Banner Temas de Livros
 Aplicar filtros
Livros do mês: Fevereiro 2020
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

Ultramar & Brasiliana - HISTÓRIA

Foram localizados 258 resultados para: Ultramar & Brasiliana - HISTÓRIA

Referência:12412
Autor:DURÃO, António
Título:CERCOS DE MOÇAMBIQUE DEFENDIDOS POR D. ESTÊVÃO DE ATAÍDE
Descrição:

Minerva Central Editora, Lourenço Marques, 1952. In-8º de 155 págs. Br. Edição conforme a edição original de 1633. Capa de brochura ilustrada com gravura da Ilha de Moçambique no códice de António Bocarro "Livro das Plantas de todas as Fortalezas do Estado da Índia Oriental, 1633.

Observações:

Da Apresentação pelos editores:

Obra qe é uma das mais preciosas peças da biblioteca moçambicana e mesmo de toda a bibliografia sobre os descobrimentos e conquistas portugueses. Para a história, é um documento inestimável, tratando-se, como se trata, de uma narrativa simples e clara, directa e objectiva, feita por um dos soldados que serviam às ordens do capitão--general D.Estêvão de Ataíde.
(...)Cercos de Moçambique escritos por António Durão é um livro geralmente ignorado, até mesmo por curiosos e estudiosos da nossa história. Que saibamos, dele não existe nas bibliotecas da Província, oficiais ou particulares, se não o exemplar da edição de 1633 que se acha no Arquivo Histórico de Moçambique. Por tudo, pois, nos pareceu que seria acto de justiça ao autor e de bom serviço ao crescente empenho que entre nós se verifica pelo estudo das coisas de Moçambique, proporcionarmos ao livro uma maior divulgação e ao público a possibilidade de conhecer a admirável história que António Durão nos conta. Daí, esta nova edição, que vai conforme o exemplar de 1633 pertencente ao Arquivo Histórico de Moçambique, apenascom a correcção de alguns evidentes erros tipográficos.

Preço:24,00€

Referência:12421
Autor:EÇA, Filipe Gastão de Almeida de.
Título:LACERDA E ALMEIDA ESCRAVO DO DEVER E MÁRTIR DA CIÊNCIA (1753-1798)
Descrição:

Tipografia Severo Freitas, Lisboa, 1951. In-8.º de 222-(1) págs. Br.

 

Observações:

Prefácio do Dr. Alberto Iria. Biografia do astrónomo de D. João VI que atravessou África desde Tete até ao seu interior noroeste.

"Apontamentos históricos, biográficos e genealógicos, com algumas notícias e documentos inéditos acerca do insigne explorador das selvas brasileiras e dos sertões africanos."

Preço:39,00€

Referência:14154
Autor:ELLIS, Myriam
Título:A BALEIA no Brasil Colonial. Feitorias, Baleeiros, Técnicas, Monopólio, Comércio, Iluminação
Descrição:

Edições Melhoramentos, São Paulo, 1969. In-º8 de 235 páginas. Ilustado ao longo do texto e à parte, com tabelas e mapas desdobráveis.  Brochado.

Observações:

Uma das poucas obras que abordam o surgimento deste comércio é o livro da historiadora Myriam Ellis, A Baleia no Brasil Colonial, onde encontramos relatos que nos auxiliam a compreender, não só a sua implementação no Brasil, como também a origem deste lucrativo comércio ao todo o mundo. Este livro de Ellis, publicado em 1969, quando muitas das fontes, hoje disponíveis, ainda não eram acessíveis por meio digital, recurso fundamental para o desenvolvimento desta e de outras pesquisas no Brasil actual. Este trabalho é fundamental na medida em que permite o entendimento da mecânica que regia essa atividade e dos recursos necessários para a inserção da pesca da baleia no litoral do Brasil no século XVII.

 

Da wikipédia:

" ... A prática de pescar baleias com arpões foi inaugurada no Brasil no início do século XVII, por influência direta de pescadores bascos instalados na Bahia. Desde o início, precisamente em 1614, a Coroa estabeleceu o Monopólio sobre esta atividade, garantindo o seu controle dos impostos, da qualificação social dos seus administradores e do destino do produto da pesca. A indústria baleeira “foi uma das que Portugal permitiu no Brasil Colonial”. Durante o século XVII, a Bahia foi a principal produtora de óleo, mas, com o aval da Coroa para implementação de novas armações sempre descendo pela costa brasileira, já no século XVIII as principais armações eram as do sul – Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina. Sabe-se do surgimento no total de 14 ou 15 armações ao longo do litoral brasileiro nestes dois séculos.

