Banner Temas de Livros
 Aplicar filtros
Livros do mês: Julho 2020
Temas 
Palavras Chave 
Módulo background

Ultramar & Brasiliana - LITERATURA

Foram localizados 91 resultados para: Ultramar & Brasiliana - LITERATURA

Referência:9045
Autor:CASTRO, Martinho de
Título:DIÁLOGO CONTIGO E COMIGO
Descrição:Luanda, 1959. In – 8.º de 39 (1) págs. Br.
Observações:Capa de brochura ilustrada. Ocasionais picos de acidez.
Preço:15,00€

Referência:9544
Autor:CERVEIRA, Honorinda
Título:KIANGALA
Descrição:Agência-Geral do Ultramar,Lisboa, 1971. In-8º de 318 págs. Br. Cadernos por abrir
Observações:Romance.
"Tu lembra quando chega no fim do mês de Janeiro, ou no mês de Fevereiro, e vem kiangala?... Lembra ainda quando o capim fica seco, a terrafica mesmo pó que entra dentro da gente, o céu está mesmo carregado, parece vai chover, e passa um dia, passa dois, um semana, mais um semana, mesmo um mês, e chuva não vem?... A gente olha as nuvem mesmo preta e diz: - Vai vir chuva. E olha a terra seca, mesmo pó, o capim está seco, e o rio não tem água, e o milho ficou marelo, e os bicho está comer as lavra… E não tem chuva. Então um dia a nuvem preta chega bem em cima da fazenda, bem em cima do rio e das lavra, e a chuva já está cair na terra e no rio, e o capim fica já verde, e o milho fica direito e os bicho foge das lavra. E a gente está contente no coração porque a chuva já voltou e kiangala foi embora… É mesma coisa, minina. Quando os bandido vorta na terra deles e a guerra já acabou, os branco vai vortar na fazenda e no mato, e a gente vai ter outra vez as lavra pra cultivar e o trabalho pra fazer. Kiangala vai embora, vem chuva. Guerra acaba, vem trabalho outra vez"
Preço:14,00€

Referência:12512
Autor:CÉSAR, Amândio
Título:NÃO POSSO DIZER ADEUS ÀS ARMAS
Descrição:

Editora Pax, Braga, 1945. In-8º de 76-(4) págs. Br. Integrado na colecção "Metrópole  e Ultramar".

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Obra distinguida com o Prémio Camilo Pessanha.

NECROLOGIA PARA UM SOLDADO DA ÍNDIA

Os jornais publicaram nomes,
Muitos nomes,
Não se sabe ao certo quantas linhas de nomes:
O TEU NÃO ESTAVA LÁ!

Eram nomes, muitos nomes,
Não se sabe ao certo quantas linhas de nomes!
Eram milhares de nomes de vivos:
O TEU NÃO ESTAVA LÁ!

Nas linhas, muitas linhas de nomes,
Vinham altas patentes e soldados rasos,
Hierarquicamente e por ordem alfabética:
O TEU NOME NÃO ESTAVA LÁ!

Não! O teu nome não podia estar ali:
Tu morreste em Goa, à vista de Goa,
Que morria quando tu morreste.
Por isso ficaste abandonado e só,
Junto de Goa moribunda.

Tão abandonado e tão só
Como a pistola metralhadora,
Agora inútil,
Agora inútil porque tu morreste
E Goa morreu contigo!

Há-de florir, vermelha,
Uma flor nascida do teu sangue.
As folhas serão verdes
Como a última imagem dos teus olhos baços.

É o último reduto,
Será a última bandeira hasteada em Goa,
Na terra ocupada pelo invasor,
Depois que alguém ergueu ao céu azul
A branca bandeira do medo e da ignomínia!

Não vens na lista de nomes,
Em nenhuma das linhas dos nomes:
O TEU NOME NÃO PODIA ESTAR ALI!

Mas, quando uma jovem manducar
Colher a flor vermelha que sobrou do teu martírio,
Aspirar o perfume solene dessa flor cortada
E perder seus olhos pretos no verde das folhas tenras,
ENTÃO SIM, TU ESTARÁS ALI!

Ali ressuscitado,
Ali vigilante como a sentinela,
Até que tornem os fantasmas dos soldados de Albuquerque
Para castigarem o orgulho sacrílego do invasor.

