Banner Temas de Livros
 Aplicar filtros
Livros do mês: Junho 2021
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

Política & Salazarismo

Foram localizados 11 resultados para: Política & Salazarismo

Referência:14722
Autor:AAVV
Título:CADERNOS NECESSÁRIOS 1969-1970
Descrição:

Afrontamento, Porto, 1975. In-8º esguio de 477-(2) págs. Brochado. Bom estado.

Observações:

Reedição de uma publicação periódica clandestina policopiada e distribuida no interior do país desde Junho de 1969 até Março de 1970, Genebra por um grupo de exilados políticos.

Segundo Miguel Cardina no seu A Extrema-esquerda e as eleições de 1969:

"... Outros colectivos, como os agrupados em torno das publicações Cadernos de Circunstância e Cadernos Necessários, também optaram pela desmontagem crítica das eleições marcelistas. Para os Cadernos Necessários, editados a partir do Porto por Mário Brochado Coelho, o parlamentarismo apenas servia a «táctica da burguesia», empurrando a «luta de classes para o espectáculo do gato [e do] rato». E clarifica: É claro que o regime abre brechas no seu terreno quando se obriga a legitimar-se através do processo eleitoral. (…) Somos da opinião de que é de aproveitar essa ocasião privilegiada. Mas também somos da opinião que o problema não é (nunca é) das formas legais ou ilegais de luta e seus aproveitamentos, sim das formas revolucionárias ou não ... Tal como a EDE, também os Cadernos Necessários consideram estar a assistir-se a uma recomposição do capitalismo português, o que levaria o Estado a deitar fora as «incómodas roupagens do fascismo, herdadas da idade rural, [liberalizando-se] para integrar no sistema a oposição ao regime». Em termos genéricos, a perspectiva da extrema-esquerda foi abstencionista, ainda que com diferentes matizes: ora entendendo as eleições como uma oportunidade para radicalizar a luta (foi o caso da EDE), ora desvalorizando as eleições e considerando que qualquer envolvimento apenas serviria para legitimar o regime (foi o caso do CMLP ou dos Cadernos Necessários, através de inspirações ideológicas diferentes)..."

Preço:17,00€

Referência:14732
Autor:BARROS, Victor
Título:CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO EM CABO VERDE
Descrição:

Imprensa da Universidade de Coimbra, Coimbra, 2009. In-4º de 219 págs. Brochado.

Observações:

Na badana:
Na tradição histórica da prática do desterro de presos políticos para os destinos insulares, encontramos o fundamento e a definição da ideia de ilha como espaço adequado para o banimento dos condenados. Mais do que dar continuidade ao desterro, o modelo repressivo do Estado Novo estrutura de forma metódica a prática da deportação política dos seus opositores, sob a lógica repressiva do desterro e prisão no local do mesmo. O presente trabalho traz-nos um mapeamento dos diferentes destinos de deportação e prisão política, centrado fundamentalmente nas ilhas onde ficaram celebrizadas a encenação e a materialização desta prática, desde as referências sobre a prisão para deportados políticos na ilha de São Nicolau, até à imposição repressiva do Campo de Trabalho de Chão Bom, na ilha de Santiago, na sequência da contestação anticolonial. Fortemente ancorado na descodificação dos diferentes momentos e discursos que legitimavam esta prática política, este estudo analisa a problemática do desterro e da prisão no local de desterro como um dos dispositivos da grande panóplia repressiva do Estado Novo.

Preço:20,00€

Referência:11291
Autor:COUCEIRO, Henrique de Paiva
Título:A DEMOCRACIA NACIONAL
Descrição:Edição do Autor, Coimbra, 1917. In-8º de 285 págs. Br. Capa e corpo do livro com algum pico de acidez
Observações:Importante documento para o conhecimento do conturbado período político vivido no inicio do séc. XX.

" Esse Objectivo verdadeiro não é estreitamente politico e dynastico, visando a chamar, de novo, a mesma alma ao mesmo esqueleto de 1910. Não é uma simples Restauração do Regimen anterior. Trata-se, antes, de uma radical mudança de vida. Trata-se, antes, da Restauração da Patria Portugueza sobre a base da Restauração moral, intellectual, organica e económica da Grey que a constitue.
Sacudindo a Consciencia Publica, e arrancando-a aos abysmos da apathia em que a desilusão a prostrou. ( ... )
Pela tradição, que é o espirito da Patria e é a continuidade prolifera. Contra o Liberalismo, que é o espirito dos partidos e é a instabilidade infructuosa "
Preço:30,00€

Referência:14775
Autor:DUARTE, António Paulo
Título:A DEFESA NACIONAL 1919-1958.
Descrição:

Imprensa das Ciências Sociais, Lisboa, 2010. In-8º de 317 págs. Brochado. Como novo.