O auge da pesca das baleias começa em 1765, ano em que é feita a unificação de todos os contratos de pesca da baleia no Brasil, refletindo a época das reformas pombalinas; a partir daí proliferam construções de novas armações (em Santa Catarina são construídas 4 das 6 ou 7 armações da capitania ). O período de grande produção na indústria baleeira termina no ano de 1789, decaindo sem recuperação a partir daí. Esta queda da produtividade é reflexo, por um lado, da redução do número de baleias pescadas, que se deve à extinção e à concorrência inglesa e norte-americana que pescava as baleias em alto-mar antes de chegarem à costa e estava se maquinizando. E, por outro lado, dos métodos utilizados na confecção do óleo, que são tidos como falhos pelos observadores da época, devido à quantidade de desperdício. Uma causa da falta de competitividade da indústria baleeira brasileira e destas técnicas falhas pode ter sido o privilégio do monopólio que “parece ter-lhe entravado um maior avanço técnico, o que constituiu, tempos depois, um dos fatores de sua decadência” .[10] Com esta queda na produção, aliada à influência do pensamento político-econômico liberal e dos observadores críticos da indústria baleeira, a Coroa extingue o monopólio em 1801.

No século XIX, as armações baleeiras começaram a desaparecer. Para a liberalização desta atividade, as armações foram postas à venda pela Coroa, e, enquanto não havia interessados – como de fato não houve até 1816, a não ser com relação às duas armações no norte – a sua administração ficou com o governo. A maior parte das armações não foram compradas, e a administração, tanto da Coroa quanto do Império, não foi cuidadosa e não conseguiu levantar novamente a indústria baleeira.

Em algumas armações, com a inadimplência dos pagamentos dos administradores locais e dos trabalhadores escravos, havia fugas, e até mesmo utilização da estrutura da armação por pescadores estrangeiros, principalmente norte-americanos. Várias estratégias foram tomadas para se desfazer das armações para interessados particulares, como contratos anuais, arrendamentos, até o desmonte com as vendas das peças e instalações. Ao longo do século, no Rio de Janeiro, São Paulo e em Santa Catarina, as armações foram sendo abandonadas, restando apenas 2 armações na Bahia, que já estavam em mãos de particulares, e continuaram a pequena atividade até meados do século XX..."

Preço:35,00€

Referência:12405
Autor:ENES, António
Título:MOÇAMBIQUERelatório apresentado ao governo
Descrição:

Imprensa Nacional, Lisboa, 1971. In-8º de 625-(2)págs. Br. 4ª edição fac-similada pela de 1946. Cadernos por abrir.

Observações:

Relatório sobre Moçambique apresentado ao governo por António Enes.
Excertos do livro:

"(…) a administração (…) e a opinião pública precisam de perder o medo do estrangeiro, o ciúme do estrangeiro, a antipatia ao estrangeiro, quando tiverem de deliberar acerca de Moçambique. O mais que se pode e deve fazer, à cautela, é diligenciar que (…) se estabeleçam estrangeiros de todas as raças e de todas as nacionalidades, e não de uma só, seja ela qual for."
"(…) A estabilidade é especialmente necessária. O comércio e a indústria não podem ter iniciativa afoita estando sujeitos a que o fisco altere o valor das mercadorias alterando os direitos pautais ou outros impostos que sobre elas incidem; onere hoje produtos ou lucros que ontem favorecia com isenções; faça variar largamente encargos que são factores importantes no cálculo das operações mercantis. Já seria um desafogo e uma segurança enormes tornarem-se inalteráveis os regimes tributários ao menos durante períodos certos..."

Preço:28,00€

Referência:14378
Autor:ESTERMANN, Padre Carlos
Título:ÁLBUM DE PENTEADOS DO SUDOESTE DE ANGOLA.
Descrição:

Junto de Investigação do Ultramar, Lisboa, 1960. In-4º de 37 págs, [54] ilustrações. Brochado com picos de acidez. Miolo muito limpo e em excelente estado. As ilustrações com tipos distintos de penteados, são em grande plano e impressas sobre papel couché.

Observações:

Obra magnífica realizada por um dos mais conhecedores da realidade angolana, o Padre Carlos Estermann que dedicou uma grande parte da sua vida no  terreno em contacto com as diversas comunidades étnicas de Angola. Até então, apenas se conhecia dentro do gébnero a obra Etnografia Angolana, editada em Lisboa (1933) da autoria de Fernando Mouta.

Texto em português e francês de Não-Bantos, grupo Ambó , Nhaneca-Humbe , Quipungo Handa , Quilengues-Humbe , Quilengues-Musó, Huila-Gambos e Herero.

Preço:60,00€

Referência:12841
Autor:EVANGELISTA, Júlio
Título:A QUEIXA DO GHANAE A CONJURA CONTRA PORTUGAL
Descrição:

Editorial Verbo, Lisboa, 1963. In-8º de 93-(3) págs. Br. Ilustrado ao longo do texto com mapas.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Obra onde o autor analisa a questão da queixa  apresentada pelo Ghana, em 1961, por alegada existência de trabalho forçado no Ultramar português. Nesta obra defense-se que tudo não passou de uma conjura contra Portugal.