Tu, anónimo soldado,
Morto na terra escaldante de Goa,
És a imagem do Governador
Que à vista dela morreu.
Tu, sim, és da estirpe de Albuquerque,
Nunca vassalo…

Preço:15,00€

Referência:12511
Autor:CÉSAR, Amândio
Título:TERRA VERDE
Descrição:

Editora Pax, Braga, 1969. In-8º de 30-(1) págs. Brochado. Valorizado pela dedicatória autógrafa no frontispício.

Observações:

Conto de Natal escrito por Amândio César, jornalista, poeta, contista, ensaísta e crítico literário, que deixou uma vasta bibliografia e colaboração em numerosas publicações periódicas sobre assuntos africanos e outros não africanos que mereceu prémios Antero de Quental, Camilo Pessanha e outros.

Preço:15,00€

Referência:9111
Autor:CÉSAR, Amândio e AMORIM, Guedes de
Título:NATAL (poema) // OS CEGOS DE RUBIÃES (conto)
Descrição:Publicações Imbondeiro, Sá da Bandeira, Angola, 1964. In-8.º de 29(2) págs. Br.
Observações:N.º 68 da Colecção "Imbondeiro".
Preço:8,00€

Referência:9811
Autor:CORREIA, Afonso
Título:BACOMÉ SAMBU (romance negro)
Descrição:Casa Editora Nunes de Carvalho, Lisboa, 1931. In-8º de 219-(5) págs. Br.
Observações:Romance consideradofortemente paternalista e exótico. Trata-se de um misto de ficção, romance e etnografia sobre os Nalús, tribo que habita o Sul da Guiné.

"Bacomé estava já a caminho amplo das leis dos brancos, aprendendo com eles a raciocinar sobre a vida e encontrando-se à sua protecção do assimilacionismo colonial e, Afonso Correia amiúde, punha na boca das personagens guineenses uma autoconvicção da suainferioridade nata em relação aos brancos. A par disso, associa o seu conceito ocidental de miséria e felicidade as análises que efectua sem qualquer relativismo cultural, de resto, muito comum na literatura colonial da altura. Ao mato associa imaginariamente o perigo, o negro – a cor do guineense –, o leão, o macaco, o exotismo, o medo e o tédio. De qualquer forma, Afonso Correia apresentava sinais de um certo enraizamento africano pois, se por um lado apontava as maleitas do mato, por outro reconhecia que era ali o cadinho onde se depuram as almas agrestes e onde se forma o carácter, no contacto exclusivo com a natureza». Quanto ao conhecimento da alma africana, o livro «Bacomé Sambú» refere-se aos conceitos estereotipados com que a literatura colonial dos primeiros tempos caracterizava o africano. São eles a indolência, os excessos (o sexo, a gula e a extravagância), a sua «infantilidade», que rogava que o negro é uma grande criança e a sofreguidão que atribuía ao negro uma preguiça patológica e a adjectivação de bêbados incorrigíveis. E o facto de esta obra ser profundamente paternalista prova-o o facto de Afonso Correia ter escrito que «os indígenas dançam como crianças, cantam como impúberes, ameigam-se como inocentes… é a nossa bondade que nos impulsiona a que vejamoso indígena como crianças, no campo das responsabilidades» ""... como opinou O Comércio da Guiné, serve-se dum enredo fantasiado em que aparece a paisagem matizada de cacine e a descrição dos usose costumes pitorescos dos nalús. As observações ligeiras que enfeitam todo o motivo estampam-se numa prosa escorreita, e despreocupada""
Leopoldo Amado in A Literatura Colonial Guineense
Preço:20,00€

Referência:9074
Autor:COSME, Leonel
Título:GRACIANO
Descrição:Publicações Imbondeiro, Sá da Bandeira, 1964. In8º de 29-(2)págs.br. nº2 da coleção Imbondeiro. Conserva o sobrescrito editorial circulado
Observações:
Preço:10,00€