Observações:

Da contracapa, da autoria de António José Telo:
"... António Paulo Duarte dá neste livro um olhar arguto sobre a evolução da política militar e de vertentes da estratégia nacional, amplamente documentado, conceptualmente enquadrado, rigoroso e exaustivo. Através desta obra podemos acompanhar a forma como o pensamento militar nacional evolui desde as concepções de 'geurra total' nos anos 20, passando pela edificação do Estado Novo, acompanhando a tentativa de erguer uma defesa credível na Segunda Guerra Mundial, compreendendo os impasses gerados pela difícil adaptação à guerra fria e as respostas que a adesão à Nato lhes dá. Está de parabéns o autor por esta obra, que enriquece a historiografia e o pensaemnto estratégico nacional."

Preço:13,00€

Referência:9229
Autor:GALVÃO, Henrique
Título:IRREVERÊNCIA (Notas à margem da política e dos costumes)
Descrição:Livraria Popular de Francisco Franco, Lisboa, 1946. In-8.º de 245-(1) págs. Brochado.
Observações:Estruturado ao longo de 2 capítulos principais D'AQUEM ... & ...E ALÉM-MAR aborda inúmeros temas "quentes" na política de então.
Preço:24,00€

Referência:13925
Autor:GUIMARÃES, Alfredo
Título:O CARDEAL CEREJEIRA NO BRASIL
Descrição:

Editorial Alba Lda, Rio de Janeiro, 1935. In-8.º de 244-(2) págs. Br. Ilustrado em extra-texto.

Observações:

Obra muito interessante para a biografia do Cardeal Cerejeira. Descreve pormenorizadamente a visita oficial do Cardeal Cerejeira ao Brasil.

"Neste livro se acha consubstanciado tudo quanto se disse entre nós, em louvor desse ilustre e venerável Príncipe da Igreja; mas nêle está, sobretudo, concretizada a gratidão imorredoura dos portugueses pela solicitude com que sua Eminência o Sr. Cardial D. Sebastião Leme presidiu e tomou parte em todas as festas aqui realziadas durante a visita do eminentissimo antistite lusitano".

Preço:30,00€

Referência:13803
Autor:PIMENTA, Alfredo
Título:NAS VÉSPERAS DO ESTADO NOVO
Descrição:

Livraria Tavares Martins, Porto, 1937. In-8º de 183 págs. Br. Capas de brochura empoeiradas e com alguns picos de acidez.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Conjunto de crónicas escritas por Alfredo Pimenta em  1925 e que  foram recolhidas neste livro  publicado em 1937. Treze dessas crónicas abordam a ditadura, onze em torno da Tormenta e três abordavam o futuro.  

Da nota ao leitor


"A paisagem que a vida política nos oferece é totalmente fúnebre: cruzes, ciprestes, céus de negrume, toques de finados. Cheira a cadáver por todos os lados. Para onde a gente se volte, cheira a morte. Isto é um País, ou uma Morgue? Em 5 de Outubro (1910) a República tinha homens, tinha gérmenes de partidos... Tinha portanto as condições para viver se os homens e os partidos a soubessem servir. Hoje, a República não tem homens nem partidos. Aos homens, queimou-os, desprestigiou-os, inutilizou-os. Não há um, um só homem da República capaz de a aguentar e de a salvar".