 

Preço:12,00€

Referência:13206
Autor:EVARISTO, Vitor
Título:MOÇAMBICANA - DESENHOS DE JOÃO AYRES
Descrição:

Tip. Minerva Central, Lourenço Marques, 1954. In-8º de 4 págs e 15 desenhos em folhas soltas de João Ayres encerradas numa capa-envelope. Valorizado pela dedicatória autógrafa dos editores ao poeta José Osório de Oliveira.

Invulgar.

Observações:

Curioso encarte com 15 desenhos de João Ayres  com introdução de Fernando Ferreira. 15 desenhos em separado de João Ayres. Integra a série de cadernos «Moçambicana» sobre temas e manifestações de cultura em Moçambique. A arte de João Ayres, nesta primeira fase foi muito marcada por temas locais e africanos, por temas da condição humana que  no contexto colonial ganhavam mais força. Influenciou quase todos os que, no pequeno meio citadino, queriam ser artistas.

Preço:32,00€

Referência:96
Autor:FALCÃO, F. de Sacadura
Título:FALANDO DISTO E DAQUILO … (retalhos de prosa vária)
Descrição:Editorial Império, Lisboa, 1972. IN – 8.º de 238 págs. Br.
Observações:Capa de brochura. Dedicatória não autografada.
Preço:7,00€

Referência:11722
Autor:FALCATO, João
Título:ANGOLA DO MEU CORAÇÃO
Descrição:Empresa Nacional de Publicidade, Lisboa, 1961. In-8º de 256-(2) págs. Br. Valorizado pela expressiva dedicatória do autor.
Observações:Obra onde o autor nos dá a conhecer Angola através de pequenas história tratadas na primeira pessoa.

Da contra-capa:
"A carreira literária de João Falcato apontou com 'FOGO NO MAR'. Livro dum tema excepcional, é também obra dum talento excepcional. E, como livro único de uma vida, exigia que os demais que ao depois surgissem lhe respondessem em mérito e diferença.
Não encontramos na obra de João Falcato livro que não apresente uma faceta nova.
'ELUCIDÁRIO DO ALENTEJO', 'A ALEMANHA ACTUAL' - distinguido com o Prémio Afonso de Bragança -, 'COIMBRA DOS DOUTORES', nenhum deixa de nos surpreender como prova dum talento real e bem diferente.
'ANGOLA DO MEU CORAÇÃO' é a África misteriosa e inolvidável ao coração e à aventura portuguesa."
Preço:13,00€

Referência:7026
Autor:FERREIRA, J. M. de Bettencourt
Título:INTERÊSSES PORTUGUESES NA AMÉRICA-DO-SUL
Descrição:Lisboa, (1924). In-8.º de 30 págs. Br Ilustrado. Dedicatória autógrafa. Capas de brochura com ocasionais picos de acidez.
Observações:Separata da Revista "Alma Nova".
Preço:10,00€

Referência:10945
Autor:FERREIRA, José
Título:PROVÍNCIA DE LUANDA a mais rica da colónia de Angola
Descrição:Casa Minerva, Coimbra, 1945. In-8º de 146 págs. Br. A capa e o miolo apresentam alguns picos de acidez.
Observações:Monografia sobre os assuntos mais importantes do Relatório da Província de Luanda de 1942.
Preço:18,00€

Referência:12419
Autor:FERREIRA, Manuel António
Título:O FUNDADOR DO IMPÉRIO LUSO NO ORIENTE
Descrição:

Edição da Sociedade Luso-Africana, Rio de Janeiro,1936. In-8º de 207 págs. Encadernação inteira em sintético azul com dizeres dourados na lombada. Conserva capas de brochura. Ilustrado em extra-texto com mapas das ilhas de Goa, vistas e planos urbanos das vilas e cidades de Goa, retratos de Vasco da Gama e Afonso de Albuquerque.

INVULGAR.

Observações:

Invulgar biografia de Afonso de Albuquerque  impresso no Rio de Janeiro.

Preço:48,00€

Referência:348
Autor:FERREIRA, Manuel António
Título:EPOPEIA DE DIU
Descrição:Agência Geral das Colónias, Lisboa, 1941. In. 8.º de 117 (2) págs. Br.
Observações:Colecção Pelo Império n.º 76 II. Ilustrado.
Preço:12,00€

Referência:12324
Autor:FICALHO, Conde
Título:PLANTAS ÚTEIS DA ÁFRICA PORTUGUESA
Descrição:

Agência Geral das Colónias, Lisboa, 1947. In-8º de 301-(1) págs. Br.