Referência:10876
Autor:DEVI, Vimala; SEABRA,Manuel de
Título:A LITERATURA INDO-PORTUGUESA
Descrição:Junta de Investigações do Ultramar, Lisboa, 1971. Dois volumes de in-8º de 327-(4) e 448-(4) págs.Br.
Pouco frequente.
Observações:Excelente ensaio sobre uma literatura não muito conhecida, sempre fronteira entre as culturas hindu e ocidental mas também numa cruzamento curioso da experiência cristã com o panteísmo hindu.
Com perto de setentas autores reunidos no segundo volume.Como o dizem os autores no livro:
“Sem dúvida nada mais insólito do que a coexistência na mesma área de cultura do espírito democrático ocidental com o espírito teogónico indiano apoiado numa noção de castas de origem rácica e política e justificadas pela religião ; da universalidade cristã com o circunstancialismo social hindu ; da mentalidade pragmática europeia com a mentalidade conceptualista indiana ; da rigidez moral judaico-cristã com o espírito de tolerância próprio de uma cultura tropical ainda de fortes raízes totémicas ; do puritanismo cristão com o vitalismo do paganismo hindu. Nada mais insólito do que a coexistência de todos estes elementos paradoxais na mesma cultura e no mesmo indivíduo. E, no entanto, produziu-se.”
Na época da sua publicação ganhou o Prémio Abílio Lopes do Rego da Academia das Ciências.
Preço:65,00€

Referência:9121
Autor:DUARTE, Fausto
Título:REVOLTA
Descrição:Livraria Latina, Porto, 1945. In-8º de 310-(2). Com encadernação meia francesa em pele azul decorada na lombada com ferros dourados corridos e floreados conservando as capas de brochura.
Observações:Apresenta um glossário de vocábulos gentílicos utilizados na obra.
"Em 1945, Fausto Duarte fecha o ciclo da sua produção literária colonial guineense com o livro intitulado A Revolta! Mais do que um romance, esta obra é um documento histórico utilíssimo para a História Cultural e das mentalidades subjacentes à guerra de «pacificação» levada a cabo na Guiné, pois, à semelhança das restantes, privilegia o confronto cultural, desta vez não só entre brancos, cabo-verdianos e guineenses, mas fundamentalmente entre as tribos guineenses entre si. De resto, além da colaboração de literária que aponta para a identidade nacional guineense, Fausto Duarte tem o mérito de ter registado, paralelamente a uma literatura de choque culturale civilizacionais, também uma outra literatura de denúncia e apelo à justiça e compreensão raciais".
(Leopoldo Amado - A Literatura Colonial Guineense)
Preço:20,00€

Referência:11338
Autor:Escola Preparatória de Pedro Álvares Cabral
Título:FOI NO TEMPO D'EL-REI AFRICANO
Descrição:São Tomé, 1970. In-fólio de 124 págs. Br. Profusamente ilustrado em extra-texto e Com reproduções de ilustrações de arte popular em separado.
Observações:Trabalho colectivo realizado pela Escola Preparatória de Pedro Álvares Cabral, em S. Tomé, nas comemorações do "V Centenário do Achamento destas Ilhas pelos navios de Pêro Escobar e João de Santarém".
Preço:30,00€

Referência:12503
Autor:FERAUD,Marie
Título:CONTOS AFRICANOS Contos e Lendas do Folclore Africano Seleccionados e Adaptados Por...
Descrição:

 Verbo, Lisboa, 1977- In-4º de 155-(2) págs. Encadernação editorial. Profusamente ilustrado com belos desenhos a cores e a preto e branco de Akos Szabo. Ostenta uma dedicatória não autógrafa.

PRIMEIRA EDIÇÃO.

Observações:

Interessante colectânea de contos africanos seleccionados e adaptados por Marie Feraud e traduzidos para português por António Manuel Couto Viana, Rui Viana Pereira e Maria Adelaíde Couto Viana.
 

Preço:27,00€

Referência:9345
Autor:FERREIRA, Amadeu
Título:AS ÁRVORES REVERENTES DA CONGO. Romance
Descrição:Editora Pax, Braga, 1967. In – 8.º de 379 págs. Br.
Observações:Capa de brochura ilustrada. Rubrica de posse no rosto.
Preço:15,00€

Referência:9107
Autor:FERREIRA, Jorge
Título:SAUDADE MACUA (poemas)
Descrição:Agência Geral do Ultramar, Lisboa, 1971. In-8.º de 76-(1) págs. Br.
Observações:Prémio Camilo Pessanha 1969
Preço:12,00€

Referência:9075
Autor:FERREIRA, Manuel
Título:TERRA TRAZIDA. Contos
Descrição:Plátano Editora, SARL, Lisboa, 1972. In – 8.º de 222 (1) págs. Br.
Observações:Capa de brochura ilustrada.
Preço:15,00€

