te declarar que o nosso rutilante enxame vem de caso pensado e rixa velha, através das enxurradas do inverno, com um propósito a nosso vêr meritório: o d’acordar no teu animo, como um excitante de satyras bem aguçadas e finas á flôr da epiderme social, a noção innata do senso commum, – ainda assim não tenho comum como á primeira vista parece, – visto que o jornalismo indígena, com a uniformidade marcial d’um mot d’ordre, se tem constantemente empenhado em a adormentar á força de velhacarias prudhommescas.”

“somos na imprensa, apenas uma vez por mez, a expressão escripta do bom senso (…)vimos alli de cima, da calçada dos Clerigos, com a missão explicita de soltar sobre a época um bando d’ironias aladas (…) vamos (…) não para a gloria, pelo motivo bem simples de que é para o Suisso, a tomar café e cognac."

Preço:125,00€

Referência:13250
Autor:PINA, Mariano
Título:O ESPECTRO Castigo semanal da politica
Descrição:

Edição do autor, Porto, 1890. Conjunto de cinco opúsculos  (os quatro primeiros e o nº7) em in-8 de 16-19-15-19-15 págs. Encdernação em papel com picos de acidez. Conserva todas as capas de brochura. Aparado com algum prejuizo para a leitura. O n.º 4 saiu com o título "Novo espectro".

RARO.

 

Observações:

Conjunto de cinco opúsculos publicados por Mariano Pina em 1890, em consequência das leis contra a liberdade de imprensa que vigoravam  nessa altura. Numa carta dirigida a Bordalo Pinheiro ele  aborda o assunto " As estas horas já deves ter recebido o 1º numero d’um panphleto semanal, o Espectro que acabo de lançar e que sahirá todos os sabbados. Esse panphleto será a expressão exacta do asco que causa a todo o portuguez a situação politica e financeira que nos criou este governo no estrangeiro, e principalmente na França. Hoje somos perante a Europa mais do que um povo ridículo – somos um povo enlameado.Toda a auctoridade e dictadura tem a sua razão de ser (...) mas d’ahi á mascarada a que estamos assistindo desde a famosa lei de 9 de Abril contra a imprensa – é o que é loucura fazer-se, mais do que uma loucura – um crime.” avisando que ” O Espectro diz
coisas do diabo. Ora enquanto o não suprimem, recommenda-o vivamente aos leitores dos Pontos nos ii e diz-me se a leitura te agradou. Mais te peço (...) que me mandes para Paristodos os jornaes governamentaes em que eu vou passar a ser insultado e difamado ".

Preço:35,00€

Referência:11863
Autor:sem autor definido
Título:A SEMANA - JORNAL LITTERARIO E INSTRUCTIVO
Descrição:Imprensa Nacional, Lisboa, 1850. In-8.º de 414 págs. Encadernação modesta, com lombada em pele, na qual se apresentam dizeres dourados, revelando sinais de manuseamento.
Observações:Jornal redigido por João de Lemos Seixas Castello Branco, Manuel Maria da Silva Bruschy, Ayres Pinto de Sousa e Jacinto Heliodoro de Faria Aguiar de Loureiro.
Preço:45,00€

Referência:11823
Autor:sem autor definido
Título:ATLÂNTICO Revista Luso-Brasileira
Descrição:Edição do Secretariado da PropagandaNacional, Lisboa e do Departamento de Imprensa e Propaganda, Rio de Janeiro/Lisboa. 1942-1959.COLECÇÃO COMPLETA. Série I: Números 1-6 , Lisboa 1942-1946. Série II: Números 1-7, Lisboa 1946-1948. Série III: Número 1-3, Lisboa 1949-1950. Profusamente ilustrada e tendo diferenças gráficas de série para série.
Observações:Revista editada, simultaneamente, em Lisboa e no Rio de Janeiro e publicada entre 1942 e 1950, com um total de dezasseis números, agrupados em três séries. Foi fundada e dirigida por António Ferro em Portugal (de 1942 a 1949) e por Lourival Fontes no Brasil (em 1942). O Secretário de Redacção foi José Osório de Oliveira e a DirecçãoArtística da responsabilidade de Manuel Lapa. A revista teve, ainda, como Director português António d’ Eça de Queiroz (1950) e, no Brasil, contou com a direcção de António Coelho dos Reis, Amílcar Dutra de Menezes, Óscar Fontenelle, Waldemar da Silveira e António Vieira de Mel.
Cada número era composto por três secções:ensaio, criação e crónica, e critica musical, literária ou plástica.
De entre os colaboradores artísticos destacam-se as figuras de Abel Manta, Almada Negreiros,António Dacosta, Bernardo Marques, Jorge Barradas, Stuart Carvalhais, Vieira da Silva, Arpad Szenes, Barata Feio, Carlos Botelho, Estrela Faria Leopoldo de Almeida, SarahAfonso,e Tom. Contou ainda com a publicação de textos, de grande valor literário, deautores importantes, como Alberto Osório de Castro, António Pedro, Aquilino Ribeiro,Camilo Pessanha, Carlos Drummond de Andrade, Castro Soromenho, Delfim Santos,Jorge de Sena, José Régio, Manuel Fonseca, Orlando Ribeiro, Cecília Meireles, Sophia de Mello Breyner Andresen, Vitorino Nemésio, Ruy Cinatti entre outros.
A revista tinha como objectivo estabelecer uma ligação entre Portugal e o Brasile reafirmar o que havia de comum entre os dois países e foi, segundo António Ferro,“Uma raça, duas nações, um mundo, eis a nossa legenda, a nossa bandeira.”
Preço:270,00€

Referência:8803
Autor:[ALMADA NEGREIROS]
Título:SUDOESTE 1 (a 3). Edição facsimilada.
Descrição:Contexto Editora, Lisboa, In-8º de 3 fascículos encadernados num só. Brochado.
Observações:Nos Cadernos de Almada Negreiros, como ficaram conhecidos,o Estado Novo é alvo das críticas encobertas do principal autor, e também de outros artistas da época como Fernando Pessoa.