Observações:

Segunda edição prefaciada e revista pelo Prof. Ruy Telles Palhinha.
Do prefácio:
(...)O livro não está consequentemente actualizado, mas continua a ser um repositório de conhecimentos, útil a todos os que quiserem estudar nos campos económicos ou botânico as plantas tropicais, uma compilação de ensinamentos que interessam aos que se dediquem a assuntos ligados ao ultramar português. Mas mesmo que se acoime de incompleto e de não actualizado bastaria a "Introdução", que é completíssima e há-de ser sempre actual, para manter o elevado valor da obra.(...)

Preço:29,00€

Referência:10978
Autor:FIGUEIREDO, Leonor
Título:FICHEIROS SECRETOS DA DESCOLONIZAÇÃO DE ANGOLA
Descrição:Aletheia Editores, Lisboa, 2009. In-8º de 298-(2)págs. Br. Ilustrado ao longo do texto. Com alguns sublinhados a lápis.
Observações:"Quando procurava elementos sobre o meu pai, desaparecido em Angola antes da independência, em 1975, descobri que mesmo tinha acontecido mais de 250 portugueses."
Preço:10,00€

Referência:12344
Autor:FONSECA, Arthur Lambert da
Título:O IIº CERCO DE DIO
Descrição:

Gládio, Vila do Conde, (1962). In-8º de 209-(3) págs. Br. Cadernos por abrir e ilustrado em separado com vistas de monumentos. Bom exemplar.

Observações:

Na badana, a opinião de António José de Brito: “Artur Lambert da Fonseca debruçou-se com amor sobre as velhas crónicas, os livros de Diogo do Couto, Faria e Sousa, Leonardo Nunes, Gaspar Correia, Jacinto Freire de Andrade,... para, com entusiasmo, labor e fadiga, nos apresentar uma imagem rápida e sintética de maior conformidade com o gosto moderno do que se passou no segundo cerco da fortaleza da Costa do Malabar. Perante os dolorosos sucessos — ou melhor, insucessos — do presente ele voltou-se para as páginas gloriosas da nossa história não com o intento de se refugiar no passado (...) antes para apontar a perenidade de certos valores que merecem acatamento seja em que ocasião for e, por isso, urge fazer incidir sobre o futuro.»

Preço:35,00€

Referência:274
Autor:FRISCHAUER, Paul
Título:PRESIDENTE VARGAS. Biografia
Descrição:Companhia Editora Nacional, São Paulo,1943. In. – 8.º de 393 págs. Br.
Observações:Capa ligeiramente danificada e com alguns picos de acidez. Tradução de Mário da silva e Brutus Pedreira.
Preço:16,00€

Referência:11156
Autor:FURTADO, Júnia Ferreira
Título:HOMENS DE NEGÓCIO a interiorização da metrópole e do comércio nas minas setecentistas
Descrição:Editora Hucitec, São Paulo, 1999. In-8º de 289 págs. Br.
Observações:Obra que parte do estudo da correspondência trocada entre Francisco Pinheiro, grande comerciante português, e os seus agentes comerciais nas Minas, entre 1712 e 1744,e do confronto dessas cartas com inventários e testamentos localizados no Arquivo Público Mineiro,etc, conseguiu estabelecero perfil perdido desses negociantes, especialmente o modo como agiam e estabeleciam as redes de compadrio que garantiam o sucesso de seus negócios.
faz assim uma revisão das interpretações acerca das relações de poder entre Portugal e o Brasil vigentes no período colonial.
Preço:13,00€

Referência:14344
Autor:GALVÃO, Henrique
Título:HISTÓRIA DO NOSSO TEMPO (acção e obra de João de Almeida 1904-1910)
Descrição:

Lisboa, 1931. In-8º de 414 págs. Br. Capas de brochura com ocasionais picos de acidez. Cadernos por abrir. Profusamente ilustrado ao longo do texto.

 

INVULGAR.

Observações:

João de Almeida foi uma figura magnífica de português e de colonial do mais alto relevo.  Prestigiado pelas campanhas ultramarinas no começo do século, assume-se como monárquico, participando nas incursões couceiristas, sendo, por isso, demitido. Regressa com o sidonismo. Um dos candidatos à chefia do regime saído da Ditadura Nacional de 1926, chegando como tal a ser proposto pela Liga Nacional 28 de Maio, como alternativa a Salazar. Ligado a várias conspirações golpistas na fase de consolidação do novo regime.

Preço:28,00€

Referência:12398
Autor:GALVÃO, Henrique
Título:HUÍLA (relatório do governo)
Descrição:

Ed. do Autor, V.N.Famalicão, 1929. In-8º de 309-(2) págs. Br.

Observações:

Relatório onde para além de descrever os aspectos da administração colonial Henrique Galvão aproveita para denunciar as corrupções políticas e crimes contra os povos africanos das colônias portuguesas.

Preço:40,00€
página 5 de 13