Referência:8997
Autor:FERREIRA, Manuel
Título:HORA DI BAI
Descrição:Textos Vértice, Coimbra, 1962. In-8º de 276-(6) págs. br.
Observações:Hora di Bai foi publicado em França com o título “Le pain de l’exode”, tradução de Gilles e Maryvonne Lapouge, edição Castermann. Incluído na lista de “Os livros da Semana” do “Fígaro Literaire”, o romance de Manuel Ferreira foi saudado pela crítica francesa como um modelo do romance neo-realista capaz de levantar os mais graves problemas do homem em sociedade.
(retirado em http://livroditera.blogspot.pt/2006/11/hora-di-bai.html)
Preço:18,00€

Referência:11396
Autor:FIGUEIRA, Luiz
Título:PRINCESA NEGRAO Preço da Civilização em África
Descrição:Coimbra Editora, Coimbra, 1932. n-8º de 430-(2)págs. Br. Ilustrado com fotografias em extra-texto.
Observações:Novela Histórica galardoada com o 2º Prémio na 1ª Categoria do Concurso de Literatura Colonial de 1933.
Esta obra,que versao sobre a importância que o autor atribui à missão civilizadora dos portugueses no continente africano.
"Portanto, vai, talvez, estranhar a novela histórica da Princesa Negra, tão pouco habituado está a este género de literatura selvagem.
É o entrecho de uma tragédia, um drama vivido em plena selva, último cartel da barbarie, e um pouco da vida de colono."
Preço:28,00€

Referência:9081
Autor:GALVÃO, Henrique
Título:O VÉLO D'OIRO. Romance Colonial.
Descrição:Livraria Popular, Lisboa, 1936 . In-8º de 272 págs. Br. Ilustrado por Eduardo Malta.
Observações:Trata-se da 4º edição deste belo romance que mereceu o 1º Prémio de Literatura Colonial em 1933.
Preço:19,00€

Referência:9065
Autor:GALVÃO, Henrique
Título:PELE
Descrição:Gráfica Nacional, Lisboa, 1956/57. In-8º de 369-(6) págs; br
Observações:Exemplar da 1ª edição. Invulgar. Henrique Galvão (1895-1970) foi militar, escritor e político. Teve uma destacada acção colonial, quer como explorador, quer nos cargos que ocupou na admnistração, quer pelos diversos actos de propaganda. Como escritor deambolou pelos diversos géneros literários tendo sido galardoado com diversos prémios. No entanto a narrativa de viagem é o género que é mais apreciado em Henrique Galvão.
Preço:19,00€

Referência:9000
Autor:GALVÃO, Henrique
Título:O SOL DOS TRÓPICOS
Descrição:Tip. da Empresa do Anuário Comercial,Lisboa, 1936. in-8º de 322-(1) págs. br
Observações:Romance que deu origem a vários estudos recentes.
exemplo, Jeane de Cassia Nascimento Santos (UFS) na sua tese "ESPAÇO PORTUGUÊS, DESLOCAMENTOS " a dado momento escreve:

Assim, observamos, nos romances coloniaisO sol dos trópicos e O velo d’oiro ,de Henrique Galvão, a partida das personagens imbuídas da mística imperialista rumo a Angola, carregando em sua bagagem um sonho de riqueza impossível de ser realizado emPortugal, devido à crise econômica vivenciada peloslusitanos desde a Independência do Brasil.
Observamos em O sol dos trópicos que o espaço, antes amedrontador, inóspito também passa por mudanças provocadas pela personagem, ciente, com o passar do tempo, das possibilidades de interferir, com seus conhecimentos de europeu, naquela terra, mais tarde transformada em sua fazenda. Conseqüentemente teremos a valorização da selva,agora como o espaço grandioso e heróico do homem português, que sem nenhuma ferramenta ou qualquer outro tipo de ajuda tecnológica, consegue vencer as dificuldades deadaptação, habitando, construindo, vivendo.
Preço:35,00€

Referência:9828
Autor:GUILLOT, René
Título:KORO E OS HOMENS PANTERAS
Descrição:Empresa Nacional de Publicidade, 1969. In-8º de 186-(1) págs. Br. Ilustrado ao longo do texto com desenhos de Michel Jouin.Primeira edição.
Observações:Tradução de Luís Manuel Saudade e Silva.
Preço:16,00€
página 2 de 5