Os três números da revista foram editados em 1935 com um propósito interventivo, embora discreto, já que se viviam os primeiros anos do Estado Novo. Almada Negreiros utilizou a revista “Sudoeste” para “alfinetar o regime” e “insisitir no valor absoluto do Homem”.

Inicialmente era esperado que o projeto tivesse uma periodicidade mensal, no entanto apenas 3 números foram editados em junho, outubro e novembro de 1935.

Também em termos de autores houve reajustes. Pretendia-se que os “Cadernos de Almada” fossem da responsabilidade única de Almada Negreiros, que criou os conteúdos das duas primeiras edições, no entanto a terceira já contou com colaborações de outros ilustres autores.

Alguns dos artistas da época que participaram nesta terceira edição foram Fernando Pessoa e o seu heterónimo Álvaro de Campos, José Régio, Mário de Sá Carneiro e Adolfo Casais Monteiro.

Segundo a Hemeroteca Municipal de Lisboa esta publicação não pretendia ser uma revista de qualquer movimento, mas um “projeto aberto a correntes e tendências inovadoras ou consagradas”.

Apesar de ter sido afetada pelo Estado Novo, a Sudoeste é vista como uma ponte entre as gerações como as que editaram as publicações “Orpheu” e “Presença”.
Preço:26,00€

Referência:8481
Autor:[HELDER, Herberto et al.]
Título:CALIBAN 2
Descrição:Tipografia Litografia Globo, Limitada. Lourenço Marques, 1971. In-8º de 36 págs. Brochado e por abrir. Coordenação e edição de João Grabato Dias & Rui Knopfli. APENAS O NÚMERO 2 desta prestigiada revista que conheceu apenas 4 números, sendo duplo o último fascículo 3/4.
Observações:Muito rara revista ultramarina – cujo nome é de inspiração shakespeareana – «fechada pela PIDE, em 1972» (segundo Daniel Pires, Dicionário das Revistas Literárias Portuguesas do Século XX, Contexto Editora, Lisboa, 1986).

Dentre os colaboradores, nota-se o alto gabarito das escolhas obtidas pelos coordenadores, incluindo neste núemro 2: Herberto Helder, António Ramos Rosa, [João da] Fonseca Amaral, Lourenço de Carvalho, Frei Joannes Grabato Dias, Rui Knopfli.

A participação de Herberto Helder neste número, essa, pode ser considerada única, porque «Movimentação Errática» virá a ser revista e fraccionada entre a sua “prosa” introdutória e o poema que a ilustra, seguindo este último, já baptizado «Texto 1», para o núcleo «Antropofagias» de Poesia Toda (vol. 2, Plátano Editora, Lisboa, 1973) e, a referida “prosa”, para o livro Photomaton & Vox (Assírio & Alvim, Lisboa, 1979).
Preço:65,00€

Referência:12947
Autor:[HELDER, Herberto]
Título:NOVA - magazine de poesia e desenho
Descrição:

Edição de Herberto Helder, Lisboa, 1975/76. In-8.º de dois volumes com 176 e 195 páginas respectivamente. Primeiro volume com uma pequena assinatura de posse e segundo volume com uma pequena falha de papel no pé da lombada. Miolo muito limpo e fresco.

Organização de António Paulouro, António Sena, e Herberto Helder.

Colecção  Completa.

RARO.

Observações:

A publicação NOVA foi uma revista que contou com apenas dois números separados por um período de seis meses: o primeiro saiu em Setembro 1975 e o segundo, e último, em Março 1976. Escrita a duas línguas– português e castelhano– foi uma publicação que, após o 25 Abril, pretendeu ser também um espaço de colaborações e abertura ao mundo, como publicado no editorial da Nova 1: “Pelo lado que podemos, daremos parte de poemas, desenhos e textos de reflexão sobre as matérias, de autores de Espanha, Portugal, Brasil, América Hispánica e Países Africanos onde se pratica o português e o castelhano. Neste primeiro número verifica-se gente espanhola, portuguesa, brasileira, cubana e moçambicana. Veja-se que é já festejável.” Era notória a vontade de trabalhar para além das fronteiras definidas pelo Estado Novo, essa vontade de fazer um projecto editorial que pudesse ser uma possibilidade à mudança política sem hierarquias.

Encerra colaborações  de  Ana Hatherly,  Cruzeiro  Seixas,  Eugénio  de  Andrade,  João  Miguel  Fernandes  Jorge,  Jorge  de  Sena,  entre  muitos  outros.

Preço:125,00€