Excerto de uma das crónicas

"Em todos os partidos republicanos, há homens a aproveitar, uma vez que sejam desenquadrados dos partidos. Esses homens, potencialmente úteis, têm sido nefastos, precisamente porque se encontram dentro dos partidos. Ao lado desses, há os que são prejudiciais - estejam fora, estejam dentro dos partidos.
A sua acção é, porém, muito pior dentro dos partidos, porque são estes que lhes emprestam uma força que, só por si, nunca teriam. Um partido político é um aposento fechado, em que o ar é viciado.
A trilogia da educação nacional, Deus, Pátria e Família
Um homem, por muito inteligente que seja, e muito sensato, e muito prudente, e muito calmo, e muito lúcido - dentro de um partido político, perde a autonomia da sua inteligência, do seu senso, da sua calma, da sua prudência e da sua lucidez: dentro de pouco tempo, passa a pensar e a sentir como o partido político a que pertence. A disciplina partidária tolhe-lhe os movimentos. Ele passa a ser o reflexo da multidão dos partidários; ele passa a ser o joguete nas mãos do Interesse partidário. Se tenta manter-se autónomo, acusam-no de prejudicar a disciplina do partido.
Se se sujeita a esta, naufraga. Porque todos os partidos são maus, todos, todos, sem excepção. Há uns milhares melhores do que outros; mas todos são maus. Os melhores são os mais inúteis. Quanto melhor é um partido, menor é a sua acção política, menos profícua a sua intervenção na vida nacional.
Guerra aos homens? Não. Guerra, e sem tréguas, aos partidos. Aproveitem os homens, e esmaguem os partidos. À Nação, não a constituem partidos políticos. Constituem-na, sim, as forças espirituais, morais e materiais: o Pensamento, o Sentimento e a Acção. Os partidos políticos são elementos de dissolução nacional e de anarquia nacional.
Eles são a fonte da guerra intestina. São eles que lançam os homens uns contra os outros. São eles que criam este estado miserável dos exilados na própria terra."

Preço:18,00€

Referência:11614
Autor:sem autor definido
Título:A CONDENAÇÃO PÚBLICA DO ATAQUE AO "SANTA MARIA"
Descrição:Lisboa, 1961. In-8º de 29-(18) págs. Br. Profusamente ilustrado ao longo do texto.
RARO.
Observações:Opúsculo de propaganda do regime de condenação do desvio do paquete "Santa Maria" liderada pelo capitão Henrique Galvão.Para além da opinião do regime, estão aqui transcritas as principais manchetes da imprensa internacional.
Preço:24,00€

Referência:9230
Autor:sem autor definido
Título:FRANCISCO MIGUEL UMA VIDA NA REVOLUÇÃO
Descrição:Tipografia do Carvalhido, Porto, 1977. In-8º de 181-(2) págs. Brochado. Ostenta um autógrafo no frontspício. Capa de brochura com marcas ligeiras de vincos nas capas.

Inserido na colecção Os Comunistas
Observações:A mais importante biografia de Francisco Miguel Duarte, também conhecido pela alcunha de "Chico Sapateiro", por ter exercido essa profissão. FRANCISCO MIGUEL foi um escritor português vinculado ao Partido Comunista Português, de que foi dirigente, e autor do livro Das Prisões à Liberdade (Lisboa, Edições Avante!, 1986). Poeta, cujos temas principais são a revolução e o povo, tem entre os seus trabalhos mais conhecidos, um poema em honra da memória de Catarina Eufémia, sua conterrânea, já que o autor também era natural de Baleizão.
Preço:20,00€

Referência:14782
Autor:TARQUINI, José Miguel
Título:A MORTE NO MONTE - CATARINA EUFÉMIA
Descrição:

Empresa Tipográfica Casa Portuguesa, Lisboa, 1974. In-8.º de 148 págs. Brochado. Exemplar em excelente estado de conserrvação

Ilustrado ao longo do texto.

Observações:

Catarina Efigénia Sabino Eufémia (Baleizão, 13 de Fevereiro de 1928 — Monte do Olival, Baleizão, 19 de Maio de 1954) foi uma ceifeira portuguesa que, na sequência de uma greve de assalariadas rurais, foi assassinada a tiros, pelo tenente Carrajola da Guarda Nacional Republicana. Com vinte e seis anos de idade, analfabeta, Catarina tinha três filhos, um dos quais de oito meses, que estava no seu colo no momento em que foi baleada. A trágica história de Catarina acabou por personificar a resistência ao regime salazarista, sendo adoptada pelo Partido Comunista Português como ícone da resistência no Alentejo. Sophia de Mello Breyner, Carlos Aboim Inglez, Eduardo Valente da Fonseca, Francisco Miguel Duarte, José Carlos Ary dos Santos, Maria Luísa Vilão Palma e António Vicente Campinas dedicaram-lhe poemas.

Preço:19,00€

Referência:13657
Autor:VALDEMAR, António [coord.]
Título:SER OU NÃO SER PELO PARTIDO ÚNICO
Descrição:

Editora Arcádia, s/l, 1973. In-8º de 271 págs. Br.
 

Observações:

Obra sobre  “Ser ou Não Ser Pelo Partido Único” onde se reúnem os depoimentos de seis personalidades políticas portuguesas:  Magalhães Godinho, Nogueira Pinto, Barrilaro Ruas, Coelho da Silva, Victor Wengorovius e Pinto Balsemão.

 

 

Preço:16,00€